21 dezembro 2012

Lição 12 - 23/12/12   - "ZACARIAS O REINADO MESSIÂNICO"

 TEXTO ÁUREO = “Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; sendo rei, reinará, e prosperará, e praticará o juízo e a justiça na terra” (ir 23.5).

VERDADE PRÁTICA = Jesus é tanto o Salvador do mundo, como rei do Universo.

LEITURA BIBLICA = Zacarias 1: 1; 8:1-3,20-23

 INTRODUÇÃO

 Entre os Profetas Menores, Oséias é o livro de mais difícil aceitação quanto à razão, enquanto que Zacarias é o de mais difícil interpretação. Ambos têm 14 capítulos. Em Zacarias, o último capítulo é mais longo, tomando-se assim o maior em tamanho dentre os 12 Profetas Menores Com suas visões, símbolos e parábolas, enquadra-se na mesma categoria de Daniel, Ezequiel e Apocalipse Ao pesquisar suas páginas, encontramos fatos, verdades e mensagens destacadas concernentes a Israel, tanto para aqueles dias, como para o futuro. Daniel escreveu sobre o futuro dos impérios gentílicos e Zacarias profetizou sobre o futuro próximo e distante dos judeus. Quanto à sua relação com outros profetas, Zacarias e Isaías foram os grandes mensageiros messiânicos (o Messias é um tema importante do seu livro, não somente no que tange o seu primeiro advento, como também, no segundo). Como Ageu, Zacarias profetizou acerca do templo de Jerusalém e salientou o Dia do SENHOR. Zacarias é um dos livros de maior ênfase messiânica e dos mais apocalípticos e escatológicos de todos os escritos do Ai Procure então aproveitar o máximo deste tratado profético, misterioso e sobretudo, ungido pelo Santo Espírito; útil, portanto, ao extremo para a edificação de nossa vida cristã. 
 O LIVRO DE ZACARIAS Autor - Zacarias Zacarias, cujo nome significa “O Senhor se Lembra”, foi um dos profetas pós – exílicos, um contemporâneo de Ageu. Com Ageu, ele foi chamado para despertar os judeus que retornaram, para completar a tarefa de reconstruir o templo (ver Ed 6.14). Como filho de Baraquias, filhos de Ido, ele era de umas das famílias sacerdotais da tribo de Levi. Ele é um dos mais messiânicos de todos os profetas do AT, dado referências distintas e comprovadas sobre a vinda do Messias. 
 Data O ministério de Zacarias começou em 520 aC, dois meses após Ageu haver completado sua profecia. A visão dos primeiros capítulos foi dada, aparentemente, enquanto o profeta ainda era um jovem (2.4). Os caps 7-8 ocorrem dois anos mais tarde, em 518 aC. A referência à Grécia em 9.13 pode indicar que os caps. 9-14 foram escritos depois de 480, quando a Grécia substituiu a Pérsia como o grande poder mundial. As profecias que abrangem o Livro de Zacarias foram reduzidas à escrita entre 520 e 475 aC. 
 Contexto Histórico Os exilados que retornaram à sua terra natal em 536 aC sob o decreto de Ciro, estavam entre os mais pobres dos judeus cativos. Cerca de cinqüenta mil pessoas retornaram para Jerusalém sob a liderança de Zorobabel e Josué. Rapidamente, reconstruíram o altar e iniciaram a construção do templo. Logo, todavia, a apatia se estabeleceu, à medida que eles foram cercados com a oposição dos vizinhos samaritanos, que, finalmente foram capazes de conseguir uma ordem do governo da Pérsia para interromper a construção. Durante cerca de doze anos a construção foi obstruída pelo desânimo e pela preocupação com outras atividades. Zacarias e Ageu persuadiram o povo a voltar ao Senhor e aos seus propósitos para restaurar o templo. Zacarias encorajou o povo de Deus indicando-lhe um dia, quando o Messias reinaria de um templo restaurado, numa cidade restaurada. 
Conteúdo O livro de Zacarias começa com a veemente palavra do Senhor para o povo se arrepender e se voltar novamente para seu Deus. O livro está repleto de referências de Zacarias à palavra do Senhor. O profeta não entrega sua própria mensagem, mas ele, fielmente, transmite a mensagem dada ele por Deus. O povo é chamado para se arrepender de sua apatia e completar a tarefa que não foi terminada. Deus, então, assegura ao seu povo o seu amor e cuidado por eles, através de oito visões. A visão do homem e dos cavalos lembra ao povo o cuidado de Deus. A Visão dos quatros chifres e dos quatro ferreiros trazem à memória o julgamento de Deus. A Visão do homem com um cordel de medir, existe uma olhada apocalíptica na vele e pacífica cidade de Deus. A visão grandiosa do castiçal todo revestido de ouro entre os vasos de azeite assegura a Zorobabel que os propósitos de Deus serão cumpridos somente pelo seu Espírito. A visão do rolo voante emite o pronunciamento de Deus contra o furto e contra o juramento falso. A visão da mulher num efa significa a santidade de Deus e a remoção do pecado. A visão dos quatro carros retrata o soberano controle de Deus sobre a Terra. As visões são seguidas por uma cena de coroação na qual Josué é coroado tanto como rei como sacerdote. Isso é poderosamente um simbolismo da vinda do Messias. Nos caps 7-9, Deus usa a ocasião de uma questão sobre o jejum para reforçar sua ordem para justiça e juízo, para substituir as formalidades religiosas. Os caps 9-14 Contêm muita escatologia. (Estudos das últimas coisas)
 Seis aspectos básicos caracterizam o livro de Zacarias. (1) É o mais messiânico dos livros do AT, em virtude de suas muitas referências ao Messias, que ocorrem em seus catorze capítulos. Somente Isaías, com seus sessenta e seis capítulos, contém mais profecias a respeito do Messias do que Zacarias. (2) Entre os profetas menores, possui ele as profecias mais específicas e compreensíveis a respeito dos eventos que marcarão o final dos tempos. (3) Representa a harmonização mais bem sucedida entre os ofícios sacerdotal e profético em toda a história de Israel. (4) Mais do que qualquer outro livro do AT, suas visões e linguagem altamente simbólicas assemelham-se aos livros apocalípticos de Daniel e Apocalipse. (5) Revela um exemplo notável de ironia divina ao prever a traição do Messias por trinta moedas de prata, tratando-as como “esse belo preço em que fui avaliado por eles” (11.13). (6) A profecia de Zacarias a respeito do Messias no capítulo 14, como o grande Rei-guerreiro reinando sobre Jerusalém, é uma das que mais inspiram reverente temor em todo o AT. O Livro de Zacarias ante o NT Há uma aplicação profunda de Zacarias no NT. A harmonização da vida pessoal de Zacarias, entre os aspectos sacerdotal e profético pode ter contribuído para o ensino do NT de que Cristo é tanto sacerdote quanto profeta. Além disso, Zacarias profetizou a respeito da morte expiatória de Cristo pelas mãos dos judeus, que, no fim dos tempos, leva-los-á a prantearem-no, arrependerem-se e serem salvos (12.10—13.9; Rm 11.25-27). Mas a contribuição mais importante de Zacarias diz respeito a suas numerosas profecias concernentes a Cristo. 
 A Unidade de Zacarias A erudição bíblica conservadora levanta sérias objeções à teoria pós-alexandrina e pós-zacariana de Zacarias, e firma-se nos seguintes fundamentos:
 1) O argumento mais forte aduzido a favor da teoria pós-alexandrina é a referência aos filhos da Grécia em 9.13. Na época, pensava-se que os gregos fossem uma ameaça contra Sião e os consideravam potência mundialmente dominante. No entanto, a profecia é de derrota, não de vitória, para os filhos da Grécia. Além disso, a passagem de 9. 12,13 não descreve uma batalha, mas profetiza um futuro confronto entre Sião e a Grécia, do qual os judeus sairiam triunfantes. Nos dias de Zacarias, as vitórias gregas sobre Xerxes em Salamina, Platéia e Micale (480-479 a.C.) seriam suficientes para colocá-las na atenção de seus contemporâneos. A menos que rejeitemos a possibilidade da predição profética em base dogmática, não há motivo para Zacarias não poder ter escrito estas palavras na década de 470 a.C. 
2) O argumento literário também foi abordado. Os críticos afirmam que o estilo de Zacarias II difere de Zacarias 1. A frase: “Assim diz o Senhor”, tão freqüente nos capítulos 1 a 8, ocorre apenas uma vez na segunda divisão. Por outro lado, a expressão “naquele dia” é usada 18 vezes em Zacarias II contra somente quatro ocorrências em Zacarias 1. Ademais, dizem que o estilo da última seção é mais poético. Contudo, os estudiosos conservadores mostram que há características de estilo até mais significativas que são comuns a ambas as seções. E de comum acordo que o estilo de um autor muda com o transcurso dos anos e ao tratar de uma situação histórica diferente. Nos dias em que o profeta convocava os compatriotas judeus a reconstruir o Templo, a frase profética: “Assim diz o Senhor” era necessária para reforçar a autoridade divina da convocação. Por outro lado, a expressão escatológica “naquele dia” é mais apropriada em profecias que olham o futuro mais distante de Israel, o tema de Zacarias II. Os defensores da unidade da autoria de Zacarias ressaltam a persistência das seguintes características estilísticas: 
 a) A expressão: “Diz o Senhor”, ocorre 27 vezes em Zacarias 1 e sete vezes em Zacarias II.
 b) A frase hebraica traduzida com o sentido de “os olhos do Senhor” ocorre duas vezes em Zacarias 1(4.10; 8.6) e uma vez em Zacarias 11(9.8; duas vezes se aceitarmos 12.4: “os meus olhos”). 
 c) O título divino: “O Senhor dos Exércitos”, é encontrado 46 vezes, ou seja, 38 na primeira divisão e oito na segunda. 
 d) O verbo hebraico traduzido por “habitar”, no sentido especial de “estar habitado”, “estar povoado”, “estar instalado”, acha-se duas vezes em cada divisão e muito raramente em qualquer outro lugar do Antigo Testamento. 
e) Há um tipo peculiar de paralelismo hebraico dividido em cinco partes que ocorre escassamente fora de Zacarias, mas que aparece uma vez em Zacarias 1(6.13) e três em Zacarias 11(9.5,7; 12.4).
 No que tange ao idioma, todos os estudiosos concordam que o hebraico em ambas as partes de Zacarias é puro e notavelmente livre de aramaísmo. Pusey observa: “Em ambas as divisões há certa completude de linguagem, produzida pela insistência no mesmo pensamento ou palavra: em ambas as seções, o todo e suas partes são, para dar ênfase, mencionados juntos. Em ambas as partes, como conseqüência desta completude, ocorrem a divisão do versículo em cinco porções, ao contrário da regra habitual do paralelismo hebraico”. 
 3) Por fim, temos de observar que aqueles que rejeitam a autoria de Zacarias dos capítulos 9 a 14 estão em discordância extrema e incorrigível entre si concernente a uma teoria alternativa. As referências nos capítulos 9 a 14 conduzem a diversas datações de suas diversas partes integrantes, variam desde aproximadamente 330 a 140 a.C., e dependem de quais correlações sejam feitas com episódios e personagens ligados com a história helenística. As dessemelhanças aceitas entre Zacarias 1 e Zacarias II podem ser tratadas sem comprometer a convicção na unidade da autoria. Collins expressou bem a idéia: [...] Nos capítulos 1 a 8, o profeta preocupa-se primariamente com os acontecimentos contemporâneos, particularmente com a reconstrução do Templo; ao passo que nos capítulos 9 a 14, lida com os acontecimentos futuros, como a vinda do Messias e a glória de seu reinado. Por conseguinte, é natural que a primeira divisão seja de estilo histórico, enquanto que a última, de estilo apocalíptico. Outrossim, é provável que a primeira parte da profecia pertença à vida do jovem Zacarias, e a segunda à sua idade avançada. As evidências internas do livro são favoráveis, como mostra tão claramente W. H. Lowe, à origem pós-exílica de ambas as divisões e à unidade de autoria. 
 
 AS PRIMEIRAS QUATRO VISÕES = (Zc 1.1-3.10) Este Texto e o próximo ressaltam a primeira divisão do Livro de Zacarias, que tem por conteúdo oito visões noturnas. As oito revelações constituem uma base ou introdução para o restante do livro e salienta a sobrevivência de Israel em meio à queda das nações vizinhas. As primeiras cinco visões têm uma mensagem conciliadora, enquanto que as últimas três, um aspecto condenador. 1º.- visão: os cavalos entre as murteiras ( Zc 1:7-17) Antes de cada comentário sobre as visões de Zacarias, você deve ler com muita atenção na Bíblia o relato do profeta sobre a respectiva visão. A primeira visão ocorreu no décimo primeiro mês do ano 520. Nesta visão, Zacarias viu três grupos de personagens em cavalos vermelhos, baios e brancos a andar entre as murteiras, com um dos personagens montado, à frente dos demais, em um cavalo vermelho. O homem do cavalo vermelho que pára entre as murteiras e o anjo do SENHOR (vv. 8,10,12) são a mesma pessoa — Cristo. As murteiras representam Israel, ou o povo de Deus. As murteiras são arbustos comuns em Israel, dos quais exalam um perfume agradável, têm flores brancas, frutos comestíveis e madeira amarelada e muito bonita. Os cavalos representam guerra (vermelho), pragas (baios) e vitória e glória (brancos). Os cavaleiros (possivelmente anjos), após percorrerem a terra, anunciam que ela “... está, agora, repousada e tranquila.” (v. 11). Isto indica que as nações estavam gozando tempos de prosperidade e de paz. Israel, porém, não estava. O anjo do SENHOR clama a Deus: “... até quando não terás compaixão de Jerusalém... contra as quais estás indignado faz já setenta anos?” (v. 12). Deus responde que está zelando por Jerusalém e que está irritado com os países que agravaram o mal contra ela (vv. 14,15). Brevemente, Ele tomará providências e Seu povo será restaurado, sua cidade principal, reedificada e habitada (vv. 16,17). Notem as palavras “será” e “ainda” nesses últimos versículos, indicando cumprimento futuro da profecia. Em suma, a interpretação da visão é a de que Deus, por intermédio de Seu Filho, está prestes a intervir ao mundo, que se encontra acomodado e indiferente, para restabelecer e abençoar Sua cidade e Seu povo. 2º.- visão: quatro chifres e quatro ferreiros ( Zc 1:18-21) A segunda revelação simboliza a derrota dos inimigos de Israel. Os quatro chifres representam forças opressoras, possivelmente Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma (ou Assíria, Egito, Babilônia e Medo-Pérsia). Os quatro ferreiros são os agentes de Deus (anjos ou homens) que esmagarão os chifres, findando assim suas ameaças e tirania. 3º.- Visão: Jerusalém medida ( Zc 2:1-13) A explicação da terceira visão em que a cidade de Jerusalém é medida mostra que a cidade santa será grande e populosa. Fala da volta à Jerusalém dos judeus espalhados pelo mundo afora. A população será tão numerosa que se estenderá além das muralhas da cidade. Deus estará no meio deles, habitando (v. 11) e oferecendo Sua proteção (v. 5). Esse trabalho do SENHOR é tão vital que Ele requer silêncio de toda a terra para efetuá-lo (v. 13). Notemos que, durante essa terceira revelação, um segundo intérprete angelical aparece para transmitir informações ao primeiro anjo que falava com Zacarias (v. 3). O primeiro mensageiro tinha explicado o significado das primeiras duas visões para o profeta (1.9,19,21). 4º.- visão: Josué o sumo sacerdote ( Zc 3.1-10) “Deus me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo do SENHOR, e Satanás estava à mão direita dele, para se lhe opor. Mas, o SENHOR disse a Satanás: o SENHOR te repreende, á Satanás; sim, o SENHOR, que escolheu a Jerusalém, te repreende; não é este um tição tirado do fogo? Ora, Josué, trajado de vestes sujas, estava diante do Anjo.” (Zc 3.1-3). Na quarta visão, o sacerdote Josué simboliza todo o sacerdócio de Israel. Suas vestes sujas representam manchas do pecado. A remoção dessas vestes e os finos trajes que lhe foram dados significam perdão, bem como a sua restauração ao seu primeiro estado glorioso. O simbolismo abrange todos os judeus, um povo de vocação sacerdotal, representado por Josué. Vemos aí, a promessa da purificação da nação israelita. O sumo sacerdote e os homens de presságio (ou “homens que são um sinal”, isto é, protótipos de eventos e coisas futuras) precederão a vinda do “Renovo”, o Messias. E uma segunda promessa registrada nessa visão que iria se cumprir em meio ao povo escolhido de Deus.
 AS SEGUNDAS QUATRO VISÕES (Zc 4.1-6,15) Entre a quarta e a quinta visão, o profeta entrou em um estado de profunda sonolência. Note no primeiro versículo do capítulo quatro que, antes que o anjo falasse Zacarias despertou. Ou o profeta estava exausto e adormeceu, ou, extasiado pelas maravilhas sobrenaturais das revelações, ficou atônito com isso. Seu ajudante celestial o acordou e perguntou: “... Que vês?,..” (4.2) 5º.- visão: o candelabro entre duas oliveiras ( Zc 4: 1-14) O que o servo do SENHOR vislumbrava nesta quinta visão era um castiçal dourado, completo, com um vaso de azeite, sete lâmpadas e sete tubos que estava entre duas oliveiras. A mensagem principal do trecho se encontra no versículo 6: “... Não por força nem por poder, mas, pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos.” O sucesso da obra divina depende da unção do Espírito Santo. Deus, por meio dos “... dois ungidos..” (v. 14) iria reconstruir o Seu templo em Jerusalém. Os dois servos: Josué, o sumo sacerdote, e Zorobabel, o governador de Judá e responsável pela reedificação do templo (Ag 1.1; 2.23), são simbolizados pelas duas oliveiras.  O óleo, obviamente, representa o Espírito Santo; o candelabro é o templo que, por sua vez, representa Israel. A montanha (v. 7) simboliza os obstáculos que serão derrubados e não impedirão o avanço do trabalho restaurador do SENHOR. Os sete olhos de Deus (v. 10) significa a perfeição da Sua visão, que percorre toda a terra e olha com grande satisfação o empenho de Zorobabel, com o prumo na mão. Deus mostra ao mensageiro que Seus desígnios se cumprem quando Seus servos são ungidos pelo Espírito Santo e cooperam com o Mestre Arquiteto, lançando mãos à obra. Sua energia vem do SENHOR, não de fontes humanas. 6º.- visão: o rolo voante ( Zc 5.1-4) As últimas visões de Zacarias falam de condenação e juízo. O rolo enorme que aparece na sexta visão representa a maldição ou o julgamento que recairá sobre os pecadores (v. 3). O rolo simboliza a lei do SENHOR que declara que aquele que a transgride será amaldiçoado. Por toda a terra os rebeldes serão procurados, alcançados e expulsos do reino do Messias. Suas casas e suas vidas serão consumidas (vv. 3,4). 7º.- visão: a mulher e o efa ( Zc 5:5-11) Na sétima visão, o efa, uma cesta, significa o mercantilismo e também, como o versículo 6 indica, “... a iniquidade em roda a terra”. Somando os dois, o resultado são os negócios ímpios que os comerciantes praticam. A mulher é a “impiedade”. A iniquidade é fruto de um coração ímpio. Na visão, o pecado (o efa e a mulher) é transportado à terra de Sinear pelas duas mulheres com asas. As mulheres voadoras que levam a “praga” são também impuras. Isto se nota no tipo de asas que tinham, as de cegonha, considerada uma ave imunda pelos judeus. Elas retornam à Babilônia (terra de Sinear), onde se originou a iniquidade e a impiedade. Nos dias de Zacarias, esse local era centro mundial de idolatria e perversidade. Contudo, observamos nessa visão a remoção do pecado do mundo, principalmente, a ganância e a ambição. 8º.- visão: os quatro carros ( Zc 6,l-8 ) Nesta oitava e última revelação o ponto comum entre esta revelação e a primeira é os cavalos. Agora, há também cavalos pretos que possivelmente, representam a morte. A ideia geral é a de que os carros puxados por esses cavalos, que são ventos (anjos) ou espíritos do céu (v. 5), percorrerão a terra, principalmente, o Norte, executando os propósitos judiciais do SENHOR. O ciclo das revelações se completa aqui. Começou com o soberano Deus prestes a intervir no mundo e se encerra com Ele, enviando os Seus anjos para julgar as nações. Isto acontecerá no fim da Grande Tribulação, quando terá início a era messiânica. A coroação de Josué (Zc 6.9-15) A seqüência das visões de Zacarias é a coroação simbólica de Josué. Sua coroação representa a glorificação do Messias, o Renovo, como rei e sacerdote. O ouro e a prata trazidos de volta do cativeiro por alguns dos exilados seriam usados para fazer a coroa (uma só coroa com outras sobrepostas, daí a expressão “coroas”) a ser colocada “... como memorial no templo do SENHOR.” (v, 14). Não quer dizer que as coroas serão de Helém, Tobias, Jedaías, Hem, mas que o memorial será em honra a eles por terem trazido o material para a sua confecção. No tempo certo, segundo o plano de Deus, Jesus realizará o que está escrito no Livro de Zacarias, que são atos típicos ou sombras da imagem real. “Ele mesmo (o Messias) edificará o templo do SENHOR e será revestido de glória; assentar-se-á no seu trono, e dominará, e será -sacerdote no seu trono; e reinará perfeita união entre ambos os ofícios.” (Zc 6.13) 
A PRIMEIRA MENSAGEM DO SENHOR (Zc 7 ) Quase dois anos se passaram (compare 1.1 e 7.1) até que a Palavra de Deus viesse novamente a Zacarias. Desta vez, o SENHOR não recorre a visões, mas a mensagens diretas. Os assuntos das duas mensagens específicas são: “A Repreensão a Israel por seus Falsos Motivos” e “A Promessa de sua Restauração”. Uma pergunta ( Zc 7: 1-3 ) “... Continuaremos nós a chorar, com jejum, no quinto mês, como temos feito por tantos anos?” (v. 3). A pergunta é feita por um grupo de judeus de Betel representado por Sarezer e Regén-Meleque (líderes da comunidade) aos sacerdotes e profetas em Jerusalém. No cativeiro, tinham jejuado. Agora, estavam indagando se ainda seria necessário tal prática, uma vez que já haviam regressado à sua terra natal. A resposta (Zc 7:4-7 ) A resposta provém da boca de Deus. O SENHOR revela a rebeldia de seus corações. Não responde diretamente a pergunta, mas chega ao âmago do assunto mostrando que eles realmente não querem mais jejuar. Em Babilônia, suas festas e orações não agradavam a Deus porque procediam hipocritamente dos seus lábios. Os seus jejuns não tinham valor e continuariam deste modo, caso não mudassem de atitude e permitissem que a misericórdia e a justiça reinassem em seu meio. A causa do exílio ( Zc 7: 8-14) Deus continua Sua mensagem e alerta a memória do profeta para aquilo que Ele havia mandado o Seu povo praticar: juízo, bondade e misericórdia (vv. 9,10). Mas ele não fez assim e a ira do Altíssimo recaiu sobre todos (v. 12). Escolheram a vereda da desobediência e o efeito foi um triste e penoso período de escravidão nas mãos de vizinhos opressores. Viraram as costas e taparam os ouvidos (v. 11); seus corações estavam duros como diamante (v. 12), isto é, nada poderia quebrar, cortar ou penetrar a sua resistência rebelde e obstinada. O SENHOR, ao bradar-lhes, encontrava somente portas fechadas, assim, teve que espalhá-los com um turbilhão (tempestade ou redemoinho de vento) e permitir a derrocada da sua terra (v. 14).
 A SEGUNDA MENSAGEM DO SENHOR = (Zc 8) “A Justiça de Deus” foi o tema do capítulo anterior de Zacarias. No presente capítulo se evidencia “A Misericórdia de Deus”. Vemos freqüentemente no AT um Criador amoroso, abençoador, cuidando do Seu povo e este se afastando; Deus chamando-o de volta e a rebeldia se intensificando; o SENHOR castigando o e ele, arrependido, voltando ao Criador. Ele aceitando-os novamente, por Seu grande amor. Um dia, porém, a misericórdia de Deus findará e aqueles que ainda não O reconhecem como Messias experimentarão somente a Sua justiça. “... voltarei....salvarei..,” (Zc 8.1-8 ) A promessa de Deus aos Seus filhos é que Ele voltará para Sião (Seu povo) e habitará no meio de Jerusalém. O retorno do SENHOR ao Seu povo marca o início da sua restauração. O povo se arrependerá, Deus o perdoará e permitirá que retorne à sua terra. A capital terá, então, o nome de cidade fiel; o monte do SENHOR dos Exércitos (sobre qual estava sendo edificado o templo) será chamado Monte Santo (v. 3). “... sejam fortes...”(Zc 8.9-17) Deus procura encorajar Seu povo, mencionando a atitude que prevalecia no início do trabalho de reconstruir o templo: ninguém recebia salário e havia inimigos em volta; mesmo assim dedicou-se à obra com vontade e ardor (v. 10). Zacarias fala que Deus irá abençoá-lo novamente. Não será envergonhado perante as outras nações, mas, será herdeiro das riquezas celestiais (vv. 12,13). Por isso, precisa ficar firme, levantar a cabeça, não temer e começar uma segunda vez esse seu trabalho digno e proveitoso. Ao lado da tarefa física, os filhos de Israel são advertidos a praticar a justiça, a viver retamente perante o SENHOR e seu próximo (vv. 16,17). Dessa maneira, garantirão o sucesso, o avivamento e as bênçãos contínuas dos céus. “... amai, pois, a verdade e a paz” (Zc 8.18-23) Os pensamentos do SENHOR através de Zacarias, nessa passagem, estão ligados aos dois últimos versículos precedentes (vv. 16,17). Deus volta ao assunto do jejum, desta vez afirmando que os filhos de Israel serão “... para a casa de Judá regozijo, alegria e festividades solenes...” (v. 19). A diferença entre o resultado dos jejuns judaicos agora e no passado (Cativeiro) provinha do tipo de atitude. Antes, só havia ritos e cerimônias; agora, porém, seriam festas e atos sagrados de honra e louvor genuíno ao SENHOR. Com corações justos, seus filhos poderiam observar suas festividades, sabendo que Deus se agradava deles. Para continuar assim, no entanto, o Pai os instrui: “... amai, pois, a verdade e a paz.” (8.19). Não meramente gostar, mas, amar de corpo, alma e espírito. Alguém que se dedica a obedecer e a seguir o caminho da verdade e da paz é, sem dúvida, uma pessoa santa e exemplar diante do SENHOR e do mundo. Assim fazendo, pode confiar que a felicidade celestial será sua porção. 
PROFECIAS SOBRE O MESSIAS = (Zc 9-11) Zacarias, no começo do capítulo 9, transporta-se dos seus dias (520 a.C.) a épocas futuras, principalmente, para os dias de Cristo, quando Ele viver na terra. Falando desses eventos futuros, o profeta inicia suas mensagens sobre os dois adventos do Messias. Primeiro, fala sobre a Primeira Vinda de Jesus e a rejeição (caps. 9-1 1), depois prega sobre a Sua Segunda Vinda e recepção por parte dos israelitas (caps. 12-14). “Alegra-te... Sião. aí te vem o tei rei...” ( Zc 9) As várias cidades (Tiro, Sidom, Asquelom etc.) mencionadas na primeira divisão desse trecho (1-8) foram derrotadas ou conquistadas por Alexandre, o Grande, no ano 330 antes de Cristo. Sua invasão aniquilou e dominou estas cidades da Síria, Fenícia e Filístia. O que impressiona, porém, é que durante suas investidas, Alexandre deixou Jerusalém em paz. Conforme narram os historiadores, ele passou várias vezes perto da cidade, mas não a atacou. O SENHOR levou Seu arauto a declarar, “Acampar-me-ei ao redor da minha casa para defendê-la contra forças militantes, para que ninguém passe, nem volte...” (v. 8). Serão fortalecidos no SENHOR ( Zc l0 ) Zacarias continua suas declarações admoestando o povo a buscar a Deus (v. 1) e deixar de lado os ídolos e adivinhos que ainda estavam influenciando suas vidas. O profeta ressalta a ira divina contra os pastores rebeldes e bodes-guias. Note que, no versículo dois, os judeus são comparados a ovelhas aflitas, porque não há pastor. Daí, entendemos que os pastores e bodes do versículo três não são autênticos, ou melhor, são falsos: são os líderes inimigos que dominavam os judeus. A salvação viria da tribo de Judá, a “... pedra angular... a estaca da tenda... o arco de guerra;...” (v. 4). Os dois pastores (Zc 11) Este capítulo é uma profecia sobre as terríveis invasões romanas que assolaram Israel, culminando com a destruição absoluta de Jerusalém e o templo em 70 d.C. (vv. 1-3). Um historiador comenta que, durante essa época (o tempo em que Tito sitiou Jerusalém e finalmente a destruiu), mais ou menos um milhão de pessoas morreu no holocausto. O profeta usa de linguagem figurativa para expressar o choro intenso do povo: “Geme, á cipreste... gemei, á carvalhos de Basã.... Eis o uivo dos pastores, porque a sua glória é destruída! Eís o bramido dos filhos de leões, porque foi destruída a soberba do Jordão!” (vv. 2,3).
 PROFECIAS SOBRE A SALVAÇÃO DE ISRAEL = ( Zc 12-14 ) O Livro de Zacarias termina salientando a Segunda Vinda de Cristo e a libertação do povo de Deus. O profeta comenta que desta vez “o SENHOR será Rei sobre toda a terra;..,” (14.9). Israel será vingado, exercerá poderes estupendos que aniquilarão seus inimigos. Com prantos de arrependimento receberá o Supremo Pastor, a quem tinha crucificado na Sua Primeira Vinda. Ele, por sua vez, o restaurará e purificará, acolhendo-o a Si novamente. Será a época das vitórias finais de Deus sobre os homens maus e o estabelecimento da Sua supremacia sobre tudo e sobre todos; é, enfim, o início do Milênio e do aguardado estado de restauração e favor divino para os remidos do SENHOR. Jerusalém, desagravada e arrependida (Zc 12) O tema do livro alcança o seu auge neste trecho. O Dia do SENHOR, que se segue ao arrebatamento da Igreja, prevalecerá durante toda a Tribulação. Começará então a salvação de Israel. Os primeiros nove versículos do capítulo ressaltam a vingança do SENHOR contra os adversários de Suas ovelhas. “... farei de Jerusalém um cálice de tontear para todos os povos em redor ... farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a erguerem se ferirão gravemente;...” (vv. 2,3). “Naquele dia, porei os chefes de Judá como um braseiro ardente debaixo da lenha e como uma tocha entre a palha, eles devorarão, a direita e a esquerda, a todos os povos em redor, “ (v 6) Será o dia quando as forças hostis serão subjugadas, esmiuçadas pelo SENHOR dos Exércitos, a grande batalha de Armagedom (v. 9). Jerusalém passará a ser habitada outra vez pelo seu próprio povo e no seu próprio lugar — lugar da presença gloriosa do Rei dos reis (v. 6). Jerusalém, purificada e provada ( Zc 13) O penúltimo capítulo de Zacarias, em sua maioria, comenta a purificação de Israel “Naquele dia,,..” (vv. 1,2,4), não somente no que tange o pecado em geral, mas, principalmente, à remoção dos falsos profetas (vv. 2,6). A conclusão deste capítulo (vv. 7-9) converge para o Messias e o golpe máximo que O levou à crucificação e à morte (v. 7). O resultado da morte do Pastor é a dispersão das ovelhas, ou de Israel — basta olhar as páginas da História para verificar o cumprimento dessa profecia. Notamos, contudo, que Zacarias prevê o primeiro advento de Jesus, quando Ele seria rejeitado. Já os versículos 8 e 9 apontam eventos em um futuro mais distante. Fala da eliminação de 2/3 das ovelhas, isto é, de judeus. A terceira parte restante será purificada e provada pelo fogo. Essa parte, o remanescente, será salvo e usufruirá das graças eternas de Deus. Muitos pensam erroneamente que todos os israelitas serão salvos. A Bíblia diz em Romanos 11.26: “... todo o Israel será salvo... “, mas isso é uma figura de linguagem chamada “sinédoque”, em que se toma a parte pelo todo ou o todo pela parte. Nem todo judeu entrará pelas portas celestiais, mas aquele que confessar Jesus como o Cristo fará parte do grupo que será bem vindo nos céus. O que for salvo é o remanescente que escapar, a terceira parte purificada. (Compare Romanos 11.26 com 9.27 e Isaías 10.22). As palavras “em toda a terra”, de Zacarias 13.8, têm a mesma aplicação. Não é o mundo significando todas as nações, mas toda a terra de Israel, ou a parte pelo todo. Enfim, a triste verdade é que, durante a Grande Tribulação, grande número de judeus perecerão. Sendo infiéis e sem aceitar o Messias como seu Salvador pessoal, expirarão debaixo de Sua ira vingadora. Aqueles que aceitarem o Messias como o SENHOR de suas vidas depois do processo purificador clamarão a Deus e Ele responderá, dizendo: “... é meu povo, e ela (Israel) dirá: O SENHOR é meu Deus.” (v. 9). Jerusalém, libertada e glorificada (Zc 14) O apogeu da purificação de Israel encontra-se registrado nesses versículos. A expressão “Dia do SENHOR” ou “Naquele dia...” acha-se nove vezes no capítulo. O profeta fala da chegada do Messias sobre a terra, especificamente sobre o Monte das Oliveiras (v. 4); da peleja contra os inimigos do Seu povo (vv. 2,3); das pragas que cairão sobre as nações e os animais (vv. 12,15); da santificação das panelas na Casa do SENHOR (vv. 20,21), que eram os utensílios de menos valor no trabalho sacerdotal, mas, agora, como todos os outros vasos de maior valor (como as bacias), serão igualmente consagradas ao SENHOR. Zacarias não somente observa os aspectos do julgamento nesse terrível dia como salienta algumas das suas bênçãos, como: 1. as águas vivas que correrão de Jerusalém (v. 8); 2. a ausência de maldição e a segurança que haverá na cidade santa (v. 11); 3. as riquezas vindas de outras nações que serão ajuntadas na cidade santa (vv. 1,14); 4. não haverá mercador (cananeu, pessoa imunda) na Casa do SENHOR e Seu reino será caracterizado pela santidade (vv. 20,21). 
CONCLUSÃO A magnificência do novo centro governamental do SENHOR vê-se no versículo 10, onde Jerusalém “... será exaltada e habitada no seu lugar,... “. Tudo em volta será transformado em planície, a cidade santa será elevada e será um ponto central, acima de todo o Israel. Nisso, observamos a futura exaltação da cidade de Deus: Jerusalém liberta, glorificada, cheia de santos — a nova capital da teocracia eterna do Rei dos reis e grande SENHOR.

Subsídio para o Professor

Nesta lição, estudaremos o livro do profeta Zacarias, que trata basicamente de dois temas principais, a saber: a conclusão do Templo e as Promessas Messiânicas. O Templo que outrora fora destruído por Nabucodonosor, deveria ser reconstruído, mas o povo estava negligenciando tal reconstrução, o que implicou em diversos castigos divinos. A ira do Senhor, porém, haveria de durar só um momento e a libertação de Israel do domínio estrangeiro e a implantação do Reino Messiânico se tornaria uma realidade.
I - INFORMAÇÕES SOBRE O PROFETA ZACARIAS
Zacarias foi um sacerdote que voltou para Israel com seu pai e seu avô no primeiro retorno da Babilônia com Zorobabel. É possível constatar isso, observando a contagem sacerdotal registrada no livro de Neemias (Ne 12.4,16). Alguns supõem que o seu pai tenha morrido antes do retorno e que ele tivesse sido criado pelo avô. Possivelmente Jesus se referiu ao profeta Zacarias (Mt 23.35).
Dentre os profetas menores, Zacarias é o único que é apontado também como sacerdote. Dentre os profetas maiores, Jeremias e Ezequiel também exerciam ambos ministérios.
1.1 Nome. O nome Zacarias, Zekar-Yah, no hebraico, significa “O Senhor se lembrou”. Os nomes de seu pai e de seu avô têm significados interessantes (Zc 1.1). Ido significa “tempo designado”, e Berequias significa “o Senhor abençoa”. Segundo Ellisen (2012, p.389) “até os nomes sugerem a mensagem do livro: O Senhor não esquecerá suas promessas da aliança para abençoar Israel no tempo designado”.
1.2 Livro. O livro de Zacarias é o mais longo dos Doze Profetas Menores. Ele pode ser dividido em duas partes: a primeira parte (Zc 1-8), começa com uma exortação aos judeus para que voltem ao Senhor e assim também Deus se voltaria a eles (1.1-6). Enquanto encorajava o povo a terminar a reedificação do Templo, o profeta Zacarias recebeu uma série de oito visões (1.7-6.8), garantindo que Deus cuida de seu povo, sendo o Senhor de sua história. As cinco primeiras visões transmitiam esperança e consolação, mas as últimas três apontavam para um juízo. A quarta visão e a cena da coroação de Josué são profecias messiânicas. Já a segunda parte do livro de Zacarias (Zc 9-14), contém dois blocos de profecias apocalípticas. Cada um deles é introduzido pela expressão “Peso da Palavra do Senhor” (9.1; 12.1). O primeiro peso (9.1-11.17) inclui a promessa de salvação messiânica para Israel, mas que o Pastor-Messias seria primeiramente rejeitado e ferido (Zc 11.4-17 cf. 13.7). O “peso” (12.1-14.21) focaliza a restauração e conversão de Israel (12.10).
Naquele dia, uma fonte será aberta à Casa de Davi para a purificação do pecado (13.1); então Israel dirá: “O Senhor é o meu Deus” (13.9). E o Messias reinará em Jerusalém (14).
1.3 Período em que profetizou. O profeta Zacarias exerceu o seu ministério entre os anos 520 e 480 a.C. Agora é importante observar que três seções deste livro têm data exata, mas os últimos seis capítulos não têm. Podemos situar (Zc 1.1-6) no ano 520 a.C., pois tal relato se dá pouco mais de um mês após a segunda profecia de Ageu (Ag 2.1). Podemos situar (Zc 1.7-6.15) no ano 519: “Aos vinte e quatro dias do mês undécimo (que é o mês de sebate), no ano segundo de Dario…” (Zc 1.7). E ainda podemos situar Zc 7 e 8 no ano 518 a.C. Já os capítulos 9 ao 14, devem descrever o período de mais ou menos 480 a.C, talvez pelo fato da Grécia começar a se tornar a grande potência mundial.
1.4 Contemporâneos. Zacarias era um contemporâneo do profeta Ageu. Certamente Zacarias era mais jovem. No livro de Esdras está escrito que ambos animaram os judeus, em Judá e Jerusalém, a persistirem na reedificação do Templo nos dias de Zorobabel (Ed 5.1). Como resultado do ministério de Zacarias e Ageu, o Templo foi completado e dedicado por volta do ano 515 a.C.
II - A SITUAÇÃO DE JUDÁ NA ÉPOCA DE ZACARIAS
Zacarias que começou a profetizar por volta do ano 520 a.C. como os demais judeus, aguardava ansiosamente pela libertação da nação do domínio estrangeiro, e com confiança esperava que um povo renovado fosse governado por um descendente da casa de Davi. O Templo estava sendo reconstruído e os persas não impuseram maiores dificuldades. A verdade é que eles começaram a apoiar um novo governo teocrático que estava surgindo àquela época.
2.1 Situação política. Após os 70 anos de cativeiro na Babilônia, os judeus retornaram, sob a nova política persa que encorajava a volta dos cativos, e lhes foi proporcionada uma nova situação de vida, um distrito na província daquém do rio Eufrates (Ed 1 1-5). Esse tratamento por parte de Ciro pode ter resultado da influência do profeta Daniel. A oposição à reconstrução do Templo veio dos vizinhos samaritanos que tentaram integrar-se com os judeus e misturar as religiões. Essa oposição teve como resultado perseguições, e a construção ficou suspensa durante 14 anos (Ed 4.1-24; 6.1-12).
2.2 Situação espiritual. Em 537 a.C., começou uma grande era para os judeus com a volta do cativeiro e o reinício das ofertas da aliança em Jerusalém. Mas a pausa na reconstrução esfriou o entusiasmo de todos, e eles se voltaram para interesses seculares. Todavia, essas atividades não se mostraram lucrativas, o que pode ter sido um castigo por não terem dado a atenção devida à fundação do novo Templo (Ed 3.12; Ag 1; 2.3). Tal realidade nos mostra que a entrega dos dízimos e das ofertas pode ser considerada uma espécie de termômetro espiritual, pois o povo não estava bem diante de Deus e, por isso, cerrou a sua mão para com o Templo. Depois de 14 anos de negligência para com o Templo, o Senhor lhes mandou seca e má colheita a fim de alertar o povo, e Zacarias foi um dos profetas que apontaram para a causa de todos aqueles males (Zc 1.1-6; 7).

III - CARACTERÍSTICAS DO LIVRO DE ZACARIAS
  • É o livro mais messiânico dos Profetas Menores, e está no mesmo nível de Salmos e Isaías quanto ao conteúdo messiânico;
  • Ele possui as profecias mais específicas e compreensíveis a respeito dos eventos que marcarão o final dos tempos;
  • O livro representa a harmonização mais bem sucedida entre os ofícios sacerdotais e proféticos em toda a história de Israel;
  • Suas visões e linguagem altamente simbólicas assemelham-se aos livros apocalípticos de Daniel e Apocalipse;
  • O livro revela um exemplo notável de ironia divina ao prever a traição do Messias por trinta moedas de prata (Zc 11.13);
  • A profecia a respeito do Messias no capítulo 14, como o grande Rei e Guerreiro, reinando sobre Jerusalém, é uma das que mais inspiram reverente temor em todo o Antigo Testamento.
IV - ALGUMAS OUTRAS CONTRIBUIÇÕES DO LIVRO DE ZACARIAS
No avanço esmagador dos impérios poderosos da Palestina nos tempos dos gentios, os poucos sobreviventes de Israel seriam atingidos pela voragem das lutas internacionais e desafios religiosos. Mas seu rei, o Messias, viria, primeiro em humildade e rejeição, e mais tarde com grande poder, a fim de trazer salvação espiritual e expressão internacional a seu povo, em cumprimento de suas alianças.
4.1 Um livro apocalíptico. Do mesmo modo que o Novo Testamento termina com uma grande visão apocalíptica, o Antigo Testamento também termina com essa visão, no livro de Zacarias. Ambos os livros resumem e esclarecem profecias já apresentadas em termos de realização. Em Zacarias, as duas vindas do Messias são encaixadas com a intenção de apresentar uma vasta pré-estreia do futuro de Israel. Há um forte paralelo entre o livro do profeta Zacarias e o Apocalipse (Zc 9.9,10; Ap 12.6; 13.5; 14.14). Neste livro, observamos relatos acerca da Grande Tribulação, da Batalha do Armagedom, da segunda fase da Segunda Vinda de Cristo e do Reino Milenial (Zc 12-14).
4.2 Um livro de “mistérios”. Muitos intérpretes, tanto judeus como cristãos, consideram esse livro muito obscuro e de difícil explicação. Mas a profecia não foi escrita para mistificar, e sim para esclarecer as verdades referentes ao futuro de Israel. Quando as verdades centrais das visões são observadas, e todas as visões são relacionadas a profecias anteriores, o motivo messiânico torna-se central durante as lutas e a marcha dos acontecimentos de Israel. Essa profecia forneceu alguns esclarecimentos muito importantes para Israel sobre sua redenção e o futuro nacional, quando o povo entrou em uma outra fase dos tempos dos gentios, com seus anseios ainda não cumpridos a respeito da vinda do Messias (Zc 8.7,8; 9.9,10; 11.9,13; 12.10). O resumo das visões é o seguinte: visão do cavaleiro entre as murtas (1.7-17); visão dos quatro chifres e dos quatro ferreiros (1.18-21); visão de um homem medindo Jerusalém (2.1-13); visão do castiçal de ouro e das duas oliveiras (4.1-14); visão do Rolo voador (5.1-4); visão da mulher num efa (5.5-11); visão dos quatro carros (6.1-8).
4.3 O Dia da batalha. Zacarias concluiu sua profecia com uma descrição da culminante batalha terrena, quando o próprio Senhor se envolverá na peleja. Esse “homem de guerra”, característica do Senhor, foi aludido em (Êx 15.3), dramatizado em (Na 1.2, Hc 2.8-15 e Sf 3.8). Quando o Senhor sair para a peleja, se confrontará com todas as nações reunidas contra Jerusalém (Zc 14.2; Ap 19.9). Suas armas não são reveladas, mas a batalha será ganha (Zc 14.12).
V - O LIVRO DE ZACARIAS E O NOVO TESTAMENTO
Não há dúvidas acerca da influência do livro de Zacarias nas páginas do Novo Testamento. Vejamos:
5.1 Sacerdote e Profeta. A harmonização da vida pessoal de Zacarias no desenvolvimento dos serviços profético e sacerdotal certamente contribuiu para demonstrar mais à frente que Cristo tanto era profeta como sacerdote.
5.2 A morte de Cristo e o arrependimento dos judeus. Além disso, Zacarias profetizou a respeito da morte expiatória de Cristo pelas mãos dos próprios judeus, que, no fim dos tempos, levará esses mesmos judeus a se arrependerem profundamente de terem crucificado o Messias que eles tanto esperavam. Tal reconhecimento só terá lugar na segunda fase da Segunda Vinda de Cristo (Zc 12.8-10).
5.3 Profecias Messiânicas. Trata-se da contribuição mais importante do livro de Zacarias. Os escritos do Novo Testamento citam Zacarias, declarando que suas profecias foram cumpridas em Jesus Cristo. Vejamos algumas destas profecias:
  • Ele viria de modo humilde e modesto (Zc 9.9; 13.7 cf. Mt 21.5; 26.31,56);
  • Ele restaurará Israel pelo sangue do seu concerto (Zc 9.11 cf. Mc 14.24);
  • Ele seria pastor das ovelhas de Deus que estavam dispersas e desgarradas (Zc 10.2; 13.7 cf. Mt 24.30; 26.31,56);
  • Ele seria traído e rejeitado (Zc 11.12,13 cf Mt 26.15; 27.9,10);
  • Ele seria traspassado e abatido (Zc 12.10; 13.7 cf Mt 24.30; 26.31);
  • Ele Voltaria em glória para livrar Israel de seus inimigos (Zc 14.1-6 cf. Mt 25.31; Ap 19.15);
  • Ele reinará como rei em paz e retidão, bem como estabelecerá seu Reino Glorioso para sempre sobre todas as nações (Zc 9.9,10; 14.6-19 cf. Rm 14.17; Ap 11.15; 21.24-26).
CONCLUSÃO
Vimos que o livro de Zacarias trata da reconstrução do Templo e da Vinda do Messias a esta terra. Trata-se de um livro de vasto conteúdo escatológico, sendo possível traçar um paralelo com os livros de Daniel e do Apocalipse. Apesar das visões parecerem ser misteriosas, elas são perfeitamente compreensíveis, pois se relacionam com a nação de Israel e com o Messias. O Senhor demonstra ser justo e misericordioso, garantindo um futuro glorioso e de paz ao seu povo, quando o Cristo haverá de reinar sobre a terra com base em Jerusalém.

Bibliografia: 
ARCHER, Gleason L. Merece Confiança o Antigo Testamento. VIDA NOVA.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
BÍBLIA DE ESTUDO PALAVRA CHAVE. SOARES, Esequias. O Ministério Profético na Bíblia. CPAD.
ELLISEN, Stanley. Conheça Melhor o Antigo Testamento. VIDA.
ZUCK, Roy B. Teologia do Antigo Testamento. CPAD.
ZACARIAS O REINADO MESSIÂNICO TEXTO ÁUREO = “Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; sendo rei, reinará, e prosperará, e praticará o juízo e a justiça na terra” (ir 23.5). VERDADE PRÁTICA = Jesus é tanto o Salvador do mundo, como rei do Universo. LEITURA BIBLICA = Zacarias 1: 1; 8:1-3,20-23 INTRODUÇÃO Entre os Profetas Menores, Oséias é o livro de mais difícil aceitação quanto à razão, enquanto que Zacarias é o de mais difícil interpretação. Ambos têm 14 capítulos. Em Zacarias, o último capítulo é mais longo, tomando-se assim o maior em tamanho dentre os 12 Profetas Menores Com suas visões, símbolos e parábolas, enquadra-se na mesma categoria de Daniel, Ezequiel e Apocalipse Ao pesquisar suas páginas, encontramos fatos, verdades e mensagens destacadas concernentes a Israel, tanto para aqueles dias, como para o futuro. Daniel escreveu sobre o futuro dos impérios gentílicos e Zacarias profetizou sobre o futuro próximo e distante dos judeus. Quanto à sua relação com outros profetas, Zacarias e Isaías foram os grandes mensageiros messiânicos (o Messias é um tema importante do seu livro, não somente no que tange o seu primeiro advento, como também, no segundo). Como Ageu, Zacarias profetizou acerca do templo de Jerusalém e salientou o Dia do SENHOR. Zacarias é um dos livros de maior ênfase messiânica e dos mais apocalípticos e escatológicos de todos os escritos do Ai Procure então aproveitar o máximo deste tratado profético, misterioso e sobretudo, ungido pelo Santo Espírito; útil, portanto, ao extremo para a edificação de nossa vida cristã. O LIVRO DE ZACARIAS Autor - Zacarias Zacarias, cujo nome significa “O Senhor se Lembra”, foi um dos profetas pós – exílicos, um contemporâneo de Ageu. Com Ageu, ele foi chamado para despertar os judeus que retornaram, para completar a tarefa de reconstruir o templo (ver Ed 6.14). Como filho de Baraquias, filhos de Ido, ele era de umas das famílias sacerdotais da tribo de Levi. Ele é um dos mais messiânicos de todos os profetas do AT, dado referências distintas e comprovadas sobre a vinda do Messias. Data O ministério de Zacarias começou em 520 aC, dois meses após Ageu haver completado sua profecia. A visão dos primeiros capítulos foi dada, aparentemente, enquanto o profeta ainda era um jovem (2.4). Os caps 7-8 ocorrem dois anos mais tarde, em 518 aC. A referência à Grécia em 9.13 pode indicar que os caps. 9-14 foram escritos depois de 480, quando a Grécia substituiu a Pérsia como o grande poder mundial. As profecias que abrangem o Livro de Zacarias foram reduzidas à escrita entre 520 e 475 aC. Contexto Histórico Os exilados que retornaram à sua terra natal em 536 aC sob o decreto de Ciro, estavam entre os mais pobres dos judeus cativos. Cerca de cinqüenta mil pessoas retornaram para Jerusalém sob a liderança de Zorobabel e Josué. Rapidamente, reconstruíram o altar e iniciaram a construção do templo. Logo, todavia, a apatia se estabeleceu, à medida que eles foram cercados com a oposição dos vizinhos samaritanos, que, finalmente foram capazes de conseguir uma ordem do governo da Pérsia para interromper a construção. Durante cerca de doze anos a construção foi obstruída pelo desânimo e pela preocupação com outras atividades. Zacarias e Ageu persuadiram o povo a voltar ao Senhor e aos seus propósitos para restaurar o templo. Zacarias encorajou o povo de Deus indicando-lhe um dia, quando o Messias reinaria de um templo restaurado, numa cidade restaurada. Conteúdo O livro de Zacarias começa com a veemente palavra do Senhor para o povo se arrepender e se voltar novamente para seu Deus. O livro está repleto de referências de Zacarias à palavra do Senhor. O profeta não entrega sua própria mensagem, mas ele, fielmente, transmite a mensagem dada ele por Deus. O povo é chamado para se arrepender de sua apatia e completar a tarefa que não foi terminada. Deus, então, assegura ao seu povo o seu amor e cuidado por eles, através de oito visões. A visão do homem e dos cavalos lembra ao povo o cuidado de Deus. A Visão dos quatros chifres e dos quatro ferreiros trazem à memória o julgamento de Deus. A Visão do homem com um cordel de medir, existe uma olhada apocalíptica na vele e pacífica cidade de Deus. A visão grandiosa do castiçal todo revestido de ouro entre os vasos de azeite assegura a Zorobabel que os propósitos de Deus serão cumpridos somente pelo seu Espírito. A visão do rolo voante emite o pronunciamento de Deus contra o furto e contra o juramento falso. A visão da mulher num efa significa a santidade de Deus e a remoção do pecado. A visão dos quatro carros retrata o soberano controle de Deus sobre a Terra. As visões são seguidas por uma cena de coroação na qual Josué é coroado tanto como rei como sacerdote. Isso é poderosamente um simbolismo da vinda do Messias. Nos caps 7-9, Deus usa a ocasião de uma questão sobre o jejum para reforçar sua ordem para justiça e juízo, para substituir as formalidades religiosas. Os caps 9-14 Contêm muita escatologia. (Estudos das últimas coisas) Seis aspectos básicos caracterizam o livro de Zacarias. (1) É o mais messiânico dos livros do AT, em virtude de suas muitas referências ao Messias, que ocorrem em seus catorze capítulos. Somente Isaías, com seus sessenta e seis capítulos, contém mais profecias a respeito do Messias do que Zacarias. (2) Entre os profetas menores, possui ele as profecias mais específicas e compreensíveis a respeito dos eventos que marcarão o final dos tempos. (3) Representa a harmonização mais bem sucedida entre os ofícios sacerdotal e profético em toda a história de Israel. (4) Mais do que qualquer outro livro do AT, suas visões e linguagem altamente simbólicas assemelham-se aos livros apocalípticos de Daniel e Apocalipse. (5) Revela um exemplo notável de ironia divina ao prever a traição do Messias por trinta moedas de prata, tratando-as como “esse belo preço em que fui avaliado por eles” (11.13). (6) A profecia de Zacarias a respeito do Messias no capítulo 14, como o grande Rei-guerreiro reinando sobre Jerusalém, é uma das que mais inspiram reverente temor em todo o AT. O Livro de Zacarias ante o NT Há uma aplicação profunda de Zacarias no NT. A harmonização da vida pessoal de Zacarias, entre os aspectos sacerdotal e profético pode ter contribuído para o ensino do NT de que Cristo é tanto sacerdote quanto profeta. Além disso, Zacarias profetizou a respeito da morte expiatória de Cristo pelas mãos dos judeus, que, no fim dos tempos, leva-los-á a prantearem-no, arrependerem-se e serem salvos (12.10—13.9; Rm 11.25-27). Mas a contribuição mais importante de Zacarias diz respeito a suas numerosas profecias concernentes a Cristo. A Unidade de Zacarias A erudição bíblica conservadora levanta sérias objeções à teoria pós-alexandrina e pós-zacariana de Zacarias, e firma-se nos seguintes fundamentos: 1) O argumento mais forte aduzido a favor da teoria pós-alexandrina é a referência aos filhos da Grécia em 9.13. Na época, pensava-se que os gregos fossem uma ameaça contra Sião e os consideravam potência mundialmente dominante. No entanto, a profecia é de derrota, não de vitória, para os filhos da Grécia. Além disso, a passagem de 9. 12,13 não descreve uma batalha, mas profetiza um futuro confronto entre Sião e a Grécia, do qual os judeus sairiam triunfantes. Nos dias de Zacarias, as vitórias gregas sobre Xerxes em Salamina, Platéia e Micale (480-479 a.C.) seriam suficientes para colocá-las na atenção de seus contemporâneos. A menos que rejeitemos a possibilidade da predição profética em base dogmática, não há motivo para Zacarias não poder ter escrito estas palavras na década de 470 a.C. 2) O argumento literário também foi abordado. Os críticos afirmam que o estilo de Zacarias II difere de Zacarias 1. A frase: “Assim diz o Senhor”, tão freqüente nos capítulos 1 a 8, ocorre apenas uma vez na segunda divisão. Por outro lado, a expressão “naquele dia” é usada 18 vezes em Zacarias II contra somente quatro ocorrências em Zacarias 1. Ademais, dizem que o estilo da última seção é mais poético. Contudo, os estudiosos conservadores mostram que há características de estilo até mais significativas que são comuns a ambas as seções. E de comum acordo que o estilo de um autor muda com o transcurso dos anos e ao tratar de uma situação histórica diferente. Nos dias em que o profeta convocava os compatriotas judeus a reconstruir o Templo, a frase profética: “Assim diz o Senhor” era necessária para reforçar a autoridade divina da convocação. Por outro lado, a expressão escatológica “naquele dia” é mais apropriada em profecias que olham o futuro mais distante de Israel, o tema de Zacarias II. Os defensores da unidade da autoria de Zacarias ressaltam a persistência das seguintes características estilísticas: a) A expressão: “Diz o Senhor”, ocorre 27 vezes em Zacarias 1 e sete vezes em Zacarias II. b) A frase hebraica traduzida com o sentido de “os olhos do Senhor” ocorre duas vezes em Zacarias 1(4.10; 8.6) e uma vez em Zacarias 11(9.8; duas vezes se aceitarmos 12.4: “os meus olhos”). c) O título divino: “O Senhor dos Exércitos”, é encontrado 46 vezes, ou seja, 38 na primeira divisão e oito na segunda. d) O verbo hebraico traduzido por “habitar”, no sentido especial de “estar habitado”, “estar povoado”, “estar instalado”, acha-se duas vezes em cada divisão e muito raramente em qualquer outro lugar do Antigo Testamento. e) Há um tipo peculiar de paralelismo hebraico dividido em cinco partes que ocorre escassamente fora de Zacarias, mas que aparece uma vez em Zacarias 1(6.13) e três em Zacarias 11(9.5,7; 12.4). No que tange ao idioma, todos os estudiosos concordam que o hebraico em ambas as partes de Zacarias é puro e notavelmente livre de aramaísmo. Pusey observa: “Em ambas as divisões há certa completude de linguagem, produzida pela insistência no mesmo pensamento ou palavra: em ambas as seções, o todo e suas partes são, para dar ênfase, mencionados juntos. Em ambas as partes, como conseqüência desta completude, ocorrem a divisão do versículo em cinco porções, ao contrário da regra habitual do paralelismo hebraico”. 3) Por fim, temos de observar que aqueles que rejeitam a autoria de Zacarias dos capítulos 9 a 14 estão em discordância extrema e incorrigível entre si concernente a uma teoria alternativa. As referências nos capítulos 9 a 14 conduzem a diversas datações de suas diversas partes integrantes, variam desde aproximadamente 330 a 140 a.C., e dependem de quais correlações sejam feitas com episódios e personagens ligados com a história helenística. As dessemelhanças aceitas entre Zacarias 1 e Zacarias II podem ser tratadas sem comprometer a convicção na unidade da autoria. Collins expressou bem a idéia: [...] Nos capítulos 1 a 8, o profeta preocupa-se primariamente com os acontecimentos contemporâneos, particularmente com a reconstrução do Templo; ao passo que nos capítulos 9 a 14, lida com os acontecimentos futuros, como a vinda do Messias e a glória de seu reinado. Por conseguinte, é natural que a primeira divisão seja de estilo histórico, enquanto que a última, de estilo apocalíptico. Outrossim, é provável que a primeira parte da profecia pertença à vida do jovem Zacarias, e a segunda à sua idade avançada. As evidências internas do livro são favoráveis, como mostra tão claramente W. H. Lowe, à origem pós-exílica de ambas as divisões e à unidade de autoria. AS PRIMEIRAS QUATRO VISÕES = (Zc 1.1-3.10) Este Texto e o próximo ressaltam a primeira divisão do Livro de Zacarias, que tem por conteúdo oito visões noturnas. As oito revelações constituem uma base ou introdução para o restante do livro e salienta a sobrevivência de Israel em meio à queda das nações vizinhas. As primeiras cinco visões têm uma mensagem conciliadora, enquanto que as últimas três, um aspecto condenador. 1º.- visão: os cavalos entre as murteiras ( Zc 1:7-17) Antes de cada comentário sobre as visões de Zacarias, você deve ler com muita atenção na Bíblia o relato do profeta sobre a respectiva visão. A primeira visão ocorreu no décimo primeiro mês do ano 520. Nesta visão, Zacarias viu três grupos de personagens em cavalos vermelhos, baios e brancos a andar entre as murteiras, com um dos personagens montado, à frente dos demais, em um cavalo vermelho. O homem do cavalo vermelho que pára entre as murteiras e o anjo do SENHOR (vv. 8,10,12) são a mesma pessoa — Cristo. As murteiras representam Israel, ou o povo de Deus. As murteiras são arbustos comuns em Israel, dos quais exalam um perfume agradável, têm flores brancas, frutos comestíveis e madeira amarelada e muito bonita. Os cavalos representam guerra (vermelho), pragas (baios) e vitória e glória (brancos). Os cavaleiros (possivelmente anjos), após percorrerem a terra, anunciam que ela “... está, agora, repousada e tranquila.” (v. 11). Isto indica que as nações estavam gozando tempos de prosperidade e de paz. Israel, porém, não estava. O anjo do SENHOR clama a Deus: “... até quando não terás compaixão de Jerusalém... contra as quais estás indignado faz já setenta anos?” (v. 12). Deus responde que está zelando por Jerusalém e que está irritado com os países que agravaram o mal contra ela (vv. 14,15). Brevemente, Ele tomará providências e Seu povo será restaurado, sua cidade principal, reedificada e habitada (vv. 16,17). Notem as palavras “será” e “ainda” nesses últimos versículos, indicando cumprimento futuro da profecia. Em suma, a interpretação da visão é a de que Deus, por intermédio de Seu Filho, está prestes a intervir ao mundo, que se encontra acomodado e indiferente, para restabelecer e abençoar Sua cidade e Seu povo. 2º.- visão: quatro chifres e quatro ferreiros ( Zc 1:18-21) A segunda revelação simboliza a derrota dos inimigos de Israel. Os quatro chifres representam forças opressoras, possivelmente Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma (ou Assíria, Egito, Babilônia e Medo-Pérsia). Os quatro ferreiros são os agentes de Deus (anjos ou homens) que esmagarão os chifres, findando assim suas ameaças e tirania. 3º.- Visão: Jerusalém medida ( Zc 2:1-13) A explicação da terceira visão em que a cidade de Jerusalém é medida mostra que a cidade santa será grande e populosa. Fala da volta à Jerusalém dos judeus espalhados pelo mundo afora. A população será tão numerosa que se estenderá além das muralhas da cidade. Deus estará no meio deles, habitando (v. 11) e oferecendo Sua proteção (v. 5). Esse trabalho do SENHOR é tão vital que Ele requer silêncio de toda a terra para efetuá-lo (v. 13). Notemos que, durante essa terceira revelação, um segundo intérprete angelical aparece para transmitir informações ao primeiro anjo que falava com Zacarias (v. 3). O primeiro mensageiro tinha explicado o significado das primeiras duas visões para o profeta (1.9,19,21). 4º.- visão: Josué o sumo sacerdote ( Zc 3.1-10) “Deus me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo do SENHOR, e Satanás estava à mão direita dele, para se lhe opor. Mas, o SENHOR disse a Satanás: o SENHOR te repreende, á Satanás; sim, o SENHOR, que escolheu a Jerusalém, te repreende; não é este um tição tirado do fogo? Ora, Josué, trajado de vestes sujas, estava diante do Anjo.” (Zc 3.1-3). Na quarta visão, o sacerdote Josué simboliza todo o sacerdócio de Israel. Suas vestes sujas representam manchas do pecado. A remoção dessas vestes e os finos trajes que lhe foram dados significam perdão, bem como a sua restauração ao seu primeiro estado glorioso. O simbolismo abrange todos os judeus, um povo de vocação sacerdotal, representado por Josué. Vemos aí, a promessa da purificação da nação israelita. O sumo sacerdote e os homens de presságio (ou “homens que são um sinal”, isto é, protótipos de eventos e coisas futuras) precederão a vinda do “Renovo”, o Messias. E uma segunda promessa registrada nessa visão que iria se cumprir em meio ao povo escolhido de Deus. AS SEGUNDAS QUATRO VISÕES (Zc 4.1-6,15) Entre a quarta e a quinta visão, o profeta entrou em um estado de profunda sonolência. Note no primeiro versículo do capítulo quatro que, antes que o anjo falasse Zacarias despertou. Ou o profeta estava exausto e adormeceu, ou, extasiado pelas maravilhas sobrenaturais das revelações, ficou atônito com isso. Seu ajudante celestial o acordou e perguntou: “... Que vês?,..” (4.2) 5º.- visão: o candelabro entre duas oliveiras ( Zc 4: 1-14) O que o servo do SENHOR vislumbrava nesta quinta visão era um castiçal dourado, completo, com um vaso de azeite, sete lâmpadas e sete tubos que estava entre duas oliveiras. A mensagem principal do trecho se encontra no versículo 6: “... Não por força nem por poder, mas, pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos.” O sucesso da obra divina depende da unção do Espírito Santo. Deus, por meio dos “... dois revenda de hospedagem ungidos..” (v. 14) iria reconstruir o Seu templo em Jerusalém. Os dois servos: Josué, o sumo sacerdote, e Zorobabel, o governador de Judá e responsável pela reedificação do templo (Ag 1.1; 2.23), são simbolizados pelas duas oliveiras. revenda de hospedagem O óleo, obviamente, representa o Espírito Santo; o candelabro é o templo que, por sua vez, representa Israel. A montanha (v. 7) simboliza os obstáculos que serão derrubados e não impedirão o avanço do trabalho restaurador do SENHOR. Os sete olhos de Deus (v. 10) significa a perfeição da Sua visão, que percorre toda a terra e olha com grande satisfação o empenho de Zorobabel, com o prumo na mão. Deus mostra ao mensageiro que Seus desígnios se cumprem quando Seus servos são ungidos pelo Espírito Santo e cooperam com o Mestre Arquiteto, lançando mãos à obra. Sua energia vem do SENHOR, não de fontes humanas. 6º.- visão: o rolo voante ( Zc 5.1-4) As últimas visões de Zacarias falam de condenação e juízo. O rolo enorme que aparece na sexta visão representa a maldição ou o julgamento que recairá sobre os pecadores (v. 3). O rolo simboliza a lei do SENHOR que declara que aquele que a transgride será amaldiçoado. Por toda a terra os rebeldes serão procurados, alcançados e expulsos do reino do Messias. Suas casas e suas vidas serão consumidas (vv. 3,4). 7º.- visão: a mulher e o efa ( Zc 5:5-11) Na sétima visão, o efa, uma cesta, significa o mercantilismo e também, como o versículo 6 indica, “... a iniquidade em roda a terra”. Somando os dois, o resultado são os negócios ímpios que os comerciantes praticam. A mulher é a “impiedade”. A iniquidade é fruto de um coração ímpio. Na visão, o pecado (o efa e a mulher) é transportado à terra de Sinear pelas duas mulheres com asas. As mulheres voadoras que levam a “praga” são também impuras. Isto se nota no tipo de asas que tinham, as de cegonha, considerada uma ave imunda pelos judeus. Elas retornam à Babilônia (terra de Sinear), onde se originou a iniquidade e a impiedade. Nos dias de Zacarias, esse local era centro mundial de idolatria e perversidade. Contudo, observamos nessa visão a remoção do pecado do mundo, principalmente, a ganância e a ambição. 8º.- visão: os quatro carros ( Zc 6,l-8 ) Nesta oitava e última revelação o ponto comum entre esta revelação e a primeira é os cavalos. Agora, há também cavalos pretos que possivelmente, representam a morte. A ideia geral é a de que os carros puxados por esses cavalos, que são ventos (anjos) ou espíritos do céu (v. 5), percorrerão a terra, principalmente, o Norte, executando os propósitos judiciais do SENHOR. O ciclo das revelações se completa aqui. Começou com o soberano Deus prestes a intervir no mundo e se encerra com Ele, enviando os Seus anjos para julgar as nações. Isto acontecerá no fim da Grande Tribulação, quando terá início a era messiânica. A coroação de Josué (Zc 6.9-15) A seqüência das visões de Zacarias é a coroação simbólica de Josué. Sua coroação representa a glorificação do Messias, o Renovo, como rei e sacerdote. O ouro e a prata trazidos de volta do cativeiro por alguns dos exilados seriam usados para fazer a coroa (uma só coroa com outras sobrepostas, daí a expressão “coroas”) a ser colocada “... como memorial no templo do SENHOR.” (v, 14). Não quer dizer que as coroas serão de Helém, Tobias, Jedaías, Hem, mas que o memorial será em honra a eles por terem trazido o material para a sua confecção. No tempo certo, segundo o plano de Deus, Jesus realizará o que está escrito no Livro de Zacarias, que são atos típicos ou sombras da imagem real. “Ele mesmo (o Messias) edificará o templo do SENHOR e será revestido de glória; assentar-se-á no seu trono, e dominará, e será -sacerdote no seu trono; e reinará perfeita união entre ambos os ofícios.” (Zc 6.13) A PRIMEIRA MENSAGEM DO SENHOR (Zc 7 ) Quase dois anos se passaram (compare 1.1 e 7.1) até que a Palavra de Deus viesse novamente a Zacarias. Desta vez, o SENHOR não recorre a visões, mas a mensagens diretas. Os assuntos das duas mensagens específicas são: “A Repreensão a Israel por seus Falsos Motivos” e “A Promessa de sua Restauração”. Uma pergunta ( Zc 7: 1-3 ) “... Continuaremos nós a chorar, com jejum, no quinto mês, como temos feito por tantos anos?” (v. 3). A pergunta é feita por um grupo de judeus de Betel representado por Sarezer e Regén-Meleque (líderes da comunidade) aos sacerdotes e profetas em Jerusalém. No cativeiro, tinham jejuado. Agora, estavam indagando se ainda seria necessário tal prática, uma vez que já haviam regressado à sua terra natal. A resposta (Zc 7:4-7 ) A resposta provém da boca de Deus. O SENHOR revela a rebeldia de seus corações. Não responde diretamente a pergunta, mas chega ao âmago do assunto mostrando que eles realmente não querem mais jejuar. Em Babilônia, suas festas e orações não agradavam a Deus porque procediam hipocritamente dos seus lábios. Os seus jejuns não tinham valor e continuariam deste modo, caso não mudassem de atitude e permitissem que a misericórdia e a justiça reinassem em seu meio. A causa do exílio ( Zc 7: 8-14) Deus continua Sua mensagem e alerta a memória do profeta para aquilo que Ele havia mandado o Seu povo praticar: juízo, bondade e misericórdia (vv. 9,10). Mas ele não fez assim e a ira do Altíssimo recaiu sobre todos (v. 12). Escolheram a vereda da desobediência e o efeito foi um triste e penoso período de escravidão nas mãos de vizinhos opressores. Viraram as costas e taparam os ouvidos (v. 11); seus corações estavam duros como diamante (v. 12), isto é, nada poderia quebrar, cortar ou penetrar a sua resistência rebelde e obstinada. O SENHOR, ao bradar-lhes, encontrava somente portas fechadas, assim, teve que espalhá-los com um turbilhão (tempestade ou redemoinho de vento) e permitir a derrocada da sua terra (v. 14). A SEGUNDA MENSAGEM DO SENHOR = (Zc 8) “A Justiça de Deus” foi o tema do capítulo anterior de Zacarias. No presente capítulo se evidencia “A Misericórdia de Deus”. Vemos freqüentemente no AT um Criador amoroso, abençoador, cuidando do Seu povo e este se afastando; Deus chamando-o de volta e a rebeldia se intensificando; o SENHOR castigando o e ele, arrependido, voltando ao Criador. Ele aceitando-os novamente, por Seu grande amor. Um dia, porém, a misericórdia de Deus findará e aqueles que ainda não O reconhecem como Messias experimentarão somente a Sua justiça. “... voltarei....salvarei..,” (Zc 8.1-8 ) A promessa de Deus aos Seus filhos é que Ele voltará para Sião (Seu povo) e habitará no meio de Jerusalém. O retorno do SENHOR ao Seu povo marca o início da sua restauração. O povo se arrependerá, Deus o perdoará e permitirá que retorne à sua terra. A capital terá, então, o nome de cidade fiel; o monte do SENHOR dos Exércitos (sobre qual estava sendo edificado o templo) será chamado Monte Santo (v. 3). “... sejam fortes...”(Zc 8.9-17) Deus procura encorajar Seu povo, mencionando a atitude que prevalecia no início do trabalho de reconstruir o templo: ninguém recebia salário e havia inimigos em volta; mesmo assim dedicou-se à obra com vontade e ardor (v. 10). Zacarias fala que Deus irá abençoá-lo novamente. Não será envergonhado perante as outras nações, mas, será herdeiro das riquezas celestiais (vv. 12,13). Por isso, precisa ficar firme, levantar a cabeça, não temer e começar uma segunda vez esse seu trabalho digno e proveitoscéus. “... amai, pois, a verdade e a paz” (Zc 8.18-23) Os pensamentos do SENHOR através de Zacarias, nessa passagem, estão ligados aos dois

Nenhum comentário:

Postar um comentário