01 maio 2013


“Cristãos secretos” na Coreia do Norte são detidos em campos de concentração por se recusarem a reconhecer ditador Kim Jong Um como divindade

Coreia do Norte, país que tem estampado as manchetes da imprensa mundial por ameaçar atacar a Coreia do Sul e os Estados Unidos, é tida pelas organizações missionárias como a nação mais fechada ao cristianismo, e por consequência, o país que mais persegue cristãos em todo o mundo.
Norte-coreanos que professam a fé cristã estão sendo mantidos em centros de detenção e privados de alimentação por se recusarem a reconhecer o ditador Kim Jong Un (foto) como uma divindade.
O país, que após a guerra das Coreias tornou-se comunista, é oficialmente ateu, mas na prática existe uma imposição de culto à dinastia Kim por parte do governo.
Kim Jong Sung, avô do atual ditador e já falecido, é considerado um ser de natureza divina, e seus descendentes herdaram, segundo a crença local, a divindade do líder e o direito a ocuparem o posto de chefe da nação.
De acordo com as leis do país, qualquer pessoa que professe uma fé que não coloque a dinastia Kim no centro de sua adoração, deve ser presa. Há informações, de acordo com o Acontecer Cristiano, de que imagens de satélite localizaram campos de concentração, onde são mantidos presas as pessoas que são consideradas criminosas de religião. Nesses campos, estariam aproximadamente 200 mil pessoas.
A perseguição a cristãos começou no país em 1953, e um dos casos mais emblemáticos é o desaparecimento de bispos católicos que viviam no país. As autoridades de Pyongyang, capital do país, negam haver a existência dos bispos e desde 1980, ignoram qualquer pergunta sobre o caso.
Os cristãos secretos da Coreia do Norte, grupo de pessoas que se reúnem às escondidas, somam segundo a Missão Portas Abertas, entre 200 e 400 mil pessoas, que se mantém firmes à fé cristã, mesmo sob o risco de serem condenados à prisão perpétua ou pena de morte, se forem flagrados cultuando a Deus ou apenas portando uma Bíblia.
folha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário