10 abril 2013

Pr. Feliciano aceita discutir renuncia, se petistas condenados pelo "mensalão" renunciarem à CCJ

Os líderes de partido e Marco Feliciano (PSC-SP) se reuniram hoje no gabinete do presidência da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e ouviram do pastor que a possibilidade de renúncia não existe, e que pode flexibilizar a entrada para as sessões da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM).

Após a reunião, alguns participantes se mostraram indignados com a proposta oferecida pelo Pastor Marco Feliciano ao sugerir que renunciaria se os deputados José Genoino e João Paulo Cunha, ambos do PT de São Paulo e condenados pelo escândalo do Mensalão, renunciassem à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. Segundo Rubens Bueno, líder do PPS na Câmara, o pedido é “inadequado para o momento”. Ele ainda classificou a proposta como “jogo baixo. Não podemos confundir uma coisa com a outra”.

O líder do PSC na Câmara, deputado André Moura (SE), afirmou à Agência Câmara de Notícias que o pastor Marco Feliciano abrirá as sessões “se os manifestantes se comportarem de forma respeitosa”.

Moura disse ainda que o andamento dos trabalhos não poderia ser prejudicado, portanto a medida havia sido tomada: “A partir do momento que os manifestantes entendam que as reuniões da comissão podem ocorrer de forma respeitosa, tenho certeza de que Feliciano não usará do dispositivo que tem em mãos e abrirá as sessões [...] Para que ele abra a sessão, é necessário que os manifestantes deixem ele presidir e deixem as matérias que estejam em pauta serem discutidas e votadas”, declarou o deputado.

A medida que Feliciano adotou chegou a ser criticada pela Ordem dos Advogados do Brasil, que divulgou nota afirmando que o fechamento das sessões “remete a tempos obscuros e arbitrários de nossa história política, onde os direitos humanos somente podiam ser discutidos a portas fechadas”.

O deputado Ivan Valente (SP), líder da bancada do PSOL na Câmara, criticou a postura do pastor Marco Feliciano em não renunciar: “Isso é um desrespeito, pois ele é uma pessoa incompatível com o cargo. Ele somente insiste porque lucra econômica e politicamente com isso”, disse.

Feliciano saiu da reunião sem falar com a imprensa, mas segundo Ivan Valente, o pastor teria dito que “não poderia deixar a presidência da Comissão de Direitos Humanos” pelos motivos já alegados, e que estaria sendo perseguido.

O deputado Rubens Bueno, líder do PPS, revelou que Feliciano disse que renunciaria se o PT retirasse os deputados paulistas João Paulo Cunha e José Genoíno de seus cargos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), tida como a mais importante da Câmara. Ambos os deputados foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão.

“Isso é um golpe baixo, até porque não há trânsito em julgado da decisão que condena esses deputados”, afirmou Rubens Bueno, que definiu como “inaceitável” a permanência de Feliciano na presidência da CDHM: “Os interesses dele são legítimos, mas eles não podem se sobrepor aos interesses da comissão”.

Por Tiago Chagas

Nenhum comentário:

Postar um comentário