20 dezembro 2012

ESPIRITO DE NATAL OU ESPÍRITO DE ENGANO ? QUAIS ESPÍRITOS OPERAM NESSES DIAS ?



Árvore de Natal
É comum nessa época de final de ano ouvirmos a falar do tal espírito de natal.
Espírito de amor , de doação , de caridade ?
Na realidade , esse tal espirito de natal é uma forma mundana , satânica para esconder o verdadeiro sentido do natal sem Cristo , pois no mundo , nos dias de natal , se lembram mais do velhinho barbudo do que do Senhor Jesus.
Lembram se de presentes , mesa farta , visita de parentes e familiares etc.

Nessa época o que foi mal o ano todo começa a ficar bonzinho , começa se lembrar daqueles que ele esqueceu o ano todo , daqueles que ele maltratou etc.
Esse espirito que opera nesses dias é claramente o espirito do engano .

O espírito do natal começa a despontar e  a alegrar o mundo no mês de dezembro , e termina assim que os presentes são entregue e a ceia farta saboreada . Ele encanta a humanidade com a luz radiante de bilhões de lampadinhas reluzentes que enfeitam casas, árvores, postes e fachadas de catedrais pelo mundo a fora.
Mas nos primeiros dias de Janeiro já não existe mais .

Ele vem com enfeites para dar mais originalidade ,  pinheiros de natal ajudam no ritual de manifestação do espírito de natal. Com bolinhas coloridas e uma estrela na copa, faz com que crianças e adultos invoquem o espírito natalino.

Subliminarmente, isso as inibe de acreditarem em Jesus, pois se um fato central do Natal como a figura de Papai Noel provou-se ser pura lenda, porque não é lenda o resto dos fatos relacionados com o Natal? Outra coisa que deixa tristes os cristãos que desejam ver a igreja de Cristo em toda a sua pureza e resplendor é o fato de homens sérios, cristãos devotos, que jamais teriam a coragem de vertir uma fantasia de CARNAVAL, NÃO SE ACANHEM DE FANTASIAR-SE DE PAPAI NOEL, e "fingir" que distribuem às crianças da igreja os presentes que seus próprios pais já haviam comprado de antemão... E esse velho mitológico está, pouco a pouco, tomando o lugar do personagem que deveria ser o dono da festa, ao ponto de o Natal, ao invés de ser chamado FESTA DE JESUS, estar recebendo o título de "FESTA DE PAPAI NOEL".

O que significa o Natal? Esta festa tão popular, que já atingiu países tão distantes e fechados como o Japão e a China, e que é comemorada em todo o mundo sempre foi sinônimo de alegria! Mas, qual seria o seu real fundamento? Seria o Natal uma festa genuinamente cristã? Precisamos conhecer suas origens para percebermos o que tem sido feito durante séculos e história, a fim de que entendamos o real significado do Natal e também possamos nos posicionar e escolher entre celebrarmos as "Festas do Senhor" ou continuarmos a celebrar festas pagãs na Igreja!

O pinheiro de NatalUm dos símbolos mais marcantes do Natal é a árvore de Natal, geralmente um pinheiro, iluminada com séries de lâmpadas minúsculas e coloridas, munidas de um dispositivo que as faz se acenderem e apagarem intermitentemente. Geralmente, uma estrela brilhante coroa essa árvore, pois ela é outro símbolo do Natal, da maneira como ele é comemorado hodiernamente. Qual é a origem da árvore de Natal? Várias lendas européias tentam explicar o motivo porque ela é usada como símbolo do Natal. Na verdade essas lendas estão ligadas quase sempre ao fato de que algum povo da Europa Central ou da Escandinávia adorava árvores. Sacrifícios eram feitos na Escandinávia ao deus Thor, sempre ao pé de alguma árvore bem frondosa. A Enciclopédia Barsa diz textualmente:

"A árvore de Natal é de origem germânica, datando do tempo de S. Bonifácio (cerca de 800 d.C.). Foi adotada para substi-tuir os sacrifícios ao carvalho sagrado de Odin (deus germânico, demônio das tempestades - observações do autor), adorando-se uma árvore, em homenagem ao Deus-menino". Os povos da Escandinávia (região que compreende a Suécia e a Noruega) outrora adoravam árvores. Quando se tornaram cristãos, fizeram das árvores de folhas duras (pinheiros, ciprestes, etc.) uma parte importante dos seus festivais cris-tãos. Em outras palavras, um exemplo flagrante de simples transposição de costumes pagãos para a igreja cristã - evidência de que não houve conversão total e genuína, mas de que aquelas pessoas simplesmente "viraram cristãs" sem uma profunda experiência com Jesus. O costume de decorar casa e igrejas com festões e guirlandas de cipreste (ou imitações manufaturadas dele) começou nos tempos antigos.

Papai NoelA palavra Noel significa Natal em francês. Portanto, a expressão Papai Noel significa literalmente Papai Natal. Quem é esse "bom velhinho" que entrou sorrateiramente nas comemorações do Natal, sem ser convidado ou benvindo? Essa figura e o costume de ligá-lo com o Natal, não tem nenhuma base bíblica, e - pior do que isto - não tem origem cristã, mas é uma figura decididamente pagã, transplantada para o cristianismo pelos povos que não experimentaram uma conversão genuína a Jesus, mediante uma experiência verdadeira de salvação, mas simplesmente "viraram cristãos" por conveniência, injunções políticas ou econômicas, ou então por ignorância e falta de ensino verdadeiramente bíblico, misturaram práticas pagãs com a mensagem do Evangelho, trazendo costumes estranhos ao cristianismo para o seio da igreja cristã. Qual é a origem do Papai Noel? Quase certamente a sua origem é pagã. Há, contudo, quem ligue o mito de Papai Noel com a lenda de São Nicolau.

São Nicolau foi bispo de Mira, na Ásia Menor, no século IV. Tornou-se famoso por sua generosidade; muita gente passou a crer que qualquer dádiva feita de surpresa vinha dele. O povo da Holanda escolheu São Nicolau como patrono das crianças, e a sua fama pouco a pouco se espalhou. Em vários países europeus as crianças crêem que São Nicolau é quem lhes traz os presentes que recebem do Natal. Contudo, muito mais disseminada é a figura do velho gordo, barbudo, bigodudo e sorridente, de cabelos completamente brancos, que vem voando pelo céu guiando um trenó puxado por duas ou mais juntas de renas, que o identifica como proveniente do pólo norte, pois é onde se usa trenó, e onde vivem as renas.


OS ESPÍRITOS QUE OPERAM  NO NATAL

Apocalipse 17.5 e 18.4,5.
  
1. O espírito de mentira: A Bíblia registra que devemos celebrar a morte e não o nascimento de Cristo. Tudo no Natal é de mentirinha! É de faz de conta!  I Coríntios 11.26.

2. O espírito de engano: A Bíblia diz que a Igreja deve estar se preparando para a segunda vinda de Cristo e não celebrando a primeira vinda.  Mateus 25.10

3. O espírito de luxúria: A Bíblia diz que o Reino de Deus consiste em justiça, paz e alegria e não em comércio, comida e bebida atendendo aos apelos carnais da gula e da bebedice. Romanos 14.17
4. O espírito de religiosidade: A Bíblia diz que devemos enfatizar a mensagem da cruz e não a mensagem da manjedoura. Os sentimentos natalinos são manifestações carnais de uma falsa espiritualidade. I Coríntios 2.2 e Gálatas 6.14.

5. O espírito de confusão: Por trás do Natal há uma orquestrada manipulação visando o doutrinamento mitológico das crianças para afastá-las do conhecimento da Verdade que Liberta. O herói do Natal é Papai Noel. um espírito com aparência de gnomo ou duende que vive nas florestas. A idéia é tornar a criança consumista, mística, alienada e religiosa. Jeremias 7.18 e Apocalipse 17.5.  

6. O espírito de idolatria: Tudo no natal tem idéia de culto: Tem presépio como altar, velas, árvore, sacrifício de animais, adornos, pacto, aliança e banquete celebrados à meia-noite. Nenhuma relação com o Jesus de Nazaré. O Natal alimenta o culto a deuses estranhos. Jeremias 10.3,4 e Isaías 57.4,5.
7. O espírito de materialismo: O clima sentimental do Natal é estrategicamente elaborado para alimentar o clima comercial do Natal. É o império do espírito de Mamom. É o empobrecimento dos mais pobres e o enriquecimento dos mais ricos. É o tempo da mesa farta e sem paz. É o tempo das felicitações sem felicidade. É a embriaguez com uma fuga e a falsa sensação de que tudo está bem. Tardiamente multidões descobrirão que a ferida não foi curada, mas apenas abafada. Jeremias 6.14,15.  

  • Natal é igual à vínculos com demônios!
    Agora podemos dizer o seguinte: o Natal do formato do mundo é uma festa totalmente pagã e quem participa deste tipo de festividades atrai sobre si muito males. Satanás é muito sagaz, e usa de vários artifícios para "prender" o homem. Nós sabemos que quando participamos de qualquer celebração, evento, ou festividade voltada para o mal, os demônios tem direito legal a criar vínculos para amarrarem e amaldiçoarem as vidas que assim agem! Isso tem sido assim desde há muito tempo e a igreja dita cristã recebeu o Natal como uma herança nefasta do catolicismo romano e temos até hoje "celebrado" o Natal como se a festa fosse uma "celebração ao Senhor!" Nós podemos até não gostar disso, mas teremos de admitir: esta e outras festas nos foram dadas por Satanás para nos prender e para que ele e seus demônios evitem que o povo de Deus recebe do Eterno a plenitude de suas bênçãos! Você poderá escolher entre obedecer à Deus e à sua Palavra ou caminhar de acordo com tradições humanas, mundanas e demoníacas, que aprendemos ser cristãs, mas em sua essência (e também na aparência) nada tem a ver com o Deus Eterno!
  • Conclusão:
  • O natal mundano é sem dúvida a maior celebração conjunta ( ecumenismo ), e que "une" os povos de todo o mundo nesta época do ano. Negar tudo isso seria estupidez. Porém, devemos admitir que tudo isso nada tem a ver com Deus e com Sua Palavra, e por isso somos chamados a escolher entre o certo e o errado: "Mas a palavra está mui perto de ti, na tua boca, e no teu coração, para a cumprires. Vê que hoje te pus diante de ti a vida e o bem, a morte e o mal. Se guardares o mandamento que eu hoje te ordeno de amar ao Senhor teu Deus, de andar nos seus caminhos, e de guardar os seus mandamentos, os seus estatutos e os seus preceitos, então viverás, e te multiplicarás, e o Senhor teu Deus te abençoará na terra em que estás entrando para a possuíres. Mas se o teu coração se desviar, e não quiseres ouvir, e fores seduzido para adorares outros deuses, e os servires, declaro-te hoje que certamente perecerás; não prolongarás os dias na terra para entrar na qual estás passando o Jordão, a fim de a possuíres. O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando ao Senhor teu Deus, obedecendo à sua voz, e te apegando a ele; pois ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias; e para que habites na terra que o Senhor prometeu com juramento a teus pais, a Abraão, a Isaque, e a Jacó, que lhes havia de dar" (Dt 30:14-20). Agora só depende de nós! Podemos optar pela obediência e pela vida, mas também nos é dada a liberdade para optarmos pela desobediência e pela morte! Faça sua escolha!  
  • Bispo Roberto Torrecilhas
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário