09 abril 2013

Sem fiéis, igreja alemã coloca templos à venda

Policiais bloqueiam entrada de igreja evangélica em Hamburgo, cuja venda para muçulmanos gerou protestos

Vende-se uma igreja por € 135 mil (R$ 350 mil). Quem está à procura de uma capela pode conseguir uma por € 20 mil (R$ 51 mil).

Essas ofertas são da arquidiocese de Berlim, que tenta há semanas se desfazer de templos que estão órfãos de fiéis.

Com a Igreja Evangélica alemã não é diferente. Os evangélicos criaram um site para divulgar a oferta de 170 templos e 140 terrenos.

De 1990 a 2010, 340 templos evangélicos foram fechados no país, segundo o diário espanhol "El País".

Embora a Igreja Católica tenha sido liderada recentemente por Bento 16, alemão, 400 templos foram fechados apenas em 2011, segundo a Conferência Episcopal daquele país.

O índice de alemães católicos e evangélicos caiu 10% e 17%, respectivamente, desde os anos 1990.

POLÊMICA

Uma igreja evangélica na cidade de Hamburgo, vendida no final do ano passado por falta do comparecimento de fiéis, agora está nas mãos do islã. O negócio acabou com a convivência pacífica entre cristãos e muçulmanos na cidade.

Na semana passada, cerca de 300 neonazistas iniciaram protestos contra seguidores do islã. A polícia teve de intervir para evitar uma briga religiosa. 
 
A Igreja Protestante fechou entre 1990 e 2010, 340 dos quais 46 templos foram demolidos e é possível que outros mil templos têm de ser fechadas nas próximas duas décadas devido a um problema que o pastor Maiwack Reinhardt, porta-voz da instituição, sabe de cor. “Entre 120.000 e 150.000 pessoas deixam a Igreja a cada ano”, disse Pastor El Pais.
 As estatísticas da Igreja Católica são semelhantes. De acordo com o relatório anual 2011-2012 da Conferência Episcopal, 126.488 pessoas deixaram em 2011 a Igreja Católica na Alemanha, uma fuga que obrigou os bispos a fechar mais de 400 templos. “Nos próximos 10 anos, calcula-se que cerca de 700 igrejas não serão mais usadas para celebrar a liturgia”, disse o porta-voz da Conferência Episcopal, Kopp Mathhias.
 uol.com.br/religiao


Nenhum comentário:

Postar um comentário