13 março 2013

Vaticano ‘investiu’ milhões em prédio com maior sauna gay da Europa

Mais um escândalo envolvendo  a Igreja Católica foi estampado na imprensa internacional, nesta segunda-feira (11), véspera do conclave que escolherá o sucessor de Bento 16, a partir das 18h desta terça-feira (12) na Itália (14h no horário de Brasília). Jornais como o ‘Independent’ informaram que o Vaticano teria investido 23 milhões de libras (R$ 58 milhões) em apartamentos de um edifício em Roma. Até aí, nenhum problema. Reportagens, porém, descobriram que no mesmo imóvel funciona a maior sauna gay da Europa.
Dezoito dos 115 cardeais que participam nesta terça-feira do conclave residem no edifício. A imprensa italiana informou que o investimento foi feito em 2008 após a Igreja ter recebido benefícios fiscais durante o governo do então premiê italiano, Silvio Berlusconi.
As finanças da Igreja, aliás, foram o assunto, na manhã de ontem, da décima e última das congregações gerais de cardeais — reuniões preparatórias para o conclave. Também ontem, foi realizada na Capela Paulina o juramento de 90 funcionários do Vaticano que irão trabalhar no conclave.
As eleições têm três cardeais ‘favoritos’, segundo apurações do jornal italiano ‘Corriere della Serra’ e do espanhol ‘El Mundo’. Teria entrado na disputa o ‘papável’ americano Sean O’Mailey, 68 anos, arcebispo de Boston. Outros dois, que já vinham sendo cogitados, são o brasileiro Odilo Scherer, 64, arcebispo de São Paulo, e Angelo Scola, 71, italiano.
O porta-voz do Vaticano, padre Frederico Lombardi, disse que “dificilmente” o nome do novo Papa sairá na primeira votação. São feitas quantas forem necessárias até que um nome seja eleito por dois terços dos cardeais. A primeira votação deverá servir mais para avaliar a força de cada candidato.
De acordo com o ‘El Mundo’, mais da metade dos cardeais não teria decidido em quem votar, o que pode fazer o resultado ser surpreendente. “No último conclave, havia uma figura de peso, um teólogo único: Joseph Ratzinger (Bento 16). Agora, não sabemos de nada”, disse o cardeal francês Philippe Barbarin ao ‘El Mundo’.
Fonte: O Dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário