12 julho 2013

A igreja, o tempo e a prevaricação


Quando aferimos todos os sons com a Bíblia Sagrada, que dispensa adjetivos por ser e conter a Palavra de Deus, concluímos que o tempo não é de conciliação, mas, de confusão e no meio dessa confusão, JESUS reconhece quem são suas ovelhas e as protege.

A igreja católica, agora, sob a égide de um papa de origem jesuíta, se fortalece e promete ir de encontro aos pobres e cumprir o trabalho de evangelização, mas, sempre tem e oferece mediadores entre o único mediador (JESUS) e Deus.

1 Timóteo. 2.5 - “Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem”.

Hebreus. 12.23-24 -  “... e a Jesus, o Mediador de uma nova aliança e ao sangue da aspersão que fala mais alto do que o de Abel”.

Como dizer para os fiéis e devotos de milhares de santos que todos eles merecem a devida “vênia” todavia, foram transformados em usurpadores de um poder que só pertence a Jesus, ele recebeu do Pai.

As igrejas neopentecostais, surgiram no cenário evangélico há 25 ou 30 anos. Levantar a história de como surgiram, não é algo tão complicado e o que passou na cabeça de cada líder desbravador desse novo movimento. Puro desejo de afastar-se das igrejas que já não tinham a resposta que o povo queria? Como o dinheiro e o desejo de ter mais que o ser, tomou conta desse movimento pelas pregações sempre voltadas à prosperidade e passando a ideia que contribuição é fundamental para tudo, até para a salvação? Chegamos a pensar que sim. Tudo é muito sugestivo e termina sempre com gordas arrecadações.

Podemos afirmar que o saudoso pastor Manoel de Melo, oriundo da Assembleia de Deus, onde serviu como diácono, foi o “marco” entre a tradição e o novo. Dizia-se que muitos dos empregados em emissoras de rádio, aprenderam a conduzir um trabalho evangélico, de tanto vê-lo pregar nas emissoras e cada um dos interessados, foram lá e abriram a sua.

As igrejas adequadas surgiram para ajuntar um rebanho diferente; muitos gostariam de se converter ao evangelho, mas, as igrejas não tinham resposta para eles, pois, jamais deixariam o pagode, o samba ou qualquer outro ritmo ao som da percussão. As igrejas viviam sob a batuta do 2x2, 4x4 ou 6x8, influência das igrejas nórdicas, dos missionários suecos e aí, surgiram igrejas para pagodeiros, artistas, esquiadores e tantas outras.

MAS A BÍBLIA CONTINUA SENDO A MESMA.

As igrejas tradicionais e a pergunta: as Assembleias de Deus, da qual faço parte, já pode ser contada entre as tradicionais? Considerava-se “tradicionais”, igrejas não pentecostais, as primeiras a aportarem nas terras brasilianas.

DEUS NÃO TEM COMPROMISSO COM A BANDEIRA DA IGREJA OU ELA VAI E FAZ OU DEUS LEVANTA OUTROS E ATÉ PEDRAS QUE CLAMEM. Se alguma coisa está errada, a culpa é toda nossa que não mantivemos o calor do Espírito na nossa trajetória; outros interesses ocuparam o lugar dos sonhos e projetos.

MAS A BÍBLIA, CONTINUA SENDO A MESMA.

Se Deus não mudou e a Bíblia continua sendo a mesma, o que ou quem mudou? Por mais que tentem, mudem as traduções, as cores da capa, as interpretações de rodapé, os textos auxiliares, a hermenêutica e os hermeneutas, a Palavra de Deus continua firme como âncora, tem o seu cumprimento, e é para os fiéis a palavra da verdade. Pulem, dancem, gritem, uivem, mas ela nos dá o tom certo, só erra que quer e quem tiver interesses mesquinhos e escusos.

As cartas escritas as igrejas da Ásia, foram reais, ditadas pelo próprio Senhor a João na Ilha de Patmos e retratavam os conflitos e o pecado das igrejas naquele tempo, todavia, coincidência ou não, a Palavra de Deus é essencialmente profética, encontramos semelhanças quanto o tempo e o estado de prevaricação das igrejas do nosso século. Quando falamos em prevaricação,[latim, praevaricare) verbo transitivo que significa deixar de fazer o que deve ser feito, corromper, abusar do poder, ocasionar a corrupção, fazer alguma coisa com dolo no exercício do poder entre outros], não significa que tudo esteja perdido e que essas igrejas, inclusive a católica, não tenha dado uma enorme contribuição à vida social do pais, a quem o governo deve ser muito grato, pois, já teríamos nos tornado, uma tocha de fogo em conflitos sociais, suicídios, crimes em maior escala que o visto, enlouquecimento das pessoas e outros males.

Falamos de salvação e quer queiram ou não, há regras a serem vistas e cumpridas. Sabemos que pelo bem da moralidade, muitas regras humanas foram atreladas e não se podem chamá-las de injustas, pois, o que se vê nas práticas sociais, são abusivas.

Quanto a usos e costumes, que invadiram as igrejas, temos dois grupos: Aqueles que não dão a menor importância a esses costumes e os que se importam, mas, pela densidade populacional e impossibilidades de controle, optaram por dourar a pílula com uma exortação aqui e outra ali, com respeito a algumas regras comportamentais.

As duas últimas igrejas da Ásia, na ordem das cartas escritas, temos: A Igreja de Filadélfia e Laodiceia. A igreja de Filadélfia (Apocalipse 3.7) o Senhor fala de obras, de porta aberta que combina com a porta do capítulo 4.1, de pouca força que é a característica da igreja fiel diante dos desafios da sociedade moderna, os que são da Sinagoga de Satanás, comparados aos exploradores do evangelho, pregadores do "traga meu dinheiro" e da insaciabilidade, dos que guardaram a palavra da paciência; pois, paciência é o que resta para nós e finalmente a promessa: “Eis que venho sem demora”.

A Igreja de Laodiceia, que tanto inspira pregadores que chamam o nosso tempo de “Era de Laodiceia”. Para esta, e aqui não digo que qualquer semelhança é mera coincidência, promete vomitá-la da sua boca, caso não se arrependam, porque, não são frias nem quentes. Espero que alguém não tente me convencer que as manifestações emocionais de gritinhos histéricos de glórias a Deus e aleluias, seja sintoma de calor bíblico e espiritual. Minha inteligência se sentirá agradecida e nisso se inclui as chamadas “línguas estranhas” de muitas igrejas e até do movimento carismático católico.

MUITA CONFUSÃO, MAS, A BÍBLIA É A MESMA.

A Bíblia possui regras para a salvação que não podem ser desprezadas. Chamamos esse conjunto de regras, de “doutrinas” e “doutrinas fundamentais”. O maior problema de entender a Bíblia não é entender a Bíblia, é tentar excluir tudo aquilo que confronta nossos prazeres e interesses pessoais, a ganância e o orgulho de cada um.

Nem vou gastar tempo e espaço, citando textos isolados, recomendo a leitura direta para este assunto, as cartas de Paulo a Timóteo e o seu discurso aos anciãos de Éfeso em Atos 20:17-37.

Fonte: Pr. Genivaldo Tavares de Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário