05 março 2013

Decisão judicial proíbe cultos evangélicos em Assembleia de Deus do Mato Grosso

Em Corumbá (MT), evangélicos se uniram para protestar contra sentença judicial, do juiz Vinicius Pedrosa Santos, titular da 3ª Vara Cível de Corumbá que impede os cultos na Igreja Evangélica Assembleia de Deus (Ministério Belém).
Evangélicos de várias congregações de Corumbá se uniram na tarde de domingo, 10 de fevereiro em uma carreata que reuniu pedestres, motocicletas e carros. O protesto foi organizado pela diretoria da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, que também coletou assinaturas dos participantes da mobilização. A carreata saiu de frente da sede da igreja, na rua Cabral, por volta das 14h30 e percorreu as principais ruas da área central, como Frei Mariano e a Avenida General Rondon.”A Igreja Assembleia de Deus se sente apoiada pelo número de manifestantes que estiveram presentes em nossa carreata. Estamos nos mobilizando contra a decisão judicial que proibiu os cultos em nossa igreja. Nada em nossa igreja está funcionando, está tudo fechado. Nós questionamos: hoje, a proibição foi em nossa igreja, e amanhã, onde será? Nos sentimos ofendidos com essa decisão judicial. Essa atitude tomou proporções internacionais. Estamos recebendo apoio e outras manifestações de várias partes do mundo, estamos recebendo um grande apoio”, afirmou ao Diário o pastor da Igreja Assembleia de Deus (Ministério de Belém), João Martins.
essa decisão deve-se a uma ação ingressada por uma moradora da vizinhança que se sente prejudicada pelo som alto, classificado pela mesma como “ensurdecedor” durante os cultos realizados no local.
A moradora relatou na ação judicial que, desde que obras de ampliação da fachada do recinto religioso começaram, há cerca de dois anos, vem sofrendo com o som alto proveniente dos encontros religiosos. Ela afirmou que, antes de recorrer à Justiça, buscou a solução do problema com os representantes da Igreja em questão, com o Ministério Público Estadual e com a Polícia Militar, porém “não obteve êxito”. Caso a Igreja descumpra a decisão, datada do dia 05 de março, receberá uma multa diária de R$ 500.
A Assembleia de Deus, por sua vez, conforme o pastor João Martins, através do departamento jurídico, já ingressou com pedido de liminar no Tribunal de Justiça do Estado contra a decisão. “Acreditamos que essa semana já iremos receber a decisão do desembargador. Na terça-feira, 13 de março, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul também estará realizando uma manifestação contra essa liminar expedida por esse magistrado”, ressaltou o pastor. Se a proibição aos cultos for mantida, o pastor enfatizou que novas manifestações ocorrerão. “Vamos recorrer com todos os recursos possíveis para ter o direito livre aos cultos novamente”, garantiu.
Fonte: Guia-Me

Nenhum comentário:

Postar um comentário