16 novembro 2012

Lição 7 - 18/11/12 MIQUEIAS - A IMPORTÂNCIA DA OBEDIÊNCIA
TEXTO ÁUREO =  “(...] Tem, porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios como em que se obedeça à palavra do SENHOR? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros    (1 Sm 1 5.22).
VERDADE PRÁTICA = A mensagem de Miquéias leva-nos a pensar seriamente acerca do tipo de cristianismo que estamos vivendo.
LEITURA BIBLICA = Miquéias 1: 1-5: 6: 6-8
INTRODUÇÃO
Nossa lição enfoca o profeta Miquéias, cujo nome significa: “Quem é como o Senhor?”. Contemporâneo do profeta Isaías, Miquéias profetizou durante os reinados de Jotão, Acaz e Ezequias, reis de Judá (1.1), contra a injustiça predominante, que vitimava os pequenos proprietários de terras. O profeta avisou aos opressores que roubavam as pequenas propriedades dos seus conterrâneos, que Deus iria castigá-los pela violência e opressão contra os fracos (Mq2.1- 3). Denuncia também os governantes e os falsos profetas, como culpados pela corrupção da vida nacional. Diante desse caos moral, social e espiritual, o profeta vaticina um futuro glorioso, quando haverá um reino de justiça e de paz, cujo governante nascerá em Belém Efrata, da tribo de Judá (Mq 5.2). Isaías afirma que Ele será chamado Maravilhoso, Deus forte e Príncipe da Paz (Is 9.6). 
O LIVRO DE MIQUÉIAS
Miquéias foi contemporâneo de Isaías, no séc. VIII aC. Ambos concentraram seu ministério no Reino do Sul, Judá, incluindo Samaria (Israel) e “as nações” no objetivo das sua profecias. Durante alguns anos, no começo da sua carreira, Miquéias foi, também, contemporâneo de Oséias, um profeta que morava no Reino do Norte. Miquéias viveu numa cidade localizada a cerca de 32 km a sudoeste de Jerusalém e profetizou principalmente naquela região.
O Nome de Miquéias, pressupõe uma semelhança com o Senhor: “Quem, ó Deus, é semelhante a ti”. Miquéias era tão sincero e completamente comprometido, que ele até quis ir despojado e nu pra fazer com que sua mensagem fosse compreendida (1.8). A profecia de Miquéias produziu um impacto que se estendeu muito além do seu ministério local. Um século depois, sua profecia foi lembrada e citada (Jr 26.17-19), e acontecimentos ocorridos sete séculos mais tarde atestam a autenticidade
Data: Entre 704 e 696 Ac
Miquéias profetizou, de acordo com sua própria declaração (1.1), durante os reinados dos reis do Sul, Jotão (740-731 aC), Acaz (731-716 aC), e Ezequias (716-686 aC).

Visto que ele morreu durante a administração de Ezequias e antes da era que coincide em parte com Manassés (696-642 aC), uma data entre 704 e 696 aC parece ser provável.

Contexto Histórico
No período entre o início do reino dividido de Salomão (Israel ao Norte e Judá ao Sul) e a destruição do templo, muitos “altos” haviam sido introduzidos em Judá através da influência de Samaria. Isso colocou a idolatria dos cananeus em disputa com a verdadeira adoração no templo do Senhor (1.5). Miquéias mostra como essa degeneração espiritual levará inevitavelmente o julgamento sobre toda a terra. E, embora o rei Ezequias tenha tido uma notável vitória sobre Senaqueribe e o exercito assírio, Judá estava presstes a cair, a não se que a nação se voltasse para Deus, arrependendo-se de todo coração.

Conteúdo
O Livro de Miquéias é uma profecia acerca do Senhor, que não tem concorrentes no perdão dos pecados e na compaixão pelos pecadores

Sua fidelidade compassiva mantém um concerto com Abraão e seus descendentes. A “excelência do nome do Senhor” (5.4) está caracterizada, bem como a face do Senhor (3.4), seu louvor (2.9), seus caminhos (4.2), seus pensamentos (4.12), sua força (5.4), suas justiças (6.5; 7.9) e sua conseqüente ira (7.9) e furor (5.15; 7.18) contra todas as formas de rebelião moral.

Na visão de abertura, o Senhor vem desde o templo da sua santidade, para ser testemunha contra o povo (1.2). O fator mais notável no manejo do Senhor da sua causa é quão fundo ele foi para apresentar sua contenda (6.2), até mesmo desejando sentar-se à mesa do réu e deixando seu povo levar qualquer queixa quanto ao modo que o Senhor Deus o tenha tratado (6.3). Além disso, aquele que verdadeiramente se arrepende terá o Senhor como seu advogado de defesa (7.9)

Enquanto a Babilônia ainda não era um poder mundial que podia permanecer independente da Assíria, o cativeiro babilônico (mais de um século depois) foi claramente predito como o julgamento de Deus contra a rebelião feita contra ele (1.16; 2.3,10; 4.10; 7.13). Mas, assim como Isaías, colega de Miquéias, a esperança foi estendida pra um restante a ser restaurado, que seja desse cativeiro ou de um povo espiritualmente restaurado ( a igreja) nos dias do Messias (2.12-13; 4.6-7; 5.3,7-8; 7.18). O Senhor libertaria o restante (2.12-13; 4.3-8,10; 5.9; 7.7)

Miquéias tinha de censurar a liderança da nação por destruir o rebanho que lhes foi confiado.
Entretanto, a grande compaixão de Deus colore cada uma das sua atitudes e ações em relação ao seu povo, representando-o como uma filha extraviada (1.13; 4.8,10,13), pois sua compaixão, que, uma vez, redimiu a Israel do Egito 96.4), irá também redimir Judá da babilônia (4.10). Sua fidelidade compassiva a Abraão e aos pais (7.20) é atualizada a cada nova geração.
Essa mensagem está focalizada num única pergunta central para toda a profecia: “Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniqüidade e que re esqueces da rebelião do restante da tua herança?” (7.18).

A compaixão de Deus (7.18-19) é um atributo precioso a que nenhuma deidade pode se igualar. A compaixão e a fidelidade do concerto são exclusivos a Deus. A esperança do povo de viver sob a completa bênção de Deus estava ligada à vinda de Messias. Deus, em seu amor, prevendo as glórias da sua graça a ser manifesta em Jesus, manteve-se proclamando aquele Dia e reino futuros como o acontecimento no qual o fiel devia por sua esperança.

As profecias sobre Cristo fazem o Livro de Miquéias luzir com esperança e encorajamento . O livro se inicia com uma grandiosa exposição da vinda do Senhor (1.3-5). As profecias posteriores afirmarão o aspecto pessoal da sua chegada em tempo histórico. Mas a disposição de Deus para descer e interagir é estabelecida no princípio.

A primeira profecia messiânica ocorre numa cena de pastor de ovelhas. Depois que a terra deles havia sido corrompida e destruída, um restante dos cativos seria reunidos como ovelhas num curral. Então, alguém quebraria o cercado e os levaria para fora da porta, em direção à liberdade. (2.12-13). E esse alguém é seu “rei” e “Senhor”. O episódio completo harmoniza-se belamente com a proclamação de Jesus acerca da liberdade aos cativos (Lc 4.18), enquanto, na verdade, liberta os cativos espirituais e físicos.

Mq 5.2 é uma das mais famosas profecias de todo o AT. Ela autentica a profecia bíblica como “a Palavra do Senhor” (1.1; 2.7; 4.2). A expressão “a Palavra” do Senhor (4.2) é um título aplicável a Cristo (Jo 1.1; Ap 19.13). A profecia de Mq 5.2 é, explicitamente, messiânica (“Senhor em Israel”) e especifica seu lugar de nascimento em Belém, num tempo quando Belém era pouco conhecida. Suas palavras foram pronunciadas muitos séculos antes do acontecimento; ele não tinha nenhuma sugestão do lugar a que recorrer. Outra característica dessa profecia é que ela não pode se referir a apenas qualquer líder que possa ter sua origem em Belém. Cristo é o único a quem ela pode se referir, porque ela iguala o Senhor com o Eterno: “Cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.” Esta profecia confirma tanto a humanidade quanto a divindade do Messias de um modo sublime.

A profecia de Mq 5.4-5 afirma a condição de pastor de Messias (“apascentará o povo”), sua unção (“na força do Senhor”), sua divindade (“na excelência do nome do Senhor”) e sua humanidade (“seu Deus”), seu domínio universal (“porque agora será ele engrandecido até aos fins da terra”) e a sua posição como líder de um reino de paz (“E este será a nossa paz”).
O climax da profecia (7.18-19), mais o versículo final (7.20), apesar de não incluir o nome do Messias, definitivamente refere-se a ele. Na expressão da misericórdia e compaixão divinas, ele é Aquele que “subjugará as nossas iniqüidade”, lançando-as nas profundezas do mar para que Deus possa perdoar os pecados e trocar o pecado pela verdade.


O JULGAMENTO DE DEUS ESTÁ PERTO = Miquéias 1.1 —3.12

QUE JULGAMENTO? 1.1-16
1. Deus Apresenta-se Pessoalmente (1.1-5). Como todos os verdadeiros profetas em Israel, Miquéias, sob inspiração divina, expôs a mensagem de Deus aos seus contemporâneos. Sentia-se sob autoridade direta de Deus, a quem apenas deveria obedecer, pois a palavra do SENHOR (1) veio a ele. 

Conhecedor da vontade e dos propósitos santos do Senhor, Miquéias sentiu-se compelido a compartilhar com seu povo estes desígnios solenes. Com a confiança em Deus e a certeza de que falava as palavras da verdade, o profeta era destemido e não dava a mínima para as conseqüências pessoais ao entregar a mensagem.

Sob este aspecto, Miquéias é um modelo para os pregadores de todos os tempos. O mensageiro tem de ser homem de Deus e da Palavra de Deus. Deve ser confiante de que tem uma revelação divina. Precisa ser ousado ao falar a verdade para passar segurança e ser convincente. Só o homem que, como Miquéias, se sente compelido por Deus deve engajar-se na obra da pregação. Mas o que sente esta compulsão não ousa tardar em obedecer.

2. Como será o Julgamento de Deus (1.6,7). Ao falar na primeira pessoa, Deus declara que Samaria será completamente arrasada. Farei de Samaria um montão de pedras do campo (6). Segundo a Versão Bíblica de Berkeley, o montão de pedras do campo são terraplanagens em terreno pedregoso para uso comum no cultivo de uvas. A cidade outrora orgulhosa se tornará um lugar vazio para a plantação de vinhedos. Descobrirei os seus fundamentos, ou seja, as paredes de pedra dos edifícios e as muralhas da cidade serão lançadas para o vale abaixo, a fim de deixar as fundações descobertas e expostas para todos verem — um memorial trágico por causa da desobediência e falta de espiritualidade do povo. Todas as suas imagens de escultura serão despedaçadas (7). Os ídolos das deidades pagãs, cuja adoração fora praticada em Israel, serão estraçalhados e os presentes dados a esses ídolos, queimados

3. O Profeta Lamenta (1.8-16). Miquéias pranteia não só o golpe mortal que se abaterá sobre Israel, mas também o fato de que as corrupções do Reino do Norte tomaram conta de Judá, até chegar a Jerusalém. Em vista disso, deduz-se que o julgamento de Deus englobaria a pátria do profeta. De fato, o sucessor de Sargão, Senaqueribe, invadiu Judá e sitiou a própria Jerusalém. Talvez seja isso que Miquéias quis dizer quando profetizou: Estendeu-se até à porta do meu povo, até Jerusalém (9).
POR QUE JULGAMENTO?, 2.1—3.12
1. Injustiça (2.1-5) Deus prossegue com o caso contra seu povo desobediente. Através do profeta, expõe os males específicos na vida social e religiosa do povo, os quais eram responsáveis pela ruína deles. Miquéias deixa claro que os pecados contra o povo são, na realidade, pecados contra Deus. Neste ponto, precedeu o ensino de nosso Senhor Jesus (Mt 25.3 1- 46; Lc 11.39-42; 16.13-15).

A injustiça era excessiva em Judá. Homens dessa categoria estavam prontos para tirar vantagem de seus companheiros. Entre esses indivíduos particularmente culpados estavam os ricos citadinos ávidos em obter extensas propriedades de terra (ver Introdução). Essa gente estava infectada pela cobiça que Deus condenara no Sinai (Ex 20.17). A cobiça é a raiz de vários tipos de males. Dela emana o desejo pecaminoso que incita os homens a quebrarem muitos dos outros nove mandamentos.

2. O Desejo de Pregação Fácil (2.6-11). Alguns ouvintes, indignados porque Miquéias expusera seus crimes publicamente e afirmara que o julgamento de Deus seguramente viria sobre eles, o interromperam. Deram a entender que não tolerariam mais tal conversa: Não profetizeis (6). Os clamores confusos destes importunadores poderiam ser interpretados assim: “Pára com esse teu profetizar! São profecias (sobre nós)! Não vai acontecer isso! Será que nunca acabam estas repreensões?”

3. Previsão de Libertação (2.12,13). Miquéias, como outros profetas do Antigo Testamento, via o futuro como um todo, sem perspectiva de tempo. Contemplava importantes acontecimentos futuros no procedimento de Deus com o povo, mas não tinha discernimento sobre o tempo do cumprimento. O profeta não sabia se longos anos ou milênios separavam uma mensagem da outra.

4. Líderes Vis (3.1-12). O julgamento virá, declarou Miquéias, por causa da total injustiça na terra, e porque as pessoas influentes, que eram especialmente culpadas, quiseram que as coisas fossem desse jeito. Os líderes se aproveitavam dos seus privilégios e responsabilidades.

a) Os soberanos são denunciados (3.1-4). Os líderes políticos responsáveis pelo povo de Deus — os chefes de Jacó (1) e os príncipes da casa de Israel — tinham de saber o direito e praticá-lo. Eles deveriam ser os guardiões da justiça, os protetores sensatos do povo. Se desconhecessem algum aspecto de seu dever, possuíam meios para averiguar o direito que deveriam administrar com justiça imparcial. Então, eles não tinham desculpas (1 Rs 3.9-12; Jr 5.3-5).

Mas, ao invés disso, reclama Miquéias, eles são homens maus que aborrecem o bem (2) e amam o mal. Em vez de serem bons pastores que alimentam o rebanho, tosquiam e comem as ovelhas.
Insensíveis e sem piedade, por assim dizer, arrancam a pele e cortam a carne das pessoas. “Quebram os ossos e cortam em pedaços os corpos do povo como se fossem carne para a panela, como carne num grande caldeirão” (3, ATA; cf. Ez 34.2-4).

b) Os falsos profetas são denunciados (3.5-8). Esses homens que professam ser chamados e iluminados para falar a mensagem de Deus ao povo deveriam ser exemplos destacáveis de lealdade e devoção à causa divina. Deveriam advogar a justiça e a misericórdia. Mas os profetas proeminentes nos dias de Miquéias desviavam as pessoas. Não há erro mais incorrigível do que o ensinado em nome de Deus.

Isaías descreveu estes profetas, quando lamentou: “Oh! Povo meu! Os que te guiam te enganam e destroem o caminho por onde deves seguir” (Is 3.12, ARA; cf. Jr 9.16). Foram tão gananciosos quanto os líderes políticos; foram pessoas que sempre concordaram com seus superiores, cujos motivos eram mercenários. Seus pronunciamentos traziam uma etiqueta de preço e adequavam seus oráculos de acordo com o pagamento. Quando bem pagos, quando tinham comida saborosa para morder com os seus dentes (5), prometiam paz e segurança, “mas apregoam guerra santa contra aqueles que nada lhes metem na boca” (5c,ARA; cf. NVI). Eram exploradores sem escrúpulos (ver Ez 13.19,22,23).

O servo de Deus deve viver pelo Evangelho (1 Co 9.13,14), mas não precisa viver com luxo, nem modificar a mensagem de acordo com o sustento
O POVO DE DEUS TEM UM FUTURO = Miquéias 4.1—5.15
A GLÓRIA FUTURA DA CASA DO SENHOR, 4.1-8
Em dias maus de discórdia e guerra, Miquéias falava de um tempo de paz entre as nações. Porque contemplou a vinda de Cristo para estabelecer seu reino terrestre entre os homens. Em contraste com as situações sórdidas que o cercavam e apesar do medo dos julgamentos que sobreviriam sobre o povo de Deus, Miquéias ergue o olhar e vê um quadro luminoso de glória futura.

1. Um Futuro Glorioso (4.1-4). Nos últimos dias (1) anuncia que o povo de Deus, agora destinado ao cativeiro, será livre, feliz e preeminente entre as nações. Com esta visão, Miquéias incentiva seus compatriotas a olhar para frente, para um futuro tempo dourado no qual a justiça e a paz prevalecerão por todo o mundo.

Miquéias declara que nesses últimos dias, no tempo do Messias, o monte da casa do SENHOR (o monte Sião), o local do santo templo em Jerusalém, “será o mais alto de todos [...] os montes” (NVI). Nesses dias, as nações da terra se voltarão para esta cidade exaltada. Ali, buscarão a orientação da lei de Deus. Monte simboliza nação. A idéia essencial é que a adoração de Jeová, o único Deus verdadeiro, será estabelecida como ponto supremo em toda a terra.

2. A Motivação para Hoje (4.5-8). Por causa desta glória futura que Jeová prepara para o seu povo, Judá é incentivado a andar com o Senhor. Ninguém conseguirá mudar o fim de Israel, embora as outras nações sigam o caminho de seus deuses: “Porque hoje todos os povos andam cada um no nome do seu deus, mas nós andaremos no nome do Senhor, nosso Deus, para todo o sempre”.
AS TRISTEZAS DO TEMPO PRESENTE, 4.9—5.1
Antes que o dia da libertação chegue, o povo de Deus tem de passar pelo fogo do julgamento. Nos versículos 9 e 10, Miquéias faz outra referência ao cativeiro que virá como julgamento sobre os israelitas, e fala como o Senhor os tratará naquela terra. Menciona as dificuldades pelas quais os habitantes de Jerusalém passavam e teriam de passar. Rejeitaram a dignidade do governo de Jeová e recusaram seus conselhos; assim, na realidade, estavam sem rei e conselheiro. “Partido em pedaços” (9, Phillips), ou seja, já não eram um povo forte e unido e estavam, portanto, à mercê dos inimigos. 

A dor e a angústia serão tão grandes que Miquéias compara a condição do povo com a que está de parto (10; “uma mulher em trabalho de parto”, NVI). Em seu sofrimento, os hierosolimitas seriam da cidade, ou seja, serão afastados do abrigo de sua cidade querida e santa. Seriam forçados a morar no campo. Lá, sem as conveniências e proteção da cidade, suportarão os elementos e a deslealdade dos desígnios dos inimigos. Seriam levados até Babilônia. Mas é lá, acrescenta Miquéias, nessa terra estranha, que Deus trabalharia entre eles. 
A VINDA DE CRIST0 PARA REMIR, 5.2-15
1. O Local do Nascimento do Messias (5.2-5a). Miquéias contemplou Deus tratar com um povo cativo, o qual o Senhor depois libertaria; teve também um vislumbre do Salvador-Rei há muito prometido. Era este que as pessoas tementes ao Senhor desejavam e esperavam desde que Adão perdeu o paraíso (Gn 3.15). O profeta viu que o Messias não nasceria nos imponentes ambientes da realeza de Jerusalém, mas em Belém (2), entre os clâs insignificantes de Judá. Efrata, aqui relacionado com Belém, era na verdade um povoado antigo que foi englobado por essa cidade (Gn 35.19). Era a casa original de Davi, o primeiro rei conquistador de Israel, o qual quase sempre é mencionado como precursor do maior Rei de Israel (Sl 89.19-37). O texto de Rute 1.2 e 1 Samuel 17.12 fala que os indivíduos relacionados com a família de Davi são efrateus.

2. A Libertação do Inimigo (5.5b,6). O profeta descreve a libertação que virá dizendo que sete... e oito (5) líderes serão levantados contra os invasores; são líderes competentes a enfrentar o poder dos inimigos. Sete ou oito significa um número indefinido, como é usado em outras ocasiões (ver Ec 11.2; Jó 5.19).

Esses consumirão (6, “cuidarão de”, LXX; “governarão”, BV) a terra da Assíria à espada e a terra de Ninrode (sinônimo da Assíria, Gn 10.9,11) nas suas entradas (dentro das portas, onde o conselho e o tribunal da cidade mantinham sessões). Era assim que o Senhor Deus livraria seu povo.

Não há como saber se esta passagem diz respeito a um único incidente específico ou a uma série de acontecimentos durante certo tempo. Porém, sabemos que durante a invasão de Senaqueribe em fins do século VIII a.C., Judá, então regido pelo justo Ezequias, foi liberto milagrosamente. Jerusalém ganhou novo arrendamento em vida e continuou por mais um século. Enquanto isso, os assírios com a capital em Nínive foram derrotados pelos caldeus, e a cidade da Babilônia tornou-se a nova capital mundial.

3. A Purificação do Remanescente (5.7-15). Miquéias fala para seus compatriotas que, no futuro que Deus lhes preparou, serão uma bênção na terra como orvalho do SENHOR (7) e como chuva de verão: suave, refrescante, abundante e constante. O resto de Jacó (8) também será uma força governante: forte, majestosa e irresistível. Seus inimigos serão exterminados (9).

As duas vindas de Cristo são fundidas e descritas por Miquéias em passagens revezadas — a sua manifestação como Redentor para redimir e sua revelação como Rei para governar. De modo semelhante, estas duas vindas estão claramente mostradas em Hebreus 9.26-28. Aqueles que se beneficiam das bênçãos da manifestação de Jesus para redimir esperam, com avidez e confiança, desfrutar os benefícios da revelação de Cristo para reinar. Mas também é verdade que, a despeito do interesse que o indivíduo tenha na Segunda Vinda, não lhe será permitido tomar parte nas coisas boas oriundas dessa revelação, se negligenciou a redenção de Cristo e não viveu retamente na força do Senhor.
A CONTROVÉRSIA DE DEUS COM O SEU POVO
DEUS FAZ UM APELO SUPREMO, 6.1-8
Miquéias 6.1—7.20
Ao usar a terminologia legal, Miquéias convoca Deus para levantar-se e defender sua causa contra um povo culpado e rebelde. O Senhor tinha uma disputa com o Judá pecaminoso, pois o pecado sempre ocasiona tensão entre Deus e o homem (cf. Is 1). O Senhor nunca deixa de ser fiel em esclarecer em que acarreta pecar. Espera para apresentar suas razões, e defende ternamente a volta dos pecadores para que sejam justificados e entrem novamente em comunhão com Ele.
1. As Testemunhas e a Acusação (6.1-5) Os montes (1; “montanhas”, NTLH), as elevações mais altas da Natureza e símbolos comuns de permanência, junto com os outeiros e os próprios fundamentos da terra (2), são convocados para serem jurados.
Deus defende sua causa diante destes acidentes naturais por serem testemunhas da longa história das relações de Jeová com seu povo. Com palavras cheias de ternura, ele indaga: Em que te enfadei? (3). Deus quer saber o que fez para tornar sua vontade enfadonha e colocar os israelitas contra os caminhos divinos (cf. Jr 2.5-8).

2. O que Deus Exige? (6.6-8). Os estudiosos dão duas interpretações aos versículos 7 e 8. Uma diz respeito ao efeito que o profeta inquire do Senhor concernente à base de aceitação com Deus. A outra opinião diz que Israel responde ao Senhor com um desafio. “Que adoração e que culto o Senhor realmente exige? Deus quer uma observância meticulosa da lei levítica? (6b). 

Quer que seja cumprida de maneira excessiva e pródiga mediante holocaustos de rebanhos e ribeiros de azeite? (7a). Quer que as pessoas lhe mostrem uma devoção frenética e não-moral comparável ao fanatismo de certos povos pagãos das vizinhanças, cujos adoradores chegam a oferecer sacrifícios humanos? (7b). [...] A controvérsia é encerrada pela própria resposta declarada do Senhor (8).
DEUS CONDENA O MAL, 6.9-16
Nesta subdivisão, Miquéias anuncia que Deus está pronto a falar uma palavra urgente e final com seu povo impenitente. O profeta aconselha os habitantes de Jerusalém, sobretudo os líderes da cidade, a prestarem muita atenção no que o Senhor tem a lhes dizer. Verá o teu nome (9) é traduzido melhor por “temer-lhe o nome” (ARA; ECA; NVI). Assim, o significado fica mais inteligível. Na Septuaginta, lemos: “A voz do Senhor será proclamada na cidade, e ele salvará aqueles que temem o seu nome; ouvi, ó tribo; e todos vós que poreis a cidade em ordem”.
1. Os Pecados de Judá (6.9-12). Pelo profeta, provinciano e inculto, Deus condena os moradores da sofisticada cidade de Jerusalém, porque estão no centro dos pecados da nação. “Ele não se refere apenas à idolatria, mas também à irreligiosidade dos políticos e à injustiça cruel dos ricos na capital. O veneno que debilitou o sangue da nação conseguira entrar em suas veias e chegara até ao coração. Ali, o mal se concentrou e abalou o Estado e levou-o sem perda de tempo à ruína”.

Ao anunciar a aproximação de Deus, Miquéias destaca a seus ouvintes que a “verdadeira sabedoria [é] temer [...] o nome [do Senhor]” (ARA). Quem é sábio, discerne a mão de Deus nas providências da vida. 

2. A Promessa de Castigo (6.13-16). Nestes versículos, o Senhor proclama princípios imutáveis: O ganho adquirido perversamente é perda; a prosperidade adquirida injustamente não subsiste; o bem-estar obtido por coação não é desfrutado por muito tempo. A felicidade e poder buscados por pecadores sempre os iludem, porque os meios pelos quais os buscam não são congruentes com os fins. O julgamento divino é uma conseqüência inevitável (ver Lv 19.35; Tg 5.1-6). “O que eles diminuem da medida é aumentado na ira de Deus, e o acerto de contas desse ato virá sobre eles; o que faltar na medida será completado pela ira de Deus”.
MIQUÉIAS LAMENTA A CORRUPÇÃO DA NAÇÃO, 7.1-6
Miquéias, depois de entregar fielmente a mensagem de Deus, procura em vão por sinais de arrependimento e mudança em Judá. O que vê lhe enche de tristeza. Poucas pessoas (talvez nenhuma) reagiram favoravelmente à pregação. O profeta compara sua busca ansiosa e desconcertante por justiça ao homem que, faminto por frutas frescas, vai ao vinhedo depois da colheita na esperança de achar, por acaso, algum cacho de uva restante. Encontra uma exuberância de folhas, mas não há cacho de uvas para comer (1). Descobre que Judá é moralmente estéril. A pungência de sua angústia fica clara na Septuaginta, onde lemos: “Ai de mim! Porque sou como alguém que junta palha na colheita e como alguém que colhe os respigos de uva na vindima, quando não há cacho para eu comer os primeiros frutos maduros; ai de minha alma!” (cf. NTLH).
A FÉ DE MIQUÉIA5 EM DEUS, 7.7-13
Considerando o estado da nação, Miquéias vislumbra um panorama sombrio. Mas se recusa a ser vencido pela corrupção sórdida que o cerca. Eu, porém, esperarei no SENHOR (7). “E, confiante nele, eu manterei rigorosa vigilância” (ATA; cf. NVI). Não se pode confiar em homens, mas pode-se acreditar inteiramente em Deus. Como o salmista, Miquéias estava ciente que, mesmo quando já não se pode contar com pais e mães, pode- se acreditar em Deus (Si 27.10). Nesta certeza, o profeta se animou.
A ORAÇÃO DE MIQUÉIAS PELO POVO, 7.14-20
1. Súplica pelo Cuidado Amoroso (7.14-17). Como agricultor, Miquéias sabia como era essencial um pastor fiel ao bem-estar do rebanho. Por isso, ele ora: “pastoreia o teu povo com o teu cajado, o rebanho da tua herança que vive à parte numa floresta, em férteis pastagens; Deixa-o pastar em Basã e em Gileade, como antigamente” (14, NVI).

Carmelo era conhecido por seus vinhedos, ao passo que Basã e Gileade eram notoriamente conhecidas como terras pastoris férteis.

2. Louvor pelo Amor Firme de Deus (7.18-20). Quem, ó Deus, é semelhante a ti? (18) é uma pergunta repetida numerosas vezes na Bíblia (Êx 15.11; Si 89.6; Is 40. 18-25; 46.5), mas, em geral, em reconhecimento do poder e glória divinos. Aqui, o profeta fala da graça e misericórdia ilimitadas de Deus pelos pecadores.
CONCLUSÃO
Encerrando esta maravilhosa lição, dizemos para todo o povo de Deus que bem. aventurado o servo que espera o seu Senhor, vigiando e cumprindo as suas ordens (Lc 12. 35-43).
Em que consiste essa bem-aventurança?

Não passaremos pela grande tribulação. Nada há que temer aqueles terríveis dias.

Nossas almas são libertas de tudo aquilo que quer impedir a nossa vida espiritual. Quem espera Jesus não permite que algo de errado exista no seu relacionamento com Ele e com a Igreja (1 Jo 3.1-3).
 
Subsidio para o Professor


INTRODUÇÃO

 Miqueias foi um homem corajoso, dotado de fortes convicções e de rara fé pessoal. Champlin resumiu muito bem o caráter e as atitudes dele ao escrever que as características de Miqueias eram moralidade estrita, inflexível devoção à justiça tanto na Lei quanto nas ações práticas, e grande simpatia para com os pobres (2004, p. 3570). O que mais perturbava o profeta Miqueias eram as injustiças sociais que ocorriam em seus dias (Mq 3.4). Tais injustiças, segundo o profeta, só poderiam ser apagadas mediante um verdadeiro reavivamento (Mq 4.6; At 2:42-47).

I - INFORMAÇÕES SOBRE O PROFETA MIQUEIAS

1.1 Nome. O nome Miqueias, vem de uma palavra hebraica “Mikhah” que significa “Quem é como Yahweh?”. Um nome semelhante a Micael: “Quem é como Elohim?”. O nome é adequado para o homem que perguntou: “Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniquidade, e te esqueces da transgressão do restante da tua herança? (Mq 7:18). O Deus de Israel é incomparável, e essa ideia proporciona a base para o pensamento e a proclamação do profeta em todo seu livro. Existem poucas informações sobre Miqueias. Além da pequena introdução do livro (Mq 1.1), só é mencionado em (Jr 26.18), onde certos anciãos citaram (Mq 3.12), uma palavra de julgamento contra Jerusalém nos dias do rei Ezequias.
1.2 Livro. O Livro do profeta Miqueias consiste numa mensagem de três partes: (1) Recrimina Israel (Samaria) e Judá (Jerusalém) pelos seus pecados específicos que incluem a idolatria, o orgulho, a opressão aos pobres, os subornos entre os líderes, a cobiça e a avareza, a imoralidade e a religião vazia (Miq 2.2,8,9,11; 3.1-3,5,11); (2) Adverte que o castigo divino está para vir em decorrência de tais pecados (Mq 3.12; 5.1); (3) Promete que a verdadeira paz, retidão e justiça, prevalecerão quando o Messias estiver reinando (Mq 4.1-7). O Livro ainda traz uma das mais grandiosas expressões da Bíblia sobre a misericórdia de Deus e a sua Graça perdoadora (Mq 7.18-20); também expressa três importantes profecias citadas noutras partes da Bíblia: uma que salvou a vida de Jeremias (Mq 3.12; Jr 26.18,19), outra que diz a respeito ao local onde o Messias haveria de nascer (Mq 5.2; Mt 2.5,6); e ainda uma outra citada pelo próprio Senhor Jesus (Mq 7.6; Mt 10.35,36).
1.3 Período que profetizou. O Ministério do profeta Miqueias foi exercido durante o os reinados de três reis de Judá: Jotão (751-736 a.C), Acaz (736-716 a.C) e Ezequias (715-687 a.C). Algumas de suas profecias foram proferidas no tempo de Ezequias (conforme Jr 26.18). Porém, a maioria delas reflete a condição de Judá durante os reinados de Jotão e de Acaz, antes das reformas promovidas por Ezequias. Não há dúvida de que o seu ministério, juntamente com o de Isaías, ajudou a promover o avivamento e as reformas dirigidas pelo justo rei Ezequias.
1.4 Contemporâneos. Os profetas Isaías e Amós viveram na mesma época do profeta Miqueias (Mq 1.1,14; Is 1.1). Isaías era profeta da corte e Miqueias do campo. Ambos viveram no período áureo da profecia hebraica. Há quem afirme que Miqueias foi discípulo de Isaías. O fato de serem contemporâneos não é base para se fundamentar essa relação entre os profetas. Isaías era culto, conselheiro do rei, e vivia no palácio real, em Jerusalém, ao passo que Miqueias era homem do povo e muito simples.
II - A SITUAÇÃO DE ISRAEL E JUDÁ NO PERÍODO DE MIQUEIAS
As profecias de Miqueias foram proferidas durante o reinado de Jotão, Acaz e Ezequias, que reinaram consecutivamente de 740 a 697 a.C. Sua parte principal, entretanto, deve ter sido proferida durante os reinados de Acaz e Ezequias, antes da queda de Samaria em 722 a.C. O objetivo do profeta era demonstrar o peso da ira divina sobre a nação, em virtude dos seus pecados de violência e injustiça social, enquanto fingiam ser religiosos (Mq 1.1-5).
2.1 Situação política. O profeta Miqueias predisse, com exatidão, a queda de Israel - Reino do Norte; Samaria ou Efraim (Mq 1.6,7); profetizou uma destruição semelhante para o povo de Judá e Jerusalém (Reino do Sul) em consequência dos seus graves pecados (Mq 4.9-11); as profecias, preservam a grave mensagem do profeta Miqueias às últimas gerações de Judá antes de os babilônios invadirem a nação (Mq 4.10).
2.2 Situação social. O povo de Judá e de Israel foram contemplados pela profecia de Miqueias, mostrando que o Senhor é responsável por julgar a falta de temor do povo para com Ele. O profeta denuncia os falsos profetas (Mq 3.5,6,7), os lideres desonestos e os sacerdotes ímpios que enganavam o povo e os conduziam ao pecado, ao invés de direcioná-los a uma vida mais próxima de Deus (Mq 3.9-12; 4.12).
2.3 Situação espiritual. As palavras do profeta Miqueias demonstram um Deus real que odeia o pecado, e que adota a postura de um justo juiz, pronto para administrar o castigo a todos aqueles que desafiam a sua autoridade (Mq 1.5; 6.7,8).
III - RAZÃO E PROPÓSITO DO LIVRO DO PROFETA MIQUEIAS
Em sete capítulos, o profeta Miqueias apresenta seu verdadeiro retrato sobre Deus - O Senhor Deus é Supremo, que odeia o pecado e ama o pecador. A maior parte do livro é dedicada a descrever o castigo de Deus sobre Israel (o Reino do Norte), Judá (o Reino do Sul) e sobre todos os habitantes da Terra (Mq 1.5); e o profeta Miqueias faz uma lista destas práticas abomináveis diante da face do Senhor Deus. Vejamos alguns pecados relacionados pelo profeta: desonestidade (Mq 2.2); corrupção (Mq 2.10); cobiça (Mq 2.9); falsidade ( Mq 2.11); falso ensino (Mq 3.5), dentre outros.
IV - CRISTO NO LIVRO DE MIQUEIAS
Dois textos do Profeta Miqueias falam do Reino do Messias e de sua vinda. Nos “últimos dias”, Ele reinará no monte Sião, onde prevalecerão a verdade, a justiça, a prosperidade e a paz. Ali os coxos e os aflitos estarão reunidos a fim de formar o núcleo da sua poderosa nação (Mq 4.1-7). A profecia revela que esse reino não começará ostentando grandeza, pois o próprio Messias nascerá na pequena vila de Belém, lugar de criação de carneiros (Mq 5.2). Ele, que é Eterno, virá de Deus como Pastor de Israel. Mas antes que o Messias se torne grande até os confins da terra, a nação será abandonada pelo Senhor por um tempo, no fim do qual Ele surgirá para pastorear o seu povo com grande majestade (Mq 5.3-4).
V - PRINCÍPIOS DO EVANGELHO NO LIVRO DE MIQUEIAS
No Antigo Testamento, não se encontra um resumo da Lei mais descomplicado e mais profundo do que o do livro do profeta Miqueias. Suas exigências são simples e sem rodeios: “…praticar a justiça, amar a bondade, e andar humildemente com o Senhor (Mq 6.6-8). Do mesmo modo o Senhor Jesus resumiu a Lei como amar (Mt 22.35-40; Mc 12.28-31; Tg 2.8) para os insensíveis líderes do seu tempo.
5.1 Praticar a Justiça. Os termos bíblicos, no hebraico, tsedeq” e “tsadaqah”, como também o vocábulo grego dikaiosune, são traduzidos em português por “justiça ou retidão”. Essas palavras são usadas no tocante a Deus (Dt 32.4; Ed 9.15; Ne 9.33; Sl 7.11) e aos homens (Gn 6.9; 18.24; 20.4; Dt 25.1; Jó 1.1,8). A justiça é um dos atributos comunicáveis de Deus, sendo investida no homem através de Cristo, por meio da conversão (Jo 3.3; 2 Co 5.17; Ef 4.23,24; Cl 3.10), da santificação e do continuo ministério do Espírito Santo (Rm 8.4,5,6,14; 1Co 3.16; 2 Co 1.22; 3.17; Ef 1.13; Fp 3.3); e assim, o homem vai absolvendo a forma de justiça e da santidade divina;
5.2 Amar a Bondade. O amor é a essência de todas as virtudes morais de Cristo originadas pelo Espírito Santo, e implantadas no crente (1 Jo 4.7; Cl 3.14;Rm 5.5; 1 Co 13.13). Já a bondade, denota serviço ou ministério em favor do próximo, um espírito de generosidade colocado em prática, concernente a servir e a doar. É o resultado natural da benignidade - a manifestação da ternura, compaixão e brandura (Rm 15.14; Gl 5.22; Ef 5.9; 1 Ts 1.11);
5.3 Andar humildemente com o Senhor. A metáfora do ato de andar, expressa a natureza geral da vida espiritual (Gn 5.22; 6.9; 17.1; 24.40; Ef 5.2; Cl 2.6; 1 Jo 2.6). O exemplo do crente é o Senhor Jesus Cristo, o qual como homem, enfrentou as mesmas tentações, mas triunfou sobre o pecado (Hb 5.8,9). A expressão “humildemente“, por sua vez; significa: qualidade de ser humilde. Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, é considerada uma das principais virtudes, que nos resguarda do orgulho humano (Pv 15.33; 22.4; At 20.19; Ef 4.1,2; Fp 2.3; Tg 4.6; 1 Pe 5.5).
VI - A IMPORTÂNCIA DA OBEDIÊNCIA
A palavra Obediência vem do latim “Obedientia” e significa: sujeição, guardar, submeter à autoridade; agir de acordo com as ordens recebidas. É o mais forte indício da fé em Deus. A obediência é imposta pelo Senhor a todos aqueles que lhe servem (Det 13.4); é essencial à fé (Hb 11.6); é o resultado para quem dá credito à voz de Deus (Êx 19.5,6); manifesta-se através da submissão do servo ao seu senhor (Rm 13.1); O Senhor Jesus é o supremo exemplo de obediência (Mt 3.15; Fil 2.5-8); deve ser uma das características dos santos (I Pe 1.14); deve proceder do próprio coração e nunca por obrigação (Det 11.13; Rm 6.17). Vejamos alguns exemplos bíblicos de obediência: Noé (Gen 6.22); Abraão (Gen 12.1-4); Elias ( I Reis 17.5); Jesus ( João 7.16; 12.4; 14.10,24); Paulo ( At 26.19).
CONCLUSÃO
O Profeta Miqueias tinha plena consciência das injustiças praticadas e só fez comentários a esse respeito naquilo em que essas condições estavam vinculadas à situação moral e religiosa do povo. Sua mensagem pode ser resumida com as suas próprias palavras “Mas, decerto, eu sou cheio da força do Espirito do Senhor e cheio de juízo e de ânimo, para anunciar a Jacó a sua transgressão e a Israel o seu pecado” (Mq 3.8). Há algumas semelhanças entre o que acontece nos dias de hoje com alguns fatos na época do Profeta Miqueias; por isso, sejamos verdadeiros arautos do reino celestial, denunciando o pecado e anunciando a volta do Filho do Homem (Mc 13.32-37).

Bibliografia:
 ELLISEN, STANLEY. Conheça Melhor o Antigo Testamento. VIDA. 
 Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. CPAD.
SOARES, ESEQUIAS. Visão Panoramica do Antigo testamento. CPAD.
VINE, W.E, et al. Dicionário Vine. CPAD.
CHAMPLIN, R.N. O AT e NT Interpretado versículo por Versículo. HAGNOS
. STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
CHAMPLIN, R.N. Enciclopedia de Bíblia Teologia e Filosofia. HAGNOS
 MEARS, C. Henrieta. Estudo Panoramico da Bíblia. VIDA.



Nenhum comentário:

Postar um comentário