27 março 2017

"A CADA 28 HORAS, UM HOMOSSEXUAL MORRE DE FORMA VIOLENTA NO BRASIL" - VEREMOS SE É VERDADE

Resultado de imagem para homofobia existe

Prezados leitores,
a paz do Senhor.

A frase que leva o título da Matéria, foi encontrada no portal G1, que  trouxe uma Matéria do Fantástico levada ao ar no dia 19/06/2016. Segue link no final da Matéria.

Como bem sabemos, a Rede Globo é uma das maiores apoiadoras da causa LGBT em nosso país.
Com suas novelas tem influenciado milhares de pessoas a 'saírem do armário',  e levando milhares de outras a serem 'simpatizantes' da  causa gay.

Além das novelas com cunho homossexual, o jornalsimo da emissora também dramatiza muitíssimo quando o assunto é a homofobia.

É uma emissora tendenciosa e que consegue 'fazer a cabeça' de milhares de pessoas sobre qualquer assunto. A questão gay, não ficaria de fora, nem de seus programas matinais com o Mais Você que, tem a proposta de ser um programa voltado para o público feminino e para quem gosta da Culinária.
Mas, até aí, trata-se de defender a causa gay e apresentar entrevistas e 'reportagens' mostrando o 'terrível ataque aos homossexuais' no nosso Brasil.

Porém, a coisa não é como a Globo mostra ou quer fazer valer.

Vamos analisar, usando outro parâmetros, além da Rede Globo.

Vamos lá: Foi divulgado um Estudo que mostra um ranking das mortes no Brasil. Ele revela a insensatez ou a má fé da emissora citada e outras informações de outros veículos de comunicação que são pró á causa gay.

Veja a Tabela abaixo e depois consulte as fontes que estarão no fim dessa Matéria.

Relatório sobre assassinatos de LGBT’s (2011)
(apurado em divulgações na Mídia – fontes apresentadas)
A tabela apresenta os casos onde não há qualquer pista sobre a motivação do crime e/ou do criminoso (é mostrado como “desconhecido”), além dos diversos motivos encontrados nos crimes já solucionados, e indícios nos casos de crimes cuja investigação ainda está em andamento.
(clique na figura para ampliar. ‘Ctrl +’ para zoom)
(ver abaixo, convenções adotadas nesta tabela e as fontes dos dados)
Como se pode notar, há muitos crimes passionais, além de crimes envolvendo latrocínio, acerto de contas com o tráfico de drogas, e outros, sem qualquer relação com a orientação sexual das vítimas. São crimes que ocorrem com qualquer cidadão, muitos dos quais ocorrem em função da onda de violência que existe em nosso país, principalmente nas grandes cidades.
Isto de maneira nenhuma anula o fato de gays sofrerem agressões das mais variadas. O que chamamos a atenção nestes relatórios é para o fato dos assassinatos, na esmagadora maioria das vezes, ocorrerem pelos mesmos motivos que ocorrem com qualquer cidadão, e portanto, não podem ser utilizados por ativistas gays para declarar que todas as vítimas foram mortas “exclusivamente por serem gays”. Assim, não existe uma “onda de ódio” provocando assassinatos de gays no Brasil. Numa sociedade, as diferenças existem e podem conviver em paz se existir o respeito entre os cidadãos. Analisando os dados, nota-se que a maioria dos casos são crimes comuns, e não têm qualquer relação com a orientação sexual das vítimas.
A fim de mais uma vez evidenciar que os  diversos crimes não têm motivação na orientação sexual das vítimas,  também mostramos as porcentagens de crimes onde LGBT’s matam LGBT’s, pois, como são crimes comuns (motivação qualquer), pode-se dizer que são crimes onde um cidadão mata outro cidadão, sem qualquer necessidade de se identificar a orientação sexual dos envolvidos.

Veja o que Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia, afirmou em 2010:
Igrejas têm mãos sujas de sangue – sobre ataques a gays (17/11/2010)
"Prof.Luiz Mott, decano do Movimento Homossexual Brasileiro, denunciar diversos malfeitos do Pastor Malafaia, corifeu da homofobia no Brasil, apoiando o Ministério Público de São Paulo e Conselho Federal de Psicologia a investigarem e punirem exemplarmente esse mau cristão que por sua cruzada homofóbica tem as mãos sujas do sangue LGBT". 
Veja o vídeo abaixo.
Pelo que vemos nos dados,  muitos LGBT’s têm as mãos sujas de sangue  –  de LGBT’s  !!!
36% dos casos são LGBT’s que mataram LGBT’s
(Este número pode ser ainda maior, pois há casos cujos assassinos são desconhecidos, mas podem ser LGBT’s)
>  Dos casos com assassinos conhecidos, 70% são LGBT’s que mataram LGBT’s  <
(clique na figura para ampliar. ‘Ctrl +’ para zoom)
(veja a legenda da tabela logo abaixo)

(ver abaixo, convenções adotadas nesta tabela e as fontes dos dados)

Convenções da tabela:
– Desconhecido:pode ser queima de arquivo, latrocínio, crime de ódio, acerto de contas com o tráfico de drogas, travesti morto por cliente ou cliente que mata ‘profissional’ do sexo, cafetão, gay morto(a) por companheiro(a)/ex-companheiro(a), disputa por pontos de prostituição entre travestis e/ou garotos de programa, etc.
– O * indica um crime com motivo desconhecido mas com suspeita de ter sido cometido por um cliente do travesti  ou garoto de programa (ou seja, um cliente bi ou homossexual);
– Cliente/prostituição: quando foi apurado que um cliente (bi ou homossexual) matou o ‘profissional’ do sexo (travesti ou garoto de programa);
– Garoto de Programa: quando o garoto de programa/michê mata o cliente (bi ou homossexual); Isto está evidenciado na tabela em função dos diversos crimes onde garotos de programa são os criminosos. Alguns casos de latrocínio cometidos por garotos de programa também estão aqui contabilizados. Neste ano foram poucos os crimes conhecidos onde um travesti matou um cliente;
– Tráfico humano: mantenedores de redes de prostituição, “cafetão”, etc;
– Furto: quando o LGBT comete um furto, contra um cliente ou não, e é assassinado em função do mesmo, como retaliação (seria um caso específico de vingança, com motivação conhecida);
– Latrocínio: quando os criminosos matam uma pessoa a fim de roubá-la, sem relação com a orientação sexual da vítima, pois é um crime comum no Brasil, e assim, também ocorre com LGBT’s;
– Sexo casual: quando a vítima possui parceiros casuais, e num dos encontros, geralmente em sua casa, ocorre desentendimento, briga, ou por algum outro motivo  o encontro termina em assassinato;
– Ódio: específico para crimes onde a orientação sexual da vítima é o motivo; Ódio por orientação sexual;
– Tentativa de estupro: quando alguém tenta forçadamente manter relações sexuais com outra pessoa, isto pode ocasionar uma briga e terminar em morte;
– Familiar/parente: briga de família pelos mais variados motivos; briga por dinheiro, bens materiais, imóveis, etc;
– Companheiro(a): pessoa com quem mantém relacionamento, inclui também ex-companheiro(a), crime em função de relacionamento; passional; briga entre companheiros(as).

26 março 2017

CARTA ABERTA AOS PASTORES COVARDES

Resultado de imagem para pastoress covardes
Infames pastores covardes, meus pêsames!
A igreja evangélica brasileira encontra-se em terríveis apostasias devido a vocês, pastores covardes. Vocês têm se entregado ao mal, pois nunca pregam contra o aborto, o sexo antes do casamento, o divórcio, o casamento gay, o nudismo. Aliás, muitos de vocês fazem apologia ao divórcio e “consagram” amancebados. Na verdade, todos vocês estão na parte inferior de um amontoado de estercos.
Sempre falando de amor e unidade, vocês ignoram as advertências bíblicas sobre as falsas doutrinas. Dão muita importância aos direitos humanos e às coisas mundanas, sendo levianos com a Palavra de Deus. Os cultos de suas igrejas não estão centrados em Deus, mas no próprio homem e em seus desejos carnais. Nesse contexto, vocês acham aceitável abrir as portas para todo tipo de lixo, desde que esse lixo tenha apelo popular. Dentre os lixos estão a música rock, as coreografias, as campanhas de 7 dias, as alianças profanas, as danças, as vestimentas despudoradas, sem falar da “consagração-lixo” de mulheres a pastoras  e de homens a apóstolos. Enfim, vocês buscam agradar aos homens em vez de buscar agradar a Deus, por isso permitem todo tipo de palhaçada e indecoro em suas igrejas. Quando vocês estão no púlpito, chegam às raias do ridículo ungido a si próprio com óleo. Essa suposta unção tem o objetivo de impressionar o povo a fim de mantê-lo escravizado com as suas palavras lisonjeiras. O grave de tudo isso é que vocês se consideram santissimamente santos. Tão santissimamente santos que até a urina, o cuspe e o sêmen de vocês são considerados santos por vocês próprios e pelos seus bodes-capachos.

Todos vocês vivem nababescamente. Moram em uma mansão, andam de Hilux e seus filhos estudam no exterior. Tudo isso com as ofertas recebidas do seu rebanhão. Cumpre-se o que Jesus disse: “Vós tendes convertido a minha casa em covil de ladrões” (Mt 21:13). Mas, saibam de uma coisa, pastores covardes-ricos: 'É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que vocês entrarem no Reino de Deus'.
Mergulhados no ecumenismo, vocês quebram “barreiras” e se unem com homens perdidos que estão ligados às instituições religiosas que são cristãs apenas de nome. Deixe-me dizer-lhes algo que deve ser lembrado: Não pode haver unidade fora da sã doutrina. Precisamos adotar e manter uma barreira entre nós e aquele que pratica uma variedade de “cristianismo” que não existe na Bíblia. Disfarçado sob um estandarte da unidade e do amor o ecumenismo é um repúdio à doutrina bíblica da separação. Portanto, precisa ser rejeitado como falso.

Pastores covardes, vocês têm grande carisma por isso conseguem através de sua voz aveludada atrair multidões para suas igrejas. Por favor, abram seus olhos: A tarefa de um pastor é edificar, não atrair multidões. O verdadeiro pastor não é um contador de anedotas como vocês, mas exorta, chama o pecado pelo nome e não pede desculpas por adotar uma posição alinhada com a Palavra de Deus. É notório entre vocês o número de anéis em seus dedos, mas eu entendo a intenção: Repassar aos seus bodes a mensagem de que vocês são “doutores”. Não tenho qualquer prevenção contra os doutores. Os verdadeiros doutores existem. São homens de alto saber, mas de profunda humildade e completa submissão a Deus. Deles a obra de Deus precisa. O que é necessário é nos precavermos em relação aos “doutores do nada”. Os inimigos da fé. Os de aparente piedade, mas perigosos à fé. Tão perigosos como a cobra de Malta (Atos 28:1 – 10). Na verdade, vocês pastores covardes, são os atuais doutores da descrença. Conduzem seus ouvintes a superstições através dos chavões mágicos “Rompendo em fé” e “Tome posse da bênção”. Além disso, oram por fotografias e objetos.
O principal objetivo de vocês não é a pureza de doutrina, mas sim o crescimento exterior da igreja. Desse modo, vocês perderam a real visão do que é ser igreja. Muitos de vocês acham que a função da igreja é preparar os jovens para a política desse mundo. Quanta cegueira! Vocês estão esquecidos que Paulo sofreu como um “embaixador em cadeias”? Por três vezes ele valeu-se deliberadamente de seus privilégios de cidadão romano, porém nunca o encontramos incentivando participação política. Os crentes da igreja primitiva sem vínculo algum com a política da época contagiaram os de fora exalando o perfume de Cristo e refletindo o seu caráter. Uma das atitudes de Jesus foi sua imparcialidade política. Ele Se recusou a tomar posição a respeito da questão política porque o Reino do Céu não é organizado como reino político (Mat 22: 20, 21).

Pastores covardes, réprobos, avarentos, fraudulentos, blasfemadores, profanos; vocês que entraram pelo caminho de Caim e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão; saibam: É coisa muito séria diante de Deus prejudicar, por meio do liberalismo, do mundanismo e da contemporização doutrinária, o povo que Jesus resgatou com Seu sangue.

Mais uma vez, pastores covardes, meus pêsames! Todos vocês padecerão no inferno, pois está escrito: “Quanto aos covardes e mentirosos a parte que lhes cabe será o fogo eterno”. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo(Hb 10:31).

Marcos Pinheiro

25 março 2017

MENTIRAS A RESPEITO DO DESTRUIDOR PECADO

Resultado de imagem para mentiras santas

Primeira mentira: O pecado pode trazer realização 
Não existe um pecado que não seja influenciado por essa racionalização. Pensamos que o pecado nos torna mais felizes. Mas, na realidade, o pecado é a causa principal de toda a miséria e infelicidade, tanto nesta vida como na vida por vir. Morte, doença, desavenças, guerra, fome, vício (de qualquer espécie), famílias desmanteladas, ódio, dor, sofrimento e uma miríade de outros males, tudo isso encontra a sua origem no pecado. Não havia nenhuma dessas coisas antes que o pecado tivesse entrado no mundo, e quando os céus e a terra forem recriados em justiça, também lá não estarão (Ap 21.2-4).
O pecado contradiz diretamente o propósito para o qual nós fomos criados, e jamais seremos felizes num tal estado. Bem no âmago da nossa humanidade, Deus nos fez com o desejo de buscá-Lo (At 17.24-28), de aprender os Seus mandamentos (Sl 119.73) e de servi-Lo com alegria (Sl 100.1-3). A Escritura mostra com muita clareza que a alegria e a satisfação vêm somente do Senhor (Sl 16.11). Nunca seremos verdadeiramente felizes até que realizemos o propósito de Deus para as nossas vidas.
Isso deveria ser evidente, já que Deus é a fonte de todas as bênçãos, tanto naturais quanto espirituais. Como o doador é maior do que o dom, é razoável supor que a nossa alegria em Deus deveria ser maior do que a nossa alegria pelos dons. É uma afronta a Deus encontrar maior satisfação nos Seus dons do que nEle próprio. Fazendo isso, estamos trocando o Criador pela criatura.
É muito importante lembrarmos que o pecado pode oferecer somente prazer temporário (Hb11.25). A satisfação do pecado não só não dura, como também sempre acaba em miséria maior ainda (1 Jo 2.17). Portanto, a questão verdadeira é: queremos prazer temporário ou alegria duradoura?
Segunda mentira: O pecado é facilmente derrotado
Uma das coisas em que o diabo quer que acreditemos, a fim de que a nossa vigilância diminua, é que o pecado não é um inimigo perigoso. Mas a Bíblia nos ensina que o pecado é tão poderoso que, a menos que o poder sobrenatural de Deus intervenha, nós nos tornamos seus escravos e permanecemos sob a escravidão das suas ordens (Jo 8.34). Embora nascidos de novo, a depravação é uma força poderosa dentro de nós, como testemunha o apóstolo a respeito da sua própria experiência (Rm 7.14-25).
O que complica o assunto é que o pecado é enganoso (Hb 3.13); nem sempre aparenta ser mau. O escritor de Hebreus faz referência ao pecado “que tenazmente nos assedia” (Hb12.1). Por essa razão, a Bíblia nos ordena a tomarmos muito cuidado com o pecado e a lutarmos com força contra ele. Paulo disse que esmurrava o seu corpo e o mantinha sob controle a fim de não ser reprovado (1 Co 9.24-27). Em outro lugar, comparou a vida cristã a uma batalha (2 Tm 2.3). Para derrotar o pecado, precisamos estar armados para a guerra (Ef 6.10-20). John Owen deu o seguinte conselho sábio: “Mate o pecado ou o pecado matará você… Não existe um dia sequer em que o pecado não derrote se não for derrotado, e não prevaleça se não for subjugado; e assim será enquanto vivermos neste mundo.”
Terceira mentira: Você pode lidar com o pecado sem recorrer a Cristo
O perigo desta mentira é que ela leva à frustração e ao desespero. Infelizmente, muitas pessoas que aceitam esta mentira descobrem que não podem competir em condições de igualdade com a depravação que existe dentro delas e, por isso, desesperançadas, desistem de lutar contra o pecado.
Quando o evangelho é apresentado no Novo Testamento, o foco é sempre na obra de Cristo e na paz com Deus que encontramos nele (2 Co 5.17-21). A Bíblia exorta as pessoas a primeiro abraçarem a Cristo e, só depois disso, a buscarem a santidade. O evangelho não é um simples apelo a um viver moral e, sim, a uma transformação sobrenatural. Ninguém é capaz de vencer o pecado separado de Cristo e do Espírito Santo (Rm 8.13). Deus não é honrado quando tentamos remediar a nossa situação pecaminosa sem a sua graça, por isso é inimaginável supor que Deus irá abençoar um sistema de justiça produzido pelo próprio homem.
Quarta mentira: É impossível atingir os padrões de Deus
É uma tendência humana culpar as circunstâncias ou as outras pessoas pelos nossos escorregões no pecado. Preferimos pensar que, diante das circunstâncias, seria impossível deixar de pecar. Queremos pensar dessa maneira porque alivia as nossas consciências e nos isenta de responsabilidade quando pecamos. Afinal de contas, como Deus pode nos responsabilizar por aquilo que é impossível?
Há um sentido em que a santidade de Deus, de fato, representa um padrão impossível para a humanidade pecadora. Quando os discípulos ouviram Jesus explicar o custo do discipulado para o jovem rico, perguntaram: “Então, quem pode ser salvo?” (Lc 18.26). Jesus respondeu: “O que é impossível para os homens é possível para Deus” (v.27). Portanto, é um erro fundamental desculpar-se do comportamento pecaminoso, já que Deus prometeu graça para obedecer a quem o busca pela fé.
Não existe pecado que não possamos vencer nem tentação que não possamos resistir pela graça (1 Co 10.13; 2 Co 12.9; Fp 4.13). Deus quebra o poder do pecado na nossa conversão. Este é o ponto focal de Paulo no sexto capítulo de Romanos: estamos mortos para o pecado; portanto não precisamos viver nele (vv.1-2). A graça de Jesus remove a carga pesada da obrigação de guardar os mandamentos de Deus (1 Jo 5.3).
Quinta mentira: Você não precisa tratar com o pecado imediatamente
Procrastinação é um pecado do qual todos nós somos culpados e a respeito do qual temos costume de brincar. Mas a demora nas coisas espirituais pode ser fatal. A Bíblia nos diz que “agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação” (2 Co 6.2). E o escritor de Hebreus, citando o Salmo 95, exorta-nos a ouvir hoje a voz de Deus (Hb 3.7,13,15).
Por que isso se torna tão necessário? Primeiro, quanto mais o pecado permanece em nós sem que haja arrependimento, mais difícil será nossa mudança, devido à força do hábito. Quanto mais acalentamos um desejo pecaminoso ou uma atitude errada, mais o pecado ficará entranhado na nossa natureza. Será menos e menos notado. Terá um lugar mais permanente nas nossas afeições. A nossa resistência a ele irá se tornando cada vez mais fraca.
Segundo, é necessário porque a conseqüência maligna do pecado começa a fazer efeito no momento em que consegue entrada na alma. Foi somente um leve toque na arca que matou Uzá, e é somente uma simples brincadeira com o pecado que pode matar a alegria espiritual e os frutos nas nossas vidas.
Sexta mentira: Posso pecar sem sofrer conseqüências
“Se eu pecar, nada de mal vai realmente me acontecer.” Não pensamos assim, às vezes, especialmente se o pecado é “pequeno”? É espantoso observar os multiformes enganos do diabo neste assunto. Por um lado, ele convence as pessoas de que não existe um verdadeiro inferno e que, portanto, não faz mal pecar. Por outro lado, para aqueles que acreditam no inferno, ele os convence de que não há perigo, no caso deles, de irem para lá! Mas sempre há conseqüências para o pecado, porque Deus é um Deus de justiça que odeia o pecado.
Em Êxodo 34.7, Deus testificou que de nenhuma maneira livrará o culpado. Se não precisasse existir qualquer conseqüência do pecado, Jesus nunca teria morrido numa cruz pelos pecadores. Ele mesmo o declarou, quando clamou: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice” (Mt 26.39). E, realmente, não era possível, porque a fim de que Deus fosse justo e justificador dos ímpios, foi preciso punir os seus pecados na pessoa de Jesus (Rm 3.25-26).
Jesus não é a única testemunha das conseqüências do pecado; também o são todas as multidões que estão no inferno, sofrendo a vingança do fogo eterno (ver Mt 10.28; 25.46; 2 Ts 1.8-9; Jd 6-7).
“Mas se eu sou redimido por Cristo”, alguém poderia perguntar, “como é que posso ser punido pelos meus pecados?” Se cremos em Jesus, não somos propriamente punidos pelos nossos pecados; pelo contrário, nosso Pai nos disciplina misericordiosamente a fim de que sejamos participantes da sua santidade (Hb12.5-11). Deus ama demais a santidade para permitir que os seus próprios filhos venham a chafurdar no pecado. Portanto, disciplina pelo pecado é a marca registrada do amor de Deus pelos seus filhos, e deve ser esperada sempre que pecarmos (Sl 119.67,71; Tg 5.14-15). Na verdade, se não somos disciplinados, não somos filhos de Deus.
Fazemos bem em lembrar que o mero fato de tais castigos não serem eternos não significa que as conseqüências do pecado sejam indolores para os crentes. Às vezes, até um redimido tem de viver com as conseqüências de um pecado seu pelo resto da sua vida (observe o que o Rei Davi teve de suportar por causa do seu pecado com Bate-Seba). Isso já é razão suficiente para não pecar. O nosso Pai não somente tem uma equipe para afastar os nossos inimigos, mas também uma vara para corrigir os nossos erros. Sejamos gratos a ele por isso, porque é para o nosso bem.
Sétima mentira: Deus não vai me julgar, porque todo o mundo faz o mesmo
O diabo, às vezes, engana-nos fazendo-nos adotar uma mentalidade de grupo que justifica certos pecados porque a maioria das pessoas os considera comportamento normal. Entretanto, devemos sentir medo quando estamos seguindo a maioria. O cristianismo, pela sua própria natureza, é uma religião de contracultura. Seguir a Cristo é como nadar contra a correnteza. Jesus disse: “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela” (Mt 7.13-14).
Uma vez, eu li um pequeno panfleto com uma história imaginária de uma pessoa diante de Deus, desculpando-se de seus erros com o argumento de que todo o mundo vivia da mesma maneira. Deus, então, respondeu: “Bem, se você pecou com a maioria, você pode ir para o inferno com a maioria”. É essa resposta que podemos esperar se pautarmos a nossa vida por semelhante filosofia destrutiva.
Oitava mentira: Deus não vai me julgar, porque não sou tão mau quanto os outros
Se não racionalizarmos o nosso pecado por incluir-nos na multidão, o diabo vai tentar nos levar a racionalizá-lo excluindo-nos da multidão. Essa atitude era a essência do farisaísmo, e é sempre uma ilusão fatal.
Talvez exista um pecado na sua vida que Deus queira trazer à luz, mas você vem resistindo à convicção do Espírito, argumentando que não é uma pessoa tão má em relação às outras. Mas esse é um pensamento ilusório e contrário às Escrituras. Em primeiro lugar, deixa de levar em conta que Deus não somente estabelece o padrão; ele é o padrão. “Sejam santos, porque eu sou santo” (1 Pe 1.16). A questão não é como nos comparamos com outras pessoas e, sim, como nos comparamos com Deus.
Segundo, deixa de levar em conta o fato de que Deus não fica satisfeito com obediência incompleta. Deus quer tudo dos nossos corações, tudo das nossas vidas e o mínimo possível de pecado. Quando tentamos estabelecer meios compromissos com Deus, estamos roubando de nós mesmos tremendas bênçãos espirituais. D.L.Moody, certa vez, ouviu um homem dizer: “O mundo ainda não viu o que Deus pode fazer com, em e através de um homem cujo coração esteja totalmente devotado a ele.” Mas o homem estava errado. O mundo já tinha visto homens tais como Calvino, George Whitefield, Jonathan Edwards, McCheyne e Spurgeon. É somente quando estivermos dispostos a nos consagrar como esses homens fizeram que sentiremos o mesmo gosto do seu sucesso. Mas nunca o experimentaremos enquanto nos satisfizermos a nós mesmos, avaliando-nos pela comparação com os outros.
Nona mentira: Deus vai perdoar você, por isso vá em frente e peque
A Bíblia fala de homens que se insinuaram na igreja, inspirados por Satanás, para espalhar esta doutrina demoníaca. Paulo faz referência a esses homens que dizem: “Façamos o mal, para que nos venha o bem” – e depois acrescenta: “a condenação dos tais é merecida” (Rm 3.8). Judas nos adverte contra aqueles que transformam a graça de Deus em libertinagem (Jd 4). A Bíblia torna bem claro que é impossível desfrutar o perdão e continuar vivendo no pecado.
Paulo ainda escreveu em Romanos 6.1-2: “Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?” É impossível porque sempre que Deus perdoa um homem, ele também transforma a sua natureza. A graça muda de tal forma a pessoa que esta não vai mais querer viver em pecado!
Quando uma pessoa é dominada pelo desejo de fartar-se do pecado é uma indicação de que ela nunca nasceu de novo. Um dia, conta-se, Spurgeon e um outro homem estavam caminhando numa rua e passaram por um bêbado deitado na sarjeta. Disse o homem: “Ué, Sr. Spurgeon, eis aí um dos seus convertidos!” “Deve ser mesmo um dos meus”, replicou Spurgeon, “porque de Deus com certeza não é!”
Décima mentira:  Deus nunca vai perdoar você, por Isso vá em frente e peque
Mais uma vez, vemos quão versátil é Satanás nos seus enganos. Ele sabe que precisa preparar uma mentira apropriada para cada tipo de pessoa. Para aquele que é inclinado ao desespero, o diabo espera por oportunidades de assoprar nos seus ouvidos que todas as tentativas de uma recuperação posterior serão inúteis porque ele já foi longe demais. Tentará convencê-lo que cometeu o pecado imperdoável, que agora pode muito bem se entregar totalmente ao pecado porque de todo jeito já está indo para o inferno.
A verdade é que Cristo perdoará todo aquele que vem a ele. “Todo aquele que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei” (Jo 6.37). Isso foi verdade quando nosso Senhor falou estas palavras e ainda é verdade agora. Não permita que o diabo amplie a sua condenação tentando-o a se abandonar totalmente ao pecado e ao desespero. As misericórdias do Senhor duram para sempre. A porta da graça está aberta para todos aqueles que se aproximam através de Jesus.
Conclusão
Como é que podemos derrotar as mentiras do diabo? Somente pela Palavra de Deus. É a verdade que nos dá base sólida e que não permite que sejamos levados por qualquer vento de doutrina. É a verdade que santifica. É a verdade que é a mola-mestra do crescimento à maturidade em Cristo. É a chave para derrotar o diabo.
Leitura da Bíblia, meditação e memorização da Bíblia, e encarnação da Bíblia – experimentando as suas verdades nas nossas vidas – são para sempre as únicas ferramentas disponíveis ao povo de Deus para sobrepujar o inimigo. Como em todas as coisas, Jesus é o nosso modelo para lidar com as mentiras do diabo. Quando tentado por Satanás no deserto, ele citou as Escrituras em resposta a cada mentira (Mt 4.1-10). “Está escrito” deve ser a nossa senha tanto quanto foi a dele.
Extraído de “Heartcry”, uma publicação de Life Action Ministries (www.LifeAction.org)

24 março 2017

DEPUTADO FEDERAL CHAMA MICKEY DE HOMOSSEXUAL E ACUSA DISNEY DE PROMOVER O 'GAYISMO'

Resultado de imagem para Victório Galli
Para o parlamentar, o personagem é homossexual por 'enrolar' Minnie por 80 anos e nunca pedi-la em casamento

Em uma entrevista à Rádio Capital, de Cuiabá (MT), na última quinta-feira, 9, o deputado federal Victório Galli (PSC-MT) chamou o símbolo da Disney, Mickey Mouse, de homossexual e acusou a empresa de fazer apologia ao “gayismo”.

“Em relação a essa situação do Mickey e da Disney, a gente vê que, em todas as suas atuações, eles fazem apologia ao ‘homossexualismo’. Inclusive o Mickey, se você fizer um estudo profundo como eu já fiz, ele é homossexual. As pessoas estão enganadas com essa mensagem subliminar que a Disney está passando para a sociedade, principalmente às nossas crianças”, falou em entrevista o também professor e pastor evangélico.

Na última segunda-feira dia 6, o deputado compartilhou em uma página de rede social uma ilustração em que Jesus Cristo aparece “protegendo” o personagem da Disney.

Na ilustração, feita pelo “Desenhista que Pensa”, página de ilustradores que se identificam com o pensamento de direita, Jesus pede que o rato mais famoso do mundo não mexa com seus “pequeninos”.

Ao ser questionado sobre o fato de o Mickey namorar a Minnie, o deputado comentou que o relacionamento entre os dois era de fachada. “Isso é o que eles fazem para enganar as pessoas. O objetivo é destruir famílias”, disse. E continuou: “O próprio nome dele em relação aos exemplos que fazem, as cores, assim por diante, você vê uma mensagem subliminar que ele está fazendo uma apologia e apoiando a questão gay.” Para o deputado, Mickey é homossexual por 'enrolar' Minnie por 80 anos e nunca pedi-la em casamento.

Caso você queira ouvir na íntegra a entrevista, use o link abaixo:


www.opovo.com.br/noticias/brasil/2017/03

23 março 2017

CGADB: STJ NEGA PEDIDO DE SUSPENSÃO DAS LIMINARES EM DESFAVOR DO PASTOR WELLINGTON JÚNIOR


O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Antônio Carlos Ferreira, indeferiu pedido de liminar na Ação Incidental de Conflito de Competência, ajuizada pela Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil(CGADB). O ato foi publicado nesta sexta-feira, 17.

Imagem redimensionada
A CGADB, presidida pelo pastor José Wellington Bezerra da Costa, ingressou com Ação Incidental de Conflito de Competência nº 151.295 – RJ (2017/0051770-3) junto ao STJ, requerendo em caráter de urgência a suspensão das 7 (sete) liminares que foram deferidas em diversos Estados Brasileiros em desfavor da CGADB, entre elas, a que declarou nulo o registro de candidatura do pastor José Wellington Júnior à presidência da CGADB, proferida na comarca de Corumbá-GO.

Na ação, a CGADB alega que a Comarca do Rio de Janeiro, RJ, seria a única competente à apreciação das ações que tenham estes fatos como fundamento ou identidade de pedido de pretensão resistida, em razão da CGADB ter a sua sede social sob jurisdição do Fórum Regional de Madureira, Comarca da Capital do Rio de Janeiro. Isso porque, segundo a instituição autora, “já protocolaram cerca de 14 (quatorze) ações em diferentes estados e regiões do País, todas buscando o mesmo objetivo: impedir a candidatura do Sr. JOSE WELLINGTON DA COSTA JUNIOR“. Ao final, a CGADB requereu liminarmente a suspensão das demandas ajuizadas e, no mérito, a declaração da competência do JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORUM REGIONAL DE MADUREIRA – RJ.

Entretanto, o Superior Tribunal de Justiça entendeu que a liminar não deve ser concedida.

O Ministro Antônio Carlos Ferreira afirmou que, segundo a jurisprudência do STJ, “para a configuração do conflito de competência, devem constar dos autos decisões judiciais que demonstrem a discordância entre os órgãos jurisdicionais sobre a competência para determinada causa“. Porém, no caso em análise, o Ministro observou que até o momento, nas ações ajuizadas nos diversos estados, inexiste ato decisório com declaração de competência ou incompetência dos juízos suscitados, e que por essa razão não restou configurado o conflito. 

“Em face do exposto, INDEFIRO A LIMINAR“, concluiu o Ministro, mantendo inalteradas, portanto, todas as liminares proferidas até o momento.

Ao final, o Ministro determinou, nos termos do art. 953, parágrafo único, CPC/2015, "...que a CGADB apresente cópias das petições iniciais, das contestações, das decisões proferidas nos autos e dos andamentos processuais de todos os processos citados pela CGADB, para dar andamento à referida ação de conflito de competência".

ANÁLISE JURÍDICA

Para a advogada Luciane Costa, em entrevista ao JM NOTÍCIA, “diante dessa decisão do STJ, as liminares proferidas nos diversos estados continuam válidas até que sejam derrubadas por meio recursos”. Sobre a Ação Incidental de Conflito de Competência ela afirma que “Existem dois tipos de conflito de competência: o conflito positivo, quando dois ou mais magistrados se declaram competentes para julgar a causa; e o negativo, quando dois ou mais juízos declinam, afirmando que não possuem competência para julgar a demanda. No presente caso, até o momento não houve nenhum conflito ou discordância entre os juízes das diversas comarcas quanto à competência para julgar a demanda, razão pela qual o STJ indeferiu a liminar”. 

“Portanto, numa análise técnico-jurídica, o ato de registro da candidatura do pastor José Wellington Júnior à presidência da CGADB continua nulo, devendo ser excluído das urnas de votação por força da determinação contida na liminar proferida pelo juiz de Direito da Comarca de Corumbá-GO, Levine Raja Gabaglia Artiaga, nos autos do Processo nº 201700276250, restando apenas os demais candidatos no pleito eleitoral”, concluiu Luciane Costa, que fez uma análise geral das decisões judiciais apresentadas pelo JM NOTÍCIA.

CONFIRA A DECISÃO NA ÍNTEGRA:

                                     Superior Tribunal de Justiça

 CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 151.295 - RJ (2017/0051770-3) 

RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA
SUSCITANTE : CONVENCAO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL

ADVOGADOS : ARTHUR CARLOS LESSA FILHO - ES006665 
ABIEZER APOLINARIO DA SILVA - RJ000838 
RICARDO PEREIRA GOIS - BA021456 
JORGE HÉLIO CHAVES DE OLIVEIRA - DF049073 
DÁFNIS GOMES DA SILVA - RJ201074 
PAULO RODRIGUES DE MORAIS E OUTRO(S) - SP157961 
SUSCITADO : JUÍZO DE DIREITO DA 1A VARA CÍVEL DE MADUREIRA - RJ SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA 16A VARA CIVEL DE MANAUS - AM SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA UNICA DE JURUA - AM 
SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA UNICA DE CAUARI - AM 
SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA DE CAREIRO CASTANHO - AM SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA DE SANTO ANTONIO DO IÇA - AM SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA 5A VARA CIVEL E DE FAZENDA DE AMAPÁ - AP. 
SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA CIVEL FAMILIA SUCESSOES E JUVENTUDE DE CORUMBA - GO 
SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA UNICA DE CURUÇA - PA 
SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA UNICA DE PEIXE BOI - PA SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA UNICA DE MARAPANIM - PA SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA 2A VARA CIVEL DE SAQUAREMA - RJ SUSCITADO : JUIZO DE DIREITO DA 13A VARA CIVEL DE SÃO PAULO - SP 

NTERES. : JONATAS CAMARA 
ADVOGADO : VALSUI CLÁUDIO MARTINS - AM002905 
INTERES. : COVES DA ROCHA FREITAS 
INTERES. : CAIO VALENÇA MELO 
INTERES. : ROBERTO DE SOUZA SILVA 
INTERES. : EDSON MAIA DOS SANTOS 
INTERES. : GESIEL DE SOUZA OLIVEIRA 
ADVOGADO : NICOLAU TORK RODRIGUES - AP000632 
INTERES. : EFRAIM SOARES DE MOURA 
ADVOGADO : SANDRO FERREIRA LOPES REZENDE - GO043893 
INTERES. : ADNILTON COSTA PEREIRA 
INTERES. : JOAO ALVES GOMES 
INTERES. : ANTONIO MARIA AZEVEDO DOS REMEDIOS 
INTERES. : ANTONIO MANOEL GOMES DOS SANTOS 
INTERES. : ISAMAR PESSOA RAMALHO 
ADVOGADO : SORAYA RIBAS SAMPAIO BARROS - RJ146178 
INTERES. : SAMUEL RODRIGUES 

DECISÃO

 Trata-se de conflito positivo de competência, em que é suscitante CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS NO BRASIL e suscitados, os JUÍZOS DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DE MADUREIRA – RJ, 16ª VARA CÍVEL DE MANAUS – AM, VARA ÚNICA DE JURUA – AM, VARA ÚNICA DE CAUARI – AM, VARA GMACF 18 CC 151295 C542461155128320449029@ C0=4119218902311@ 2017/0051770-3 Documento Página 1 de 3 (e-STJ Fl.176) Documento eletrônico VDA16196354 assinado eletronicamente nos termos do Art.1º §2º inciso III da Lei 11.419/2006 Signatário(a): MINISTRO Antonio Carlos Ferreira Assinado em: 17/03/2017 12:47:38 Publicação no DJe/STJ nº 2166 de 20/03/2017 (Aguardando confirmação da publicação). Código de Controle do Documento: E6EB03A7-5A25-4BDA-85B2-3823228C3F7F Superior Tribunal de Justiça DE CAREIRO CASTANHO – AM, VARA DE SANTO ANTONIO DO IÇA – AM, 5ª VARA CÍVEL E DA FAZENDA DE AMAPÁ – AP, 1ª VARA CÍVEL, FAMÍLIA, SUCESSÕES E JUVENTUDE DE CORUMBA – GO, VARA ÚNICA DE CURUAÇA – PA, VARA ÚNICA DE PEIXE BOI – PA, VARA ÚNICA DE MARAPANIM – PA, 2ª VARA DE SAQUAREMA – RJ e o JUÍZO DA 13ª VARA DE SÃO PAULO – SP. 

                                           A suscitante informa que, no dia 9 de abril de 2017, ocorrerá a eleição dos membros da Mesa Diretora e do Conselho Fiscal. Destaca que "já protocolaram cerca de 14 (quatorze) ações em diferentes estados e regiões do País, todas buscando o mesmo objetivo: impedir a candidatura do Sr. JOSE WELLINGTON DA COSTA JUNIOR" (e-STJ fl. 2).  

                                     Sustenta que (e-STJ fls. 2/3): (...) o contexto motivador do presente conflito de competência, que deverá ensejar, em respeito às regras de competência previstas em nosso ordenamento, a decretação da 1ª. Vara Cível do Fórum Regional de Madureira, Comarca do Rio de Janeiro, RJ, Processo nº 0004747-71.2017.8.19.0202, como a única competente à apreciação das ações que tenham estes fatos como fundamento ou identidade de pedido de pretensão resistida, em razão da CGADB ter a sua sede social sob jurisdição do Fórum Regional de Madureira, Comarca da Capital do Rio de Janeiro.  

                                             Requer liminarmente a suspensão das demandas ajuizadas e, no mérito, a declaração da competência do JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORUM REGIONAL DE MADUREIRA – RJ. 

                                              É o relatório. 
                                              Decido. 
                                              A liminar não deve ser concedida. 

                                A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça reconhece que, para a configuração do conflito de competência, devem constar dos autos decisões judiciais que demonstrem a discordância entre os órgãos jurisdicionais sobre a competência para determinada causa. Nesse sentido: 

                                       AGRAVO REGIMENTAL. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. RECUPERAÇÃO JUDICIAL. AUSÊNCIA DE DEFERIMENTO DO PEDIDO. INEXISTÊNCIA DE DECISÕES ORIUNDAS DOS JUÍZOS SUSCITADOS QUE DEMONSTREM EXISTÊNCIA DE CONFLITO. 
                                        (...) 
                                    2. Outrossim, não há nos autos do incidente em análise decisão oriunda dos juízos suscitados capaz de demonstrar a configuração do conflito de competência. 3. Agravo regimental não provido. (AgRg no CC n. 122.485/MG, Relator Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 13/6/2012, DJe 18/6/2012.) 

                                  AGRAVO REGIMENTAL NO CONFLITO DE COMPETÊNCIA. AUSÊNCIA DE MANIFESTAÇÃO EXPRESSA DE DOIS OU MAIS JUÍZOS ACERCA DE SUA COMPETÊNCIA OU DE SUA INCOMPETÊNCIA. ART. 115 DO CPC. DECISÕES PROFERIDAS NO CURSO DE AÇÕES DISTINTAS, SEM IDENTIDADE NEM MESMO QUANTO À CAUSA DE PEDIR. NÃO-CONFIGURAÇÃO DE CONFLITO. IMPOSSIBILIDADE DE SUA UTILIZAÇÃO COMO SUCEDÂNEO RECURSAL. GMACF 18 CC 151295 C542461155128320449029@ C0=4119218902311@ 2017/0051770-3 Documento Página 2 de 3 (e-STJ Fl.177) Documento eletrônico VDA16196354 assinado eletronicamente nos termos do Art.1º §2º inciso III da Lei 11.419/2006 Signatário(a): MINISTRO Antonio Carlos Ferreira Assinado em: 17/03/2017 12:47:38 Publicação no DJe/STJ nº 2166 de 20/03/2017 (Aguardando confirmação da publicação). Código de Controle do Documento: E6EB03A7-5A25-4BDA-85B2-3823228C3F7F Superior Tribunal de Justiça (AgRg no CC n. 111.016/TO, Relator Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 9/2/2011, DJe 15/2/2011.) CONFLITO DE COMPETÊNCIA. AUSÊNCIA DE DECISÕES CONFLITANTES. 1 - O conflito de competência caracteriza-se pela manifestação de, no mínimo, dois órgãos jurisdicionais que se considerem competentes ou incompetentes para julgar a mesma demanda. 2 - No caso em tela, esta circunstância não está configurada. Após decisões de diferentes juízos acerca da competência, o Juízo Federal da 2ª Vara Cível da Seção Judiciária do Estado de São Paulo profere decisão reconhecendo sua competência para processar e julgar o feito, não havendo, portanto, qualquer controvérsia a ser dirimida. 3 - Conflito de competência não conhecido. (CC n. 96.280/SP, Relator Ministro FERNANDO GONÇALVES, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 27/8/2008, DJe 4/9/2008.) 

                             Entretanto, nos autos, até o momento, inexiste ato decisório com declaração de competência ou incompetência dos juízos suscitados. Logo, numa análise perfunctória, não ficou configurado o conflito.
                                     Em tais circunstâncias, conclui-se não estar presente o fumus boni iuris necessário à concessão da medida de urgência. 

                                     Em face do exposto, INDEFIRO A LIMINAR. 

                         Determino, nos termos do art. 953, parágrafo único, CPC/2015, que a suscitante apresente cópias das petições iniciais, das contestações, das decisões proferidas nos autos e dos andamentos processuais de todos os processos citados pela Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil como integrantes deste conflito de competência. 

                                  Oficie-se aos Juízos suscitados com urgência, solicitando informações. 

                               Após, abra-se vista à Subprocuradoria-Geral da República, para parecer. 

                            Publique-se e intimem-se. 

                           Brasília-DF, 15 de março de 2017. 

                    Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA
 Relator 


GMACF 18 CC 151295 C542461155128320449029@ C0=4119218902311@ 2017/0051770-3 Documento Página 3 de 3 (e-STJ Fl.178) 
Documento eletrônico VDA16196354 assinado eletronicamente nos termos do Art.1º §2º inciso III da Lei 11.419/2006 Signatário(a): MINISTRO Antonio Carlos Ferreira Assinado em: 17/03/2017 12:47:38 
Publicação no DJe/STJ nº 2166 de 20/03/2017 (Aguardando confirmação da publicação). 
Código de Controle do Documento: E6EB03A7-5A25-4BDA-85B2-3823228C3F7F

Fontes: JM Notícia e cpadnews

Nota do Editor:

Diante de tal decisão, uma vez mais, a CGADB(Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil), foi derrotada.
Com isso, o Pr. Wellington Júnior, não poderá concorrer á Presidência da CGADB, que terá sua eleição para Presidente da mesma no dia 09/04/2017.

Para a família Bezerra da Costa é de fato, uma derrota. Não será possível até essa data, que haja continuidade de poder da família na Convenção.

Que o Senhor Jesus, Dono e Senhor da igreja, conduza tudo, para que Sua vontade seja feita a bem de todos assembleianos ligados á essa Convenção.

Viva vencendo, sempre esperando que a resposta do Senhor virá!!

Abraços.

Seu irmão menor.