17 junho 2013




 

VESTIBULAR DE UM    PROFETA


O chamado de Deus para a realização de sua obra tem implicações muito sérias, inevitáveis e, na maioria das vezes, inesperadas.

Com explosão da mídia neste inicio de século surgiu um imenso caudal de candidatos a missionários, operadores de milagres, profetizadores, exibidores de visões, multiplicadores de riquezas, corretores da bolsa celestial, advogados da porta do céu, acendedores de fogueiras, distribuidores de azeite, de água, de ventiladores celestes, de lenços, de pedras, e de muitas outras coisas que são classificadas como "pontos de contato com os céus".

Analisando o verdadeiro chamado de Deus e seus métodos genuínos, vemos um quadro totalmente diferente.

Quando os apóstolos começaram a obra da igreja, não existia qualquer ênfase a experiências artificiais.
Primava-se, antes de tudo, pelo ensino da Palavra. Lendo o livro de Atos você descobre que os irmãos estavam sempre ensinando a Palavra.

O chamado dos profetas caracterizou-se por eventos insólitos, estranhos e esquisitos.

Como eu disse, a fila hoje é enorme daqueles que querem entrar no ministério. Cuidado! Já pensou se, em seu chamado, Deus resolver fazer o que fez com alguns dos seus profetas?

Quando Deus chamou Isaias, ele ficou feliz. E exclamou: Eis-me aqui! Envia-me a mim!

Ele teve que esperar um bom tempo e um dia Deus falou com ele:

- Isaias.

- Pronto, Senhor.

- Vou lhe enviar agora.

- Certo, Senhor.

- Tire a roupa.

- O que Senhor? Não entendi bem.

- É isto mesmo que eu estou dizendo: Tire a roupa.

Isaias então tirou a túnica e as sandálias. Deus tinha mandado que ele as tirasse também.

Isaias ficou somente com a roupa de baixo.

Deus continuou:

- Vá para a praça, Isaias e profetize assim, do jeito que você está, contra o Egito e contra a Etiópia.

E Isaias passou três anos profetizando nu, ou quase nú e descalço.

Que escândalo não?

Muitos outros profetas passaram por experiências semelhantes.

Oséias teve que casar com uma prostituta.

Jeremias teve que profetizar contra seu próprio povo.

Ezequiel foi instado a cozinhar suas comidas com fezes humanas.

Quantos hoje estão dispostos a submeter-se à disciplina de Deus?

Como vimos, o vestibular de um profeta é meio difícil, cheio de fatores inesperados. Todos aqueles que Deus chamou passou por testes. Não é que Deus precise aplicar testes. Nós é que precisamos dos testes.

Tiago mostra porque tudo isto é necessário:

"Bem aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for aprovado receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam". Tg 1.12.

Quando o povo de Deus saiu do Egito, veja o que Deus fez com eles:

"E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o Senhor teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos para te humilhar, e te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não". Dt 8.3.

A vida de um vocacionado não é o que se pode chamar de uma vida fácil. Ministério não é brincadeira. Eis aqui alguns elementos que caracterizam sua realidade:

1. Incompreensão: o povo nem sempre entende nem sempre aceita a mensagem do profeta. No relato bíblico isto se repete dramaticamente. O povo de Israel muitas vezes criticou Moises. Micaías foi preso por falar a verdade. Jeremias teve que profetizar contra seu próprio povo e também sofreu sanções. O povo escutava Ezequiel mas não colocava em prática o que ele falava.

2. Insegurança: Moisés foi claramente chamado por Deus para a grande missão de libertação, mas ele ficou inseguro. A princípio não quis assumir a responsabilidade. Micaías, antes de dar a mensagem correta, profetizou a mesma coisa que os falsos profetas de Acabe estavam profetizando. Jonas preferiu fugir da responsabilidade tomando um navio que o levaria para longe de Nínive.

Agora, se é grande o peso da responsabilidade de um ministro de Deus genuinamente vocacionado, o que dizer dos problemas que enfrentam aqueles que a si mesmos se comissionaram? Acreditamos que as lutas serão dobradas.

O apóstolo Judas adverte a respeito de alguns que se introduziram na igreja e que passaram a converter em dissolução a graça de Deus. Jd 4.

Pedro afirmou algo parecido: "E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição". 2 Pe 2.1.

Paulo disse aos filipenses que se guardassem dos maus obreiros. Fp 3.2.

Nestes dias conturbados, de tantos erros e desvios, precisamos seguir à risca a orientação do apóstolo Pedro:
"Deixando pois toda a malicia e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações, desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo". 1 Pe 2.1,2.

A palavra de Deus sempre foi e sempre será a maior segurança para a nossa vida e a maior garantia para o vestibular de qualquer profeta.

Abraços.
Viva vencendo!!!
Seu irmão menor

Nenhum comentário:

Postar um comentário