15 fevereiro 2014

Estão certos os que dizem que "a Igreja não tem amor"?


Aprendi que devo fazer  defesa á crítica a pecados institucionais e coletivos, mas procuro ter cuidado para não generalizar e não criticar a Igreja de forma indevida. Por exemplo, não aprecio aquele discurso de que "essa igreja não tem amor". Para mim, essa é uma fala muito apropriada na boca do Diabo.

Explico: não me parece nada construtivo dizer, de maneira categórica e descompromissada, que a igreja não tem amor. Ora, todos somos pecadores e, por isso, imperfeitos. Parafraseando o que disse, um certo pastor, "a igreja não é uma oficina de carros novos, mas de carros velhos". Não se deve esperar que a igreja seja um poço profundo de amor e virtudes celestiais.

"Meu Deus, o que você está dizendo"? Veja bem: não sou adepto da negligência, do cinismo nem da tolerância para com o pecado. Defendo a necessidade constante de arrependimento e denúncia do erro. Todavia, dizer simplesmente que a igreja não tem amor, como já escutei, é como negar o próprio fundamento da Igreja de Cristo, pois Deus é amor, e fomos salvos do pecado por causa do amor.

A Igreja vive um processo de santificação. Lutamos contra a carne. A batalha é cotidiana e muito dura. É mais fácil lutar contra o Diabo do que lutar contra a carne. E, se depender da carne, não haverá amor mesmo. Em Cristo é que o ser humano consegue conhecer o verdadeiro amor, pois Cristo nos amou primeiro.

O Diabo é quem gosta de dizer que a Igreja é uma instituição falida. Eu posso ver uma série de erros numa comunidade local, até mesmo numa instituição em âmbito nacional, mas não posso, em sã consciência cristã, negar a natureza espiritual da Igreja. Se Cristo morreu pelos nossos pecados, e se cremos em Sua Palavra, não pode existir igreja sem amor. Essa seria uma contradictio in terminis. O amor é a matéria fundamental do Corpo de Cristo.

Pode até haver uma igreja local sem amor, mas mesmo assim, sempre haverá crentes em Jesus alí dentro que sabem amar.

Abraços.
Vivam vencendo!!!
Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário