29 agosto 2013

Lição 09 - 01/09/13 "CONFRONTANDO OS INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO" 


TEXTO ÁUREO

“Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo” (Fp 3.18). – 

Obs.:“Esses inimigos eram, segundo a melhor interpretação, crentes professos que estavam corrompendo o evangelho com suas vidas imorais e falsos ensinos. Uma das razões da grandeza de Paulo era que ele possuía convicções firmes, cujo coração ficava muito intranquilo quando o evangelho era distorcido ou quando as pessoas a quem ele ministrava corriam perigo de deixar a fé (ver 3.2; Gl 1.9).”


VERDADE PRÁTICA

A cruz de Cristo é o ponto central da fé cristã: sem ela não pode haver cristianismo.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Filipenses 3.17-21.


            O assunto desta lição diz respeito aos inimigos da cruz de Cristo e como confrontá-los. O exemplo pessoal do apóstolo tornou-se a base para uma exortação geral aos Filipenses. Todos os crentes, até mesmo os maduros, jamais devem estar satisfeitos com seu nível presente de experiência e maturidade cristã. Acima de tudo, jamais devem sentir que já alcançaram o estado de perfeição.

            Alguns crentes confundem-se com o fato de a Bíblia falar de dois níveis de maturidade. Existe a maturidade suprema, o estado celestial final quando todos os crentes receberão corpos novos criados ã imagem de Cristo. A isto Paulo se referiu em Filipenses 3:12, 21.

            Mas também há um nível de maturidade reconhecível que pode ser alcançado enquanto na terra, uma maturidade que reflete certas características e qualidades. Provavelmente o perfil mais completo que reflete esta maturidade encontra-se em 1 Timóteo 3 e Tito 1, Paulo aqui apresenta qualidades dos anciãos. Um exame minucioso destas qualidades no contexto, entretanto, revela que estas características devem ser alvos para todos os crentes.

            Paulo também, uma vez mais, preveniu os crentes contra falsos mestres e pessoas com mentalidades mundanas. Com lágrimas a correr-lhe pelas faces, ele chamou a estes mundanos de "inimigos da cruz de Cristo" (Fp 3:18). Este é um lindo quadro das atitudes e ações de Paulo, até mesmo para com os não crentes que minavam sua obra se opondo a ela. Sua linguagem era forte, mas seu coração estava despedaçado. Enquanto chorava, ele especificou que "o destino deles é a perdição".

            Três coisas, disse Paulo, caracterizam os estilos de vida destes inimigos. Primeiro, "o deus deles é o ventre — eram glutões e beberrões; segundo, "a glória deles está na sua infâmia" —glorificavam a imoralidade e o procedimento sensual; e, terceiro, "só se preocupam com as coisas terrenas" —possuíam uma filosofia materialista de vida.

Este, dá a entender Paulo, é o "padrão deste mundo". Os crentes maduros e que crescem não permitem que sua vida se conforme com este padrão; antes, são "transformados" e "renovados". Então, disse Paulo, vocês poderão experimentar "qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12:2).

O objetivo deste estudo é trazer algumas informações, colhidas dentro da literatura evangélica, com a finalidade de ampliar a visão do sobre a presente lição. Não há nenhuma pretensão de esgotar o assunto ou de dogmatizá-lo, mas apenas trazer ao professor da EBD alguns elementos e ferramentas que poderão enriquecer sua aula.

EXORTAÇÃO À FIRMEZA EM CRISTO

Alguns crentes de Filipos devem ter estado bem certos de haverem atingido um nível supremo de maturidade. Pensavam já serem perfeitos. Indubitavelmente é por isso que Paulo contava sua própria experiência. Os Filipenses amavam e respeitavam este grande homem. Para um gigante espiritual como Paulo contar a estas pessoas as suas próprias fraquezas e seus alvos para o desenvolvimento espiritual, exerceria um impacto significativo sobre a perspectiva que elas tinham de seu próprio estado espiritual. Assim. Paulo exorta: "Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós" (3:17). Isto é, não pensem já estarem perfeitos. Esqueçam-se das coisas que para trás ficam e prossigam para o alvo para ganhar o prêmio—a suprema santificação.

Paulo prossegue exortando-os a imitar o exemplo de outros que seguiam este padrão de vida, assim como Timóteo e Epafrodito. Paulo já havia apresentado estes dois homens como exemplos admiráveis de maturidade cristã (2:19-30), mas ambos possuíam fraquezas humanas. Ambos possuíam problemas físicos e psicológicos que interferiam em sua eficiência—ainda que fossem líderes cristãos maduros.


No versículo 16 Paulo faz uma afirmação que parece, à primeira vista, um tanto obscura: “Todavia, andemos de acordo com o que já alcançamos." Talvez ele estivesse exortando os Filipenses a não se desviarem, a não irem ao extremo oposto e praticar a licença em vez do legalismo. Mas parece mais lógico, pelo contexto, concluirmos que Paulo se referia ao que freqüentemente acompanha o perfeccionismo legalista e a atitude de "mais santo do que os outros". Os que acreditam ter um pedaço da santidade de Deus, muitas vezes são mais causadores de divisão e altercadores.

Muitas vezes são inalcançáveis e em conseqüência disso, violam a própria verdade que propagam. Em contraste, Paulo disse em outra ocasião que os crentes maduros devem "repelir as questões insensatas". Eles sabem que este tipo de diálogo só engendra "contendas". Pelo contrário, disse Paulo, o crente maduro deve "ser brando para com todos, apto para instruir, paciente, disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade" (2 Timóteo 2:23-25).

OS INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO

            O legalismo não é o único inimigo da justificação pela fé pregada por Paulo, mas muitas falsos crentes tinham regeitado ou distorcido a doutrina de outra maneira, de forma que interpretavam a justificação pela fé como uma licença para pecar com impunidade. Isso é “ilegalidade” ou antinomianismo. Aqueles que promoviam essa heresia raciocinavam falsamente: “Se a justificação depende da graça de DEUS e não das minhas obras e se a graça de DEUS vai sempre exceder a minha perversidade, então isso significa que eu posso pecar tanto quanto quiser, e ainda serei salvo”.  Os sentimentos desses falsos crentes pareciam ser de uma espiritualidade tão alta que menosprezavam a carne como sendo mal, entretanto, tal espiritualidade era espúria. 

Segundo sua filosofia, não haveria necessidade de se obedecer à lei naquilo que diz respeito à carne, porque o espírito é tudo. Na verdade, ao espírito competia dominar seu contaminado sócio, o corpo. Tal atitude, no entanto, para com esse, ora descamba para o ascetismo, ora resvala para o libertinismo. Lá em Filipos, evidentemente, a inclinação foi para a última alternativa, ou seja, grosseira sensualidade. Tais idéias usadas como um caminho de vida são absolutamente alheias à verdade cristã. Paulo exorta os filipenses a seguirem seu exemplo (17) e a evitarem o dos antinomistas, em seu meio, porque os tais fazem deuses de seus apetites (19). O evangelho de Jesus Cristo, pregado pelo apóstolo aos filipenses, põe ênfase no que é espiritual e não no que é carnal, sobre as coisas celestiais e não sobre as terrenas.

            Na carta aos Romanos, Paulo antecipa esse abuso e responde: “Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma! (Rm 6:1,2). Mas porque não? Ele explica: “Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?”(v.2). Então isso é o que faz o antinomianismo incoscistente com a justificação pela fé – algo acontece conosco em nossa conversão que torna impossível para nós continuarmo em uma vida de pecado. As Escrituras dizem que fomos “regenerados” (Tt 3:5), e que fomos “nascidos de novo” (Jo 3:3). João escreve: “Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado (habitualmente); porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus.”(I Jo 3:9).

            Paulo diz que o cristão deve morrer “para o pecado”, e que “o pecado não os dominará” (Rm 6:14). Ele explica que visto que a graça nos libertou de sermos escravos do pecado, devemos parar de obedecer a ele. Mas a graça não nos deixa ser os nossos próprios senhores, porque ela nos fez “escravos da justiça” (Rm 6:18). Portando, ele diz:”pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para santificação” (Rm 6:19). Ao invés de levar ao antinomianismo, a justificação pela fé leva a um estilo de vida correto e torna impossível o antinomianismo.

            Quando DEUS salva uma pessoa, ELE a regenera pela mudança de sua disposição, de amor à maldade para amor à retidão, de amor ao egoísmo para amor por Cristo e de desafio contra DEUS para obediência à DEUS. DEUS concede a essa pessoa fé no evangelho de Cristo e sobre essa base DEUS a justifica em Cristo. Nossa regeneração e justificação não somente muda nosssa posição diante de DEUS, mas nos muda até o mais profundo nível do nosso consciente, produzindo uma mente e um estilo de vida piedoso. Não há modo de chegar ao céu como a nossa casa, senão por meio de Cristo, nosso Caminho. Os crentes verdadeiros, ao buscarem esta seguridade e ao glorificá-lo, procurarão mais de perto tentar parecer-se com Ele em seus padecimentos e morte, morrendo para o pecado e crucificando na carne suas paixões e concupiscências.

O FUTURO GLORIOSO DOS QUE AMAM A CRUZ DE CRISTO

"Não", disse Paulo, "não podemos jamais ser perfeitos enquanto vivermos nesta terra.
Mas podemos nos tomar mais e mais como Cristo se tivermos seu estilo de vida como nosso alvo, lutando por este ideal, segundo bons exemplos em vez de maus, e sempre mantendo uma atitude de aprendizado."

Mas a história não acaba aí. Algum dia todos os crentes estarão com Cristo e terão corpos "como o seu corpo glorioso". Esta foi a palavra final de Paulo aos Filipenses acerca de perfeição e santificação.

Paulo lembra aos Filipenses, uma vez mais, que sua cidadania realmente encontrava-se no céunão em Filipos como membros de uma colônia romana (1:27). O seu salvador não era o imperador romano, que, desde a época de Júlio César, era proclamado por alguns seguidores como "o salvador da humanidade"; pelo contrário, o Senhor Jesus Cristo era o seu Salvador. E verdade.

Cristo já os havia salvo de seus pecados; mas algum dia ele viria para tirá-los totalmente do mundo. O mesmo poder que capacitava a Cristo a "levar tudo sob seu controle" os transformaria em sua imagem. Este, disse Paulo, será nosso prêmio final e de maior valor ao término da corrida. Neste sentido, não haverá perdedores.

CONCLUSÃO

Os inimigos da cruz de Cristo não se importam de nada, senão de seus apetites sensuais. O pecado é a vergonha do pecador, especialmente quando se gloria nisso. O caminho dos que se ocupam das coisas terrenas pode parecer agradável, porém a morte e o inferno estão no final. Se escolhermos o caminho deles, partilharemos seu final.

A vida do cristão está no céu, onde está sua Cabeça e seu lar, e aonde espera chegar daqui a pouco; coloca seus afetos nas coisas de cima e onde estiver seu coração, lá estará seu tesouro.

Há glória reservada para os corpos dos santos, glória que se fará presente na ressurreição. Então o corpo será feito glorioso; não só ressuscitado para a vida, senão ressuscitado com maior vantagem. Note-se o poder pelo qual será efetuada esta mudança. Estejamos sempre preparados para a vinda de nosso Juiz; esperando ter nossos corpos vis mudados por seu poder todo-poderoso, e recorrendo diariamente a Ele para que faça uma nova criação de nossas almas para a piedade; para que nos livre de nossos inimigos e que utilize nossos corpos e nossas almas como instrumentos de justiça a seu serviço.

Subsídio para o Professor


Nesta Aula, veremos o zelo do pastor para com as suas ovelhas, pois o verdadeiro pastor é aquele que protege o rebanho dos falsos mestres. Paulo pregou a verdade e denunciou o erro; ele promoveu o evangelho e combateu a heresia. Não fazia relações públicas acerca da verdade para agradar as pessoas. Ele chamou os falazes mestres de “inimigos da cruz de Cristo”. O seu zelo pastoral o levava às lágrimas na defesa de suas ovelhas; ele se comovia ao perceber que algum perigo as ameaçava. A preocupação do apóstolo era que os falsos mestres(provavelmente judaizantes legalistas ou gnósticos) se aproximassem dos crentes filipenses. Esses falsos mestres eram considerados por Paulo "inimigos da cruz", pessoas que trabalhavam para esvaziar o sentido da Cruz de Cristo. Ele pede aos crentes de Filipos que lutem contra esses inimigos a fim de que não venham sucumbir na fé. Esta advertência de Paulo deve ser levado a sério pela igreja na atualidade, pois atualmente também muitos são os inimigos da cruz de Cristo.

I. EXORTAÇÃO À FIRMEZA EM CRISTO (Fp 3:17)

“Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós”(ARA).

1. Imitando o exemplo de Paulo (Fp 3:17a). Paulo encoraja os crentes de Filipos a buscarem a semelhança de Cristo seguindo o exemplo do próprio Paulo. Eles não deveriam seguir falsos mestres ou os inimigos da cruz (Fp 3:18). Em vez disso, como Paulo enfocava a sua vida em ser como Cristo, eles também deveriam fazer o mesmo.

Devemos estar cônscios de que Paulo jamais usaria de presunção para exortar os crentes de Filipos nestes termos, haja vista que ele sempre enfocou Jesus Cristo e rogou aos crentes para também seguirem o exemplo de outros que seguiam a Cristo. Portanto, Paulo rogou que os filipenses o imitassem como um guia prático de conduta. Na verdade, Paulo considerava-se receptor da misericórdia de Deus, cujo propósito era ser “padrão” para os demais cristãos. Ele era um paradigma para os crentes tanto na questão da doutrina quanto na questão da ética. Ele era modelo tanto na teologia quanto na vida. Seu ensino e seu caráter eram aprovados. Sua vida confirmava sua doutrina, e sua doutrina norteava a sua vida.  Assim, toda sua vida depois da sua conversão foi dedicada à tarefa de apresentar aos outros um esboço do que o cristão deve ser.

Deus salvou Paulo com a finalidade de mostrar ao mundo, pelo exemplo de sua conversão, que o que fez na vida dele também pode e fará na vida de outros. Você pode fazer o mesmo? Você está servindo de exemplo para aqueles que foram salvos pela graça de Deus? Que tipo de seguidor um novo cristão se tornaria se ele lhe imitasse?

2. O exemplo de outros obreiros fiéis (Fp 3:17b). “...observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós”. Aqui, Paulo está reconhecendo o valor da influência testemunhal de outros cristãos, cujas vidas eram baseadas na dele (aqueles crentes maduros mencionados em Fp 3:15). Isso faz referência a quaisquer outros que experimentassem a mesma qualidade de vida que Paulo. Em fim, os cristãos de Filipos deveriam observar a conduta dos fieis cristãos, tal como a de Timóteo, Epafrodito e outros, e aprenderem com eles, a fim de não se desviarem da fé. É claro que hoje temos o nosso compêndio doutrinário, o Novo Testamento, disponível à igreja. É dele que advém todas as diretrizes para que andemos como filhos e santos de Deus. Ele é infalível e imutável em seus ensinos. Ele é a bússola que nos conduz ao destino certo.

II. OS INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO (Fp 3:18,19)
“Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo.

“O fim deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles é para confusão deles mesmos, que só pensam nas coisas terrenas”.

1. Os inimigos da cruz de Cristo(Fp 3:18). Assim como em Filipenses 3:17 o apóstolo Paulo diz a quem os crentes devem seguir, no versículo 18 diz a quem não devem seguir. O apóstolo não identifica quem são esses inimigos da cruz de Cristo. Não diz se eram os falsos ensinadores judeus mencionados em Fp 3:2 ou se eram ensinadores que se diziam cristãos, mas transformavam a liberdade em licenciosidade e se serviam da graça como pretexto para pecar.

Paulo havia alertado os cristãos acerca desses falsos mestres, agora o faz outra vez, “até chorando”. Por que ele chorou ao fazer tão grande denuncia? Por causa do mal que esses falsos mestres causaram às igrejas de Deus. Por causa do opróbrio que trouxeram ao nome de Cristo. Por causa das vidas que arruinaram. Porque estavam ofuscando o verdadeiro significado da cruz. Sim, e também porque o verdadeiro amor chora quando denuncia os “inimigos da cruz de Cristo”, assim como o Senhor Jesus chorou pela cidade de Jerusalém.

2. ”O deus deles é o ventre” (Fp 3:19a). A expressão "o deus deles é o ventre" denota aqueles que adoram a carne através das práticas sensuais desenfreadas. Os “inimigos da cruz” viviam o aqui e o agora, e jamais pensavam na eternidade – “comamos e bebamos que amanhã morreremos”. Esta postura visava destruir o Evangelho e todo o progresso dele na vida dos filipenses. Além de sensuais, os falsos mestres invalidavam a suficiência da cruz de Cristo com suas atitudes degradantes e sem quaisquer escrúpulos. Paulo diz que para eles, não há outro destino, se não, o da perdição eterna, ou seja, a separação eterna de Deus, que é a segunda morte.

Segundo o rev. Hernandes Dias Lopes, os “inimigos da cruz de Cristo” vivem encurvados para o próprio umbigo. “Ventre”, neste versículo, vem da palavra “koilia”, que pode significar "útero" ou "umbigo". Assim sendo, Paulo pode estar simplesmente comentando o egocentrismo deles. Portanto, tudo quanto faziam era fixar os olhos no próprio umbigo. O deus deles eram eles mesmos. A vida deles eram centrada neles mesmos. Eram adoradores de si mesmos. Em vez de procurar manter seus apetites físicos sob controle (Rm 8:13; 1Co 9:27), compreendendo que nosso corpo é o templo do Espírito Santo, no qual Deus deve ser glorificado (1Co 6:20), essas pessoas se entregavam à glutonaria e à licenciosidade".

3. “A glória deles é para confusão deles mesmos” (Fp 3:19b). Os “inimigos da cruz de Cristo” se gloriavam de coisas das quais deviam se envergonhar: sua nudez e seu comportamento imoral. Eles escarneciam da virtude e exaltavam o opróbrio. Ao mal, chamavam bem, e ao bem, mal; faziam das trevas luz, e da luz, trevas; colocavam o amargo por doce, e o doce, por amargo (Is 5:20). Eles não apenas levavam a bom termo seus maus desígnios, mas ainda se vangloriavam disso. A glória desses falsos mestres era para “confusão deles mesmos”. A recompensa deles era fugaz. A decepção deles era certa. A ruína deles era veloz.

4. “que só pensam nas coisas terrenas”(Fp 3:19c). Para os “inimigos da cruz”, as coisas importantes da vida eram comida, vestimenta, honras, conforto e prazer. Comportavam-se como se fossem viver sobre a terra para todo o sempre. Esta história se repete atualmente. Concordo com o rev. Hernandes Dias Lopes ao dizer que “muitos líderes religiosos, sem temor, têm-se empoleirado no púlpito, usando artifícios e malabarismos, com a Bíblia na mão, arrancando dinheiro das pessoas, fazendo promessas que Deus não faz em Sua Palavra. Esses obreiros fraudulentos, sem nenhum escrúpulo, mercadejam o evangelho da graça, para alimentar a sua ganância insaciável. Hoje, a religião, para muitos, tem sido um bom negócio, uma fonte de lucro, um caminho fácil de enriquecimento. O mercado da fé tem produto para todos os gostos. A oferta é abundante. A procura é imensa. A causa é a ganância. A consequência é o engano. O resultado é a decepção. O fim da linha é o inferno”.

III. O FUTURO GLORIOSO DOS QUE AMAM A CRUZ DE CRISTO (Fp 3:20,21)

“Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”.

O apóstolo Paulo, depois demonstrar o seu zelo pastoral, alertando acerca dos “inimigos da cruz de Cristo”, lança o seu olhar rumo ao futuro e destaca três gloriosas verdades que são as âncoras de nossa esperança.

1.  O Céu é a nossa Pátria - “Mas a nossa cidade está nos céus” (Fp 3:20). O Céu é um lugar e um estado. É o lugar da morada de Deus e da sua Igreja resgatada, e um estado de bem-aventurança eterna, onde jamais entrarão a dor, a lágrima, o luto e a morte.  Enquanto os falsos mestres tinham os seus pensamentos voltados aos assuntos terrenos (Fp 3:19), os crentes deveriam desejar fervorosamente o seu Lar.

Na época em que a epístola foi escrita, Filipos era uma colônia de Roma (At 16:12). Desta feita, aqueles que moravam em Filipos tinham a sua cidadania romana, embora a maioria dos filipenses jamais tivesse estado na cidade de Roma. A cidadania romana era altamente estimada à época de Paulo. Os cristãos em Filipos, tão orgulhosos de sua cidadania romana (At 16:20,21), deveriam ter valorizado ainda mais a sua cidadania nos céus, onde o Senhor Jesus Cristo vive. Os crentes deveriam ter considerado a si mesmos como “peregrinos”, vivendo temporariamente em um pais estrangeiro, com o seu Lar em outro lugar. Um dia eles iriam experimentar todos os privilégios especiais de sua cidadania celestial, porque Cristo iria voltar como seu Salvador. Os crentes estão esperando o Salvador voltar do Céu para a Terra, em sua segunda vinda. Enquanto estavam na Terra, os crentes eram cidadãos de seu país (os filipenses eram cidadãos de Roma, estando, portanto, sob o governo de César); contudo, a lealdade absoluta deveria ser dedicada ao único Salvador verdadeiro, o Senhor Jesus Cristo, que governa nos céus, onde todos os crentes possuem a sua cidadania definitiva.

Somos peregrinos neste mundo, não somos daqui. Nascemos de cima, do alto, de Deus. O Céu é a nossa origem e também o nosso destino. O nosso nome está arrolado no Céu (Lc 10:20), está registrado no livro da vida (Fp 4:3). É isso que determina nossa entrada final no país celestial (Ap 20:15).

Por causa da expectativa de habitar em uma cidade superior, Abraão contentou-se em viver em uma tenda (Hb 11:13-16). Por causa da expectativa da recompensa do Céu, Moisés dispôs-se a abrir mão dos tesouros do Egito (Hb 11:24-26). Por causa da esperança de vivermos com Cristo no Céu, devemos buscar uma vida de santidade hoje (1Jo 3:3).

2. A segunda vinda de Jesus é a nossa esperança - “donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo”. A igreja é a comunidade da esperança. Somos um povo que vive com os pés no presente, mas com os olhos no futuro. Vivemos cada dia na expectativa da iminente volta de Jesus. Cada geração sucessiva da Igreja desfruta o privilegio de viver como se fosse a geração que haverá de saudar o retorno de Cristo. A esperança do regresso de Cristo tem poder purificador: “E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro”(1João 3:3).

3. A glorificação é a nossa certeza inequívoca - “Que transformará o nosso corpo abatido” (Fp 3:21). Quando o Senhor vier da Sua glória, do Céu, Ele transformará nosso corpo. Quando a trombeta de Deus soar, e Cristo vier com o Seu séquito de anjos, acompanhado dos santos glorificados, os mortos em Cristo ressuscitarão com corpos imortais, incorruptíveis, gloriosos, poderosos e celestiais (1Co 15:43-56). Os vivos, nessa ocasião, serão transformados e arrebatados para encontrar o Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor (1Ts 4:13-18). Nosso corpo de humilhação, sujeito à fraqueza, à enfermidade e ao pecado, será revestido da imortalidade e brilhará como o sol no seu fulgor, brilhará como as estrelas no firmamento, e será um corpo tão glorioso quanto o corpo da glória de Cristo. Seremos "...conformes à imagem de seu Filho" (Rm 8:29). O nosso corpo será semelhante ao corpo da glória de Cristo - "Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é" (1João 3:2b); seremos “conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas” (Fp 3:21).

Porventura existe ou existirá uma promessa tão gloriosa e maravilhosa com esta? E ainda tem pessoas, que se dizem cristãs, que trocam tudo isso por coisas efêmeras desta vida. É simplesmente pasmoso!

CONCLUSÃO

A cruz de Cristo deu cabo da religião do ritualismo como meio de chegar até Deus. Com a morte de Cristo, o véu do templo foi rasgado, e agora o homem tem livre acesso a Deus por meio de Cristo, o novo e vivo caminho (Hb 10:19-25). O que os inimigos da cruz de Cristo consideravam uma linha divisória entre os homens, a circuncisão, Cristo derrubou por meio da sua morte (Ef 2:14-16). Precisamos estar atentos, pois os inimigos da cruz de Cristo procuram introduzir, sorrateiramente, doutrinas contrárias e perniciosas à fé cristã. Portanto, vigiemos, oremos e permaneçamos inabaláveis “na doutrina dos apóstolos” até a vinda de Jesus, sabendo que “as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada (Rm 8:18).

Bibliografia:

Comentário Bíblico popular (Novo Testamento) - William Macdonald.
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Comentário Bíblico NVI – EDITORA VIDA.
Revista Ensinador Cristão – nº 55 – CPAD.
Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal.
Filipenses – A alegria triunfante no meio das provas – Rev. Hernandes Dias Lopes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário