06 dezembro 2016

PR CIRO CIRO SANCHES - "UMA VIDA EM SANTIDADE"


Igreja Assembleia de DEUS 
 Encontro de Lideres de Jovens e Adolescentes - Liderar Norte 

Veja o vídeo abaixo. Excelente Palavra de Deus ministrada pelo Pr. Ciro. O tema é "Uma vida de santidade"



ESPERANÇA PARA IRAQUE E SÍRIA

Resultado de imagem para Iraque e da Síria
Iraquianos da minoria Yazidi abandonam suas casas e fogem para a Síria para escapar da violência dos jihadistas na cidade de Sinjar. (Foto: Rodi Said/Reuters)
O cristianismo tem uma longa história no Iraque. Mosul, nome atual da antiga cidade de Nínive, é a segunda maior cidade do Iraque e agora é uma área ocupada pelos militantes do Estado Islâmico. Antes da invasão americana em 2003, o Iraque era lar de uma das maiores comunidades cristãs do Oriente Médio. A comunidade cristã, presente ali por dois milênios, atualmente está prestes a se extinguir.

Ao longo dos últimos anos, o Iraque tem sofrido com a estrutura incerta, conflituosa e instável de um governo incapaz de cumprir a lei e prover o mínimo de segurança aos seus cidadãos. Os níveis de corrupção estão subindo e a violência intolerante parece não ter fim.

O Iraque é um país dividido em dois: ao norte, a região curda autônoma, oficialmente governada pelo Governo Regional do Curdistão com base em Erbil e a grande parte árabe restante, de maioria controlada pelo Governo Iraquiano em Bagdá. Curdos e árabes têm suas próprias línguas e culturas. A maior parte dos recursos iraquianos de petróleo são encontrados perto de Kirkuk e Mosul, na fronteira de áreas entre a região curda e árabe do Iraque, e essas estão entre as regiões mais violentas do país.

Cristãos na região enfrentam duas diferentes batalhas: uma do país do Curdistão iraquiano e outra de uma limpeza religiosa do Iraque pelos grupos de extremistas islâmicos que desejam tornar o país puramente islâmico.
Por outro lado, há também vestígios de esperança. Pastores e líderes cristãos convertidos do islamismo têm cooperado uns com os outros cada vez mais no norte do país e igrejas tradicionais e organizações cristãs estão estendendo a mão para refugiados de áreas controladas pelo Estado Islâmico e da Síria através de distribuição de cobertores e brinquedos. Igrejas em Erbil e Dohuk estão levando em alta escala ajuda humanitária e emergencial a mais de 15 mil famílias deslocadas internamente.

Sobre a Síria
Um novo capítulo na história da guerra civil da Síria foi a intervenção russa em 2015. De acordo com o departamento de pesquisa Economist Intelligence Unit, o nível da intervenção não parece ser de suficientemente capaz para salvar o esgotado regime sírio, mas servirá como auxílio neste curto prazo frente aos crescentes poderes e ameaças do Estado Islâmico fora do Oriente Médio, especialmente depois dos ataques de Paris. Como no ano passado, a Economist Intelligence Unit continua a esperar que, como “a guerra tem caído para um vale-tudo, a crise humanitária tende a piorar, forçando mais sírios a fugir do país e deixando que a economia dependa de ajuda externa”.

O impacto da guerra civil sobre os cristãos, e mais especificamente os ataques diretos destinados a cristãos, são extremamente traumáticos, levando-os a continuar fugindo do país. A presença dos cristãos como um elemento neutro em sociedades com tantas facetas do islã é muito importante. Como seus números só estão diminuindo, a instabilidade e os conflitos tendem a aumentar.
No meio de toda a violência e perseguição, também há vestígios de esperança. Embora muitos cristãos tenham deixado o país - e continuarão a fazê-lo - ou estão deslocadas internamente, há muitos cristãos que estão verdadeiramente empenhados em ficar na Síria e servir o país, principalmente no meio desta provação inimaginável. Também vemos um crescimento no número de pessoas que se converteram a Cristo em meio à guerra civil.

Outro fato preocupante refere-se à Síria como sendo protagonista da “maior crise de deslocados globalmente”, segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA). Mais de metade da população síria antes da guerra – 22 milhões – deixaram suas casas; 7,6 milhões estão deslocadas dentro do país, e 4 milhões vivem como refugiados fora da Síria. É impossível saber quantos dos 1,8 milhões de cristãos que estavam no país no início da guerra estão entre este grupo, mas estima-se que entre 600 mil e 900 mil ainda permanecem no país. Como exemplo, no início da guerra, a cidade de Aleppo era lar de um grande número de cristãos – cerca de 250 mil –, mas este ano esse número diminuiu para menos de 40 mil. A maioria deles estão fugindo pelo simples fato de que a vida ali não é mais possível, graças à guerra civil.

A maioria dos refugiados sírios buscaram refúgio na Turquia – mais de 2 milhões –, Líbano – 1,4 milhão – e Jordânia – 623 mil. Muitas vezes, os refugiados se encontram em acampamentos no deserto, distantes das cidades, e em condições precárias. Este ano, com a promessa de Angela Markel, chanceler alemã, de receber refugiados da Síria, a imigração para a Europa aumentou com mais de um milhão de refugiados registrados somente na Alemanha, sendo a maioria deles provavelmente sírios. Mas a grande maior parte destes refugiados são muçulmanos e os cristãos podem ser sub-representados, já que muitos deles temem ir para campos de refugiados porque, como nas palavras de um pai cristão da Síria, “nós ainda somos uma minoria vulnerável em um lugar perigoso”.

A Igreja
O extremismo do Estado Islâmico dirigido aos cristãos e outras minorias na Síria e no Iraque foi reconhecido pelo Parlamento do Reino Unido em abril de 2016 como genocídio. No entanto, o Estado Islâmico não é a única fonte de perseguição dirigida aos cristãos. Até antes do início da guerra do Iraque em 2003 e do início da guerra civil da Síria em 2011, os cristãos não experimentavam plena liberdade de religião ou crença. Mas desde este momento, eles têm enfrentado um aumento do assédio e da violência, tanto do governo como das forças de grupos islamistas.

Cristãos estão enfrentando situações terríveis na tentativa de fugir da perseguição e da guerra. A vida é sempre difícil em campos de refugiados, seja dentro ou fora do país. Em um campo de refugiados no Líbano, um pai compartilhou: “Você foge para sobreviver e manter suas crianças salvas, mas isso é geralmente tão difícil quanto em campos de refugiados, uma vez que pode ser duro encontrar o suficiente para comer e também proteger principalmente nossas jovens filhas de tentativas de violência e rapina".
Outro cristão do Iraque, um dos 120 mil que fugiram do avanço do Estado Islâmico na planície de Nínive, compartilhou: "Sim, temos de lidar com o trauma de ir embora e, às vezes, com as coisas terríveis que temos visto, mas a coisa mais difícil para mim é manter a esperança viva que nós vamos retornar – se você se sentir desesperado quanto ao futuro, então será muito difícil encontrar uma motivação para sobreviver".

É por isso que a presença da Portas Abertas é tão importante. Nosso primeiro dever é estar fisicamente presente com os cristãos perseguidos, orando com eles e lhes garantindo que o corpo de Cristo ao redor do mundo não se esqueceu deles. Depois, levamos nosso apoio, quer sejam alimentos e cobertores, sustento, fonte de renda, ou nos comprometendo a defendê-los para colocar um fim em sua incerteza e exílio. Desta forma, como disse uma mão iraquiana refugiada: "você ajuda a manter nossa esperança viva”.

Esperança para Iraque e Síria
Participe da campanha mundial da Portas Abertas para que em sete anos a igreja no Oriente Médio tenha de volta esperança no futuro. O propósito é que, pela graça de Deus, essas ações possam garantir um lugar seguro e um futuro de paz para os cristãos e outras minorias religiosas como parte valiosa e integrada na sociedade do Oriente Médio.


PortasAbertas

05 dezembro 2016

UMBANDA É DECLARADA “PATRIMÔNIO IMATERIAL” DO RIO DE JANEIRO - TEMPOS DIFÍCEIS

umbanda

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), configura-se como “patrimônio imaterial” qualquer prática, representação, expressão, conhecimento e técnica reconhecida por comunidades e indivíduos como parte de seu patrimônio cultural.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, assinou um decreto, publicado no Diário Oficial nesta terça-feira (8), onde a umbanda passa a ser reconhecida como patrimônio imaterial da cidade. Ao todo, o Rio tem 54 bens imateriais reconhecidos, incluindo escolas de samba, festas de Iemanjá, procissão de São Sebastião e o frescobol.

Os estudos para a inclusão da religião de matriz africana foram feitos pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH). Segundo a Globo o reconhecimento veio por que a umbanda como a conhecemos nasceu no estado do Rio de Janeiro.

O presidente do IRPH, Wilson Fajardo, esclarece que desde 2009 vem sendo realizado um trabalho de valorização da cultura africana na história da cidade. Para ele, esta chancela amplia o reconhecimento da religião, bem como os aspectos culturais do sincretismo religioso.

Fajardo ressalta que os “terreiros” possuem grande impacto na formação da identidade cultural do carioca. Esse decreto é consequência da promoção de políticas públicas de respeito à diversidade religiosa.

O IRPH já iniciou um cadastro para mapear os locais tradicionais onde a umbanda é praticada na cidade. Todos os terreiros serão catalogados. O primeiro foi a Tenda Espírita Vovó Maria Conga de Aruanda, situada no Estácio, na Zona Norte. 

Fonte: G.P

04 dezembro 2016

MENINA PERDOA PAI QUE TENTOU MATÁ-LA APÓS SUA CONVERSÃO

menina-de-uganda


Seis anos atrás, uma menina de dez anos se converteu ao cristianismo em Uganda. Ao saber da notícia, seu pai, que é muçulmano, ficou tão irritado que a trancou em um quarto escuro por seis meses. Susan iria morrer de fome e sede se o irmão mais velho, Mbusa, não passasse um pouco de comida e água por uma fresta na porta.
O homem espancou tanto a filha que a menina perdeu parte dos movimentos da cintura para baixo. Eventualmente acabou sendo hospitalizada, mas os danos podem ser permanentes. Confessou acreditar que seu pai iria matá-la.
No momento em que foi resgatada, em outubro de 2010, Susan não conseguia andar nem conversar. Seu cabelo preto tinha ficado amarelado e ela pesava apenas 20 quilos. Passou quase um ano internada em um hospital, onde era visitada regularmente por cristãos locais. A missão Portas Abertas também entrou em cena, provendo para ela alimentos, roupas, artigos de higiene pessoal e materiais de leitura.
Apesar de toda a tortura que sofreu, Susan recusou-se a negar a Cristo: “Não posso deixar Jesus, decidi não abandoná-lo porque ele me deu a vida eterna e, mesmo que eu morresse lá, tinha certeza de que iria para junto dele”, afirmou.
Agora com 16 anos, Susan é incapaz de andar sem a ajuda de muletas, mas mantém o otimismo quanto ao seu futuro, revelando que espera se tornar médica um dia.
Com o apoio da missão, passou por uma cirurgia corretiva e fisioterapia, mas perdeu pelo menos dois anos de estudos. Citando Lucas 23:34, ela afirmou que tomou uma decisão: “Perdoo meu pai porque ele não sabia o que estava fazendo”. Também diz que tem um pedido: “Por favor, ore por minha cura, quero andar sem as muletas”.
Apesar da maioria da população de Uganda ser cristã, cerca de 85%, a minoria muçulmana (11%) vem se radicalizando. Grupos extremistas como o Al-Shabab intimidam sobretudo aqueles que vivem no leste do país. Existem numerosos relatos de islâmicos que sofrem perseguição por terem se convertido. Há casos de pessoas que foram abandonados por seus familiares ou até mortos. 
Com informações Gospel Herald

01 dezembro 2016

LlIGAÇÃO ENTRE OS SANTOS CATÓLICOS E OS ORIXÁS

Cada um dos 16 orixás – as entidades cultuadas no candomblé e na umbanda – corresponde a um ou mais santos católicos. Dá para explicar essa ligação contando um pouco da história do período colonial no Brasil. Naquela época, chegaram ao país os primeiros africanos de origem iorubá, um povo que ocupava a região onde hoje ficam Nigéria, Benin e Togo. A religião dos iorubás era o candomblé, mas eles aportaram no Brasil como escravos e não podiam cultuar suas divindades livremente – você sabe, a religião oficial do país era (e é) o catolicismo. Por causa dessa proibição, os escravos começaram a associar suas divindades com os santos católicos para exercerem sua fé disfarçadamente. Como os santos católicos são bem numerosos, existem divindades que são identificadas com mais de um santo. Por exemplo: Oxóssi, o rei da caça, é associado a São Jorge e a São Sebastião. “Essa relação com um ou outro santo depende da região do país, variando de acordo com a popularidade do santo no local”, diz o sociólogo Reginaldo Prandi, autor do livro Mitologia dos Orixás. Claro que a associação não é exata: ao contrário dos santos católicos, os orixás são entidades com virtudes e defeitos, e seus seguidores acreditam que eles conhecem o destino de cada um dos mortais. Bom, só faltou falar um pouquinho da relação dos orixás com a umbanda, uma religião genuinamente brasileira, surgida na década de 30 no Rio de Janeiro a partir da combinação de elementos do candomblé, do catolicismo e do espiritismo. Assim como o candomblé, a umbanda também cultua os orixás. Mas os umbandistas representam essas divindades com imagens diferentes, além de cultuarem outros três espíritos, o preto-velho, o caboclo e a pomba-gira. Nenhum deles aparece no candomblé.
oxum
 Altar democrático Veja como as cinco principais entidades do candomblé e da umbanda se relacionam com as católicas
ORIXÁ: Iemanjá
SANTA CATÓLICA: Nossa Senhora da Conceição
Iemanjá é a deusa dos grandes rios, mares e oceanos. Na umbanda, ela é cultuada como mãe de muitos orixás e identificada com Nossa Senhora da Conceição — uma das manifestações católicas da Virgem Maria, mãe de Jesus. No candomblé, ela é representada como uma negra e usa roupas africanas
ORIXÁ: Iansã
SANTA CATÓLICA: Santa Bárbara
Esposa de Xangô, a Iansã do candomblé e da umbanda é a deusa dos raios, dos ventos e das tempestades. Na doutrina católica, ela corresponde a Santa Bárbara — também uma protetora contra raios, tempestades e trovões
ORIXÁ: Xangô
SANTO CATÓLICO: São Jerônimo e São João
Tanto para o candomblé quanto para a umbanda, Xangô é o deus do trovão e da justiça. Ele é associado a dois santos católicos: São Jerônimo, que no final do século 4 traduziu alguns livros da Bíblia do hebraico e do grego para o latim, ou São João, que pregava a conversão religiosa e batizou Jesus
ORIXÁ: Ogum
SANTO CATÓLICO: Santo Antônio e São Jorge
Para a umbanda e o candomblé, Ogum é o orixá da guerra, capaz de abrir caminhos na vida. Por isso, costuma ser identificado com Santo Antônio, o “santo casamenteiro”, ou com São Jorge, santo guerreiro que é representado matando um dragão
ORIXÁ: Oxalá
SANTO CATÓLICO: Jesus
Na umbanda e no candomblé, Oxalá é a divindade que criou a humanidade — por isso, ele se equivale a Jesus, uma das manifestações do Deus triuno do catolicismo (pai, filho e espírito santo). Além de ter modelado os primeiros seres humanos, Oxalá também inventou o pilão para preparar inhame e é considerado o criador da cultura material
http://mundoestranho.abril.com.br/religiao/qual-a-ligacao-entre-os-santos-catolicos-e-os-orixas/

30 novembro 2016

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ S PROTEGEM SEUS PEDÓFILOS, AFIRMA RELATÓRIO DA AUSTRÁLIA

Resultado de imagem para Testemunas de Jeová protegem seus pedófilos

As Testemunhas de Jeová adotam procedimentos e uma política de comportamento de seus líderes cujo resultado é a proteção de fiéis de que abusam sexualmente de crianças. Muitos dos abusadores são os próprios líderes da igreja, como anciões (sacerdotes).


A conclusão é de um relatório de 110 páginas da Comissão Real da Austrália, que investiga denúncias sobre abuso infantil por parte de membros da igreja.

“[As crianças] não são devidamente protegidas contra o risco de abuso sexual" dentro da organização, afirmou o relatório.

A comissão constatou que há acusados de ter violentado crianças que receberam punição leve e alguns deles continuaram atuando dentro da organização, colocando em risco outras crianças.

Outras constatações da comissão:

— A religião se baseia em políticas e práticas desatualizadas para responder a acusações de abuso sexual infantil. 

— É procedimento da igreja não relatar às autoridades casos graves de abuso sexual, principalmente quando a vítima for criança.

— Os anciões só aceitam denúncia se o abuso for relatado por duas testemunhas, como se o criminoso. na maioria dos casos, fosse suficientemente idiota para praticar o ato diante de outras pessoas.

— As comissões da igreja que examinam denúncias de abuso são presididas por homens, o que muitas vezes constrange o denunciante.

Fundada em 2013, a Comissão Real da Austrália é uma entidade oficial que, inicialmente, tinha como foco os abusos praticados por sacerdotes católicos.

A comissão constatou, depois, que o problema do abuso infantil também é grave dentro da religião Testemunhas de Jeová.

Levantou indícios de que, desde 1950, as TJs deixaram de informar às autoridades 1.006 casos de abuso de criança.


Há registros desse tipo de violência em outros países.

Com informação do relatório da Comissão Real da Austrália

28 novembro 2016

10 DESEJOS DE SATANÁS PARA A IGREJA CONTEMPORÂNEA

Resultado de imagem para desejos de satanás contra a igreja
1 – Cantem bastante sobre Jesus, mas jamais vivam de forma que possam 'adora-Lo em espírito e em verdade'.
2 – Trabalhem para terem templos grandes e repletos de pessoas, contanto que, a maioria jamais se converta ao Evangelho de Cristo.

3 – Continuem debatendo e falando sobre avivamento, desde que permaneçam endurecidos e enrijecidos em seus próprios corações.
4 – Busquem sempre divertir e entreter as pessoas mesmo utilizando a Bíblia, mas jamais as contrariem, a ponto de se arrependerem dos seus pecados.
5 – Bajulem-se entre si, celebrem a santa hipocrisia, cultuem os seus próprios clubes religiosos e continuem preconceituosos a ponto de não caírem na graça do povo.
6 – Comprem Bíblias das mais variadas versões, contanto que não conheçam a Palavra.
7 – Defendam e promovam suas próprias culturas, desde que não vivam ou testemunhem da cultura do Reino de Deus.
8 – Continuem firmes em suas próprias convicções farisaicas, destruindo e despedaçando almas em nome de Deus.
9 – Acreditem que sempre estarão certos e seguros segundo suas próprias experiências e espiritualidades, desde que Cristo Jesus jamais seja o referencial de vocês.
10 – Por fim, incentivo a todos a continuarem celebrando Jesus, declarando com veemência: 'Ei, Ei, Ei Jesus é nosso Rei', desde que o Deus que conhece todas as coisas, Naquele grande Dia, olhe para esta “Igreja” e diga: “Não vos conheço”.
Samuel T.

27 novembro 2016

O DIA DA MORTE DE JESUS CRISTO - ACONTECIMENTOS

Resultado de imagem para ACONTECIMENTOS NO DIA DA MORTE DE JESUS


Mat. 27:32-56 / Jo. 19:30 / Is. 52:13 a 53:12
Assim como grandes acontecimentos marcaram a história de povos e nações, uns para melhor e outros para pior, no caso de guerras e genocídios, a morte de Cristo também foi marcada por acontecimentos fantásticos, os quais tentaremos falar neste artigo.

Como é de nosso conhecimento, a morte de Cristo na cruz do Calvário foi precedida por alguns fatos marcantes, os quais foram reconhecidos por muitos como sinais da autenticidade da missão messiânica de Jesus. Até mesmo aqueles que tiveram a função de escoltar Jesus até o Calvário como o centurião e os que com ele estavam escalados para guardar Jesus, quando viram as coisas que haviam sucedido, tiveram temor e exclamaram: "Verdadeiramente este era o Filho de Deus" (Mat. 27:54).

Trevas em plena luz do dia trevas ao meio-dia

Sempre após a virada do dia, todos nós sabemos que logo virá o anoitecer, a escuridão, e ninguém fica com medo ou admirado disso, porque é algo esperado por todos, mas quando as trevas chegam ao meio-dia em período de maior força do sol, aí as coisas mudam, com certeza haverá perplexidade. E foi isso que aconteceu quando houve trevas ao meio-dia, houve perplexidade entre as testemunhas. Era meio-dia e todos olhavam para a cruz, uns zombavam, outros aguardavam com tristeza o desenrolar dos acontecimentos. Um dos malfeitores disse:"Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino" (Luc. 27:45). Um dos primeiros fatos foi a escuridão de três horas, do meio-dia até às 15h (Mat. 27:45). Este fato foi tão marcante que não pode ser tido como uma coincidência e tão pouco como um eclipse comum do sol, pois em geral, os eclipses não passam de poucos minutos[2].


O fato é que a escuridão veio como um sinal do céu (Êx. 10:21-22)



Três horas de trevas

Esta não é a primeira vez que trevas são dadas como um sinal do céu. Fato parecido aconteceu com Moisés que, em obediência a Deus, estendeu a sua mão para o céu e houve grandes trevas em toda a terra do Egito por três dias, de sorte que ninguém se levantou do seu lugar, porém os filhos de Israel tinham luz em suas casas. Semelhantemente, nas três primeiras horas da crucificação, todos podiam ver a face de Cristo (Mc. 15:25); já nas três últimas horas da agonia do Salvador, o Pai o ocultou dos olhos do povo com as trevas em toda a terra da Judéia, das 12h às 15h (Mat. 27:45).

A terra tremeu, as rochas se fenderam

Segundo um site especializado no assunto, os terremotos são algo frequente em nosso planeta, cerca de 3600 deles acontecem todo dia, e sabemos também que alguns tendem a ser mais desastrosos do que outros, causando muitos estragos onde acontecem, mas nenhum único terremoto foi como esse que aconteceu no dia da morte de Cristo, pois este teve pelo menos dois ou três acontecimentos que o diferenciou dos outros:
Aconteceu exatamente quando Jesus expirou (Mat. 27:50-51). Perto da hora nona, ainda em trevas, Jesus exclamou em alta voz: "Eli, Eli, lamá sabactâni, que quer dizer: Deus meu, por que me desamparaste?" (v.46). Neste momento, recaía sobre ele os pecados de toda a humanidade. E às 15h, Jesus exclamou, pela segunda vez, em alta voz, e expirou (v.50).

O fato não aconteceu por causa do movimento das placas tectônicas dentro da terra de forma aleatória, ao acaso, mas aconteceu após o brado de Jesus (v.51) ao consumar a obra da redenção da raça humana. Ainda que alguns modernistas tentam explicar isso por meios puramente humanos, negando o lado miraculoso destes feitos, não há como negar que tudo foi a providência de Deus que fez realizar tais fatos com tanta perfeição, justamente naquela hora.
Outro fato marcante foram os sepulcros abertos. Os corpos dos santos foram ressuscitados e depois da ressurreição de Cristo apareceram para muitos (Mat. 27:52-53). 


O véu do templo se rasgou de alto a baixo




O véu do santuário rasgou-se em duas partes, No templo havia um véu de dezoito metros de altura por nove de largura, sua feitura era de uma tecido espesso entre 6 a 10 cm - espessura da mão de um homem-, e era necessário muito esforço para rasgá-lo, de alto a baixo então, as coisas se complicariam ainda mais. Esse véu, era uma espécie de cortina que, no Tabernáculo e no Templo, fazia separação entre o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo-mesmo que Santo dos Santos- (Êx. 26:33; Mat. 27:51).

Vemos então que o véu não foi rasgado por meio de mãos humanas, pois não era qualquer pessoa que podia entrar naquele recinto, foi a próprio Deus que o fez, como o versículo nos afirma: "Naquele momento, o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo..." (Mat. 27:51), o homem teria feito de baixo para cima, e como só o sumo sacerdote poderia entrar no local do Santo dos Santos, ficaria difícil para ele só.

O véu foi rasgado na hora do sacrifício da tarde (Ed. 9:5; Mat. 27:46-51). Este era o momento em que os sacerdotes ofereciam o sacrifício da tarde. O véu foi rasgado e o Santo dos Santos teve o seu acesso liberado. Imagine os sacerdotes ali no Templo ministrando e vendo aquele portento, vendo o Santo dos Santos, com certeza eles temeram perder a própria vida, pois era o que acontecia se alguém se colocasse diante do Santo dos Santos, exceto o sumo sacerdote. Este entrava no Santo dos Santos uma única vez por ano, nunca sem antes oferecer sacrifícios por si mesmo, e depois pelo povo, em um ritual muito cuidadoso (Lev. 16:29-34; Heb. 9:6-7).

O véu se rasgou após o brado de vitória (Jo. 19:30). Jesus, ao consumar o seu ministério, no dia de seu sacrifício pelos pecados, deu um forte brado: "Está consumado!" O plano para nossa redenção estava completo. Agora, através do sacrifício de Jesus, podemos ter acesso a Deus, pois o véu que fazia separação foi rasgado (II Cor. 3:16; Heb. 10:19-20).


O simbolismo do véu rasgado. O véu representava a impossibilidade do homem de apresentar a si mesmo diante de Deus. O véu rasgado, aponta para a nova dispensação, na qual o caminho foi aberto para os verdadeiros adoradores entrarem livremente na presença de Deus (Heb. 9:8-14). Hoje nós temos ousadia para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus. Em Cristo, isto é, pelo novo e vivo caminho, pelo véu, ou seja, pela sua própria carne temos acesso a Deus (Heb. 10:19-20).

Por isso disse anteriormente, que nenhum dos fatos da história do homem foi tão importante, ou marcou a história do homem sobre a terra quanto os fatos que se passaram naquele dia que nos foi ofertada eterna redenção. Aquele ato de crucificação foi doloroso para Cristo e nos proporcionou vida. Os fatos que marcaram o dia da morte de Cristo, foram acontecimentos visíveis e perceptíveis que no dia de sua morte foram provas objetivas da autenticidade de sua missão, como Salvador esperado, e vai além disto. Por que o maior de todos os "terremotos" que ocorreu foi aquele que abalou o inferno e abriu-lhe as portas, dando oportunidade de libertação de vidas escravizadas pelo poder do diabo. Este é ou não é um grande fato?


Se você, prezado amigo, ou caro irmão que se distanciou de Jesus, é hora de retornar-se a Ele. Arrependa-se dos seus pecados.

Aceite a Jesus, como Salvador, Senhor e amigo.

Ele vai mudar sua vida.

Viva vencendo, reconhecendo o sacrifício de Jesus!!!

Abraços.

Seu irmão menor.




26 novembro 2016

A NOVA 'MPB' - MUSICA PROFANA BRASILEIRA

Resultado de imagem para Musica apelativa brasileira

Uma pesquisa sobre música popular brasileira, feita(Opinião - A atual e pobre música brasileira - Gilmaci Santos) quando, chamou a atenção mesmo de quem não estava atento. Ela mostra que a maior parte das músicas que fazem sucesso é de péssima qualidade.       

Mas desde o início dos séculos os moradores da terra cantam músicas, que chamamos de músicas seculares, ou seja músicas que não tem a intenção de louvar a Deus, apenas consiste em levar aos seus ouvintes palavras que o emocionem ou algo parecido.

Mas ultimamente, as músicas seculares estão cada vez pior, em termos de composição, as pessoas tem mais prestado a atenção nos arranjos do que as próprias letras, são letras que maltratam as famílias, as mulheres e trazem palavras de duplo sentido, vulgar, imoral, já se foi aquela MPB (Música Popular Brasileira), que trazia letras que tinha pelo menos um sentido. Mas hoje ficaram as mesmas siglas, só que mudam o significado, que é MPB (Música Profana Brasileira).

Infelizmente as autoridades do nosso país não se preocupam com essa poluição sonora e espiritual, que vem afligindo o caráter das famílias, que  temos tido o maior cuidado de educar os nossos filhos com uma linguagem e postura santa, e vem esses sons ao encontro dos nossos ouvidos, pois hoje existem até competições de sons automotivos com essas musiquinhas(me permita a expressão), pensando que nossos ouvidos são vasos sanitários.

As autoridades se 'preocupam tanto com a educação dos brasileiros', que permitem que tais gravadoras (e de fundo de quintal, com seus autores "inspirados") possam espalhar um lixo musical para o público alvo. 
O Salmo 146.1-2 diz: "Louvai ao Senhor! Ó minha alma, louva ao Senhor!
Louvarei ao Senhor durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus enquanto viver". Já desde a antiguidade havia quem louvasse a Deus de verdade. Hoje, até o chamado 'gospel', é visto como 'corrupção da sacralidade musical cristã'. Que dirá da MPB?

O salmista tinha a convicção que estava neste mundo exclusivamente para louvar ao Criador, ele sabia que sua vida, a sua alma pertencia a Deus.
E é exatamente esse tipo de sentimento que deveria ter todos os moradores da terra, louvar ao Senhor incansavelmente. Vejamos que Davi, além de poeta, músico e cantor foi  inventor de diversos instrumentos musicais, como está escrito em Amós 6.5, ele já vivia com a intenção de louvar a Deus em tudo que fazia e criava. 

A música brasileira está decadente – sans élégance. Difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido uma frase como essa. 'Refine o gênero, e as frases continuarão a fazer sentido para muitas pessoas'. O funk, o sertanejo, o forró, o pop, todas as músicas consumidas pelas massas não prestam.

Um estudo acadêmico parte do forró eletrônico, ouvido à exaustão em todo o Nordeste, para investigar o que muitos chamam de “degeneração” da música popular. O professor Jean Henrique Costa, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, obteve o título de doutor em Ciências Sociais com a tese “Indústria Cultural e Forró Eletrônico no Rio Grande do Norte”, defendida em março de 2012 na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Veja o que ele diz:
“O que move o cotidiano é isso mesmo: sexo, amor, prazer, diversão. O forró e quase toda música popular sabem muito bem usar desse artifício para mover suas engrenagens”, explicou Costa. “Não é por acaso que as relações sexuais são tão exploradas pelas canções de maior apelo comercial a ponto de se tornarem coisificadas à maneira de clichês industriais.”

São letras tão ridículas que as vezes fico surpreso como essas coisas que as pessoas chamam de "musica", podem fazer sucesso. Naturalmente, como não é preciso ser muito talentoso para fazer sucesso no atual momento da nossa musica, o nível dos "artistas"(eles não são artistas, mas vou chamá-los assim para mostrar um mínimo de respeito), cai drasticamente.

Daí, a sigla continuar a mesma, mas o sentido agora é outro: MPB - Música Profana Brasileira.

Que todos os que temem a Deus possam fazer como o salmista que disse no salmo 149.1, "Louvai ao Senhor! Cantai ao Senhor um cântico novo e o seu louvor, na congregação dos santos".  

Não dê 'ibope' ás essas cantigas que só arruínam sua vida!!!

Viva vencendo com os louvores sacros-santos!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

25 novembro 2016

20 FATOS SOBRE A MORTE DE JESUS CRISTO NA CRUZ.

Símbolo máximo do cristianismo, a cruz é associada a Jesus Cristo e vista em muitas igrejas e altares. Nesta postagem, vamos apresentar 20 fatos sobre a morte de Jesus Cristo na cruz, sob um ponto de vista menos religioso, e mais científico. Você vai saber como a cruz era utilizada na antiguidade como método de execução. Além disso, vai conhecer o que ocorreu com o corpo de Jesus durante o processo de crucificação.

Imagem de cruz romana
- A crucificação foi um método de execução cruel utilizado na Antiguidade e comum tanto em Roma quanto em Cartago. Abolido no século IV, por Constantino, consistia em torturar o condenado e obrigá-lo a levar até o local do suplício a barra horizontal da cruz, onde já se encontrava a parte vertical cravada no chão.
- Uma vez posto na cruz, de braços abertos, o condenado era amarrado e pregado na madeira pelos pulsos e pelos pés e morria, depois de horas de exaustão. A morte ocorria por parada cardíaca ou asfixia, pois a cabeça pendida sobre o peito dificultava a respiração.
- Acredita-se que a crucificação foi criada na Pérsia, sendo trazido no tempo de Alexandre para o Ocidente, sendo então copiado dos cartagineses pelos romanos. Neste ato combinavam-se os elementos de vergonha e tortura, e por isso o processo de crucificação era olhado com profundo horror.
- O castigo da crucificação começava com flagelação, depois do criminoso ter sido despojado de suas vestes. Na ponta do açoite, os soldados fixavam pregos, pedaços de ossos, e coisas semelhantes, podendo a tortura do açoitamento ser tão forte que às vezes o flagelado morria em consequência do açoite.
- Para abreviar a morte, os torturadores às vezes fraturavam as pernas do condenado, removendo totalmente sua capacidade de sustentação. No entanto, era mais comum a colocação de “bancos” no crucifixo, o que fazia com que a vítima vivesse por mais tempo. Nos momentos finais, falar ou gritar exigia um enorme esforço.
Jesus Cristo na cruz
- A crucificação é geralmente associada à Jesus Cristo que, segundo as escrituras, teria sido morto desta forma. Considerando o que é narrado nos Evangelhos, alguns pesquisadores, como Jim Bishop, analisaram cientificamente como foi o sofrimento de Jesus, desde de sua captura, até a sua morte.
- De acordo com os Evangelhos, no jardim do Getsêmani, Jesus Cristo suou gotas de sangue. Segundo a medicina, sob um grande stress emocional, vasos capilares nas glândulas sudoríparas (responsáveis pela transpiração) podem partir, misturando sangue com suor. Este fenômeno raro é chamado de hematidrose.
- Após ser levado à presença de Caifás e, posteriormente, de Pilatos, Jesus Cristo foi condenado. Em seguida, foi levado para ser torturado e flagelado. O açoite usado na flagelação era descido com toda a força vez após outra nos ombros, costas e pernas do condenado.
- No primeiro contato, o açoite cortava apenas a pele. Então os golpes continuavam, cortavam mais profundamente o tecido subcutâneo, produzindo primeiramente um gotejamento de sangue dos vasos capilares e veias da pele e finalmente jorros de sangue arterial das veias dos músculos.
- Além da tortura, Jesus era motivo de chacota, pois era denominado rei dos judeus. Os soldados romanos, ironicamente, vestiram um manto sobre os ombros de Jesus e colocaram um bastão em suas mãos como um cetro real. Em sua cabeça foi depositada uma coroa de espinhos.
Coroa de Espinhos
- Os espinhos utilizados na coroa eram agudos, longos e curvos. Uma vez cravados na cabeça de Jesus, os espinhos atingiram ramos de nervos que provocam dores terríveis quando são irritados. É o caso do nervo trigêmeo, na parte frontal do crânio, e do grande ramo occipital, na parte de trás.
- Cansados da brincadeira, os romanos arrancaram a túnica bruscamente.  O manto já tinha aderido às costas em carne viva junto aos coágulos de sangue e soro das feridas, e a sua retirada causava intensa dor. As feridas começaram a sangrar novamente.
- Após o suplício dessa coroação, amarraram nos ombros de Jesus a parte horizontal de sua cruz (cerca de 22 quilos) e penduraram em seu pescoço uma placa com o nome e o crime cometido pelo crucificado, em latim,INRI – Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus.
- A parte vertical da cruz ficava esperando pelo condenado. Jesus teve que caminhar um pouco mais de meio quilômetro (entre 600 a 650 metros) para chegar ao lugar do suplício, conhecido como Golgotha, “lugar da caveira”. Hoje se chama, pela tradução latina, calvário.
- Antes de começar o suplício da crucificação, era costume dar uma bebida narcótica (vinho com mirra e incenso) aos condenados, com o fim de diminuir um pouco suas dores. Segundo o Evangelho, quando apresentaram essa bebida a Jesus, ele não quis bebê-la.
Cravos utilizados na crucificação
- Com os braços estendidos, mas não tensos, os pulsos eram cravados na cruz. Desta forma, os pregos de aproximadamente 12,5 centímetros eram provavelmente postos entre o rádio e os metacarpianos, ou entre as duas fileiras de ossos carpianos. Estes locais conseguiam sustentar o peso do corpo.
- Uma vez com o prego nos pulsos, a parte horizontal da cruz foi erguida e encaixada na parte vertical. Em seguida, colocaram o pé esquerdo sobre o direito, e deixando-os totalmente estendidos, atravessaram o prego, cravando-lhes na madeira e com os joelhos flexionados. A crucificação estava completa.
- Assim que Jesus pendia lentamente para respirar e colocava peso nos punhos, uma dor alucinante era sentida nas mãos, subia pelos braços e explodia no cérebro, uma vez que os pregos nos punhos pressionavam os nervos médios desse membro.
- O mesmo ocorria ao sustentar o peso do corpo nos pés. Após horas de sofrimento, os músculos quase totalmente paralisados traziam-lhe uma parcial asfixia e fortes dores vindas de suas costas quando estas eram esfregadas contra a madeira áspera.
- Segundo a medicina, Jesus pode ter morrido devido a perda de sangue no corpo (choque hipolovêmico) por causa das várias lesões. A perda de sangue levou a uma diminuição ou ausência de oxigênio no cérebro (hipoxia-anoxia) e subsequente insuficiência cardíaca e respiratória.

http://iadrn.blogspot.com.br/