15 agosto 2013


Lição 07 - "A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS"  


TEXTO ÁUREO:

Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor (Fp 3.1a).


VERDADE PRÁTICA

 Para quem ama a Deus o mais importante é ter um coração renovado pela ação do Espírito Santo.

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

            O assunto desta lição diz respeito à atualidade dos conselhos paulinos. Talvez a melhor introdução a este tema bíblico seja outra epístola que Paulo escreveu — a carta aos Gálatas. Negativamente falando, seu propósito maior nessa epístola foi lidar com o que ele chamou de "outro evangelho" — “o qual, disse ele, não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo" (Gl 1: 6,7). No lado positivo, o maior interesse de Paulo era reafirmar nas mentes dos Gálatas qual era o verdadeiro evangelho.

            Qual era a diferença? Como podemos distinguir entre os dois? Como é que se reconhece um evangelho falso— uma religião falsa comparada com o evangelho verdadeiro de Cristo?

            Em resumo, Paulo responde a estas perguntas em uma breve seção da carta aos Filipenses. Obviamente, como indicam os parágrafos anteriores desta epístola, os cristãos Filipenses não estavam tendo o mesmo problema dos gálatas. Mas, na opinião de Paulo, estar prevenido é estar armado de antemão. Assim, ele preveniu estes cristãos a que também estivessem em guarda.

            Como cristãos, devemos ser participantes no evangelho, unidos pelo evangelho e viver pelo evangelho. Devemos por de lado ambições egoístas e disputas insignificantes para preservar a nossa harmonia, para que possamos nos unir em volta de nossa mensagem e propósito únicos, e para que possamos efetivamente apresentar o direto e inflexível evangelho a essa geração desonesta e sem moral.

            Contudo temos que tentar manter a harmonia em nossa comunidade a todo custo, porque o único fundamento sério para a unidade é uma teologia bíblica comum. Temos que por de lado nossas diferenças pessoais pelo bem do evangelho sem ignorar as nossas diferenças teológicas. Se não existe unidade teológica, então não há verdadeira unidade. Por outro lado, se a teologia que afirmamos não é consistente e compreensivelmente bíblica, então qualquer unidade à sua volta é ilusória e inútil. Teologia é a coisa mais importante em uma comunidade, porque é a teologia que define a comunidade e seu propósito, em primeiro lugar. No Jornal Mensageiro da Paz/CPAD, Nº 1515, Agosto/2011, p 6., está registrado o credo religioso da Assembléia de Deus no Brasil, onde na crença dessas afirmações teológicas, nos identificamos como comunidade evangélica.

            Portanto, além de praticar a abnegação para preservar a unidade da nossa comunidade em volta de uma teologia bíblica, devemos guardar a nossa teologia contra a corrupção, para que os próprios alicerces da nossa comunidade não sejam destruídos. A falsa doutrina pode se espalhar como gangrena se for deixada sem controle (II Tm 2:17), como “um pouco de fermento leveda toda a massa” (Gl 5:9). Os líderes da igreja devem prevenir a corrupção doutrinária ensinando regularmente a doutrina bíblica ao povo, e repetidamente alertando-os quanto à falsa doutrina. Isso sumariza seus deveres primários. 

Mas uma vez que os líderes da igreja identificarem a intrusão de falsa doutrina na comunidade, e se a persuasão com gentileza falhar em corrigir isso, então eles devem repreender duramente os transgressores na esperança de que eles possam retomar a saúde na doutrina e prática (Tt 1:13). Se os transgressores se recusarem ao arrependimento, então os líderes têm que removê-los da comunidade da igreja (ITm 1:20). As Escrituras condenam como cúmplices aqueles que receberem ou apoiarem hereges.

            Paulo não diz que hereges são meramente aqueles com uma “perspectiva diferente”, nem ele fala alguma coisa absurda como Deus revelar verdades a pessoas de diferentes persuasões religiosas, de forma que nosso entendimento total aumentaria se simplesmente nos uníssemos numa troca e diálogo amigáveis. Ele não diz que deveríamos ser “mente aberta e tolerantes”, ou que deveríamos “celebrar a diversidade”. Ele não fala essas coisas! Antes, aqueles que se opõe ao verdadeiro evangelho são cães, e sobre esse grupo de hereges em particular, com referência a circuncisão, ele escreve: “Quanto a esses que os perturbam, quem dera que se castrassem” (Gl 5:12).

            O objetivo deste estudo é trazer algumas informações,colhidas dentro da literatura evangélica, com a finalidade de ampliar a visão do sobre a atualidade dos conselhos paulinos. Não há nenhuma pretensão de esgotar o assunto ou de dogmatizá-lo, mas apenas trazer ao professor da EBD alguns elementos e ferramentas que poderão enriquecer sua aula.

A ALEGRIA DO SENHOR

            Paulo, ao escrever os pequenos quatro capítulos de uma carta aos filipenses, usou 16 vezes a palavra “alegria” com o sentido de “regozijo”. Isto deve nos impressionar, porque aponta para a alegria como lugar de importância espiritual na vida cristã. Compreender a origem dessa alegria e a forma como ela se manifesta em nossa vida, é um importante destaque para hoje. Pelo viver alegre, identificamos a autenticidade da nossa fé em Jesus.

            Importante, então, é buscar o sentido dessa palavra. Não estamos falando do que conhecemos por felicidade, mas sim de algo que brota do nosso interior e que não se deixa abalar por circunstância alguma. Um exemplo para nos ajudar é olhar para o que acontece lá no fundo do mar. Mesmo que haja tempestades na superfície, enormes ondas a balançar as embarcações, se um mergulhador descer alguns metros vai encontrar águas calmas, peixes se alimentando e a vegetação em crescimento. Na superfície, tumulto. Nas profundezas, paz. Assim é a alegria que Jesus nos prometeu e que brota do relacionamento com Ele.

            “Finalmente, meus irmãos, alegrem-se no Senhor” (Fp 3:1), conselho que se estende a todos os leitores da epístola, ou seja, a nós. Como fazer para identificar esta alegria, que nos foi concedida juntamente com a presença do Espírito Santo? Vamos apontar algumas idéias, sem a pretensão de esgotar o assunto. Cada um pode e deve aumentar esta lista e compartilhá-la com aqueles que o cercam.

            Em primeiro lugar, a alegria brota quando nos libertamos da idéia de que temos que ter alguma coisa ou fazer alguma coisa para obtê-la. Vejamos o exemplo do apóstolo Paulo, que ainda estava rodeado de judeus que defendiam a idéia de que era necessário à circuncisão para complemento da salvação. Paulo, nesta carta, identificou uma série de elementos que ele possuía e que não eram essenciais à vida cristã. “Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo” (Fp 3:7)

            Em segundo lugar, se quisermos ser alegres devemos ser “achados” em Cristo. Em 3:9 lemos: “e ser achado nEle, não tendo justiça própria, que procede da lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé”. Para explicar bem este ponto, que “é o cerne da doutrina paulina de salvação em Cristo”, o Dr. Russell Shedd nos traz uma boa ilustração. Um mendigo, certa vez, quando perambulava na margem de um rio, caiu na água profunda. Passava por ali um homem que, ao vê-lo naquela situação de perigo, largou seus pertences de lado e salvou-lhe a vida. O mendigo, alcoolizado, tentava agradecer àquele homem com palavras de “muito obrigado” e coisa semelhante. O homem buscou um cartão onde havia seu endereço e disse ao ainda alcoolizado: se precisar de alguma coisa, dirija-se a este endereço. Cessado o efeito do álcool, o mendigo sentiu muita fome.

Procurou por comida, sem êxito, mas, ao revirar o bolso para ver se encontrava dinheiro, segurou o cartão recebido. Olhou o endereço e em pouco tempo estava diante de uma enorme e linda casa. Tocou a campainha e um empregado o recebeu, com um sorriso. Entrou e, ainda deslumbrado com o que o rodeava, encontrou o homem que havia caído no rio para salvá-lo. O homem estendeu-lhe a mão e, com um sorriso, disse: você deve estar querendo um café. Providenciou uma farta refeição, ofereceu-lhe roupas limpas, banheiro para uma higiene perfumada e, em seguida, falou: se você quiser ficar algum tempo aqui, pode usar o quarto de hóspedes. Que maravilha! Uma pessoa que nunca havia possuído uma casa, de repente se encontra com todo aquele conforto. Havia mais: o anfitrião sempre tinha tempo para conversar com ele, parecia nunca ter pressa. Passavam muito tempo trocando idéias, simplesmente tendo comunhão.

            Com todo este apoio, o ex-mendigo se recuperou dos vícios e desejou trabalhar. Um dia, alguém se aproximou dele e quis saber o que ele fazia naquela linda casa. A resposta foi: estou conhecendo aquele que me salvou a vida. Nesta resposta está o ponto que Paulo quis que soubéssemos. Um dia, Jesus nos salvou a vida. Se você ainda não sabe do que estou falando, refiro-me ao dia em que, ao reconhecer em Jesus Cristo o próprio Deus, o convidei a ocupar a minha vida e a me levar a Deus. Pois bem, nesse dia Jesus veio a ser o nosso salvador, aquele que arrancou de mim a impossibilidade de ver a Deus; assim como a história do mendigo, foi o momento quando o homem que passava o tirou da morte no rio.

No entanto, se quiser ter alegria, preciso conhecer meu salvador. Ele também tem todo o tempo para estar ao meu lado, para nos ajudar nesse processo de comunhão. Quanto mais nós O conhecermos, mais desfrutaremos da alegria plena, seremos vitoriosos nas lutas e não nos envolveremos com uma religiosidade aparente ou falsa.
           
A TRÍPLICE ADVERTÊNCIA CONTRA OS INIMIGOS

Paulo parece iniciar este parágrafo com um tom de algo final, como se ele estivesse prestes a encerrar a carta com uma última exortação positiva de regozijo no Senhor. O Espírito Santo, porém (como obviamente fez em outras ocasiões em que Paulo escreveu), parece ter levado Paulo a explicar algo que, evidentemente, ele havia escrito antes aos Filipenses. Ele sentiu-se guiado a preveni-los contra falsos mestres que pregavam "outro evangelho". Ele o fez comparando o falso com o verdadeiro.

Ele falou muito diretamente aos seus companheiros cristãos que se estavam deixando enganar pelos falsos mestres (veja Gl 3:1). Tal fato não refletia "falta de amor", mas era evidência do quanto ele realmente os amava. O verdadeiro teste do amor é se as pessoas nos deterão ou não quando nos encontramos seguindo na direção errada. Por vezes são necessárias palavras fortes, como as que todo pai conhece, para que as pessoas saibam o que está sendo dito e reconheçam quão sério é o problema.

Em essência, Paulo escreveu que os falsos mestres têm o homem como centro de sua filosofia religiosa. Ele usou linguagem forte para descrevê-los: chamou-os de "cães", "maus obreiros", e "falsa circuncisão".

Estes termos descritivos um tanto duros podem chocar o leitor! Porém refletem a angústia e a infelicidade de Paulo com homens que deliberadamente levavam o povo para longe do caminho certo. Seu amor profundo e leal à seus companheiros cristãos muitas vezes o levava a falar contra indivíduos que pregavam um "evangelho falso", por motivos egoístas.

Há várias possibilidades quanto ao porquê de ele ter usado a palavra cães. É assim que os judeus auto-justificados chamam aos gentios. Uma vez que Paulo, nesse momento, falava a respeito de judeus, talvez ele estivesse "invertendo as posições". Lembre-se que Paulo era judeu, e como acontece com cada grupo étnico, "é preciso ser um deles para reconhecê-los".

Ou, talvez Paulo deixasse subentendido que homens que desviam o povo em assuntos religiosos não são mais sensíveis do que animais egoístas que andam ao redor devorando outros. Repito, talvez ele estivesse relacionando o conceito de "cães" mais especificamente com a frase "falsa circuncisão" — homens que, literalmente, gostavam de dilacerar a carne humana através de uma perversão do rito da circuncisão. O uso que Paulo faz das palavras aqui no original é altamente significativo. R. P. Martin ressalta que o apóstolo refere-se "à prática da circuncisão; mas Paulo não lhe dá o nome adequado 'perítome'. Antes, usando um jogo de palavras, ele a chama de um mero corte. 'katatome', isto é mutilação do corpo semelhante às práticas pagãs de Lv 21:5. A mesma ironia é aplicada aos judaizantes em Gálatas v. 12, onde 'apo-kopteiri “cortar” refere-se ao seu interesse no ato físico da circuncisão, e ironicamente significa também 'castrar'. O nome verdadeiro 'perítome' é reservado para os cristãos que são da verdadeira circuncisão."

Seja o que for que Paulo quis dizer especificamente, uma coisa é clara: ele estava muito desgostoso com os que deliberadamente pregavam um falso evangelho. Tão forte era seu sentimento a esse respeito que, quando ele escreveu aos gálatas, pronunciou juízo eterno sobre todos os que praticassem tal coisa, inclusive sobre si mesmo e também sobre seres espirituais: "Mas ainda que nós, ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema" (Gl 1:8, 9).

Em resumo, os falsos mestres podiam ser reconhecidos pelo fato de apresentarem uma salvação centralizada no homem. Este é um sistema de obras: o que o homem faz para herdar a vida eterna está no centro de sua mensagem. Para esclarecer isto, Paulo disse como reconhecer os que têm a verdadeira mensagem de Cristo.

A VERDADEIRA CIRCUNCISÃO CRISTÃ

Em Fp 3:3, Paulo falava da verdadeira circuncisão. "Porque nós1', escreveu ele, "é que somos a circuncisão."

Por que é isto verdadeiro? Por que essa linguagem? Paulo deu três razões. Primeiro os da verdadeira circuncisão "adoram a Deus no Espírito", não mediante um rito humano. Paulo lembrou aos romanos que judeu não era um verdadeiro judeu se o fosse "apenas exteriormente". Pelo contrário, disse ele, "judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus" (Rm 2:28,29). Em outras palavras, Deus não reconheceria a validade do ato da circuncisão, até mesmo no Antigo Testamento, a menos que esse ato refletisse uma realidade interior e sacrifício do coração.

Segundo, os da verdadeira circuncisão gloriam-se "em Cristo Jesus" e não nas realizações humanas. O evangelho falso diz que o homem pode salvar-se pelo que faz; overdadeiro evangelho ensina que o homem é salvo apenas pelo que Deus já fez mediante Jesus.

Em outra ocasião Paulo tomou este ponto claro: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie" (Ef 2:8, 9).

Terceiro os da verdadeira circuncisão não confiam "na carne". Novamente Paulo acentua a verdade de que a salvação é pela graça, mediante a fé. Nada que o homem possa fazer salvará sua alma. Soma alguma de rituais, conformidades externas ou atividades humanas podem tomar o homem bom o suficiente para chegar à presença de Deus como uma pessoa justificada.

Estas, portanto, são as marcas da "verdadeira circuncisão" — circuncisão do coração. Paulo disse que os da verdadeira circuncisão podem ser reconhecidos por pregarem este tipo de evangelho — o evangelho que temCristo como o centro. 

Não apresentam uma fórmula humana para a salvação, antes, uma fórmula divina— "que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo" (II Co 5:19). O homem não ousa nem pode receber o crédito por sua salvação. Antes, ele deve desistir de toda honra e glória entregando-as a Jesus Cristo. E que melhor fonte de verificação desta verdade do que o próprio Paulo?

Enquanto Paulo escrevia este parágrafo, ele parecia dizer: "Se vocês desejam um bom exemplo da perspectiva da religião centralizada no homem, olhem para mim! Com efeito, desafio a qualquer pessoa a medir-se comigo — tanto em herança quanto em realizações!". "Circuncidado ao oitavo dia", pois antes que ele pudesse fazer algo por si mesmo, seus pais haviam cumprido a letra da lei (Lv 12:3). Além disso, disse ele, sou "da linhagem de Israel". Ele não era prosélito, não era convertido ao Judaísmo; ele fazia parte da raça escolhida por nascimento. Mais ainda: ele pertencia à "tribo de Benjamim" — a tribo que era altamente respeitada em Israel por causa de sua inusitada fidelidade à lei de Deus. O primeiro rei de Israel, Saul, também foi benjamita.

"Tudo isso", disse Paulo, "é meu por herança." Ele nada havia feito para merecê-lo. Ele simplesmente recebeu esta posição pelo fato de ter nascido numa raça e família religiosas. Paulo não era um hebreu comum, mas "hebreu de hebreus". Ele havia dado o duro para chegar a ser um afamado erudito, um homem de letras e de alta cultura. Ele falava hebraico e aramaico, um sinal de distinção em Israel. Como o benjamita chamado Saul, que fisicamente se sobressaía acima de seus contemporâneos, Saulo de Tarso (embora de pequena estatura, sem dúvida) tinha proeminência sobre seus pares na estatura religiosa. Além disso, Paulo era fariseu, o que representava a seita mais conservadora do Judaísmo. Sob Gamaliel, renomado mestre, Paulo aprendera os detalhes da lei de Moisés, juntamente com as tradições que foram acrescentadas com o correr dos anos.

A prova da dedicação de Paulo à vida farisaica e prática era sua atitude para com os cristãos. Ele se tornou um perseguidor ativo dos que criam em Cristo. Em outra ocasião ele escreveu: "Porque ouvistes qual foi o meu proceder outrora no judaísmo, como sobremaneira perseguia eu a igreja de Deus e a devastava" (Gl 1:13).

Finalmente, Paulo termina sua impressionante lista de realizações com o que todo judeu sério buscava — "justiça legalista". Eu era "irrepreensível", escreveu ele. O que se esperava dele, ele o fazia. Pela avaliação do homem, ele havia atingido o ideal.

Assim Paulo podia gabar-se, como nenhum outro judeu, de sua herança religiosa e de suas realizações. Se o homem pudesse ser salvo pelas obras, ele o tinha alcançado. Ele havia feito tudo!

Mas Paulo teve um rude despertar. No caminho de Damasco, para onde ia com o fim de lançar os cristãos na cadeia, encontrou-se com o Senhor Jesus Cristo, aquele a quem estava perseguindo (At 9:1-6). De súbito, miraculosamente e para sua vergonha, ele descobre que tudo o que antes havia feito não o tinha levado para mais perto de Deus ou do céu. Essa descoberta mudou o rumo de sua vida, tanto na terra como eternamente.

Quando Paulo se converteu, sua experiência religiosa e mensagem passaram da centralização no homem para a centralização em Cristo. Com efeito, neste parágrafo final ele menciona a Jesus Cristo cinco vezes para descrever seu relacionamento com Deus; no parágrafo anterior ele falou somente de sua herança e de suas realizações. Ao concluir esta seção de sua carta, Paulo avalia a experiência passada, e descreve sua nova fonte de justiça. Finalmente afirma seus objetivos como cristão.

Paulo avaliou sua herança religiosa e suas realizações com uma linguagem fortemente negativa. Para ele tudo fora uma perda total. Ele considerava toda a sua herança e todas as suas realizações "como perda" (3:8).

Paulo disse isto não por ter sido a maioria das coisas más em si mesmas, mas porque impediam seu relacionamento pessoal com Deus. Além disso, sua experiência do conhecimento de Cristo era tão maior e tão mais significativa que ele estava disposto a desistir de tudo, sua cidadania, seu status, seus amigos e sua riqueza por esta nova experiência. Ele o disse em termos decisivos: "Considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Jesus Cristo meu Senhor" (3:8). Mas havia outro fator que levou Paulo a usar uma linguagem assim tão negativa para descrever sua experiência passada. Seu zelo contra os cristãos havia sido tão ardente que ele disse e fez coisas que lhe assolaram a memória até ao dia em que morreu. Ele jamais se esqueceu de suas terríveis atitudes e procedimento para com os cristãos. Assim, escrevendo aos coríntios, ele disse: "Porque eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a igreja de Deus" (ICo 15:9). Embora seus pecados tivessem sido totalmente perdoados, as cicatrizes emocionais jamais foram apagadas.

Quando Paulo se converteu, descobriu uma nova fonte de justiça, não a justiça "que procede da lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé" (Fp 3:9). Esta, é claro, era a verdadeira justiça porque, disse Paulo ao escrever aos Gálatas "por obras da lei ninguém será justificado" (Gl 2:16).

Antes de se encontrar pessoalmente com Jesus Cristo, Paulo era um homem perdido. Sua circuncisão não tinha valor; não passava de um ritual. Ser membro da raça escolhida não o tomava membro da família de Deus. Ser benjamita e hebreu de destaque representava apenas uma posição social e não espiritual. Seu grande conhecimento da lei apenas o tomava mais cônscio do pecado e do conflito interior que lhe devastavam a alma (Rm 7:7-13).

A "justiça legal" de Paulo era como "trapos da imundícia" na presença de Deus (Is 64:6). Mas agora Paulo podia reivindicar com confiança uma justiça verdadeira — a que vinha da fé separada das obras. Pela primeira vez na vida, depois de todas as suas realizações religiosas, ele percebe que todos os homens — tanto nos dias do Antigo Testamento, como nos do Novo — eram justificados pela fé e não pelas obras da lei (Rm 4:1-8).

CONCLUSÃO

A experiência de Paulo com a religião centralizada no homem representa milhões de pessoas hoje em dia que diligentemente procuram tornar-se dignas do céu. O esforço humano, fazer algo para merecer o céu, é uma característica de todas as religiões e seitas não cristãs. Desde o Hinduísmo, Budismo, e Islamismo à Ciência Cristã, Mormonismo, Armstronguismo e Russelismo (Testemunhas de Jeová), todospossuem uma coisa em comum: salvação baseada primeiramente nas obras.

Há também os que se envolvem com várias formas de Cristianismo histórico e que confiam nas obras para a salvação. Como Paulo, antes de sua conversão, baseiam a salvação na herança religiosa e nas realizações. Se lhes perguntássemos se são crentes, poderiam dizer: "É claro que sou crente! Fui batizado na igreja." Ou: "Nasci em um lar cristão; sempre fui cristão."

Do ponto de vista da realização, poderiam dizer: "É claro que sou bom crente. Vou à igreja todos os domingos." Ou: "Leio a Bíblia e oro todos os dias." Ou: "Ninguém é perfeito, mas guardo os Dez Mandamentos da melhor maneira que posso." Ou: "Dou 10% do meu dinheiro para a igreja."

Em geral, estas práticas são boas e corretas. O crentedeve ler a Bíblia e orar. Deve dar seu dinheiro para a obra de Deus, conforme sua prosperidade. Deve ir à igreja e aprender da Palavra de Deus e da comunhão com outros crentes. Eledeve ser batizado, não para a salvação, mas para demonstrar aos outros sua experiência de conversão. Infelizmente, porém, muitos confiam que estas coisas hão de levá-los ao céu. Há apenas um caminho para o céu: crer em Jesus Cristo e recebê-lo como Salvador pessoal (At 16:31; Jo 1:12).

 Subsídio para o Professor

INTRODUÇÃO

Sem dúvida nenhuma, os conselhos do apóstolo Paulo contidos em Fp 3:1-10 são bastante atual, oportuno e urgente. Como ocorria na igreja de Filipos, em nossos dias, a verdade de Deus tem sido atacada. Esses ataques não vêm apenas dos insolentes críticos da fé cristã, mas daqueles que se infiltram na igreja, com falsa piedade e perigosas heresias. Estamos vendo, com profunda consternação, a igreja evangélica brasileira deixando o antigo evangelho, o evangelho da cruz, para abraçar um evangelho híbrido, sincrético e místico. Um evangelho centrado no homem, e não na consumada e bendita obra de Cristo. Precisamos também nos acautelar!

I. A ALEGRIA DO SENHOR

“… Alegrai-vos no Senhor…”(Fp 3:1. Como já disse no inicio deste trimestre, a nota dominante em toda a carta aos FIlipenses é a alegria triunfante. Paulo, embora fosse um prisioneiro, era muito feliz, e incentivava e ainda incentiva seus leitores a sempre a alegrarem-se em Cristo. Aliás, a alegria aqui não é um substantivo é um verbo, que está no imperativo: “alegrai-vos“, isto porque o evangelho que nos alcançou é “nova de grande alegria”, o reino de Deus que está dentro de nós é alegria no Espírito Santo, o fruto do Espírito é alegria, e a ordem de Deus é “alegrai-vos. E mais, a alegria do cristão não é um sentimento, é uma pessoa: o Senhor Jesus. Por isso, Paulo diz : “Alegrai-vos no Senhor“. Quem tem Jesus, experimenta essa verdadeira alegria; Quem não tem Jesus, pode ter momentos de alegria, mas não a alegria verdadeira.
A verdadeira alegria não se confunde com momentos felizes. A felicidade é frequentemente confundida com a alegria, mas as duas são muito diferentes. A alegria cristã vem de conhecer e confiar em Deus; a felicidade vem como resultado de circunstâncias favoráveis. A alegria cristã não é ausência de problemas nem circunstâncias favoráveis; a alegria cristã é duradoura, é ultracircunstancial; podemos sentir alegria apesar dos nossos problemas mais profundos; a felicidade é temporária, porque ela é baseada em circunstâncias externas. A alegria cristã está centrada não em coisas ou situações, mas na Pessoa de Cristo; Ele é a nossa alegria; nossa alegria é cristocêntrica!
Paulo era capaz de se alegrar apesar de seu sofrimento porque ele conhecia e confiava em Deus. Ele não deixava que as circunstâncias adversas o desanimassem. Para permanecermos alegres, devemos nos lembrar, constantemente, do amor de Deus por nós e da nossa vida definitiva com Ele no Céu. A alegria de conhecer a Cristo mantinha Paulo equilibrado, não importando quais fossem as suas circunstâncias, boas ou ruins (ler Fp 4:12). Paulo nunca se cansava de dizer isto aos crentes de Filipos, porque era para o próprio bem deles. Uma atitude de alegria ajudaria os crentes a se guardarem contra as práticas sobre as quais Paulo tão intensamente advertia: dissensão, murmuração, e atitudes de superioridade. Se perdermos a alegria do Senhor, estaremos suscetíveis a estas atitudes. A alegria atua como uma barreira contra elas. Ela garante a segurança da nossa esperança cristã.


II. A TRÍPLICE ADVERTÊNCIA CONTRA OS INIMIGOS (Fp 3:2-4)

Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão! Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus no Espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne“(Fp 3:2,3).
Paulo adverte os crentes a se guardarem de um grupo de pessoas em particular que ele descreveu usando três termos depreciativos diferentes: cães, maus obreiros e circuncisão. É provável que essas três expressões se refiram ao mesmo grupo de homens: os falsos ensinadores, que procuravam submeter os cristãos ao judaísmo e ensinavam que só haveria justificação para quem guardasse a lei e seus rituais.

1. “Guardai-vos dos cães”Em primeiro lugar, tais ensinadores eram ”cães”. Na Bíblia, os “cães” são animais imundos. Esse termo era usado pelos judeus para descrever os gentios. Nas terras do Oriente, os cães eram criaturas sem lar e, como não tinham dono, viviam nas ruas procurando alimento onde pudessem. Paulo vira o feitiço contra o feiticeiro, aplicando a alcunha de “cães” aos falsos ensinadores do judaísmo que procuravam corromper a Igreja. Eles viviam à margem da Igreja, procurando sobreviver de rituais e de cerimônias. “Apanhavam migalhas quando podiam estar assentados dentro da festa”.

2. “Guardai-vos dos maus obreiros”. Em segundo lugar, aqueles ensinadores eram “maus obreiros”. Eles eram obreiros da iniquidade (Lc 13:27) e obreiros fraudulentos (1Co 11:13). Desviavam a atenção de Cristo e de Sua redenção perfeita e a fixavam em rituais ultrapassados e em obras humanas. Eles trabalhavam contra Deus e para desfazerem a obra de Deus. Laboravam para o erro e para desviarem as pessoas da verdade. Para esses mestres judaizantes, agir com justiça era observar a lei e segui-la em seus múltiplos detalhes e cumprir suas inumeráveis regras e prescrições. Mas Paulo estava seguro de que a única classe de justiça que agrada a Deus consiste em render-se livremente à Sua graça.

3. “Guardai-vos da circuncisão”. Em terceiro lugar, Paulo se referem a esses ensinadores como homens da “circuncisão” ou da “falsa circuncisão“(ARA). Esses ensinadores que se diziam cristãos de origem judaica erroneamente acreditavam que era essencial que os gentios seguissem todas as leis do Antigo Testamento, dizendo que os crentes gentios tinham que ser circuncidados para que pudessem ser salvos. Esses mestres judaizantes trocaram a graça de Deus por um rito físico. Eles queriam inserir na mensagem do evangelho a obrigatoriedade da circuncisão como condição indispensável para a salvação (At 15:1). Assim, a salvação deixava de ser pela fé somente e passava a depender do esforço humano. Eles se vangloriavam de uma incisão na carne, em vez de uma mudança no coração. Eles cortavam o prepúcio do órgão sexual masculino, porém não cortavam o prepúcio do coração. Paulo escarnece dessa falsa confiança deles no rito da circuncisão, em vez de confiarem na graça de Deus.

Paulo, mesmo sob algemas, não cala sua voz. Ele denuncia e desmascara esses mestres com veemência como já fizera outras vezes (Gl 1:6-9; 3:1; 5:1-12; 6:12-15; 2Co 11:13). A preocupação de Paulo era que nada ficasse no caminho da verdade simples de sua mensagem: que a salvação, para judeus e gentios igualmente, vem somente através da fé em Jesus Cristo. E a igreja primitiva já tinha confirmado o ensino de Paulo no Concílio de Jerusalém, há onze anos (veja At 15).

III. A VERDADEIRA CIRCUNCISÃO (Fp 3:3)

Assim como Paulo fez uma tríplice descrição dos falsos mestres, também faz uma tríplice identificação do povo de Deus. Os falsos mestres queriam tornar o cristianismo uma seita judaica. Eles ensinavam que a salvação dependia da circuncisão, anulando, assim, a suficiência do sacrifício de Cristo. Pregavam que a graça de Deus não era suficiente para a salvação e que o homem tinha de concorrer e cooperar com Deus nessa obra, circuncidando-se. Paulo refuta vigorosamente essa heresia, mostrando que a verdadeira circuncisão não é aquela feita na carne, mas a circuncisão do coração, operada pelo Espírito Santo de Deus. A Igreja, e não os falsos mestres, é que possui a verdadeira circuncisão. Paulo diz: “Porque nós é que somos a circuncisão…” (Fp 3:3).

1. A circuncisão no Antigo Testamento. No Antigo Testamento, a circuncisão tinha sido um sinal e selo da aliança ou pacto que Deus fez com Abraão e seus descendentes - “Disse mais Deus a Abraão: guardarás a minha aliança, tu e tua descendência no decurso das suas gerações. Esta é a minha aliança, que guardareis entre mim e vós e a tua descendência: todo macho entre vós será circuncidado. Circuncidareis a carne do vosso prepúcio; será isso por sinal de aliança entre mim e vós“ (Gn 17:9-11-ARA).  Era, portanto, um sinal físico para o povo de Deus do seu relacionamento com o Senhor. Também, era um meio de fazer o povo de Deus, os judeus, lembrar-se das promessas que Deus lhe dera, e das suas próprias obrigações pessoais ante a aliança (Gn 17:14). Esse ato tinha também uma aplicação espiritual, porque a marca física deveria ser o sinal de um relacionamento espiritual com Deus - “E o SENHOR, teu Deus,circuncidará o teu coração e o coração de tua semente, para amares ao SENHOR, teu Deus, com todo o coração e com toda a tua alma, para sempre” (Dt 30:6).

2. A verdadeira circuncisão não deixa marcas físicas. Em determinada época, o sinal físico de circuncisão separou o povo de Deus, os judeus, dos gentios. Depois de Jesus Cristo, todas as pessoas podem fazer parte da família de Deus, crendo em Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Os cristãos autênticos são os únicos verdadeiros circuncidados.
Diz o apóstolo Paulo: “Porque nós é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no Espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne” (Fp 3:3). Nós [os cristãos autênticos] é que somos a circuncisão - não aqueles que por sorte nasceram de pais judeus nem os que são circuncidados fisicamente, mas aqueles que reconhecem que a carne para nada aproveita, que o homem, na própria força, nada pode fazer para conseguir um sorriso de aprovação de Deus. A verdadeira circuncisão não deixa marcas físicas.
Para aqueles que fazem parte da verdadeira circuncisão, o apóstolo Paulo apresenta três características:

a) Adoramos a Deus no Espírito (Fp 3:3b). O povo de Deus é identificado pela adoração. Os crentes adoram por meio do Espirito de Deus e no Espirito de Deus. O Espirito Santo, que é a terceira Pessoa da Trindade, é vital para todos os aspectos da nossa vida cristã. A igreja adora a Deus e o faz mediante a ação do Espírito Santo. Toda adoração que não é prestada a Deus é idolatria; toda adoração oferecida a Deus sem a ação do Espírito não é aceitável por Ele. A adoração é sempre inspirada pelo Espirito Santo.

b) Nos gloriamos em Cristo Jesus (Fp 3:3c). A palavra traduzida como “gloriar-se” também poderia ser traduzida como “exaltar”. Paulo explicou que os verdadeiros cristãos exultam, não em suas obras, como se de alguma forma salvassem a si mesmo, mas somente em Cristo Jesus. Somente Ele é a base de nosso regozijo. O povo de Deus se gloria na cruz de Cristo, isto é, em sua expiação, como a única base para a sua salvação. O Senhor é o objeto da exultação dos crentes. Portanto, aquele que se gloria, glorie-se no Senhor (1Co 1:31; 2Co 10:17).

c) Não confiamos na carne (Fp 3:3d). ”Carne” aqui é a natureza humana centrada em si mesma. Mesmo quando exerce a moral e a religião, o ser humano fica preso a seu eu, cultiva e o gloria, até mesmo quando cita o nome  de Deus. Na igreja de Filipos, os judaizantes estavam cofiados na “carne“, em rituais, em cerimônias externas, em realizações humanas. Eles dependiam de sua obediência à lei judaica, e especialmente à aliança da circuncisão, para torná-los aceitáveis a Deus.  Em contraste, os autênticos cristãos não colocavam a sua confiança em nada que fizessem ou deixassem de fazer, mas naquilo que Deus, através de Jesus Cristo, havia feito por eles. A igreja é um povo que põe sua confiança em Deus e sua fé na Pessoa bendita de Jesus Cristo.

CONCLUSÃO

Tenhamos cuidado para não perdermos a identidade de verdadeiros cristãos. Conservemos a sã doutrina, pois o Inimigo tenta macular a Igreja de Cristo mediante as heresias, modismos e costumes mundanos, através de influências externas e, principalmente internas. Sigamos o conselho de Paulo a Igreja de Filipos: “Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guarda-vos da falsa circuncisão” (Fp 3:2); e também a Timóteo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina…” (1Tm 4:16).











Nenhum comentário:

Postar um comentário