28 janeiro 2015

LIÇÃO 5: - 01/02/15 - "NÃO TOMARÁS O NOME DO SENHOR EM VÃO"

TEXTO ÁUREO:

 "Nem jurareis falso pelo meu nome, pois profanaríeis o nome do vosso Deus. Eu sou o SENHOR."
(Lv 19.12)

VERDADE PRÁTICA:

O terceiro mandamento proíbe o juramento indiscriminado e leviano, pois o voto é um tipo de compromisso que deve ser reservado para uma solenidade excepcional e incomum.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE:

 Êxodo 20.7; Mateus 5.33-37; 23.16-19

INTRODUÇÃO

3. O terceiro mandamento. “Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão” (Êx 20.7). O nome de Deus representa Ele mesmo; sua divina natureza; seu infinito poder e seu santo caráter. Este mandamento, portanto, diz respeito à santidade do Senhor. Tomar o nome do Todo-Poderoso em vão é mencioná-lo de modo banal, profano, secular e irreverente.

Tomar o nome do SENHOR, teu Deus, em vão é “recorrer ao irrealismo, ou seja servir-se do nome de Deus para apelar ao que não é expressão do caráter divino”. Tal uso profano do nome de Deus ocorre no perjúrio, na prática da magia e na invocação dos mortos. A proibição é contra o falso juramento e também inclui juramentos levianos e a blasfêmia tão comum em nossos dias. “Este mandamento não obsta o uso do nome de Deus em juramentos verdadeiros e solenes.” Deus odeia a desonestidade, e é pecado sério alguém usar o nome divino para encobrir um coração mau, ou para se fazer melhor do que se é.

A pessoa que procura disfarçar uma vida pecaminosa, ao mesmo tempo em que professa o nome de Cristo, quebra este terceiro mandamento. Tais indivíduos são culpados diante de Deus e só recebem misericórdia depois de se arrependerem. Os justos veneram o nome de Deus por ser santo e sagrado. (Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 190). Alan Cole afirma que “No judaísmo mais recente, esta proibição envolvia qualquer uso impensado e irreverente do nome YHWH. Este só era pronunciado uma vez por ano, pelo sumo-sacerdote, ao abençoar o povo no grande Dia da Expiação (Lv 23:27). Em sua forma original, o mandamento parece ter-se referido a jurar falsamente pelo nome de YHWH (Lv 19:12). Este parece ser o verdadeiro sentido do texto hebraico.

A lei permitia abençoar e amaldiçoar em nome de YHWH (Dt 11:26): isso equivalia virtualmente a proclamar Sua vontade e Seu propósito para com várias classes de indivíduos. Jurar pelo Seu nome era, então, permitido, embora fosse proibido por Cristo, séculos mais tarde (Mt 5.34). Na verdade, jurar pelo Seu nome (e não pelo de qualquer outro deus) era um sinal de que tal pessoa era um adorador de YHWH (Jr 4.2), e por isso era algo digno de louvor.

Uma razão mais profunda para tal proibição pode ser vista no fato de que Deus era a única realidade viva para a mentalidade israelita. É por isso que Seu nome era sempre envolvido nos votos e juramentos, normalmente na fórmula “tão certo como vive o Senhor” (2 Sm 2:27). Usar tal frase e depois deixar de cumprir o voto era questionar a realidade da própria existência de Deus. Pois YHWH não terá por inocente. A explicação, embora correta, provavelmente não fazia parte do abrupto mandamento apodítico original” (R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 150).].

Todos nos naturalmente temos uma abertura no rosto, a qual chamamos de boca. E obviamente em cada boca à um pequeno órgão chamado língua. A língua, apesar de relativamente pequena quando comparado com o restante do corpo, é uma força muito poderosa e influente no corpo todo. A Bíblia nos diz que: "...A língua também é um fogo; sim, a língua, qual mundo de iniquidade, colocada entre os nossos membros, contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, sendo por sua vez inflamada pelo inferno. Pois toda espécie tanto de feras, como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se doma, e tem sido domada pelo gênero humano, mas a língua, nenhum homem a pode domar. É um mal irrefreável; está cheia de peçonha mortal..." (Tiago 3:6-8). Paulo nos aconselha que, como cristãos, devemos usar nossa língua para atividades nobres, diz ele: "...Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem..." (Efésios 4:29). Ele também nos diz em Colossenses 3:08 "...Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca...". Neste 3º Mandamento, não estamos falando apenas de uma boca suja, que vomita palavrões ou palavras torpe. Este Mandamento trata de algo muito mais grave, trata-se da utilização indevida ou o uso profano do Santo Nome de Deus em vão. O nome de Deus é para ser usada em conexão com o seu louvor ou sua proclamação. Infelizmente, para muitos parece, que o nome de Deus é como mais uma palavra corriqueira que pode ser usada de qualquer forma.

O terceiro Mandamento - Um nome Venerável
Venerável = Sagrado, Santo; que é digno de veneração, respeito e Reverencia; muito respeitável. Esta é a definição da palavra segundo os dicionários. Nos tempos Bíblicos, ao contrario de hoje os nomes tinham grande importância, os nomes na Bíblia geralmente revelavam algo sobre a pessoa, sua ascendência, sua origem, etc. E isto é especialmente verdadeiro e forte no que diz respeito aos nomes de Deus. Vejamos:
"YHWH / YAHWEH / JEOVÁ / SENHOR" (Deuteronômio 6:4, Daniel 9:14) - A rigor, este é o único nome próprio para Deus. Traduzido nas bíblias em português como "SENHOR" (com letras maiúsculas) para distingui-lo de Adonai, "Senhor". A revelação do nome é primeiramente dada a Moisés "Eu sou quem eu sou" (Êxodo 3:14). Este nome especifica um imediatismo, uma presença. Yahweh está presente, acessível, perto dos que o invocam por livramento (Salmo 107:13), perdão (Salmo 25:11) e orientação (Salmo 31:3). Ele descreve Deus como auto existente imutável e eterno. (Mal. 03:06, Tiago 1:17). Na Bíblia, o nome "SENHOR" muitas vezes está associado a outras palavras formando assim os nomes compostos de Deus que revelam mais sobre Sua natureza e Seus atributos. Alguns deles são:
JEOVÁ-JIRÉ:"O Senhor proverá" (Gênesis 22:14) - o nome utilizado por Abraão quando Deus proveu o carneiro para ser sacrificado no lugar de Isaque.

JEOVÁ-RAFA:"O Senhor que sara" (Êxodo 15:26) - "Eu sou o Senhor que te sara", tanto em corpo e alma. No corpo, através da preservação e da cura de doenças, e na alma, pelo perdão de iniquidades.

JEOVÁ-NISSI:"O Senhor é minha bandeira"(Êxodo 17:15), onde por bandeira entende-se um lugar de reunião antes de uma batalha. Esse nome comemora a vitória sobre os amalequitas noJEOVÁ-MAKADESH:"O Senhor que santifica, torna santo" (Levítico 20:8, Ezequiel 37:28) - Deus deixa claro que apenas Ele, e não a lei, pode purificar o Seu povo e fazê-los santos.

JEOVÁ-SHALOM:"O Senhor nossa paz" (Juízes 6:24) - o nome dado por Gideão ao altar que ele construiu após o Anjo do Senhor ter-lhe assegurado de que não morreria como achava que morreria depois de vê-lO.

JEOVÁ-ELOIM:"Senhor Deus" (Gênesis 2:4, Salmo 59:5) - uma combinação do singular nome YHWH e o nome genérico "Senhor", significando que Ele é o Senhor dos senhores.

JEOVÁ-TSIDIKENU:"O Senhor nossa justiça" (Jeremias 33:16) - Tal como acontece com Jeová-Makadesh, só Deus proporciona a justiça para o homem, em última instância, na pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, o qual tornou-se pecado por nós "para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:21).

JEOVÁ-ROHI:"O Senhor nosso Pastor" (Salmo 23:1) - Depois de Davi ponderar sobre seu relacionamento como um pastor de ovelhas, ele percebeu que era exatamente a mesma relação de Deus com ele, e assim declara: "Yahweh-Rohi é o meu Pastor. Nada me faltará" (Salmo 23:1).

JEOVÁ-SHAMMAH:"O Senhor está ali" (Ezequiel 48:35) - o nome atribuído a Jerusalém e ao templo lá, indicando que o outrora partida glória do Senhor (Ezequiel 8-11) havia retornado (Ezequiel 44:1-4).

JEOVÁ-SABAOTH:"O Senhor dos Exércitos" (Isaías 1:24, Salmos 46:7) - Exércitos significa "hordas", tanto dos anjos quanto dos homens. Ele é o Senhor dos exércitos dos céus e dos habitantes da terra, dos judeus e gentios, dos ricos e pobres, mestres e escravos. O nome expressa a majestade, poder e autoridade de Deus e mostra que Ele é capaz de realizar o que determina a fazer.

"ELOHIM": Deus "Criador, Poderoso e Forte" (Gênesis 17:7; Jeremias 31:33); esta é a forma plural de Eloah, a qual acomoda a doutrina da Trindade, refere-se ao Ser Supremo, fiel, Deus Uno e Trino.

Na primeira frase da Bíblia, a natureza superlativa do poder de Deus é evidente quando Deus (Elohim) fala para que o mundo exista (Gênesis 1:1). Esta é a palavra comum para Deus na Bíblia. É usado mais de 2.000 vezes no Antigo Testamento. Na verdade, quando Deus saiu da eternidade para revelar-se ao homem, este é o nome que ele escolheu. Um nome representando a si mesmo como o forte e fiel.

EL, ELOAH: Deus "poderoso, forte, proeminente" (Gênesis 7:1, Isaías 9:6) - etimologicamente, El parece significar "poder", como em "Tenho o poder para prejudicá-los" (Gênesis 31:29). El é associado com outras qualidades, tais como integridade (Números 23:19), zelo (Deuteronômio 5:9) e compaixão (Neemias 9:31), mas a raiz original de ‘poder’ continua.

EL SHADDAI: "Deus Todo Poderoso", "O Poderoso de Jacó" (Gênesis 49:24; Salmo 132:2,5) - fala do poder supremo de Deus sobre todos.

ADONAI:"Senhor" (Gênesis 15:2; Juízes 6:15) - usado no lugar de YHWH, o qual os judeus achavam ser sagrado demais para ser pronunciado por homens pecadores. No Antigo Testamento, YHWH é mais utilizado em tratamentos de Deus com o Seu povo, enquanto que Adonai é mais utilizado quando Ele lida com os gentios.

EL ELIOM:"Altíssimo" (Deuteronômio 26:19) - derivado da raiz hebraica para "subir" ou "ascender", então a implicação refere-se a algo que é muito alto. El Elyon denota a exaltação e fala de um direito absoluto ao senhorio.

EL ROI:"Deus que vê" (Gênesis 16:13) - o nome atribuído a Deus por Agar, sozinha e desesperada no deserto depois de ter sido expulsa por Sara (Gênesis 16:1-14). Quando Agar encontrou o Anjo do Senhor, ela percebeu que tinha visto o próprio Deus numa teofania. Ela também percebeu que El Roi a viu em sua angústia e testemunhou ser um Deus que vive e vê tudo.

EL-OLAM:"Deus eterno" (Salmo 90:1-3) -A natureza de Deus não tem princípio, fim e nem quaisquer limitações de tempo. Deus contém dentro de Si mesmo a causa do próprio tempo. "De eternidade a eternidade, tu és Deus."

EL-GIBOR:"Deus Poderoso" (Isaías 9:6)- o nome que descreve o Messias, Jesus Cristo, nesta porção profética de Isaías. Como um guerreiro forte e poderoso, o Messias, o Deus Forte, vai realizar a destruição dos inimigos de Deus e governar com cetro de ferro (Apocalipse 19:15).

O nome de Deus deve ser usado com extrema reverência e adoração. Os escribas por exemplo; quando tinha que escrever o Nome de Deus em uma obra, eles paravam, lavavam-se, mudavam de veste e caneta, e somente assim escrevia.

Logo em seguida, eles depositava a caneta usada em um lugar onde nunca mais poderia ser usado por ninguém para escrever outra palavra. Ainda hoje muitos judeus ortodoxos para não usar o nome de Deus em vão, nem sequer dizem o nome Jeová ou Javé. Ao invés disso, eles usam a palavra Deus, ou Adonai.
O terceiro Mandamento - Banalizando o nome de Deus.

Este mandamento nos diz que é errado usar o nome de Deus em coisas vã. A palavra vão, significa algo vazio, oco, inútil, sem valor; ilusório, sem fundamento real, fútil, frívolo, falso, ignorante, ineficaz. Quando usamos o nome de Deus de forma vã, estamos cometendo uma blasfêmia! Infelizmente, em nossos dias ouvimos o Nome de Deus ser degradado com muito mais frequência do que ouvimos ser exaltado! É quase que normal ouvirmos palavras de maldição em conjunto com o nome de Deus, coisa do tipo pesar a mão, aperta, etc, mas se analisarmos os exemplos dos santos na Bíblia, não vemos nada disso; mas sim quando eles eram ofendidos perseguidos e ate mesmo apedrejados, clamavam a Deus para perdoar seus agressores, hoje muitos de nos por qualquer coisa já esta pedindo a Deus para pesar a mão, usando desta forma o nome de Deus para a maldição do próximo.

IDOLATRANDO A MÚSICA DO MUNDO NA CASA DO SENHOR


"Se o mundo oferece este estilo de musica á nossa mocidade, nós precisamos mantê-los sobre a sombra do Altíssimo, e por que não se é apenas um ritmo ou um estilo? Isso é falta de maturidade para reconhecer que hoje para se ganhar almas para o Senhor não é mais dizendo: "Se você não aceitar Jesus vai queimar no fogo do inferno". Hoje se ganha almas para Cristo mostrando que viver com Cristo é maravilhoso e pode sim ser gostoso e divertido conforme cada estilo e gosto, pois se o mundo oferece tanta coisa que chama a atenção de nossos jovens, por que não chamar a atenção de um publico jovem pra dentro da casa do Senhor? De uma maneira que não vai ser chato, incomodo ou cansativo? Para quem ainda não é crente é preciso saber ganhá-los para Cristo. Quantos visitantes sem Cristo estavam nesta igreja e saíram de lá com uma péssima impressão do que é servir á Deus? Não faço parte de mocidade já passei meu tempo, hoje sou do Circulo de Oração, mas penso que se tivesse este tipo de louvor a Deus há tempos atrás, quantas almas teriam permanecido na presença do Senhor?" (texto acima retirado da internet).

Caso você tenha chegado aqui e lido o texto acima e concordado com ele, tenho-lhe uma boa e uma má notícia! A má é que infelizmente você foi enganado pela apostasia atual, pela modernização da Cruz e do Sangue de Jesus, pela teologia das 'igrejas ao gosto do freguês' que sempre prega que há uma igreja para cada tipo de gosto, estilo, pessoa... A boa notícia é que o que você vai ler aqui vai te levar a refletir, e então você poderá decidir tomar sua cruz e seguir Jesus diariamente!

Uma das coisas que os homens comprometidos com a Verdade, têm repreendido por todo o mundo é justamente a modernização do Evangelho do Sangue e da Cruz de Jesus. Os pastores removeram a Santidade da sua mensagem e então a modificaram, colocaram acréscimos, para tentar torná-la doce e aceitável para a carne. Não é mais o Evangelho de Jesus Cristo, é um evangelho do mundo, recheado de brincadeiras e entretenimento, mensagens que te fazem ficar confortável com o pecado e a distância de Deus, e nunca te levam a verdadeira liberdade dos Filhos de Deus. Esta é uma mensagem impotente para salvar, o evangelho segundo o modernismo e pós-modernismo.

A Cruz nunca mudou, o Sangue também nunca mudou, Deus não muda, nem mesmo Seu Evangelho muda. Parte do engano religioso que temos hoje em dia invadindo as igrejas cristãs encontra-se no fato de que Satanás conseguiu convencer a maioria dos pastores de que a função deles é prover entretenimento para o povo sentir-se bem, ao invés de apascentar as ovelhas rumo ao Caminho da Santidade. Nesta conversa a astuta Serpente usou sempre seus melhores argumentos, e apenas o Espírito Santo pode 'destruir estas fortalezas e altivez que se levantam contra a Verdadeira Adoração'. Eu sei que o que vou escrever aqui é amargo para a carne, porém uma verdade que liberta, e eu tenho ouvido isso e me fez livre!

Um dos ramos mais promissores da apostasia atual, e um dos locais de mais fácil acesso que Satanás encontrou para chegar aos púlpitos das igreja foi através da música. Não que a música em si seja algo maligno, porém o Diabo conseguiu fazer com que as lideranças das igrejas pensassem que deveriam modernizar suas canções, tendo como objetivo atrair os jovens para a igreja e "prendê-los" na igreja (muitos fazem isso de olho na arrecadação de ofertas, e lucro de venda de produtos, eles vendem até a alma por uma igreja grande e lotada e nem se importam se o Espírito Santo está ofendido ou não). Nesta cobiça, Satanás conseguiu introduzir uma diversidade enorme de estilos musicais e ritmos carnais nas igrejas, tendo em vista agradar sempre a carne dos jovens, que antigamente iam a igreja atrás de Jesus, mas agora, vão atrás da música!

Os servos de Deus, que não concordam com o que vem acontecendo, têm repreendido o uso do Rock, Rap, Reggae, Mdombolo (algo parecido com o Funk no Brasil), ele tem repreendido o uso destes ritmos sensuais e carnais por parte da igreja, que deixou de confiar no poder do Espírito Santo para convencer do pecado e transformar o jovem numa nova criatura, e a partir daí ao invés de chamá-lo ao arrependimento, ela proporciona a ele tudo aquilo que sua carne gostava no mundo. Há campeonatos de vídeo-games na igreja, desfiles de moda, cantinas, rifas, bingos, bazares, culto do churrasco, baladas gospel, festas a fantasia, festas temáticas (anos 60, anos 80...), cruzeiros gospel, MMA gospel, artes marciais gospel, DJ´s na casa do Senhor, enfim há um mundo de vaidade e entretenimento, uma lavagem do inferno, sendo oferecida nas nossas igrejas como se isso fosse o Evangelho da Cruz e do Sangue.

Eles chamam isso atualmente de "estratégias de evangelismo", pois como os jovens não gostam de Jesus, então eles colocam o mundo dentro da igreja para atraí-los e prendê-los. O problema causado por isso é muito grande, pois as verdadeiras ovelhas de Jesus estão morrendo de fome enquanto os pastores estão ocupados entretendo seus clientes, eles estão ocupados divertindo as ovelhas do mundo, e enquanto isso as ovelhas de Jesus estão passando fome. Junto com a repreensão a estes estilos musicais, os sérios têm repreendido também aquilo que é chamado de "sagging trousers", são aquelas calças que deixam a cueca e o bumbum dos meninos de fora.

Eu sei que a maioria dos teólogos de plantão tem seu pensamento formado de que "estilo musical não tem nada a ver", "Deus não olha estilo, olha o coração", mas a mensagem que ele mais tem pregado atualmente é que quando Moisés viu a glória do Senhor se manifestando na sarça que ardia e não se consumia, então imediatamente ele mudou o seu foco. Moisés que até então estava apascentando as ovelhas de Jetro, seu sogro, agora abandonou as ovelhas de Jetro, e foi ao encontrou da glória de Deus, de onde ouviu o Senhor lhe falando mais ou menos isso "Moisés, tire as sandálias dos seus pés, a terra em que estás agora é terra santa, largue as ovelhas de Jetro (ovelhas do mundo) e vá apascentar as ovelhas de Israel no caminho para fora do Egito, para fora da escravidão". Houve uma mudança de mentalidade em Moisés, tudo isso porque ele contemplou a manifestação do Senhor.

Quantas igrejas atualmente há que estão apascentando as ovelhas do mundo, com medo de repreendê-las e elas irem embora ofendidas, os pastores estão mais ocupados e preocupados em agradar a carne das ovelhas e alimentar a sua carnalidade do que em agradar a Deus e libertá-las da escravidão do Egito! As pessoas podem vir a igreja, ouvir sermões, e ficarem ali sentadas sem mudança de coração e isso porque a presença de Deus tem se apartado! Não há avivamento no Brasil, há apenas uma troca sendo feita, uma barganha, os pastores alimentam a carne das ovelhas e elas lhes alimentam o bolso ($)! As pessoas chegam na igrejas apenas querendo ouvir "ah, isso não tem nada a ver", "não se preocupe, Deus vai te prosperar", e então os pastores abocanham este mercado de almas, e dizem exatamente o que esta na boca do ídolo do coração destas pessoas, falam o que elas desejam, em troca, elas lhes enchem o bolso de dinheiro, dai eles compram um avião ou gravam um DVD de sucesso "para a glória de Deus", ou alugam mais 6 horas de programação na televisão aberta para propagar e disseminar o engano! Vamos nos arrepender igreja?

A mensagem do Senhor tem sido bastante clara, de que nós devemos nos separar de qualquer doutrina ou igreja que nos leve a pecar contra o Senhor, mas muitos não querem separar-se porque dizem "eu gosto tanto do louvor, o pastor prega prosperidade no púlpito, mas eu gosto tanto do louvor". Davi era tocador de instrumentos musicais, mas ele cantava para Deus, Deus era o tema da sua canção, Deus era sua canção, porém atualmente, muitos cantam para si mesmos, procuram o que mais gostam, não cantam para o prazer de Deus, estão se prostituindo espiritualmente com um ídolo chamado música-do-mundo-na-igreja.

Eu mesmo fui liberto disso irmãos, na minha "boa vontade" há um tempo atrás, cerca de um ano, acabei indo a um evento de rap gospel, e até mesmo ajudando para a realização deste evento que foi um `estratagema´ de evangelismo. Foi um desastre, eles pregaram o mundo usando o nome de Jesus, eles viviam o mundo, falavam do mundo, e eu pequei contra Deus. Depois disso o Senhor veio até mim várias vezes, e me explicou, que aquilo não era vontade Dele e eu aprendi. O Evangelho é o poder de Deus para salvar o homem, não a música. Música não é neutra como o diabo nos quer fazer pensar, pois nisso infelizmente mudamos o evangelho para satisfazer os anseios da sociedade pós-moderna e esquecemos de agradar a Deus.

Não ouçam música secular irmãos, não assistam filmes seculares, como diz o Salmos 119:54 e tantos outros "Os teus estatutos têm sido os meus cânticos na casa da minha peregrinação." Eu não sei vocês, mas eu e minha casa cantaremos a Palavra do Senhor, a Palavra da Vida!

Viva vencendo as inúmeras 'emendas' que se têm feito ao Evangelho de Cristo!!!

Não se deixe iludir.

Seu irmão menor.

Abraços.

27 janeiro 2015

JESUS VOLTARÁ MESMO?


"Estamos no fim dos tempos. Breve Jesus voltará. Ele prometeu e Ele vai cumprir." O mundo está maduro para o juízo. As profecias estão se cumprindo. Os sinais da sua segunda vinda, alertam-nos que breve, muito breve a trombeta de Deus pode soar: O engano religioso é intenso.

As falsas religiões proliferam. Os falsos profetas enganam os incautos. Os terremotos, açoitam as cidades. A fome assola a terra. As muitas e sangrentas guerras revelam quão monstruoso é o coração do homem sem Deus. As epidemias alastram-se, espalhando tormento e morte. O amor está se esfriando em quase todos.

A ciência alça voos prodigiosos, enquanto a apostasia galopante abre caminhos para o anticristo e aponta para o fim. Vivemos tempos angustiosos. A igreja tem sido perseguida no campo das ideias no mundo inteiro e torturada fisicamente em muitos lugares.

Jesus disse que quando estas coisas estivessem acontecendo, e elas estão, o fim estaria muito próximo.

A segunda vinda de Cristo será o fim.
 
Quando Ele vier com poder e muita glória, todo o olho o verá. Sua vinda será física, pessoal, visível, audível, gloriosa, poderosa e vitoriosa. Virá não como servo, mas como rei dos reis. Virá não como advogado, mas como juíz. Virá não para salvar, mas para julgar. 

Quando Jesus voltar, as oportunidades terão cessado. A porta da salvação estará fechada. Será o grande dia do juízo. Ele vai se assentar no trono da sua glória e vai julgar as nações.

Todos vão comparecer diante dele. Todos os mortos, grande e pequenos estarão diante do seu trono. Em vão os homens vão tentar fugir da sua presença. Todos serão julgados segundo as suas obras. Todos aqueles, porém, que não forem encontrados inscritos no livro da vida, ou seja, todos aqueles que não receberam a Cristo como Salvador e Senhor, serão lançados no lago de fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.

O dia do Senhor virá, e apanhará a muitos de surpresa. Ele virá como o ladrão de noite. Ele virá quando as pessoas estiverem questionando a veracidade da sua vinda. Elas estarão cuidando dos seus interesses e se deleitando em seus prazeres. Será como nos dias de Noé. Aquele dia, para muitos, será dia de trevas e não de luz. Muitos vão bater à porta, desesperados, mas será tarde demais.

Jesus Cristo vem! Você vai? Você está preparado para aquele grande dia? 

Não deixe para a última hora. As cinco virgens loucas deixaram para se preparar de última hora e ficaram de fora das bodas. Naquele dia será tarde demais para se preparar. A preparação é pessoal e intransferível.
 

Quando a trombeta de Deus soar e Cristo voltar, você subirá com Ele para estar eternamente no céu, com os demais remidos, ou será banido para sempre da face de Deus?

Cristo voltará. Por isso, devemos viver em santo procedimento e piedade, aguardando ansiosamente a sua volta.

Hernandes Dias Lopes

MP DO DF INTERROMPE CURSO PARA PASTORES SOBRE TEMÁTICA GAY. QUEM PEDIU A INTERRUPÇÃO FOI JEAN WYLLYS

Por solicitação do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), um curso de orientação sobre homossexualismo ministrado pelo ex-homossexual Claudemiro Ferreira – e voltado para pastores – foi interrompido pelo Ministério Público do Distrito Federal (MP-DF).
Apesar de voltado para lideranças evangélicas, o evento que aconteceria entre os dias 19 e 23 do presente mês foi interrompido por um oficial de Justiça. A programação foi denunciada porque supostamente tratou da homossexualidade “como doença”. O caso seria investigado pelo MP-DF, que decidiu pelo seu arquivamento (veja abaixo).
Mas o foco do evento traz uma perspectiva bastante distante de qualquer vestígio de homofobia. O cartaz do evento dizia somente: “Homossexualismo: ajudando, biblicamente, a prevenir e tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus para sua sexualidade”.
Mesmo assim, com base na denúncia de Jean Wyllys, o Ministério Público do Distrito Federal intimou os palestrantes Airton Williams e Claudemiro Soares durante evento em Brasília. Contra eles, foi feita por Wyllys uma acusação sobre “charlatanismo”.
Com a divulgação do caso, lideranças evangélicas passaram a questionar se agora é crime no Brasil ensinar que o homossexualismo é pecado. Outras questionam se Jean Wyllys acionaria o MP se o curso fosse ministrado por um clérigo muçulmano em uma mesquita.
“Qualquer um pode defender o aborto e o uso de drogas, que são crimes, abertamente. O Ministério Público não diz nada. Mas falar em lugar privado sobre terapia para gay é proibido e o lugar invadido pelo MP-DF. É revoltante”, afirmou o pastor Silas Malafaia.
Por sua vez, o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) questionou o “oportunismo” de Jean Wyllys, lembrando a origem do deputado do PSOL, que se deu em um reality-show.
“Não me assusta que o pacóvio deputado ex-BBB ter assumido a autoria da denúncia visando a prisão dos palestrantes. É um cristofóbico assumido. Se os cristãos ficarem calados, amedrontados, preparem-se para verem pastores e padres serem presos, retaliações piores que está virão”, declarou Feliciano.
A advogada e pastora Damares Alves destacou a força do lobby LGBT. “Pasmem, senhores, o Ministério Público foi no local e interrompeu o curso. Olhem o tamanho do poder do deputado Jean Wyllys. Conseguiu interromper um curso fechado para líderes evangélicos. Isso é só o começo. Temos que dar uma resposta à altura a esse episódio”, ressaltou.

MP-DF recua após repercussão

“Tanta coisa para um parlamentar fazer no Brasil e ele preocupado com um curso que tinha apenas 25 pastores presentes querendo tão somente aprender sobre como acolher e lidar com os milhares de homossexuais que tristes e deprimidos procuram nossas igrejas”, sentenciou Damares.
Depois da forte repercussão negativa sobre a interrupção do curso voltado para pastores, o Ministério Público do Distrito Federal decidiu arquivar o caso por não haver indício de discriminação por orientação.
Oficialmente, o MP-DF decidiu pelo arquivamento após o depoimento de um dos palestrantes, Airton Williams. O depoimento do palestrante levou o promotor a conclusão óbvia: o curso é voltado para lideranças evangélicas interessadas em acolher homossexuais.
“Ele explicou que o curso é sobre como acolher homossexuais e como fazer trabalho de orientação eclesiástica para, nas palavras dele, homossexuais que gostariam de deixar de ser”, afirmou o promotor Thiago Pierobom de Ávila.
O promotor disse que o papel do Ministério Público é vedar qualquer ato de discriminação, o que, para ele, até o momento, “não ficou caracterizado”.
Folhadosertão


26 janeiro 2015

TEXTOS QUE AFIRMAM E CONFIRMAM QUE A EXPIAÇÃO DE JESUS CRISTO FOI ILIMITADA OU UNIVERSAL


Jesus morreu pela humanidade! Aleluia!

Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. (1 João 2:2)

Todos nós temos andado desgarrados como ovelhas; temo-nos desviado cada um para o seu caminho; e Jeová fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. (Isaías 53:6)

Vinde a mim todos os que andais em trabalho e vos achais carregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Pois o meu jugo é suave, e o meu fardo leve. (Mateus 11:28-30)

Assim não é da vontade de vosso Pai que está nos céus, que pereça um destes pequeninos. (Mateus 18:14)

…este veio como testemunha para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele. (João 1:07)

No dia seguinte viu João a Jesus que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! (João 1:29)

Pois assim amou Deus ao mundo, que deu seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para julgar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. (João 3:16-17)

Eu sou o pão vivo que desci do céu; se alguém comer deste pão, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo, é a minha carne. (João 6:33 , 51)

Se alguém ouvir as minhas palavras, e não as guardar, eu não o julgo; porque não vim a julgar o mundo, mas a salvar o mundo. (João 12:47)

porque todos pecaram e necessitam da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça mediante a redenção que há em Cristo Jesus; (Romanos 3:23-24)

Quando nós ainda éramos fracos, Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios. (Romanos 5:06)

Mas não é assim o dom como a ofensa; porque se pela ofensa de um só morreram todos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, abundou para com todos. (Romanos 5:15)

porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo. (Romanos 10:13)

Isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos, e que cheguem ao pleno conhecimento da verdade. Pois só há um Deus e só há um mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus homem, que se deu a si mesmo em resgate por todos—testemunho que se deve dar em seus tempos; (1 Timóteo 2:3-6)

pois para isso é que trabalhamos e lutamos, porque temos posto a nossa esperança no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem. (1 Timóteo 4:10)

Pois a graça de Deus se manifestou, trazendo a salvação a todos os homens, (Tito 2:11)

porém àquele Jesus, que foi feito um pouco menor que os anjos, nós o vemos, por causa do sofrimento da morte, coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte a favor de todo o homem. (Hebreus 2:9)

Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns entendem; mas ele é longânimo para convosco, não querendo que alguns pereçam, mas que todos venham ao arrependimento. (2 Pedro 3:9)

Nós temos visto e testificamos que o Pai enviou a seu Filho como Salvador do mundo. (1 João 4:14)

André Tomé Remostrante

25 janeiro 2015

RESPOSTA DE ROGER OLSON A JOHN PIPER SOBRE CS LEWIS E A EXEGESE ARMINIANA


Minha resposta aos comentários de John Piper sobre arminianos

Recentemente, um dos meus fiéis leitores que muitas vezes também comenta aqui postou um link de um episódio recente de uma série de podcasts de João da Piper em que ele responde a perguntas. (Tudo que você tem que fazer para encontrar esta série é digitar no Google, o título “Pergunte Pastor John”). Neste episódio da série, alguém perguntou para Piper quais arminianos teriam o influenciado a mais. Aqui eu gostaria de responder a alguns comentários de Piper feitos em sua resposta a esse leitor.

Primeiro Piper negou que quaisquer arminianos tenham realmente o influenciou e por causa de sua (nossa) exegese decepcionante. Ele não deu exemplos específicos. Eu me pergunto quantos teólogos arminianos ou simplesmente não calvinistas estudiosos da Bíblia que ele leu? Ele não menciona nenhum. (Mais tarde, em sua resposta, ele faz menção a John e Charles Wesley, GK Chesterton, George McDonald e CS Lewis, mas eu vou voltar a isso mais tarde). Meu ponto é que ele não menciona teólogos arminianos ou estudiosos bíblicos em cuja exegese ele está decepcionado! Eu ainda me pergunto quais teólogos arminianos reais e estudiosos da Bíblia que ele leu?
Isto me parece o proverbio (calvinista) chamando “a chaleira (arminiana) preta”. Quero trazer o recentemente falecido teólogo evangélico, presidente do seminário e estadista Vernon Grounds que escreveu o seguinte sobre exegese calvinista: "É preciso muita ingenuidade exegética que é algo diferente de um estudioso que aprendeu a evacuar esses textos (João 1:29, João 3:16, Romanos 5: 17-21, Romanos 11:32, 1 Timóteo 2: 6, Hebreus 2: 9 2 Pedro 3: 9, 1 João 2: 2) do seu significado óbvio, é preciso uma engenhosidade exegética beirando a sofismas para negar sua universalidade explícita. "(Grace ilimitada Bethany House Publishers, 1975, p. 27) (Vernon Grounds serviu como presidente do Seminário Batista Conservador Denver (agora Denver( Seminary por muitos anos)).

Piper é livre para ter e expressar a sua opinião sobre arminianos e sua exegese, mas seria útil se ele revela-se, pelo menos, quais estudiosos arminianos da Bíblia que ele leu e achou em falta e por quê? Por causa disso, sua resposta deve ser simplesmente desconsiderada e não deveria ser levada muito a sério, a não ser que levemos a serio só porque foi Piper quem disse.

Em minha opinião própria o método de exegese bíblica de Piper, chamado "arco", deixa muito a desejar. (Mais uma vez, para descobrir o que é simplesmente "Google" "Piper" e "arco".) Mais uma vez, em minha opinião, ele pressupõe uma espécie de realismo ingênuo comum combinado num sentido e preposicional que reduz a Bíblia para uma sistemática de proposições. Essa maneira de exegese é uma visão da Bíblia e da teologia semelhante, se não idêntico, a visão de Charles Hodge (expresso no volume 1 de sua Teologia Sistemática 1872): “Que a Bíblia é para a teologia o que a natureza é para a Ciência”, isto é dados brutos para serem extraídos para fora e interpretados indutivamente. O problema com isto é, naturalmente, que nem teologia nem ciência são puramente indutivas. E a teologia é tanto uma arte quanto uma ciência. Além disso, grande parte do conteúdo da Bíblia não é proposicional.

Não existe tal coisa como de pressupostos exegéticos. Mesmo Charles Hodge, um dos principais teólogos calvinistas da história protestante, observou que cada exegeta bíblico deve aproximar a Bíblia com certos pressupostos que são verdades do senso comum. Um deles é, de acordo com Hodge, que Deus não pode fazer nada errado. Assim, se encontrar uma passagem da Escritura que parece ensinar que Deus fez o que só pode ser incluída na categoria "errado", então ele não pode significar o que parece dizer. Naturalmente, isso levanta a questão do "errado". No entanto, se uma pessoa aceita o princípio de pré-exegese de Hodge (que com certeza eles devem!), Então ele ou ela já tem alguma noção do que as passagens das Escrituras podem e não pode dizer. Portanto, nenhuma exegese é puramente indutiva, de pressupostos.

Por que Hodge disse que se deve aproximar da Escritura e da teologia, com o pressuposto de que Deus não pode fazer nada de errado? A resposta deveria ser óbvia: Porque se o leitor da Bíblia acredita que Deus pode fazer algo de errado, não há razão para confiar na Escritura, pois Deus poderia estar mentindo. Exegetas Arminianos se aproximam da Escritura com um pressuposto muito “Hodniano” que Deus não pode ser o autor do pecado e do mal ou então faria o mal. É por isso que John Wesley disse a famosa frase sobre o sgnificado de Romanos 9:” Seja o que for que signifique não pode significar que o a interpretação calvinista típico da dupla predestinação diz”. (É claro que eu iria discutir com outros exegetas e teólogos arminianos que Romanos 9 devem ser interpretados no seu contexto que oferece uma interpretação melhor do que a típico calvinista).

Abordagem do "arco" de Piper para a exegese bíblica parece-me assumir muitos pressupostos para chegar à interpretação puramente indutiva. Duvido que seja possível ou desejável. E se isso nos leva a afirmar que Deus "planeja, ordena, e governa" o mal do inferno (incluindo quem vai lá e tornando certo o mal que eles fazem), então isso faz Deus monstruoso e significa que nada do que Deus diz pode ser confiável. Por que se preocupar com a exegese bíblica em todos, se Deus pode fazer algo de errado? Naturalmente, um neo fundamentalista vai simplesmente dizer "eu vou onde a minha exegese bíblica objetiva me levar", significando "Eu vou acreditar no que o meu objetivo, indutivo de exegese bíblica revelar sobre Deus." Mas, dadas as Escrituras citadas por Grounds (acima), que simplesmente não é o caso. Além disso, pode levar alguém a acabar com um Deus monstruoso e indigno de culto, ou seja, aquele que realmente fez algumas pessoas para passar a eternidade no inferno para a sua glória. Mas essa conclusão gira em volta de seu próprio método de se chegar lá, porque se isso é Deus, então ele não é confiável e não há nenhuma razão para pensar que a Bíblia é verdadeira.

A abordagem arminiana contemporânea à exegese bíblica é explicitamente não puramente indutiva ou de pressupostos. (Mas, nesse ele só admite que seja verdade para todos os exegetas bíblicos.) Arminianos Contemporâneos tipicamente interpretam cristologicamente a Bíblia, com Jesus Cristo como a "pedra de esquina" de interpretação bíblica, porque ele é o Deus encarnado e, portanto, acima até mesmo da Bíblia como a suprema revelação de Deus. O que quer que na Escritura pareça entrar em conflito com o Deus revelado em Jesus deve ser interpretado à luz do Deus revelado em Jesus.
Eu acredito que a exegese da Bíblia de John Piper não é puramente indutiva ou de pressupostos quais quer. Eu acredito que é guiado, se não determinado, por certa visão de Deus como o poder absoluto. Quando Piper fala sobre a "glória" de Deus eu só posso ouvir "poder". Mas o poder sem a bondade, a benevolência, a misericórdia não é digno de adoração. Claro, Piper vai alegar que sua visão de Deus inclui todos esses atributos, mas tenho dificuldade em vê-los lá.

Um evento na vida de Jesus se destaca para mim como emblemático da atitude de Deus para a descrença, a maldade e do mal: Jesus chorando sobre Jerusalém e dizendo (parafraseado) "Como eu queria ter reunido você para mim, mas você não quis isso!" O mesmo é revelado sobre Deus em Oséias e toda a Escritura. Se a rejeição de Deus pelas pessoas está de certo modo enraizada na vontade de Deus de tal forma que Deus "projete, ordenado e governa", e de tal forma que glorifica a Deus, então porque Deus ia se lamentar sobre eles? Isso torna Deus mais do que "complexo" (em seu emocional); fá-lo instável e indigno de confiança.

Finalmente, em sua resposta para a pergunta, Piper menciona CS Lewis como alguém que o influenciou muito, mas ele diz que não é certo dizer que Lewis poderia ser contado como base-arminiana, pois outro teólogo calvinista o usa em suas palestras. Porem eu posso assegurar para Piper que ele pode contar Lewis entre os arminianos mesmo se Lewis nunca se chamou arminiano. Eu li praticamente tudo que Lewis escreveu, especialmente na teologia e apologética cristã e posso dizer com confiança que a orientação teológica de base de Lewis era mais consistente com o Arminianismo que com o Calvinismo. Eu ministrei um curso sobre visão de mundo de Lewis na Universidade Rice, quando eu era um Ph.D. estudante lá. No processo (durante o verão que antecederam o curso de queda) Eu li tudo o que eu poderia chegar a minhas mãos de Lewis e por Lewis de estudiosos, incluindo alguns que o conheciam pessoalmente. Mais tarde, enquanto servia como editor geral da revisão do Christian Scholar, eu editei um tema em questão de Lewis. Nesse processo eu li numerosos manuscritos de estudiosos de Lewis. A alegação de que a teologia de Lewis é mais perto do Calvinismo do que do Arminianismo me parece absurdo. Há momentos e situações em que não se pode levar a sério um pedido simplesmente porque não se conhece o material que está sendo falado tão bem (no caso do Piper ele falou de Lewis sem conhecer sobre o mesmo). Ele vai alegar que a minha familiaridade com Lewis é a sua teologia. É claro que qualquer um que duvide de mim deve ler livros e ensaios de Lewis por si mesmo. Exorto-os a começar com O Grande Divórcio. Como isso pode ser conciliado com o Calvinismo é simplesmente além da minha capacidade de entender. Em minha opinião, ele esta a reivindicar uma fronteira com sofismas (parafraseando Grounds acima).

Viva vencendo os sofismas de quem não experimentou o Poder do alto!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

24 janeiro 2015

A PRECISÃO DE DEUS SE VÊ NO UNIVERSO POR ELE CRIADO

O ajuste fino do universo

Veja o vídeo. Altere a legenda de acordo com seu idioma, para um melhor proveito.

Glória a Deus que é o Eterno e Sábio Criador de tudo!!!


23 janeiro 2015

EX-PASTOR QUE AJUDAVA A GAYS QUE QUERIAM SOCORRO, ASSUMIU SUA HOMOSSEXUALIDADE - "TEMPOS DIFÍCEIS"



O professor de inglês, filósofo e teólogo Sergio Viula, de 45 anos, ficou conhecido no Brasil como um dos fundadores do Moses (Movimento pela Sexualidade Sadia), uma ONG evangélica que tem como objetivo ajudar pessoas que desejam abandonar a homossexualidade. Viula atuou por nove anos como pastor em uma igreja batista, e tinha como um dos principais temas de seu trabalho religioso o trabalho do Moses. Após assumir ser homossexual, ele hoje afirma que sua vida era baseada em uma farsa.
Viula, que foi casado com uma mulher por 14 anos e tem 2 filhos, assumiu ser homossexual aos 34 anos. Depois de assumir sua sexualidade, ele se separou de sua esposa, abandonou a vida religiosa e se tornou ateu.
O ex-pastor conta sua história no livro “Em Busca de Mim Mesmo”, e concedeu recentemente uma entrevista à página “Mulher” do portal UOL. Durante a entrevista, ele falou sobre sua luta interior até aceitar a própria homossexualidade e afirma ter certeza de que a “cura gay” não funciona.
Durante a entrevista, Viula contou que desde a infância já sentia diferente dos outros meninos, mas que ainda não sabia o que significava as coisas que sentia.
– Comecei a perceber que aquilo que eu sentia podia ser um problema para os outros. Foi quando passou a ser um problema para mim. E aí veio a rejeição, a auto-homofobia – comentou o ex-pastor.
Ele conta que lutou contra a homossexualidade durante muito tempo, principalmente por ter ouvido sua vida inteira que ser gay é um pecado. Viula conta ainda que quando se converteu ao protestantismo acreditava que se tornaria heterossexual. Ele afirma que ainda que realmente acreditava que sua vida sofreria uma grande mudança por causa da religião, mas que isso não aconteceu em sua vida.
– Vem aquele papo evangélico que aquele que está em Cristo nova criatura é. Você acredita nisso. E eu passei a acreditar que podia casar e ser fiel à minha mulher e extrair da relação todo o gozo que precisasse e dar a ela a mesma coisa – afirmou.
– Eu queria ter estado na igreja sem nunca acreditar de verdade. Porque em pouco tempo eu pularia fora. Mas, como eu acreditava, era capaz de tudo em nome da fé – completou.
O ex-pastor falou também sobre seu trabalho com o Moses, afirmando que durante anos acreditou em uma mudança que, no fim das contas, nunca viu acontecer com ninguém. Ele conta que em seu gabinete pastoral ouvia das pessoas que ele estava “tratando” que nada havia mudado em suas vidas.
– Eles me falavam tudo. Ninguém mudava. Foram anos de trabalho e ninguém mudando. E um dia a vice-presidente do Moses me perguntou: que mudança é essa que a gente tanto fala e ninguém vive? Porque não vejo ninguém mudar. E eu respondi que me perguntava a mesma coisa – afirmou.
Sergio Viula conta então que começou a perceber que sua vida estava baseada em algo que ele não acreditava de verdade, e que decidiu assumir de vez sua homossexualidade após ter se relacionado com um homem durante uma viagem que fez para Singapura para um seminário religioso.
– Eu estava em frangalhos, porque estava feliz da vida por tudo que tinha acontecido com aquele homem, mas arrasado porque as pessoas que confiaram em mim pensavam que eu estava lá muito bem, cercado do espírito santo. Ali, “caiu a ficha” – contou o ex-pastor.

22 janeiro 2015

IGREJAS E SUAS HERESIAS

Preciso fazer cinco observações neste estudo: (1) Vamos identificar, com temor e tremor, algumas distorções doutrinárias presentes em algumas igrejas, ditas, evangélicas. (2) Isso não nos faz melhor ou pior do que ninguém, mas nos serve de alerta para buscarmos uma espiritualidade verdadeira que glorifique a Deus. (3) Mostrar uma base bíblica segura para que o cristão de hoje não seja enganado pelos novos ventos de doutrina. (4) Apesar das distorções, a Igreja é do Senhor Jesus Cristo e Ele, no momento certo, apartará os bodes das ovelhas. (5) Nós somos advertidos pelo Senhor que devemos batalhar pela fé, que de uma vez por todas foi entregue aos santos (Jd 3). Ou seja, a Apologia é necessária e Deus vai nos cobrar se não a exercitamos.
Paulo sempre se identificou com a questão doutrinária mesmo no final de seu ministério – 2Timóteo 4.1-8. Essa foi a sua preocupação até na hora da morte. Não é nenhuma novidade que apareçam divulgadores de heresias no seio da igreja isso sempre existiu e existirá. Vejamos algumas do nosso século.
I – QUESTÕES DA HINOLOGIA
Gosto muito do nosso hinário, ele tem hinos maravilhosos e bíblicos. Mas, até nosso hinário não escapa. O que significa: “Quero estar ao pé da cruz?”. “Hei de ver, sim hei de vê-lo lá na cruz revelando-me um sinal”?. Não temos base bíblica alguma para isso.
Comercialização do louvor. Uma cantora famosa que cobrara “X” para cantar numa igreja, no entanto, a clausula contratual, afirmava claramente que se a igreja desejasse que ela cantasse canções do seu novo CD, o preço seria “Y”. Tem gente, cobrando 5, 6 até 10 mil Reais por “ministração”! A situação anda tão deprimente que já existe fã-clube de artista gospel.
Vejam a que ponto chegou [1]:
Bonde do Ungidão
Quer mudar, quer mudar
Ungidão vai te ensinar
Eu vou passar óleo na mão
Vou sim meu irmão
Vou ungi você varão
Vou sim, vou sim
Orando de hora em hora
Vou sim ,vou sim
Conquistar sua vitória
Agora, agora
Eu vou passar óleo na mão
Vou mostrar que o ungidão
O senhor é Jesus Cristo
Então desperta, desperta
É o Bonde do Ungidão
Segure a Bíblia e levante a mão
É o bonde do ungidão
Quer mudar quer mudar
Ungidão vai te ensinar
Só as varoas / hú,hú,hú,hú,hú
Abençoadas / hú,hú,hú,hú,hú,hú
Varões de guerra / hú,hú,hú,hú,hú,hú
A igreja toda / hú,hú,hú,hú,hú,hú
VEJA QUE DIFERENÇA DA MÚSICA ABAIXO:
O EVANGELHO
Grupo Logos
Composição: Paulo Cezar
Eu sinto verdadeiro espanto no meu coração
Em constatar que o evangelho já mudou.
Quem ontem era servo agora acha-se Senhor
E diz a Deus como Ele tem que ser …
Mas o verdadeiro evangelho exalta a Deus
Ele é tão claro como a água que eu bebi
E não se negocia sua essência e poder
Se camuflado a excelência perderá!

Refrão
O evangelho é que desvenda os nossos olhos
E desamarra todo nó que já se fez
Porém, ninguém será liberto, sem que clame
Arrependido aos pés de Cristo, o Rei dos reis.

O evangelho mostra o homem morto em seu pecar
Sem condições de levantar-se por si só …
A menos que, Jesus que é justo, o arranque de onde está
E o justifique, e o apresente ao Pai.

Mostra ainda a justiça de um Deus
Que é bem maior que qualquer força ou ficção
Que não seria injusto se me deixasse perecer
Mas soberano em graça me escolheu

É por isso que não posso me esquecer
Sendo seu servo, não Lhe digo o que fazer
Determinando ou marcando hora para acontecer
O que Sua vontade mostrará.
II – BOBAGENS OLEOGINOSAS
Certo pastor pregou: “Irmãos e irmãs, Deus me deu uma visão. Preciso que vocês me ajudem a cumpri-la. Deus mandou que eu alugasse um helicóptero, colocasse um tonel de óleo dentro e ungisse a cidade do Rio de Janeiro”. Pensava ele que a prostituição, o roubo e a corrupção diminuiria. Nada aconteceu. O pecado continuou a se multiplicar.
III – ATOS PROFÉTICOS E COBERTURA APOSTÓLICA
Significa declarar profeticamente que os demônios serão amarrados, desbaratados etc. Muitos cristãos não podem fazer nada sem antes contar para o seu apóstolo. Até os mínimos detalhes.  Determinada pastora pregou num culto que tinha que esfaquear um caixão com pedaços de papéis contendo os pecados dos crentes e dizer que aquilo era um ato profético e a partir dali Deus reverteria a sorte do Brasil.
Isso não passa de mais um modismo! Esses atos proféticos estão baseados na crença de  que o cristão faz ou diz, tem repercussão no mundo espiritual. Alguns chegam a blasfemar ensinado que assim como Deus, pela sua palavra falada, trouxe todas a coisas a existência, da mesma maneira, nós como sua imagem, podemos trazer coisas à existência pelo poder da palavra falada. Esse ensino é uma blasfêmia idolátrica, que procura assemelhar o homem a Deus. Esses atos proféticos normalmente tem como objetivo, “conquistar” cidades ou nações para o Reino de Deus. A palavra de Deus nos ensina a ganhar almas para o Reino de Deus através da pregação do evangelho de Jesus Cristo, e não através de “declarações de posse” ou de “orações reivindicatórias”.
Líderes de diversas comunidades ligadas ao G12 e ao apostolado contemporâneo, estão planejando uma série de “atos proféticos” para a redenção do Brasil até 2007, o ano anunciado por Valnice Milhomens  para o retorno de Cristo. O primeiro desses atos foi feito na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte e o ultimo está marcado para ser em Porto Alegre.  Sinomar Ferreira falando sobre esses atos proféticos declarou: “Os atos proféticos são extremamente importantes, por que aquilo que é feito aqui na terra tem repercussão no céu”.  Isso mostra o caráter herético de tais atos, pois insinua que podemos manipular o mundo espiritual. Crença parecida com as dos Bruxos da Nova Era que acreditam poder manipular as forças da natureza através de palavras mágicas e encantamentos. [Vide o livro “A Sedução do Cristianismo” de Dave Hunt]
Que Pastores, lideres e membros de Igrejas, estejam vigilantes, para que ventos de doutrinas não invadam suas comunidades eclesiais, causando divisão e confusão em seu meio. Um dos integrantes de uma banda gospel, vinculada a uma comunidade que pratica o G12, disse que quem não confessar seus pecados aos seus pastores ou lideres, para que eles liberassem a “benção do perdão”, sofreriam ações diabólicas.
IV – ORAÇÃO CONTRÁRIA
Tal doutrina, parte do pressuposto que o cristão em nome de Deus tem o poder de amaldiçoar outras pessoas através da oração positiva e determinante. Tal ensinamento afirma categoricamente que aqueles que agem desta maneira, podem rogar ao Senhor da glória o aparecimento de desgraças e frustrações na vida de seus desafetos, determinando assim a desventura alheia.
Basta o chefe no trabalho ser um pouco mais chato pra se orar contra ele, basta o vizinho criar um problema com alguém da sua família, para que se escreva o nome dele na “boca gospel do sapo”.
Infelizmente a igreja evangélica mergulha em alta velocidade no buraco da sincretização, deixando pra traz valores, virtudes e princípios onde a afetividade e o amor deveriam ser marcas indeléveis de uma comunidade que conhece a Cristo.
V – A FALÁCIA DA GUERRA ESPIRITUAL
Existe uma guerra espiritual que nós enfrentamos a cada dia, mas não no sentido de que as pessoas estão pregando hoje. Algumas manias podem ser identificadas nos dais de hoje:
CARTOGRAFIA ESPÍRITUAL
Alguns pregam que determinados locais ou até mesmo uma cidade inteira está no controle do Diabo. Temos que fazer uma cartografia espiritual e que basta-nos quebrar as correntes e a cidade será liberta. Decretar, reivindicar o que o Diabo roubou de nós, profetizar sobre a cidade, declarar: “esta cidade é do Senhor Jesus”. Ou coisa desse tipo.
Se a igreja não souber reivindicar o que pertence ao Senhor, o Diabo continuará com direitos legais sobre vidas, espalhando miséria.
Certo pastor há muitos anos aprendera que tanto os leões como os lobos urinam para demarcar o seu território e impedir a invasão de outros machos. Ele precisava fazer o mesmo, como legítimo representante de Jesus – o Leão da Tribo de Judá. Naquela semana, convocou seus parceiros de ministério para saírem pela madrugada urinando em pontos estratégicos da cidade. Gastaram algumas horas na empreitada. O comboio de carros percorreu vários quilômetros com muitas paradas. Beberam litros e litros d’água; precisavam de muita urina para uma cidade tão grande.
OPERAÇÃO INVISÍVEL
Traz-se uma maca para o culto e fazem-se operações invisíveis nas pessoas. Ninguém vê, só o “profeta de Deus”. Isso não passa de espiritismo evangélico.
DESARMAMENTO DE BOMBAS
Faz-se o desarmamento de bombas acopladas em partes do crente. O auditório fica na expectativa de não explodir e só o profeta é quem vê tal bomba e pode desarmá-la.
MAPEAMENTO ESPIRITUAL
Procurar saber onde o demônio está alojado. Se no braço, na perna, no nariz, ou em qualquer parte do corpo, para poder expulsá-lo. Algumas vezes ele é expulso de uma parte e vai para outros, por isso é preciso discernimento espiritual.
CULTO DA BARRIGA
Dois crentes correm no culto em direção um ao outro e batem a barriga, depois caem e ficam prostrados no “transe espiritual”.
A UNÇÃO DO PATRÃO
"Deus te quer por cabeça e não por cauda". Certo pastor pregou: “Quem quer tomar o lugar do chefe?”. E aos empregados foi prometido que seriam chefes.
DIVERSAS UNÇÕES
Unção das partes íntimas das mulheres para que os homens não as cobicem. Unção de ousadia, unção de conquista, unção de justificação. UNÇÃO DOS QUATRO SERES: Baseando-se em Ap.4:6-8 que descreve quatro seres viventes, um semelhante ao leão, outro semelhante a águia, outro semelhante ao novilho e outro semelhante ao homem, alguns ministérios estão tolerando e incentivando que pessoas em estados alterados de consciência imitem os seres descritos. Um ruge como leão, outro bate os braços como se fosse uma águia – o problema é que não levanta voo –, outro imita um novilho, e o que supostamente teria a “unção do homem” começa a chorar.
REFUTAÇÃO: Deus não depende das palavras dos homens para agir. Deus é e sempre será Soberano. Soberania é o atributo pelo qual Deus possui completa autoridade sobre todas as coisas criadas, determinando-lhe o fim que desejar (Gn 14.19; Ne 9.6; Ex 18.11; Dt 10.14-17; 1Cr 29.11; 2Cr 20.6; Jr 27.5; At 17.24-26; Jd 4; Sl 22.28; 47.2,3,8; 50.10-12; 95.3-5; 135.5; 145.11-13; Ap 19.6).
Já imaginou um Deus que depende do homem para agir? Com certeza Ele entraria em enrascada se estivesse sujeito às oscilações da vontade humana. Eu mesmo não queria um Deus desse tipo. Prefiro o Deus da Bíblia que “tudo faz como lhe apraz”. (Sl 115.3).
O QUE A BÍBLIA NOS ENSINA?
1.     Que a igreja não é do homem, mas é propriedade exclusiva de Deus. O Novo Testamento se refere sempre à igreja como “igreja de Deus”. (2Co 1.1; Gl 1.13; 1Tm 3.5)
2.     Que a igreja já tem uma ordem e decências estabelecidas pela Bíblia. Que o Novo Testamento foi escrito para que os líderes fiéis soubessem como proceder na igreja do Deus vivo. “Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade”.  (1Tm 3.15).
3.     Que Deus não terá por inocente os servos maus e negligentes que transformam a sua igreja num covil de malfeitores e politiqueiros carnais. (Mt 24.48-51; 25:26, 30).
4.     Que os maus líderes que dividem e dilaceram a igreja do Senhor por motivos pessoais e carnais, não escaparão do juízo divino que os destruirá, bem como a seus comparsas e cúmplices. “Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que vos foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo; Os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores que andariam segundo as suas ímpias concupiscências. Estes são os que causam divisões, sensuais, que não têm o Espírito”. (Judas 17-19)
5. Que a politicagem carnal e mundana é apropriada ao mundo e nunca jamais à igreja do Senhor, e os que dela participam estão entre os carnais inveterados nas obras da carne que não terão parte no Reino dos Céus. (Gl 5.19-21)
6. Que aqueles que destruírem o santuário de Deus, Deus os destruirá. (1Co 3.17)
7. Que os sinais externos não nos garantem que Deus esteja aprovando e que os homens são de fato de Deus (Mt 7.15-23).
Que fazer, então? – As Escrituras verdadeiramente afirmam a existência e a realidade das forças espirituais do mal. O ponto central é que, na cruz, Cristo ganhou a batalha contra as hostes espirituais do mal, contra Satanás. Cristo já desfechou o golpe final, não há retorno para Satanás. Em Colossenses 2.14-15 Paulo diz: “tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz; edespojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”. Todas as armas da cidade vencida eram levadas. A cidade era desarmada para que não houvesse outra rebelião. Essa figura é bastante conhecida – “o triunfo romano”; um general, voltando vitorioso para sua cidade, entrava em triunfo com os prisioneiros amarrados atrás dele. E aí as mulheres, as crianças e os velhos jogavam terra, tomate, nos derrotados. Eles eram expostos ao desprezo.
O apóstolo Paulo deliberadamente está dizendo que, na cruz, Cristo desarmou os principados e potestades; é a mesma expressão de “principados e potestades” que aparece em Efésios 6. Desarmou, despojou, tirou tudo em que eles confiavam. O inimigo foi deixado despido, nu, sem nada e exposto ao desprezo. Na cruz do Calvário Cristo triunfou deles. A Escritura afirma isso de forma indiscutível.
Em João 12.31-33 Jesus diz aos discípulos: “Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo. Isto dizia, significando de que gênero de morte estava para morrer”. Nessa passagem, o Senhor Jesus Cristo está dizendo que na Sua morte o príncipe desse mundo seria expulso. Em resumo, Ele está dizendo a mesma coisa que Paulo, em Colossenses 2.14,15; e que Moisés escreveu em Gênesis 3.15. As expressões “esmagar a cabeça”, “desarmar”, e “expulsar o príncipe desse mundo” referem-se, todas elas, a Satanás.
A Igreja deve tomar duas linhas: Em primeiro lugar, precisamos estar conscientes de que estamos envolvidos numa guerra espiritual. As pessoas que estão lá fora, no mundo, estão debaixo do poder deles e a Igreja tem que ter consciência disso. Em segundo lugar, a Igreja deve fincar os pés na Escritura e fazer da Escritura o seu manual prático. Aquilo que não puder ser provado pela Escritura, ou deduzido de uma forma legítima da Escritura, deve ser rejeitado e colocado fora da nossa vida, da nossa Igreja e da nossa prática de ministério. Como já nos disse o pastor Augustus Nicodemus Lopes.
 
Copyright 2013 Todos os direitos reservados | Blog Uma Alma Sedenta | Em Defesa da Fé Cristã Protestante