08 setembro 2013

O trauma de perder o marido por causa de sua fé

Uganda_Irene 27 08 2013.jpg

Em breve, o assassinato brutal de Francis Namukubalo em Mbale, Uganda, completará três anos. Durante esse tempo, a família passou por muitas situações turbulentas. Eles testificaram que o cuidado de Portas Abertas e do Corpo de Cristo no mundo inteiro os ajudou a permanecerem unidos enquanto enfrentavam sua hora mais difícil.

Tarde da noite de 21 de setembro de 2010, um grupo de cerca de 20 jovens armaram uma emboscada para Francis, o capturaram e esfaquearam até a morte enquanto ele voltava para casa, após uma visita a seu pai, em um vilarejo próximo. Sua família e um grupo de buscas descobriram seu corpo em um matagal, mutilado, após três dias.

Francis cresceu em um lar muçulmano. Quando seu pai se converteu ao cristianismo no fim da década de 1990, não levou muito tempo para que sua esposa e filhos o seguissem. A família compartilhava uma paixão por evangelismo pela qual enfrentaram uma crescente pressão. Houve muitos parentes muçulmanos e conhecidos que se sentiram ofendidos pelo testemunho de Francis e de seu pai.

A despeito das ameaças, a morte de Francis causou um grande choque em toda a família, mas, particularmente à sua viúva, Irene. Ela ficou sozinha para cuidar de três filhos e estava grávida de dois meses do quarto bebê. 

Ao receber a notícia do assassinato de Francis, um colaborador da Portas Abertas visitou a família para confortá-los e encorajá-los. Também ajudou com necessidades imediatas. Desde então, permaneceu em contato próximo com eles. Logo após a primeira visita da Portas Abertas, iniciamos uma campanha de cartas para Irene e seus filhos. Colaboradores de todo o mundo apoiaram a causa e enviaram mais de dez mil cartas e cartões. 

Percebendo a necessidade de Irene ter uma renda, a Portas Abertas a ajudou a abrir um pequeno negócio. Ela planeja criar gado e também começou um negócio de vendas de vegetais no mercado local. Quando ficou claro que a família precisaria de assistência jurídica, a Portas Abertas contratou um advogado. Tudo isso só foi possível através da ajuda de pessoas que doaram recursos para que a organização providenciasse toda a assistência necessária à Irene. 

Logo após a morte de Francis, as autoridades prenderam cerca de 20 suspeitos. Observadores locais disseram à Portas Abertas que líderes muçulmanos poderosos que, provavelmente, foram os mentores do assassinato de Francis ameaçaram as testemunhas de morte, incluindo o pai de Francis, agentes de segurança e o magistrado responsável pelo caso. As testemunhas se retiraram do caso, uma após a outra, temendo por suas vidas. Ao mesmo tempo, registros de depoimentos cruciais começaram a desaparecer dos arquivos, deixando a acusação muito fraca. Logo, um suspeito após o outro foi liberado sob fiança, ainda que a lei ugandense decrete que os suspeitos de assassinato devam permanecer encarcerados enquanto durar o julgamento. 

Mas, felizmente, Deus interveio...

Em circunstâncias desconhecidas e, em pleno processo de julgamento, o Estado dispensou os agentes de segurança, o magistrado e até mesmo um membro do parlamento, substituindo-os por funcionários do governo de maior integridade. Uma cópia do processo que não tinha sido adulterada também foi descoberta na sede dos "Detetives de Investigações Criminais", em Kampala. 

Tão logo o novo diretor de Investigações Criminais reabriu o caso, os 20 suspeitos fugiram da região. Imediatamente cessaram as ameaças de morte às testemunhas e ao pai de Francis. Em maio, os detetives detiveram dois dos suspeitos originais. Eles estão presos aguardando julgamento enquanto a busca pelos outros 18 continua. A Portas Abertas estará acompanhando de perto os desdobramentos. 

Um contato da organização em Uganda visitou a família de Francis Namukubalo recentemente e relatou que eles continuam a melhorar após a trágica perda. A víuva Irene e as crianças aparentam estar muito melhor. Irene ganhou algum peso e tem tido um comportamento mais saudável. Todos sorriem com facilidade.

Francis (filho) nasceu após a morte de seu pai e é um garotinho alegre, que corre por todo o lugar. Kevin e Bridget estão no ensino primário. Os três são bons alunos. A filha mais nova, Hannah, irá para a escola no próximo ano. 

 Uganda.jpg
 
O pai de Francis (e avô das crianças), Mzee Masolo, expressou sua profunda gratidão pelo apoio de cristãos do mundo inteiro, através da Portas Abertas. "O trabalho que vocês fazem não tem preço! Deus abençoe a Portas Abertas e cada parceiro. As cartas, cartões, incentivo e cuidado que vocês nos deram na hora mais difícil de nossas vidas nos manteve unidos. Que Deus se lembre de cada um que investiu tempo orando, escrevendo, visitando. Sou muito agradecido". 

Em uma conversa anterior, Mzee disse que o fato de ter recebido tanto apoio do Corpo de Cristo o ajudou a perdoar os assassinos de seu filho.

PortasAbertas

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário