21 fevereiro 2014

Lição 08 - 23/02/14 - Moisés — Sua liderança e seus auxiliares



Texto Áureo Ex. 18.19 – Leitura Bíblica 18.13-22

Verdade Prática: Para cuidar da Sua obra, Deus chama a quem Ele quer, e pelo Seu Espírito capacita essas pessoas para a Sua santa missão


Introdução

Recaía sobre os ombros de Moisés a tarefa de organizar uma multidão tão grande e julgar o povo mesmo nas coisas insignificantes que surgiam entre eles a cada momento. Entre as tribos semitas nômades, o líder era também o legislador e o árbitro das disputas. Ele procurava fazer tudo não repartindo os trabalhos e responsabilidades entre diversas pessoas. Quando seu sogro Jetro o visitou, trazendo-lhe sua esposa e filhos, Moisés recebeu seu conselho, apesar de apresentar a Jetro duas boas razões por que ele resolvia sozinho todos os casos. Primeira, o povo requeria decisão que pudessem confiar ser a resposta do próprio Deus. Segunda, além de resolver a disputa imediata, ele podia usar o caso como base para transmitir princípios morais, estatutos, bem como leis específicas que diziam respeito a circunstâncias especiais. 

Jetro oferece sua solução para o problema. Em primeiro lugar, Moisés devia continuar a agir claramente como representante de Deus para com o povo, ensinando-os os princípios dados por Deus, pelos quais os muitos casos detalhados poderiam ficar decididos, e levando todos os casos especialmente difíceis diretamente a Deus (conf. Nm 9.6-8). Porém o trabalho poderia ser aliviado se fossem nomeados oficiais legais que ouvissem separadamente as disputas, segundo o grau de gravidade dos casos. 

A qualificação para os sub-juízes é que eles deveriam preocupar-se exclusivamente com a aprovação de Deus, e não do homem (conf. Êx 1.17), que fossem cândidos em seus vereditos, e que não se encurvassem aos subornos. No versículo 23 Jetro submete seu próprio conselho à aprovação final da orientação de Deus. Não somente aquele plano aliviaria Moisés, mas o povo retornaria satisfeito para suas tendas, sempre que tivessem trazido algum caso perante os oficiais locais. Após o conselho, Moisés organizou Israel em grupos e colocou chefes sobre estes para resolver as dificuldades. Parece que Moisés demonstrou grande sabedoria e humildade ao receber as sugestões de outros.

Há indícios que nesta ocasião Jetro se converteu à religião do Senhor. Ao ouvir falar dos prodígios que o Senhor havia feito, Jetro reconheceu que Deus era supremo sobre os deuses pagãos e lhe ofereceu sacrifício (18:8-12). Ross comenta: "Lembremo-nos de que um dos propósitos das pragas foi fazer que Faraó e todas as nações reconhe¬cessem que o Senhor é Deus." Aqui se observa entre os gentios algo das primícias resultantes dos juízos sobre o Egito.

            O objetivo deste estudo é trazer algumas informações, colhidas dentro da literatura evangélica, com a finalidade de ampliar a visão sobre o assunto em tela. Extraídos dos comentários de Charles H. Mackintosh (1820 - 1896), os comentários desta lição focam em outra abordagem, diferente da abordagem do comentarista. Não há nenhuma pretensão de esgotar o assunto ou de dogmatizá-lo, mas apenas trazer ao professor da EBD alguns elementos, pontos de vista e ferramentas que poderão enriquecer sua aula.

I. O TRABALHO DO SENHOR E OS SEUS OBREIROS

Desde o versículo 13 até ao fim do capítulo fala-se da nomeação de chefes para ajudarem Moisés na administração dos negócios da congregação. Isto foi feito por sugestão de Jetro, que temia que Moisés desfalecesse totalmente em consequência do seu trabalho. Em relação com este fato, pode ser útil considerar a nomeação dos setenta anciãos em Números, Capítulo 11. Vemos ali o espírito de Moisés esmagado sob o peso da responsabilidade que pesava sobre si, e dá lugar à angústia do seu coração nas seguintes palavras: "Por que fizeste mal a teu servo, e por que não achei graça aos teus olhos, que pusesses sobre mim a carga de todo este povo?- Concebi eu, porventura, todo este povo?- Gerei-o eu, para que me dissesses que o levasse ao colo, como o aio leva o que cria, à terra que juraste a seus pais. Eu sozinho não posso levar a todo este povo, por que muito pesado é para mim. E, se assim fazes comigo, mata-me, eu te peço, se tenho achado graça aos teus olhos; e não me deixes ver o meu mal" (Nm 1:11-15).



Em todo este caso vemos como Moisés se retira de um lugar de honra. Se aprouve a Deus fazer dele o único instrumento da administração da Assembleia, isso foi para ele uma maior honra e um alto privilégio. É verdade que era uma grande responsabilidade; porém a fé teria reconhecido que Deus era amplamente suficiente para tudo. Todavia, Moisés perde o ânimo (servo abençoado como era) e diz, "eu sozinho não posso levar todo este povo, porque muito pesado é para mim. Mas ele não fora incumbido de levar todo o povo sozinho, porque Deus estava consigo. 

O povo não era demasiado pesado para Deus; era Ele que os suportava. Moisés era apenas o instrumento. Da mesma forma poderia ter dito que a sua vara levava o povo, porque o que era ele senão um simples instrumento nas mãos de Deus, da mesma forma que a vara o era nas suas? E neste ponto que os servos de Cristo falham constantemente; e a sua falta é tanto mais perigosa quanto é certo que se reveste da aparência de humildade. Fugir de uma grande responsabilidade dá a impressão de falta de confiança pessoal e de uma profunda humildade de espírito; porém, tudo que nos interessa saber é se Deus tem imposto essa responsabilidade. Sendo assim, Ele estará incontestavelmente conosco no seu desempenho; e, com a Sua companhia, podemos suportar todas as coisas. Com o Senhor o peso de uma montanha não é nada; sem Ele o peso de uma simples pena é esmagador. É uma coisa muito diferente se um homem, na vaidade do seu espírito, se apressa em tomar um fardo sobre os seus ombros, um fardo que Deus nunca teve intenção de ele levar, e, portanto, nunca o dotara para o conduzir; podemos, portanto, esperar vê-lo esmagado sob o peso. Porém, se é Deus que põe sobre ele esse fardo, Ele torna-o não só apto a conduzi-lo como lhe dá as forças necessárias.

II. O ENSINAMENTO PARA O SERVO DE CRISTO

O abandono de um posto divinamente indicado nunca é o fruto de humildade. Pelo contrário, a mais profunda humildade manifes-tar-se-á na permanência nesse posto em simples dependência de Deus. Quando recuamos ante algum serviço sob o fundamento de inaptidão é uma prova segura de estarmos ocupados com o ego — com nós próprios. Deus não nos chama para o serviço com base na nossa capacidade, mas, sim, na Sua; por isso, a menos que esteja ocupado com pensamentos a meu respeito ou com desconfiança n'Ele, não preciso abandonar qualquer posição de serviço ou testemunho por causa das muitas dificuldades relacionadas com ela. Todo o poder pertence a Deus, e é o mesmo quer esse poder atue por meio de um só instrumento ou mediante setenta; o poder é ainda o mesmo: contudo, se um instrumento recusa o cargo, tanto pior é para ele. Deus não obrigará ninguém a ocupar um lugar de honra, se não confiar em Si para o manter nele. O caminho está sempre aberto para poder descer do seu cargo e lançar-se no lugar onde a vil incredulidade quer colocar-nos.

Aconteceu assim com Moisés: queixou-se do fardo que devia levar, e o fardo foi imediatamente removido; porém com ele foi tirada também a grande honra de poder levá-lo. "E disse o Senhor a Moisés: Ajunta-me setenta homens dos anciãos de Israel, de quem sabes que são anciãos do povo e seus oficiais; e os trarás perante a tenda da congregação, e ali se porão contigo. Então, eu descerei, e ali falarei contigo, e tirarei do Espírito que está sobre ti, e o porei sobre eles; e contigo levarão o cargo do povo, para que tudo sozinho o não leves" (Nm11:16-17). Nenhum novo poder foi introduzido. Era o mesmo Espírito, que fosse num ou em setenta. Não havia mais valor ou virtude na natureza de setenta homens do que na de um só homem. "O Espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita" (Jo 6:63). Nada se ganhou, quanto ao poder, mas Moisés perdeu muito da sua dignidade.

Na segunda parte do capítulo onze de Números vemos como Moisés profere palavras de incredulidade, as quais lhe valeram uma severa reprimenda da parte do Senhor. "Seria pois encurtada a mão do Senhora Agora verás se a minha palavra te acontecerá ou não" (versículo 23). Se o leitor comparar os versículos 11 a 15 com os versículos 21 e 22, verá que existe uma relação solene e clara. O homem que recua perante a responsabilidade, com fundamento na sua própria fraqueza, corre grande perigo de pôr em dúvida a suficiência e plenitude dos recursos de Deus.

Esta cena ensina uma lição muito preciosa para todo o servo de Cristo que possa ser tentado a sentir-se só ou sobrecarregado com o seu trabalho. Convém que um tal servo se lembre que, onde o Espírito Santo está operando um só instrumento é tão bom e eficaz como setenta instrumentos; e onde Ele não opera, setenta não têm mais valor do que um só. Tudo depende da energia do Espírito Santo. Com Ele um só homem pode fazer tudo, sofrer tudo e suportar tudo.

Sem Ele setenta homens nada podem fazer. Que o servo solitário se recorde, para conforto e ânimo do seu coração fatigado, que, contanto que tenha consigo a presença e poder do Espírito Santo, não tem motivo para queixar-se da sua carga nem de suspirar por diminuição do seu trabalho. Se Deus honra um homem dando-lhe muito trabalho a fazer, regozije-se o tal no seu trabalho e não murmure; porque se murmurar pode perder rapidamente a sua honra. Deus não tropeça com dificuldades quando se trata de achar instrumen¬tos. Até das pedras podia levantar filhos a Abrão, e pode suscitar de essas mesmas pedras os instrumentos necessários para o cumprimento da sua obra gloriosa.

Ah! quem tivera um coração mais disposto a servi-Lo! Um coração paciente, humilde, consagrado e despido de si mesmo! Um coração pronto a servir com outros e disposto a servir só; um coração cheio de tal maneira de amor por Cristo, que encontra o seu gozo —o seu maior gozo—em servi-Lo, seja em que esfera for e qualquer que seja o caráter do serviço. Esta é certamente a necessidade especial dos dias em que nos caiu a nossa sorte. Que o Espírito Santo desperte em nossos corações um sentimento mais profundo da preciosidade excelente do nome de Jesus e nos habilite a dar uma resposta mais clara, completa e inequívoca ao amor imutável de Seu coração!

CONCLUSÃO

Na confecção deste pequeno estudo, buscamos consultar literatura que mais se aproxima com o pensamento de nossa denominação, tentando não perder a coerência teológica. Evitamos expressar conceitos e opiniões pessoais sem o devido embasamento na Palavra, pois a finalidade é agregar conhecimentos, enriquecer a aula da escola dominical e proporcionar ao professor domínio sobre a matéria em tela. 

Subsídio para o Professor

I - INTRODUÇÃO:
Aquele que ouve um bom conselho e o coloca em prática, demonstra autocrítica, humildade e sabedoria (Pv 12:15; 19:20).

II - A OPORTUNIDADE DO CONSELHO:
A palavra CONSELHO significa PARECER; JUÍZO; ADVERTÊNCIA; ADMOESTAÇÃO; AVISO, OPINIÃO SOBRE O QUE CONVÉM FAZER.

Existem maus conselhos como os dos ímpios (Sl 1:1), dos pecadores (Pv 1:10), dos perversos (Pv 12:5), etc. Porém, há os bons, como os dos anciãos de Roboão (I Rs 12:7); o de Daniel a Nabucodonosor (Dn 4:27) e o de Jetro, que foi bom e sábio, e o qual Moisés atendeu.

Ex 18:13-16 - Quando Israel saiu do Egito, era cerca de seiscentos mil homens, sem contar as mulheres e crianças (Ex 13:27). Imaginemos grande parte deste povo consultando o legislador que não possuía auxiliares.

Jetro viu que Moisés gastava o dia todo no atendimento ao povo, que era, aproximadamente, de dois a três milhões de almas; observou que Moisés estava sobrecarregado, e como consequência disto: O povo ficava em pé desde a manhã até à tarde; todas as questões espirituais e materiais eram resolvidas por Moisés somente. Certamente isto provocava murmurações entre eles, devido à demora no atendimento, tendo que ficar em pé quase o dia todo. Moisés estava sujeito a desfalecer, porquanto atender a essa gente toda era trabalho maior que a resistência de um homem (Ec 7:16-17).

Sempre vemos uma situação assim: o líder fazendo tudo sozinho. Porém há líder que não gosta de admitir que existem coisas que ele não pode fazer de forma solitária.

Jetro não quis interferir no ministério do genro; o propósito era ajudar Moisés, aliviando-o da árdua tarefa que exercia sozinho, pois se assim continuasse, certamente desfaleceria (Ex 18:17-18).

Muitos obreiros nos nossos dias estão trazendo para si compromissos que se acumulam de tal modo, tornando inviável a sua execução e causando prejuízos à causa de Cristo. A intenção pode ser a melhor possível, mas não devemos esquecer que somos humanos, sujeitos ao cansaço físico e mental (Mc 6:31; Fp 2:25-30).

Mesmo com consequências funestas, muitos querem fazer tudo sozinho e se julgam super-homens. São pessoas que desejam manter o “poder” em suas mãos e não confiam nos outros, esquecendo-se eles que o trabalho de Deus funciona em equipe, como um corpo, onde cada um deve fazer a sua parte, pois recebeu um dom para fazer um trabalho específico na obra do Senhor e ninguém é insubstituível - Ef 4:16; I Cor 12:1-31.

Não é pecado descansar. Quantos, que por negligenciarem o descanso do seu corpo e os cuidados com a sua saúde, têm tido um ministério reduzido.
Ex 18.19-24- Após analisar o desempenho da atividade de Moisés, disse-lhe Jetro: “Não é bom o que fazes”. Então, pela sua experiência, apresentou ao seu genro um plano administrativo, sugerindo três medidas importantíssimas a serem tomadas por Moisés:

(1) - Ensinar o povo os estatutos e as leis - Sl 119:7, 26-27, 55-56 - Pelo conselho de Jetro, Moisés deveria ser o guia espiritual do povo perante Deus; deveria apenas interceder pelo povo diante do Senhor e julgar as questões difíceis e complexas (Ex 18:9, 22). O povo deveria aprender as leis para que pudesse observá-las, ou seja, aprender como andar perante Deus (Ex 18:20).
Quantas dificuldades encontramos hoje no sentido de desenvolver um bom programa nas nossas igrejas por falta de pessoas que conheçam a Palavra de Deus.
(2) - A liderança consiste na distribuição de responsabilidades e na designação de tarefas - Ex 18:21 - O líder deve aprender a selecionar outros líderes que o ajudem a suportar a carga da liderança; precisa saber quais qualidades tem que buscar nos líderes que possam ajudá-lo. Moisés tinha a responsabilidade de descobrir homens com as seguintes qualidades e com os quais dividiria as tarefas:
(A) - Capazes - Isto é, capazes no conhecimento de Deus, na prática de sua vontade e na habilidade para executar a Sua obra.
Esta palavra frequentemente é expressa para designar homens valentes, valorosos, heroicos - Js 1.14; Jz 6.12; I Rs 11.28. Também tem a acepção de capacidade e eficiência, muitas vezes envolvendo dignidade moral - Pv 12.4; 31.10; Rt 3.11.
(B) - Tementes a Deus - Temor de Deus não é ter medo do Senhor, e sim o receio de ofender o Todo-Poderoso. É pensar antes de agir (Gn 39:9). Tementes a Deus implica em ter reverência, temor e dedicação.
(C) - Homens de verdade - Ou seja, corajosos, destemidos, ousados, confiantes, firmes, fieis. Corresponde ao líder poder apoiar-se neles (homens de verdade) para obter sustento.
(D) - Que aborrecem a avareza - Homens que repudiam o suborno. Também não devemos esquecer que a avareza é idolatria (Cl 3:5; Lc 12:15).
(E) - Dividi-los em maiorais de mil, cem, cinquenta e dez - Isto é, auxiliares em condições de liderarem quantidades diferentes de pessoas e que julgassem as questões pequenas do povo.

Aproveitem a aula.

Grande abraço.

Vivam vencendo!!!

Seu irmão menor.




Nenhum comentário:

Postar um comentário