27 dezembro 2012

Lição 13 - 30/12/12 - "MALAQUIAS – A SACRALIDADE DA FAMÍLIA"
 
Chegamos agora ao último profeta do Antigo Testamento. É interessante que nada se sabe acerca de Malaquias; sua origem, descendência, onde viveu, etc.. é tudo desconhecido. Profetizou entre 433 e 425 a.C., após o templo haver sido reconstruído. Os destinatários de sua mensagem também eram os que retornaram do cativeiro babilônico e os sacerdotes. Estimulados pela atividade profética de Ageu e Zacarias, os exilados que retornaram a Jerusalém e Judá sob a liderança do governador Zorobabel, haviam terminado a construção do templo em 516 a.C. Em 458 a.C. a comunidade havia sido fortalecida pela vinda de Esdras, o sacerdote, e vários milhares de outros judeus. O rei Artaxerxes da Pérsia, encorajou Esdras a desenvolver o culto no Templo (Ed 7:17) e de assegurar a obediência à lei mosaica (Ed 7:25-26). 
Treze anos mais tarde (em 445 a.c.) o mesmo rei persa permitiu ao seu copeiro Neemias retornar a Jerusalém e reconstruir os muros da cidade (Ne 6:15). Como novo governador, Neemias também foi ponta de lança nas reformas para ajudar os pobres (Ne 10:30-31) e para o povo trazer os dízimos e ofertas com fidelidade (Ne 10:37-39). 
Em 433 a.C. Neemias retornou ao serviço do rei persa, e durante sua ausência os judeus caíram em pecado mais uma vez. Mais tarde, entretanto, Neemias voltou a Jerusalém para descobrir que os dízimos haviam sido ignorados, o sábado havia sido quebrado, o povo havia casado com estrangeiros, e os sacerdotes haviam se corrompido (Nem 13:7-31). Vários destes pecados são condenados por Malaquias, pois com o passar dos anos, os judeus foram ficando desiludidos. A prosperidade prometida não retornava. A vida era difícil. Estavam cercados por inimigos, como os samaritanos, os quais procuravam impedi-los em cada oportunidade. Sofriam por causa da seca e das más colheitas e da fome. Começaram a duvidar do amor de Deus. Punham em dúvida a justiça de Seu governo moral. Diziam que o praticante do mal era bom aos olhos do Senhor. Argumentavam que não havia proveito na obediência aos Seus mandamentos e em andar penitentemente perante Ele, pois eram os ímpios, que dependiam de si mesmos, os que prosperavam. O profeta, então, começou a responder-lhes, mostrando-lhes que tal ceticismo se baseava na hipocrisia. Se lhes cabia a adversidade, esta havia caído sobre eles, não a despeito de sua piedade, mas antes, por causa de sua pecaminosidade. 
Por exemplo, havia a adoração corrompida em seus deveres no templo. Mostravam-se maus líderes de um povo que trazia ofertas inaceitáveis, mesmo depois de haverem prometido melhores ofertas. Os próprios gentios ofereciam sacrifícios mais dignos. O povo também vivia transgredindo, pois os homens se divorciavam das mulheres com quem se tinham casado na juventude e contraíam casamento com mulheres estrangeiras. Prevaleciam pecados de todas as espécies: feitiçaria, adultério, desonestidade, opressão aos fracos e impiedade generalizada. Como poderiam esperar a prosperidade quando a nação estava apodrecida com tais práticas? 
Malaquias, em verdadeira nota profética, condenou os pecados e convocou o povo para que se arrependesse. Caso purificassem sua adoração, obedecessem à lei e pagassem seus dízimos na íntegra, então o resultado seria as bênçãos de Deus. Ao fazer soar esse apelo, o profeta revelou que possuía uma alta concepção sobre Deus. Deus era o majestoso Senhor dos Exércitos; Seus decretos e juízos eram irresistíveis; Seu amor era santo e imutável. O profeta percebia a salvação final para seu povo, não no arrependimento deles, mas na ação do Senhor. Raiaria o grande dia do Senhor. Esse dia purificaria e vindicaria os piedosos e destruiria os ímpios. Esse dia seria preparado com a vinda do profeta Elias. 
O objetivo deste estudo é trazer algumas informações, colhidas dentro da literatura evangélica, com a finalidade de ampliar a visão sobre aspectos do livro de Malaquias. Não há nenhuma pretensão de esgotar o assunto ou de dogmatizá-lo, mas apenas trazer ao professor da EBD alguns elementos e ferramentas que poderão enriquecer sua aula.
 I. O LIVRO DE MALAQUIAS: O nome Malaquias significa “meu mensageiro”, tendo sido o profeta após os dias de Neemias, então já governador de Jerusalém, onde a condição dos judeus havia se tornado deplorável. Ele é “um lado da ponte” entre o Antigo e o Novo Testamento (3:1). Há 400 anos de silêncio entre a voz de Malaquias e a “voz do que clama no deserto” – que é João batista (João 1:23) – que é o “outro lado da ponte”. O tema central do livro de Malaquias é: “Deus ainda diz: prova-me agora”; tendo o versículo chave em 3:9 que diz: “Vós sois amaldiçoados com a maldição, porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda”. 
O conceito chave para se entender a profecia é: “ainda é tempo para voltar, para arrepender-se, e provar Deus, pois Ele virá”. Este conceito vem acompanhado da mensagem central em 3:1, que diz pela última vez: “Eis que ele vem!” A estrutura do livro de Malaquias é bem simples, sendo apenas três divisões: 1. amor de Deus afirmado – 1:1-5 2. O amor de Deus escarnecido – 1:6 - 2:17 e 3:7-15; 3. O amor de Deus demonstrado – 3:1-6; 3:16 a 4:6. Tudo quanto sabemos sobre o profeta propriamente dito, temos de inferir de suas declarações. Ele era um profeta autêntico. Falava com plena autoridade. Podia realmente dizer: "Assim diz o Senhor dos Exércitos". Tinha um amor intenso por Israel e pelos serviços efetuados no templo e sua concepção sobre a tradição e os deveres dos sacerdotes era bem alta. Tem sido dito frequentemente que enquanto outros profetas frisaram a moralidade e a religião no íntimo, Malaquias punha ênfase sobre a adoração e o ritual. Mas, apesar de que isso seja verdade quanto aos aspectos gerais, temos de notar que ele não se esquecia totalmente das obrigações morais de Israel (ver a formidável lista de Ml 3.5), e que, para ele, o ritual não era uma finalidade em si mesmo, mas apenas a expressão da fé do povo no Senhor. Seu estilo é simples, direto e caracterizado pela freqüente ocorrência das palavras "mas vós dizeis". Talvez isso signifique mais que um método retórico do escritor; pode ter tido sua origem nos clamores de protesto e dúvida dos perguntadores, quando ele pregou sua primeira mensagem nas ruas. 
Com o livro de Malaquias foi arriada a cortina sobre a cena profética, até a vinda do Batista. As palavras vívidas e poderosas dos profetas não mais foram ouvidas. Os escribas e os sacerdotes se tornaram os principais personagens religiosos. A era criativa havia cedido lugar à era do aprendizado. Os judeus contavam, agora, com grande tesouro literário e seus exegetas, aqueles que expunham essa literatura, tornaram-se o novo canal para a voz de Deus.
 II. O JUGO DESIGUAL: “Eu te amei, diz o Senhor”, entretanto a cada momento os israelitas perguntavam questões paradoxais a Jeová. Estas questões vinham de um povo irritado que dizia que Deus havia falhado em provar o Seu amor. Observemos as sete questões listadas por Malaquias: 
Em que nos tens amado? – 1:2
Em que nós temos desprezado o teu nome? – 1:6
Em que te havemos profanado? – 1:7
Em que o havemos enfadado? – 2:17 
Em que havemos de retornar? – 3:7 
Em que te roubamos? – 3:8
Que temos falado contra ti? – 3:13
 O que impressiona nessa parte é que Deus argumenta das tantas e inúmeras vezes em que fielmente tem demonstrado o seu amor e Sua fidelidade, e ainda assim o povo contra-argumenta. Parecem cegos aos fatos mais evidentes. Quantas vezes nós também, de tão absorvidos conosco mesmos não vemos as coisas mais evidentes que Deus faz para nós e ao nosso redor por nós. É a teimosia pecaminosa da velha natureza egocêntrica em ação. O amor de Deus havia sido escarnecido pelos sacerdotes (1:6 – 2:9). Eles haviam enganado ao Senhor através de ofertas defeituosas e doentes. Eles davam menos do que o melhor – observemos as afirmações em 1:12-13, em especial. 
O amor de Deus havia sido também escarnecido pelo povo. Primeiro ao enganarem seus irmãos (2:10); depois pelo casamento misto (2:11); ainda pela imoralidade (2:14); continuando pela insinceridade (2:17); seguindo pelo roubar a Deus (3:8-10); e finalmente por falarem contra Deus (3:13-15). O povo havia se voltado para os prazeres e emoções imediatas sem perceber que estava realmente escarnecendo de Deus. Estavam sem consciência, pois esta havia se corrompida, havia sido cauterizada. 
A importância do significado teológico e ético da mensagem de Malaquias é de que Deus havia revelado seu amor pelo seu povo através de toda a sua história. Este amor revelado fez com que o povo de Deus se tornasse responsável. Eles deveriam obedecer aos ensinamentos da lei moral de Deus (a Tora) e as pregações dos profetas de Deus. Mas assim não fizeram, e não o fizeram repetidas e insistentes vezes.
 Não temos nós todos um mesmo Pai?(2:10) O fato que Israel tinha em Deus um Pai e Criador comum, deveria fazê-los unir-se juntamente e desprezar qualquer traição que tendesse a interromper essa unidade. Porém, Judá mostra-se desleal (11) e tinha profanado o santuário do Senhor com seus casamentos com estrangeiras. Isto levanta algumas questões para nossa ponderação: 
Como a situação dos exilados que retornaram a Jerusalém era semelhante a dos cristãos crentes nos dias de hoje? 
 
O que é que Malaquias ensina acerca do compromisso de Deus para com seu povo? 
O que Malaquias nos ensina acerca das responsabilidades do povo de Deus? 
As respostas a estas questões são muito óbvias e demonstradas na história do povo judeu, e assim também na vida da igreja de Cristo e em nossa vida como membros do corpo vivo de Cristo. É necessário, no entanto, refletirmos cuidadosamente, e com honestidade total, sobre estas questões e respostas quando se trata de cada um de nós. A realidade é a mesma, infelizmente. É por isto que tanta coisa que deveria estar acontecendo não acontece.
 Seria um bom alvitre, aproveitarmos a próxima oportunidade da Ceia do Senhor, para examinarmo-nos a nós mesmos, como Paulo instrui os Coríntios na sua primeira carta capítulo onze, e ver se não estamos em falta de sintonia com Deus, pecando contra o corpo de Cristo. 
III. DEUS ODEIA O DIVÓRCIO Uma aliança é um pacto ou acordo entre duas pessoas e faz com que estas fiquem amarradas em um relacionamento profundo e duradouro. Realmente significa que não são mais duas vidas separadas, mas agora compartilham uma vida juntos. Na Bíblia vemos que DEUS fez aliança com várias pessoas, sendo uma das mais notáveis foi a que realizou com Abraão, estabelecendo a nação judaica (Gn 12:1-3). Depois da morte e ressurreição do SENHOR JESUS, aqueles que recebem JESUS como SENHOR e SALVADOR, são parceiros na Nova Aliança com DEUS (Hb 8; 6-13).
 O amor de aliança é forte. DEUS diz: “Dou a minha vida por você” (I Co 13:1-8). Através das Escrituras vemos que DEUS permaneceu fiel às SUAS promessas de aliança, mesmo quando o homem, SEU parceiro na aliança, falhou em guardar o seu lado do trato. O amor da aliança é fiel a despeito do que o outro parceiro esteja fazendo. A razão para isso é que cada aliança contem dentro de si promessas e termos ou condições. Quando as pessoas entram em aliança, elas prometem certas coisas umas as outras e declaram as condições sob as quais manterão as suas promessas. Se um parceiro da aliança é infiel a sua promessa, isso não força o outro a sê-lo também. Através de todo o Velho Testamento vemos DEUS, fiel parceiro da aliança, chamando Israel, o parceiro infiel da aliança. A infidelidade de Israel não mudou o coração de DEUS em relação a ela. ELE continua sustentando-a, amando-a e chamando-a de volta para ELE até este dia. 
A Bíblia trata o casamento como um relacionamento de aliança: “...sendo ela a tua companheira, e a mulher da tua aliança” (Ml 2:14). O pensamento correto sobre a natureza do casamento dá o alicerce para sabermos o que Deus pensa do divórcio.
 Se o nosso Deus é um Deus de aliança, e Ele não quebra nem permite quebra de aliança, também não permite que o casamento seja quebrado. Como Deus não se divorcia do seu povo, assim ele não permite que marido e mulher se divorciem. Divorciar-se é quebrar o matrimônio da Aliança - Lemos em Ml 2:16 "Porque o Senhor Deus de Israel diz que odeia o divórcio ..." 
Precisamos compreender o texto de Mt. 19:1-7 em que Jesus diz que o divórcio é proibido, mas que foi permitido por causa da dureza do coração. Deus nunca intencionou o divórcio, pois este contraria a essência do casamento como uma aliança que nunca deverá ser quebrada, anulada. Você então pergunta: Por que foi dada a permissão para o divórcio conforme Mt. 19:7? Não foi dada uma permissão. No verso seis JESUS termina sua explicação sobre o que lhe foi perguntado “É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?” (Mt 19:3) de forma bem categórica: “Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” Mt 19:6. Quando lhe é questionado sobre a Lei mosaica (Antiga Aliança) Jesus responde em 19:9 - "Quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério ...". Note bem que sua explicação é referente à Lei mosaica e diante do que lhe foi perguntado. Nós vivemos sob Nova Aliança, conforme Paulo exorta em sua carta aos Coríntios: “Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.” (1 Co 7:10-11). 
Malaquias lembra-nos aqui que a vontade de Deus, a respeito do casamento, sempre foi a mesma. Enquanto alguns podem procurar justaficativas baseadas nos abusos que eram tolerados durante a era patriarcal, ou sob a lei de Moisés, Jesus nos diz que a vontade básica de Deus sempre foi a mesma: "Não tendes lido que o Criador, desde o princípio os fez homem e mulher, e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? . . . Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem" (Mateus 19:4-6). 
As Escrituras dizem que DEUS projetou e criou o casamento para ser algo bom. Ele é um presente lindo e inestimável. DEUS usa o casamento para nos ajudar a acabar com a solidão, multiplicar nossa eficiência, construir famílias, criar filhos, curtir a vida e nos abençoar com o relacionamento íntimo. Além disso, o casamento também nos mostra a necessidade de crescer e de lidar com nossas próprias dificuldades e com o egocentrismo, através da ajuda de um companheiro para toda a vida. Se somos "ensináveis", iremos aprender a fazer aquilo que é mais importante no casamento - amar. Esta poderosa união lhe mostra o caminho para amar incondicionalmente outra pessoa imperfeita. Isto é maravilhoso. É difícil. É uma mudança de vida. Gálatas 5:22 descreve a obra do Espírito de Deus na vida do crente.
 Na medida em que ele se submete ao Espírito Santo, começa a desenvolver, de maneira crescente, amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, fé e domínio próprio. Jesus salienta o princípio universal de que a pessoa ceifa o que semeia; por conseguinte, o amor (ou qualquer outro atributo) que é dado será constan­temente devolvido ao doador. Segue-se, então, que aquele que dá e recebe atributos espirituais terá, sem dúvida, um casamento agradável e satisfatório. Eu particularmente não acredito que existam casamentos perfeitos, mas, sim, casamentos saudáveis. E para conseguirmos isto, não é fácil. E, nessa busca, o casamento enfrenta, a todo o momento, situações desafiadoras que precisam ser superadas para que ele alcance santificação e vitórias. A verdade é que em direção ao alvo (CRISTO), permeamos um percurso cheio de obstáculo. Mas, com o empenho pessoal, e na força que Deus supre, “Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou”. Rm. 8:37.

CONCLUSÃO Na confecção deste pequeno estudo, buscamos consultar literatura que mais se aproxima com o pensamento de nossa denominação, tentando não perder a coerência teológica. Evitamos expressar conceitos e opiniões pessoais sem o devido embasamento na Palavra, pois a finalidade é agregar conhecimentos, enriquecer a aula da escola dominical e proporcionar ao professor domínio sobre a matéria em tela. Caso alcance tais finalidades, agradeço ao meu DEUS por esta grandiosa oportunidade.

Subsídio para o Professor


INTRODUÇÃO
Famílias em perigo é um tema que está nas manchetes dos grandes jornais. É um tema atual, oportuno e urgente. A maior crise que estamos vivendo é a crise da família.
Conforme indicação de Malaquias, havia fortes sintomas de degeneração da fé do povo de Israel. A visão que o povo tinha de Deus era quase deísta: questionava o Seu amor (Ml 1:2), Sua honra e grandeza (Ml 1:14; 2:2), Sua justiça (Ml 2:17) e Seu caráter (Ml 3:13-15). Essa visão deficiente a respeito de Deus produziu uma atitude arrogante e fez que as funções do Templo fossem realizadas com enfado, o que insultava o Senhor ao invés de adorá-lo (Ml 1:7-10). O resultado moral dessa religião desprezível foi o povo voltar-se para a feitiçaria, adultério, perjúrio, fraude e opressão do pobre (Ml 3:5). A discórdia familiar era frequente, levando-os a se divorciarem das esposas judias para se casarem com mulheres pagãs (Ml 2:10-14;4.6); a sacralidade da família não era levada em consideração. As condições eram tão más que se fazia necessária a atuação de um Elias [Jesus Cristo] para restaurar a paz familiar e evitar outra destruição do Senhor (Ml 4:5).
A família é um projeto divino - uma ideia que nasceu no coração de Deus, executada por Ele mesmo. Foi um plano incluído dentro do projeto geral da criação, perfeito em todos os aspectos: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom” (Gn 1:31).


I. O LIVRO DE MALAQUIAS
1. Contexto histórico. Com relação ao aspecto histórico, nada sabemos sobre a vida do profeta Malaquias. Tudo o que entendemos é o que deduzimos de suas declarações. Não há como ter certeza de que Malaquias, que significa “mensageiro de Jeová”, é o nome do profeta ou apenas seu título.
Malaquias não data a sua profecia, mas todos concordam que ele é um profeta pós-exílico. O livro não menciona diretamente o reinado em que Malaquias exerceu seu ministério. Segundo alguns estudiosos, a referência ao “governador” (Ml 1:8) localiza o livro no período persa, e a ênfase de Malaquias dada à lei (Ml 4:4) pode indicar o período do ministério de Esdras  de restauração da importância e autoridade da lei (Ed 7:14,25,26; Ne 8:18). Alguns datam o livro entre o aparecimento de Esdras (458 a.C) e o de Neemias (445 a.C). Outros localizam Malaquias entre as duas visitas de Neemias a Jerusalém, por volta de 433  a.C. Cremos, entretanto, que Malaquias profetizou logo depois do período de Neemias. No tempo de Malaquias, o Templo já havia sido reconstruído. O culto, entretanto, estava sendo oferecido com desleixo: tanto o sacerdócio quanto o povo estavam em profunda letargia espiritual. O povo estava vivendo um grande ceticismo.
Conquanto não tenhamos certeza quanto ao nome do profeta, não temos dificuldade em formar uma concepção clara e precisa sobre a personalidade de Malaquias. O livro que leva o seu nome apresenta um pregador impetuoso e vigoroso que buscava sinceridade na adoração e santidade de vida. Possuía intenso amor por Israel e pelos serviços do Templo. É  verdade que ele deu mais destaque à adoração do que à espiritualidade. Contudo, “para ele o ritual não era um fim em si mesmo, mas uma expressão da fé do povo no Senhor”.
No cativeiro, os judeus ouviram bonitas e promissoras promessas de Deus por parte dos profetas Ezequiel e Zacarias. Eles voltaram extremamente esperançosos. Eles pensavam que o cumprimento das profecias desses profetas eram imediatas e que a era messiânica era iminente. A expectativa era que a nação encontrava-se a ponto de recuperar a glória perdida do reino de Davi. O solo ficaria milagrosamente fértil e as cidades, populosas. Logo surgiria o rei ideal, e todas as nações iriam a Jerusalém para servir ao Senhor.
Mas, com a passagem dos anos, a desilusão se instalou. A prosperidade e benção esperadas não se materializaram. A vida era dura. As colheitas eram fracas, os parasitas acabavam com as plantas e os frutos eram insatisfatórios. Visto que estas condições persistiram ano após ano, e os sonhos maravilhosos dos velhos tempos não se concretizaram, um espírito de pesada depressão se alojou na comunidade. Os sacerdotes relaxaram no desempenho dos deveres e negligenciaram a instrução religiosa concernente ao cargo. Os judeus passaram a reclamar que Deus não os amava ou não se importava com eles. Um espírito de cinismo se espalhou pela população e, até os que permaneceram fiéis a Deus, começaram a perguntar: “Por quê?”. Muitos retiveram os dízimos e ofertas (Ml 3:10). A injustiça social tornou-se comum. O casamento com os pagãos vizinhos era praticado livremente. O divórcio virou a ordem do dia enquanto o povo se esqueceu do concerto com Deus. Todo o mundo estava disposto a questionar a autoridade e os caminhos do Senhor.
Portanto, a situação do povo de Israel era muito difícil e critica, e exigia um profeta comprometido com a Palavra de Deus e destemido para enfrentar esse espectro espiritual do povo.
Porventura, esta situação do povo de Israel não tem certa pertinência aos nossos dias, em que vemos com clarividência uma aguda depressão espiritual em muitos que cristãos dizem ser?  Oremos a Deus para que Ele suscite líderes, homens de Deus, capazes de trazer o povo de Deus, o povo da dispensação da graça, ao avivamento espiritual, ao estado original de sua criação.


2.  A vida pessoal de Malaquias. “Malaquias” significa “mensageiro de Jeová”. A opinião de que Malaquias, em Ml 1:1, seja um título descritivo, ao invés de um nome pessoal, é altamente improvável. Embora não tenhamos mais informações no restante do Antigo Testamento a respeito do profeta, sua personalidade fica bem patente neste livro. Era um judeu devoto da Judá pós-exílica, e contemporâneo de Neemias. Era, provavelmente, um profeta sacerdotal. Suas firmes convicções a favor da fidelidade ao concerto (Ml 2:4,5,8,10), e contra a adoração hipócrita e mecânica (Ml 1:7-2:9), a idolatria (Ml 2:10-12), o divórcio (Ml 2:13-16) e o roubo de dízimos e ofertas (Ml 3:8-10), revelam um homem de rigorosa integridade e de intensa devoção a Deus.

3. Estrutura e mensagem
 
1. Estrutura. O livro, que consiste num sêxtuplo “peso da palavra do Senhor contra Israel, pelo ministério de Malaquias” (Ml 1:1), está entremeado por uma série de dez perguntas retóricas e irônicas feitas por Israel com as respectivas respostas de Deus por intermédio do profeta. Embora o emprego de perguntas e respostas não seja exclusivo de Malaquias, seu uso é distintivo por ser crucial à estrutura literária do livro.
O “peso” (ou “mensagem repressiva”) do Senhor proclamado por Malaquias é assim constituído:
  • Deus reafirma seu fiel amor a Israel segundo o concerto (Ml 1:2-5).
  • Deus repreende os profetas por serem vigilantes infiéis do relacionamento entre o Senhor e Israel segundo o concerto (Ml 1:6-2:9).
  • Deus repreende Israel por ter rompido o concerto dos pais (Ml 2:10-16).
  • Deus relembra a Israel a certeza do castigo divino por causa dos pecados contra o concerto (Ml 2:17-3:6).
  • Deus conclama toda a comunidade judaica pós-exílica a arrepender-se, e a voltar-se ao Senhor, para que tornasse a receber as suas bênçãos (Ml 3:7-12).
  • A mensagem final refere-se ao “memorial escrito” diante de Deus a respeito daqueles que o temem e lhe estimam o nome (Ml 3:13-18).
    Malaquias encerra seu livro com uma advertência e promessas proféticas a respeito do futuro “Dia do Senhor” (Ml 4:1-6)
    (Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal).
    2. Mensagem. Sentença pronunciada pelo Senhor contra Israel, por intermédio de Malaquias” (Ml 1:1). Malaquias é o último profeta do Antigo Testamento antes que a voz da profecia se calasse num silêncio de quatrocentos anos. Que diz esse último mensageiro? Qual é a mensagem final? Qual é a palavra de despedida? Malaquias emboca a sua trombeta e faz uma urgente e apaixonada convocação ao povo de Deus para arrepender-se e voltar-se para o Senhor. Na verdade, a mensagem de Malaquias é uma denúncia contra o pecado e o formalismo. Os tempos mudaram, mas o coração do homem não. Os problemas que a igreja contemporânea enfrenta são praticamente os mesmos. Daí, a mensagem de Malaquias ser atualíssima e oportuna para a igreja hoje.
    A mensagem de Malaquias é uma sentença, um fardo, um peso. Não é uma mensagem consoladora, mas de profundo confronto e censura. Essa mensagem tinha um triplo peso: era um peso para o profeta, para o povo e para Deus. A palavra “sentença”, “peso”, significa mais do que uma palavra da parte do Senhor. É algo pesado, duro, que o Senhor vai dizer. É um peso para o coração do profeta, para o coração do povo e para o coração de Deus. Não é uma mensagem palatável, azeitada, fácil de ouvir. A profecia de Malaquias era profecia contra Israel. A carga que pesava sobre o profeta devia pesar também sobre a consciência das pessoas, até que se preparassem para “aquele Dia”.
    Estamos hoje também com sérias deficiências em nossa espiritualidade. Precisamos ouvir a mensagem de Deus. O espírito pós-moderno com seu pragmatismo corre atrás de mensagens suaves, de auto-ajuda, que fazem cócegas na vaidade humana. O ouvinte contemporâneo não quer pensar, quer sentir; ele não busca conhecimento, mas entretenimento; seu culto não é racional, mas sensório.
    Os púlpitos contemporâneos estão deixando de tratar do pecado e falhando em chamar o povo ao arrependimento. Os pregadores modernos pregam o que o povo quer ouvir e não o que povo precisa ouvir. Pregam para entreter e não para converter. Os pregadores modernos estão mais interessados em agradar aos bodes do que alimentar as ovelhas. A pregação contemporânea prega fé sem arrependimento e salvação sem conversão.
    II. O JUGO DESIGUAL
    O perigo que ameaça a fé: o jugo desigual.  A expressão “jugo desigual” contém a ideia de alguém estar num jugo desnivelado. O pano de fundo aqui é a proibição de pôr animais de natureza diferente sob o mesmo jugo. Havia uma proibição de “lavrar com junta de boi e jumento”(Dt 22:10) e também de fazer cruzamento de animais de diferentes espécies(Lv 19:19).
    O apóstolo Paulo quando quis exortar a igreja de Corinto sobre este assunto, ele disse: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?“(1Co 6:14). A ideia que Paulo está transmitindo é que existem certas coisas que são essencialmente distintas e fundamentalmente incompatíveis, que jamais podem ser naturalmente unidas. Assim como água e óleo não se misturam, a comunhão dos santos com os infiéis equivale a um jugo desigual.
    Um crente não deve pôr-se debaixo do mesmo jugo com um incrédulo em, pelo menos, duas áreas: vida conjugal e participação em práticas cultuais pagãs.
    Aprofundar a comunhão com pessoas descompromissadas com o Evangelho de Jesus Cristo é abrir brechas para Satanás. A associação entre o cristão e o incrédulo deve ser o mínimo necessário à conveniência social ou econômica. Leia e medite no Salmo 1. O crente, portanto, não deve ter comunhão ou amizade íntima com incrédulos, porque tais relacionamentos corrompem sua comunhão com Cristo.
    1. A paternidade de Deus (Ml 2:10).“Não temos nós todos um mesmo Pai? Não nos criou um mesmo Deus? Por que seremos desleais uns para com os outros, profanando o concerto de nossos pais?(Ml 2:10). Deus é o Pai do Seu povo de uma forma especial (Ml 1:6). Ele fez Israel o povo de Sua possessão. Deus chamou Israel para ser o Seu povo particular (Os 11:1). Nós, a Igreja de Cristo, também pertencemos à família de Deus. Jesus fez-nos filhos de Deus por adoção e também gerados peio Espírito de Deus. Por isso, temos a liberdade e direito de chamar ao Senhor de Pai (João 1:12; Gl 4:6). Somos coparticipantes da natureza divina (2Pe 1:4). Deus fez conosco uma aliança de ser o nosso Deus e sermos o Seu povo para sempre. Ele requer de nós fidelidade.
    2. A deslealdade.Judá foi desleal, e abominação se cometeu em Israel e em Jerusalém; porque Judá profanou a santidade do SENHOR, a qual ele ama, e se casou com a filha de deus estranho”(Ml 2:11). O jugo desigual é a quebra da aliança feita pelos pais (Ml 2:10). Quando o povo recebeu a lei de Deus no Sinai, ele prometeu a Deus que não daria seus filhos ou suas filhas em casamento aos adoradores de outros deuses (Êx 34:16; Dt 7:3). A questão não era os casamentos inter-raciais, mas a união com adoradores de deuses estranhos (Ml 2:11). O problema não era racial, mas religioso, pois a Bíblia menciona o casamento de Boaz com Rute, uma moabita. Embora estrangeira, ela foi convertida ao Deus de Israel e tornou-se membro da árvore genealógica de Cristo (Mt 1:5).
    O casamento com pessoas não judias estava ameaçando a sobrevivência da fé da aliança (Ml 2:10,11; Ed 9:1,2; Ne 13:1-3). Ele era uma espécie de infidelidade conjugal com o Deus da aliança. Era uma traição e uma quebra da aliança (Êx 34:11-16; Nm 25; Nm 13:23-29). O apóstolo Paulo pergunta: “Que harmonia há entre Cristo e o Maligno? Ou que união há do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos?” (2Co 6:15,16).
    Hoje, quando uma pessoa crente se casa com alguém não nascido de novo, está quebrando esse preceito bíblico (1Co 7:39; 2Co 6:14-17).
    3. O casamento misto (Ml 2:11). O casamento misto é um instrumento poderosíssimo na mão do inimigo para retirar a identidade do povo de Deus, para impedir a sua continuidade. Uma das funções primordiais do casamento é o de propiciar a perpetuação da espécie humana, e a mistura entre salvos e ímpios no casamento é a garantia que tem o adversário de nossas almas de que a próxima geração seja completamente ignorante das coisas de Deus, esteja inevitavelmente comprometida e envolvida com o pecado.
    A decadência da geração antediluviana foi devido ao casamento entre os filhos de Deus com as filhas dos homens, ou seja, de uma geração piedosa com uma geração que não temia a Deus. Foi assim também entre a geração que possuiu a Terra Prometida. Conforme Números 25, o relacionamento com as jovens moabitas preparou o caminho para a idolatria. Os casamentos mistos foram o fator principal da apostasia religiosa de Israel. Salomão e Acabe são exemplos tristes desse fato. De igual modo, aconteceu com a geração pós-cativeiro. O casamento misto foi duramente reprovado por Esdras (Ed 9:1,2), Neemias (Ne 10:30; 13:23-27) e Malaquias (Ml 2:10-16).
    O casamento misto implica em infidelidade a Deus (Ml 2:11). Três são as razões que provam esse ponto:
    a) O casamento misto atenta contra o propósito da família de viver para a glória de Deus. A família deve ser a escola da vida conforme os preceitos do Eterno. É no lar que devemos aprender a amar a Deus e a obedecê-lo (Dt 11:19). A vida cristã deve ser vivida exclusivamente para a glória de Deus. O casamento deve ser uma demonstração do casamento de Cristo com a Igreja. O lar precisa ser uma igreja santa, adorando ao Deus santo. Uma casa dividida não pode prevalecer. O profeta Amós pergunta: “Andarão dois juntos se não houver entre eles acordo?” (Am 3:3).
    b) O casamento misto conspira contra a criação dos filhos no temor do Senhor (Ml 2:15). Um casamento misto tem grandes dificuldades na criação dos filhos. Ele constitui-se num sério obstáculo à criação dos filhos na disciplina e admoestação do Senhor (Ef 6:4). Uma casa dividida não pode manter-se em pé. Os filhos que nascem e crescem num contexto de casamento misto são puxados de um lado para o outro, ouvindo ensinos contraditórios, com exemplos contraditórios. As maiores vítimas do casamento misto são os filhos. Famílias desestruturadas e quebradas desembocam em igrejas fragilizadas.
    c) O casamento misto é uma declarada desobediência ao mandamento de Deus (Ml 2:11). Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento não encontramos amparo para o casamento misto. Ele não é a vontade de Deus para o Seu povo (Dt 7:3,4; 2Co 6:14-17).
    III. DEUS ODEIA O DIVÓRCIO
    Ainda fazeis isto: cobris o altar do SENHOR de lágrimas, de choros e de gemidos; de sorte que  ele não olha mais para a oferta, nem a aceitará com prazer da vossa mão. E dizeis: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com  a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher do teu concerto. E não fez ele somente um, sobejando-lhe espírito? E por que somente um? Ele buscava uma  semente de piedosos; portanto, guardai-vos em vosso espírito, e ninguém seja desleal para  com a mulher da sua mocidade. Porque o SENHOR, Deus de Israel, diz que aborrece o repúdio e aquele que encobre a  violência com a sua veste, diz o SENHOR dos Exércitos; portanto, guardai-vos em vosso espírito  e não sejais desleais” (Ml 2:13-16).
    Um das causas do divórcio é a falta de cuidado de si e do cônjuge (Ml 2:15,16). O casamento é como uma conta bancária, se sacarmos mais que depositamos, vamos à falência. Se investíssemos mais no casamento, teríamos menos divórcios (Mt 19:3-9). Quem ama o cônjuge, a si mesmo se ama (Ef 5:28).
    Quais são os cuidados que precisamos ter? Andar em sintonia com Deus e Sua Palavra; não deixar o casamento cair na rotina; não guardar mágoa; não se descuidar da comunicação; suprir as necessidades emocionais e sexuais do cônjuge; administrar sabiamente a questão financeira
    1. O relacionamento conjugal (2:11-13). Os casamentos mistos estavam ameaçando a teocracia judaica, a integridade espiritual da nação, e o divórcio estava colocando em risco a integridade das famílias. O abandono do cônjuge estava ameaçando o desmoronamento do lar em Israel.
    Deus é o arquiteto, o fundamento e o sustentador do casamento. Ele está presente como a testemunha principal. O casamento foi instituído por Ele e é feito na presença dele. Em toda cerimônia de casamento é costume os nubentes convidarem testemunhas. Muitas vezes essa prática não passa de uma convenção social. Essas pessoas ilustres, acabada a cerimônia, voltam à sua rotina e não mais acompanham a vida do casal. Todavia, Deus é uma testemunha sempre presente (Ml 2:14). Nada acontece no relacionamento conjugal sem que Ele saiba. Ele vela pelos cônjuges, reprova a infidelidade e odeia o divórcio.
    2. O compromisso do casamento. A união conjugal é a mais próxima e íntima relação de todo relacionamento humano. A união entre marido e mulher é mais estreita do que a relação entre pais e filhos. Os filhos de um homem são parte dele mesmo, mas sua esposa é ele mesmo. O apóstolo Paulo diz que quem ama a sua esposa a si mesmo se ama (Ef 5:28). O casamento é uma aliança em que deve existir lealdade e fidelidade. A infidelidade conjugal atenta contra a santidade dessa aliança. O cônjuge precisa ser um jardim fechado, uma fonte reclusa.
    No projeto de Deus, o casamento é indissolúvel. Ninguém tem autoridade para separar o que Deus uniu. Marido e mulher devem estar juntos na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na adversidade. Só a morte pode separá-los (Rm 7:2; 1Co 7:39). A quebra da aliança conjugal é deslealdade. Jesus claramente afirmou: “o que Deus uniu não o separe o homem” (Mt 19:6).
    3. As consequências do divórcio. O divórcio é desinstalador. É como um terremoto, provoca grandes estragos. O divórcio é o colapso dos sonhos, o naufrágio da esperança e a desistência deliberada de uma aliança firmada na presença de Deus.
    A seguir, destacamos quatro consequências do divórcio apontadas pelo profeta Malaquias:
    a) O divórcio provoca profunda dor na pessoa abandonada (Ml 2:13). À época de Malaquias, quando as esposas abandonadas iam ao altar e derramavam suas lágrimas, isso tocava o coração de Deus a ponto de Ele não aceitar as orações dos maridos que as abandonavam.
    b) O divórcio traz graves problemas para os filhos (Ml 2:15). A poligamia e o divórcio não são compatíveis com a criação de filhos no temor de Deus. E, em última instância, essas práticas não eram proveitosas para obter a semente piedosa na árvore genealógica do Messias prometido. Ninguém poderia divorciar-se, casando-se com uma idólatra e ainda esperar uma santa posteridade atrás de si.
    c) O divórcio provoca uma crise espiritual e uma quebra da comunhão com Deus na vida da pessoa que abandona seu cônjuge (Ml 2:13b). Os contemporâneos de Malaquias estavam subestimando o pecado do divorcio. Eles choravam, mas não obedeciam. Quando Deus não aceita o ofertante, Ele rejeita a oferta. No primeiro capitulo de Malaquias, Deus recusa-se a aceitar os sacrifícios porque os animais eram defeituosos (Ml 1:8,10,13); agora, Deus os rejeita por causa do divórcio dos ofertantes. A Bíblia diz que se há iniquidade no coração, Deus não ouve as orações (Sl 66:18). O apóstolo Pedro diz que se o marido não vive a vida comum do lar, suas orações são interrompidas (1Pe 3:7). Deus não aceita o culto desses homens porque Ele não aceita a quebra da aliança conjugal deles.
    d) O divórcio provoca o repúdio de Deus (Ml 2:16). Deus odeia o divórcio e repudia aquele que age com violência com o cônjuge abandonado. Para Deus, o divórcio é como cobrir de violência as suas vestes. De fato, toda vítima do divórcio é violentada psicologicamente. Os golpes psicológicos precedem à separação física.
    Precisamos alertar que Deus é a testemunha de toda cerimônia de casamento, e também será a testemunha de toda violação desses votos. O pecado do divórcio é uma coisas abominável que Deus odeia sempre. Pense nisso!
    CONCLUSÃO
    O casamento é um dos mais solenes concertos e comprometimentos que pode haver entre duas pessoas. É uma “comunhão divina e humana entre um homem e uma mulher”. Trata-se, pois, de um compromisso assumido entre um homem e uma mulher que ultrapassa o mero aspecto biológico ou social, mas que atinge, também, o nível espiritual. É a forma que Deus estabeleceu para a formação da família (Gn 2:24) e, por isso, exige que ambos os cônjuges sejam comprometidos com o Senhor, e que levem a sério a sacralidade do relacionamento familiar, para que se tenha o ambiente propício para a adoração ao Senhor.
    Meu grande abraço a todos os amados leitores que estiveram aqui, lendo, pesquisando e me dando com isso a honra de ter sua presença. Que o Senhor abençoe a todos grandiosamente. Tenham um abençoando fim de ano e um Feliz Ano Novo!
    Vivam vencendo também em 2013!!!
    Seu irmão menor.
     
     Bibliografia:

    William Macdonald - Comentário Bíblico popular (Antigo Testamento).
    Bíblia de Estudo Pentecostal.
    Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
    O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
    Comentário Bíblico NVI - EDITORA VIDA.
    Revista Ensinador Cristão - nº 52 - CPAD.
    A Teologia do Antigo Testamento - Roy B.Zuck.
    Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
    Malaquias - Rev. Hernandes Dias Lopes.
 
 Como Deus não se divorcia do seu povo, assim ele não permite que marido e mulher se divorciem. Divorciar-se é quebrar o matrimônio da Aliança - Lemos em Ml 2:16 "Porque o Senhor Deus de Israel diz que odeia o divórcio ..." Precisamos compreender o texto de Mt. 19:1-7 em que Jesus diz que o divórcio é proibido, mas que foi permitido por causa da dureza do coração. Deus nunca intencionou o divórcio, pois este contraria a essência do casamento como uma aliança que nunca deverá ser quebrada, anulada. Você então pergunta: Por que foi dada a permissão para o divórcio conforme Mt. 19:7? Não foi dada uma permissão. No verso seis JESUS termina sua explicação sobre o que lhe foi perguntado “É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?” (Mt 19:3) de forma bem categórica: “Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” Mt 19:6. Quando lhe é questionado sobre a Lei mosaica (Antiga Aliança) Jesus responde em 19:9 - "Quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério ...". Note bem que sua explicação é referente à Lei mosaica e diante do que lhe foi perguntado. Nós vivemos sob Nova Aliança, conforme Paulo exorta em sua carta aos Coríntios: “Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.” (1 Co 7:10-11). Malaquias lembra-nos aqui que a vontade de Deus, a respeito do casamento, sempre foi a mesma. Enquanto alguns podem procurar justaficativas baseadas nos abusos que eram tolerados durante a era patriarcal, ou sob a lei de Moisés, Jesus nos diz que a vontade básica de Deus sempre foi a mesma: "Não tendes lido que o Criador, desde o princípio os fez homem e mulher, e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? . . . Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem" (Mateus 19:4-6). As Escrituras dizem que DEUS projetou e criou o casamento para ser algo bom. Ele é um presente lindo e inestimável. DEUS usa o casamento para nos ajudar a acabar com a solidão, multiplicar nossa eficiência, construir famílias, criar filhos, curtir a vida e nos abençoar com o relacionamento íntimo. Além disso, o casamento também nos mostra a necessidade de crescer e de lidar com nossas próprias dificuldades e com o egocentrismo, através da ajuda de um companheiro para toda a vida. Se somos "ensináveis", iremos aprender a fazer aquilo que é mais importante no casamento - amar. Esta poderosa união lhe mostra o caminho para amar incondicionalmente outra pessoa imperfeita. Isto é maravilhoso. É difícil. É uma mudança de vida. Gálatas 5:22 descreve a obra do Espírito de Deus na vida do crente. Na medida em que ele se submete ao Espírito Santo, começa a desenvolver, de maneira crescente, amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, fé e domínio próprio. Jesus salienta o princípio universal de que a pessoa ceifa o que semeia; por conseguinte, o amor (ou qualquer outro atributo) que é dado será constan­temente devolvido ao doador. Segue-se, então, que aquele que dá e recebe atributos espirituais terá, sem dúvida, um casamento agradável e satisfatório. Eu particularmente não acredito que existam casamentos perfeitos, mas, sim, casamentos saudáveis. E para conseguirmos isto, não é fácil. E, nessa busca, o casamento enfrenta, a todo o momento, situações desafiadoras que precisam ser superadas para que ele alcance santificação e vitórias. A verdade é que em direção ao alvo (CRISTO), permeamos um percurso cheio de obstáculo. Mas, com o empenho pessoal, e na força que Deus supre, “Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou”. Rm. 8:37.hospedagem de site gratuita

Nenhum comentário:

Postar um comentário