24 dezembro 2013

Mandamentos Bíblicos Contra a Adoração Como os Pagãos 4



3. Solstício de Verão: 13 semanas — Quando o sol alcança o ponto mais setentrional em sua jornada no céu.
  1. 21 e 22 de junho — Solstício de verão.
  2. 21 de junho — Litha, é uma das noites de sacrifício humano dos Illuminati.
  3. 4 de julho — Dia da Independência dos Estados Unidos, 13 dias após Litha e 66 dias a partir de 30 de abril.
  4. 19 de julho — 13 dias antes de Lughnasa
  5. 31 de julho a 1 de agosto — Lughnasa, grande sabá festivo. 1 de agosto — uma das noites de sacrifício humano dos Illuminati.
4. Equinócio de Outono: 13 semanas — Sabá menos importante, mas requer sacrifício humano.
  1. 21 de setembro — Mabon, uma das noites de sacrifício humano dos Illuminati.
  2. 21 e 22 de setembro — Equinócio de outono — A partir dessa data até o Halloween, os ocultistas acreditam que o véu que separa a dimensão terreal do reino dos demônios ficará progressivamente mais fino, até que na noite de 31 de outubro ele estará o mais fino possível; esse afinamento do véu separador permite mais facilmente a comunicação do reino demoníaco com esta dimensão terreal. Assim, acredita-se que no Halloween, os espíritos malignos, fantasmas, bruxos, gatos pretos, duendes, fadas e demônios de todos os tipos corram soltos pelo mundo. Eles têm de estar de volta à sua dimensão espiritual antes da meia noite de Halloween, porquanto o véu separador começa então a se tornar mais espesso.
Uma vez mais, reitero, essa é a crença dos ocultistas, não a minha! Outubro é um dos meses mais propícios para os Illuminati.

c. 31 de outubro — Samhain, também conhecido como Halloween, ou Dia das Bruxas, e Véspera de Todos os Santos, como designado pela Igreja Católica. Essa data é um dos mais importantes dias de sacrifício humano dos Illuminati.
O Halloween mudou nos últimos trinta anos de duas maneiras importantes. Primeiro, as crianças estão sendo incentivadas a participarem usando fantasias inofensivas como a da boneca Barbie, a Mulher Maravilha, Batman e Super-Homem. Em segundo lugar, as fantasias e as festas dos adultos alcançaram um tremendo ápice e se tornaram um dos mais macabros dias de celebração.
Historicamente, Halloween é o feriado mais mortal já celebrado na história humana. A noite satânica é dedicada ao deus celta dos mortos, também simbolizado pelo deus chifrudo, o deus-cervo. Os druidas celebravam o Samhain como uma festividade de fogo de três dias, fazendo grandes fogueiras, supostamente para afugentar os demônios que rondavam ao derredor; adicionalmente, o fogo provia o meio pelo qual o sacrifício humano requerido seria apresentado ao deus-sol. Em enormes cestos de vime, os sacerdotes colocavam amarrados tanto os sacrifícios humanos quanto animais, que então eram descidos às chamas. Os sacerdotes assistiam atentamente o modo como a vítima morria para poderem predizer se o futuro traria bem ou mal (Pagan Traditions of the Holidays, pág. 71).

Origem das Tradições Populares de Halloween, o Dia das Bruxas
Doces e "Traquinagem ou Trato"

Essa prática pagã tem mais de 2000 anos. Para garantir sua segurança e bem-estar, as pessoas punham do lado de fora de suas casas doces, as melhores pernas de carneiro, legumes, ovos, carne de frango, mel e vinho, para que os maus espíritos que vagueavam os consumissem em seu caminho de volta para o mundo dos mortos. Deixar de "tratar" esses maus espíritos poderia resultar no lançamento de uma maldição sobre a casa! As pessoas literalmente acreditavam que, se os espíritos viessem à sua porta, eles "aprontariam vilanias" se não fossem bem tratados.

"A versão americana do Halloween veio da Irlanda... A praga nas plantações de batatas e a grande fome que ocorreu em 1840 levou milhares de famílias a emigrarem da Ilha Esmeralda. Com eles veio a tradição de celebrar o Halloween, com a crença nos maus espíritos, a "abóbora-lanterna", fogueiras, maçãs, castanhas, e as traquinagens... Os irlandeses são também responsáveis por fazerem a "Traquinagem ou Trato" cair em grande popularidade nos Estados Unidos. Na Irlanda em 31 de outubro, os camponeses iam de casa em casa para receber oferendas a seu deus-druida, Muck Olla. A procissão parava em cada casa para dizer ao sitiante que sua prosperidade era devida à benevolência de Muck Olla... ou então a má sorte poderia se abater sobre o sitiante e sobre suas colheitas. Poucos sitiantes se arriscavam a desagradar à deidade pagã, de modo que a procissão retornava para casa com ovos, manteiga, batatas e, em alguns casos, com moedas... Para os sitiantes irlandeses isso não era brincadeira; eles temiam de verdade que o deus celta pudesse destruir suas casas e seus celeiros... A escolha entre "Traquinagem ou Trato" é parte dessa herança pagã." (Pagan Traditions of the Holidays, págs. 78-79).

Trajes Horripilantes
As pessoas também tiravam gravetos da fogueira e acenavam com eles para amedrontar os muitos espíritos malignos que rondavam a terra; para o caso de os gravetos em chamas sozinhos não servirem, os foliões se vestiam com os trajes mais horrendos possíveis. Elas acreditavam que, vestido com um traje horripilante, se você encontrasse uma companhia de espíritos na noite, eles pensariam que você era um deles e não o perturbariam. (Halloween and Satanism, Phil Philips, págs. 26-27).

Grandes Fogueiras
A obsessão de Satanás pelo fogo produziu a obsessão humana pela construção de grandes fogueiras. Como dissemos anteriormente, essas fogueiras eram práticas, pois proviam o meio pelo qual os sacerdotes fariam os sacrifícios humanos e animais tão cruciais para o Halloween. Quando as últimas brasas se apagavam, as pessoas saiam correndo, e desciam os morros gritando: "O Diabo pegará aquele que ficar por último" (Philips, págs. 27-28).

Adivinhações
Samhain (Halloween) era também o tempo para obter a ajuda do Diabo para adivinhar o futuro. Perguntas a respeito de casamento, sorte, saúde e o tempo da morte de alguém eram assuntos comuns para a adivinhação. Na Escócia, os jovens se reuniam para os jogos e puxavam brotos do chão para saber quais deles se casariam no ano vindouro e em que ordem os casamentos ocorreriam.


Noite de Pegar a Maçã
Há muito tempo que as maçãs são um símbolo do amor e da fertilidade. Nas festas de Halloween, as pessoas mordiam maçãs colocadas em grandes tinas cheias de água. Se um rapaz conseguisse morder e prender uma maçã com seus dentes, poderia ter a certeza do amor da moça de quem gostava. A brincadeira de morder e prender a maçã era muito apreciada pelos rapazes. Um de cada vez entrava na tina e tentava morder e pegar com os dentes uma maçã que era girada na ponta de um bastão; o primeiro rapaz que conseguisse pegar seria o primeiro a se casar.

As sementes de maçã também eram usadas para predizer a sorte. Descascar uma maçã em uma longa tira deveria revelar a uma moça seu futuro. A jovem girava a casca da maçã três vezes em torno de sua cabeça e depois a lançava para trás por cima de seu ombro esquerdo. Se a casca caísse sem quebrar, a garota examinava a figura formada para ver se podia identificar a letra inicial do nome do seu futuro marido!

Espíritos Familiares do Feiticeiro
Corujas, morcegos, gatos e sapos são parte essencial do Halloween, e por uma razão muito boa: eles são conhecidos como "espíritos familiares dos feiticeiros". Um espírito familiar de adivinhação era a espécie de animal cuja forma Satanás assumiria para ajudar o feiticeiro a adivinhar o futuro. O feiticeiro observava atentamente os movimentos do animal — se lentos ou rápidos — e via a direção em que ele se movia e os tipos de som que produzia, a fim de predizer a extensão da vida e/ou de uma doença incapacitante.

Outras formas de "espíritos familiares" incluíam as galinhas, gansos, cães pequenos, ratos, borboletas, vespas e lesmas. As bruxas consideravam que essas criaturas eram possuídas e controladas por demônios. Se você olhar com atenção a maioria das decorações de Halloween, verá esses animais, mas agora sabe que representam criaturas possuídas por demônios. (Pagan Traditions of the Holidays, págs. 75-76).

O "Homem da Lanterna" e "Traquinagem ou Trato"
Outros nomes para o "Homem da Laterna" [Jack-o-Lantern] era Cabeça de Abóbora, Abóbora-Lanterna, etc. A origem do nome "Homem da Lanterna" está nas estranhas luzes pálidas que apareciam sobre os charcos e pântanos da Inglaterra. Essas luzes fantasmas, que davam a impressão de serem lanternas nas mãos de alguém, eram chamadas de "Velas dos Mortos". Dizia-se que as velas eram sinais das almas dos homens mortos no mar. (Halloween and Satanism, Philips, págs. 33-34).

"Os celtas freqüentemente esvaziavam um nabo e esculpiam uma face grotesca nele para tapear os demônios. Eles levavam essas lanternas para iluminar um caminho no escuro e afugentar os espíritos malignos... Enquanto o nabo continua a ser popular na Europa, a abóbora o substituiu nos Estados Unidos. 'Jack' é um apelido para 'John', ("João") que é uma gíria para indicar um 'homem qualquer'. "Jack-O-Lantern" significa literalmente o 'homem da lanterna'" (Pagan Traditions of the Holidays, págs. 79-80).

A "Traquinagem ou Trato" dos Druidas
Os druidas originaram a prática de esvaziar o "Homem da Lanterna" e enchê-los de banha humana. Sempre que um grupo invasor chegava a uma casa para exigir do chefe de família que alguém da casa fosse entregue para o sacrifício humano, eles acendiam um "Homem da Lanterna" cheio de banha humana. Se o chefe de família cedesse e concordasse em entregar um de seus familiares para o sacrifício, o grupo de druidas deixava o "Homem da Lanterna" no pórtico. Essa lanterna serviria para avisar aos outros grupos e às hostes demoníacas que o grupo anterior já tinha obtido um ser humano para o sacrifício e as pessoas restantes deveriam ser deixadas em paz. Garantir que ninguém mais na casa seria morto naquela noite era o "trato".

Se o chefe de família se recusasse a entregar um de seus familiares, uma "traquinagem" seria feita contra aquela casa. Os membros do grupo saqueador desenhavam um grande hexagrama usando sangue humano na porta da frente; eles obtinham o sangue de um cadáver que puxavam pelo caminho usando uma corda. As hordas demoníacas seriam atraídas por esse hexagrama e invadiriam a casa, levando à loucura um ou mais dos moradores ou matando-os de terror repentino. (America's Occult Holidays, pág. 20).
Esta é a verdadeira origem da "Traquinagem ou Trato" e do "Homem da Lanterna". Você quer realmente que seus filhos brinquem com isso?

Práticas Proibidas Especialmente Associadas com o Halloween
Deus relaciona as práticas satânicas que proíbe expressamente, sob pena de morte! Cada uma delas está singularmente associada com o Dia das Bruxas!

1. Encantamento — Ato de influenciar por feitiços e encantos usando a prática das artes mágicas. Tais práticas provêm diretamente do poder de Satanás! Deus proíbe o encantamento em muitos lugares, o principal dos quais é Deuteronômio 18:10-12.
2Feitiçaria — Lidar com espíritos demoníacos, usando seus métodos prescritos, comumente chamados rituais e "artes mágicas". A Bíblia a proíbe, como em Gálatas 5:19-20. Hoje, graças a Harry Potter e "O Senhor dos Anéis", a feitiçaria está crescendo rapidamente em popularidade. Programas de televisão que exibem bruxas são "A Feiticeira" e "Buffy, a Caça-Vampiros", apenas para citar dois. Vá a uma videolocadora e percorra a seção "Terror", onde você verá a popularidade que a feitiçaria alcançou em nosso país hoje.
3. Bruxaria — Uso de poder obtido em rituais prescritos exigidos pelas hordas demoníacas. Uma vez que o bruxo ou mago execute o ritual corretamente, as hordas demoníacas deverão prover o poder para efetuar aquela ação desejada pelo bruxo.
4. Adivinhação — Predizer a sorte e ver o futuro. Deus quer que confiemos nele e em seu poder e que não nos preocupemos com o dia de amanhã. Satanás, por outro lado, gosta de deixar as pessoas preocupadas com a idéia de que podem saber o que ocorrerá no futuro. A adivinhação é proibida na Bíblia em Jeremias 29:8-9 e em Deuteronômio 18:10-12.
5. Magia — A arte ou prática de um mago ou feiticeiro. Um mago ou bruxo é alguém habilitado nas artes mágicas, um feiticeiro. Deus proíbe tais práticas em Deuteronômio 18:10-12 e Levítico 19:31.
6. Necromancia — Comunicação com os mortos. Especificamente, conjurar os espíritos dos mortos para propósitos de magicamente revelar o futuro ou influenciar o curso de eventos. Proibida em Deuteronômio 18:10-12 e em Isaías 8:19.
7. Feitiços — A prática de lançar um feitiço em alguém a fim de mudar ou controlar sua mente e/ou seu comportamento. Os magos gostam de ter uma conversa "um a um" com seus inimigos por que assim possam "enfeitiçá-los" por meio de um ritual realizado previamente, e pelas hordas demoníacas que residem nele. Adolf Hitler seguia essa prática de perto quando negociava com os líderes da Europa, da Grã-Bretanha e da Rússia. O primeiro-ministro britânico, Chamberlain, ficou totalmente enfeitiçado por Hitler ao tentar apaziguar o ditador alemão em Munique, em 1938; Chamberlain ficou tão enfeitiçado por Hitler que após retornar de Munique, proclamou entusiasticamente que tinha garantido "a paz em nosso tempo".

Terminaremos amanhã...

Grande abraço.
Vivam vencendo as ilusões que são atraentes, mas pecaminosas!!!
Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário