07 dezembro 2012


Fanatismo - Florbela Espanca

“Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida. 
Meus olhos andam cegos de te ver! 
Não és sequer razão do meu viver 
Pois que tu és já toda a minha vida! 
... 
E, olhos postos em ti, digo de rastros: 
«Ah! Podem voar mundos, morrer astros, 
Que tu és como Deus: Princípio e Fim!...»”
Quanto sentimento, quanta entrega! O momento em que as palavras se juntam e formam muito mais que frases, delineiam pensamentos e sentimentos com a força destemida da entrega. Ler este pequeno poema de Florbela nos leva a entender a paixão, que, avassaladora, destrói, invade, corrompe e até maltrata. Quando dois são um na mais perfeita das harmonias, no limiar entre o que sou e o que me torno quando ligado a alguém apaixonadamente.
Esta força capaz de mudar rumos, de alterar histórias, de tornar infindo o que é finito, de corar aquilo que a muito jaz cinza.
Quero viver toda vida na certeza de que vale a pena.           
Pena que alguns não a encontrem,
e para estes só me resta esta pena.
Não o pesar ou consciência intima, 
mas a que, correndo o papel discorre,
como Florbela, os meus bocados que alimentam  
de sonhos e de desejos, 
pois no trocar de alguns beijos
sou alcançado por ela.

Glauco Cruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário