05 junho 2013


Evangélicos criticam campanha do ministério da saúde para as prostitutas


Ministro da saúde ordena a retirada da peça do ar


Evangélicos criticam campanha do ministério da saúde para as prostitutas
Deputados da bancada evangélica criticaram peças publicitárias para prostitutas, parte de uma campanha do ministério nas redes sociais para prevenção de aids e redução do preconceito. O material foi lançado para celebrar o Dia Internacional das Prostitutas no dia 2 junho.
Entre as peças da campanha estavam “Eu sou feliz sendo prostituta’, que seria vinculada ao site do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), Aids e Hepatites Virais.
“Esse governo tem uma capacidade de buscar uns temas que me assustam. Não tem outra política pública decente para fazer?”, afirmou o deputado João Campos (PSDB-GO), segundo o Gazeta do Povo.
E ironizou, dizendo “Já vejo os títulos das próximas campanhas. Sou adúltero, sou feliz. Sou incestuoso, siga-me. Sou pedófilo, sou feliz, sou realizado.”
A peça “Eu sou feliz sendo prostituta” foi retirada do site por ordem do ministro da saúde, Alexandre Padilha, que segundo ele, o material estava em teste. 
Outros parlamentares da bancada evangélica também se mostraram indignados com esse tipo de campanha e manifestaram suas críticas.
“Estamos combatendo a prostituição infantil e vem uma campanha incentivando. Você está combatendo, tirando das ruas, aí vem a campanha dizendo que é feliz. Ninguém é feliz”, disse a deputada Liliam Sá (PSD-RJ).
“A mulher não nasceu para ser prostituta, nasceu para ser mãe de família”, afirmou Costa Ferreira (PSC-MA)”.
cpadnews

Nenhum comentário:

Postar um comentário