24 junho 2014

A ASSEMBLEIA DE DEUS E O DEUS DA ASSEMBLEIA

A Assembleia de Deus está completando 103 anos. E, graças ao Deus da Assembleia (cf. Hb 12.23; At 20.28), nessa igreja ainda há líderes compromissados com a Palavra de Deus e com o Deus da Palavra. Por outro lado — para tristeza do Espírito Santo —, a denominação tem sofrido na mão de obreiros que conhecem a Assembleia de Deus, mas não são conhecidos pelo Deus da Assembleia (Mt 7.21-23).
Em algumas Assembleias de Deus divorciadas do Deus da Assembleia, o tempo da exposição da Palavra do Senhor foi suprimido ou reduzido por causa de shows de coreografia ou peças teatrais. E as pregações sobre a obra expiatória do Senhor Jesus e as ministrações do Espírito Santo cederam espaço à falaciosa Teologia da Prosperidade e ao famigerado “reteté”.
A exposição das Escrituras sob a unção do Espírito não é mais suficiente, nas Assembleias de Deus que não têm compromisso com o Deus da Assembleia. E os pregadores (pregadores?) dessas igrejas precisam animar auditório e recorrer a práticas bizarras, como derramar jarras de azeite sobre a própria cabeça e jogar água sobre o público.
Em algumas Assembleias de Deus, o culto não é mais para o Deus da Assembleia e faz-se de tudo um pouco para agradar as pessoas e massagear seus egos (cf. 2 Tm 4.1-5). Capoeira, gospel funk, street dance, festa jesuína e outras formas de entreter o povo têm sido adotadas como estratégias de “evangelização”.
Muitos líderes que se dizem assembleianos já se neopentecostalizaram, a fim de agradarem a uma multidão de interesseiros. Mas o Deus da Assembleia tem as suas “reservas” na terra. Há pastores e expoentes das Escrituras que têm cuidado de si mesmo e da doutrina (1 Tm 4.16) e não se deixaram influenciar pelo místico neopentecostalismo. Quanto a mim, continuo, segundo a graça do Deus da Assembleia, andando pelo caminho estreito (Mt 7.13,14).
Comentário de Wáldson: O que escreverei aqui é o que vejo. Sou Pr. da AD há 16 anos(e tem quem diga que eu não o sou: gente besta! Como a CGAD pode me arrolar no seu quadro de ministros, não fosse uma Convenção Estadual que me consagrasse(ordenasse, reconhecesse), como pastor? Gente que não pensa, ou que não sabe o que diz, apenas para gerar polêmicas. São as mentes  mais perniciosas no meio cristão. São pessoas venenosas, e o veneno aplicado é o da inveja('obra da carne'), e quem o injetou é o diabo.
Meu ponto de vista quanto ás mudanças é algo pessoal. Mas sei que muitos concordarão comigo.
Nesses 16 anos como pastor, muita coisa mudou para pior.
Estou muito preocupado com o que mudará daqui para frente. Já mudamos muito em nossa cultura, mas o que me preocupa é que existe uma linha de pastores que ainda não estão satisfeitos com estas mudanças e querem mais. A pergunta que faço aos companheiros assembleianos é esta: Aonde vamos parar?

Mudar por consequência do tempo, sem nenhuma interferência do homem é uma coisa natural, mas quando líderes forçam esta mudança, porque acreditam que 'é preciso que a Assembleia de Deus fique mais moderna para conquistar novos membros', isto é muito preocupante.

Alguns pastores, e eu não entendo isto, embora eu também seja um pastor assembleiano, querem imitar igrejas que surgiram não faz 20 anos. Nós é que somos os pais, somos nós que devemos ensinar como se prega o Evangelho, pois a mensagem de "cura, batismo com o Espírito Santo, dons espirituais, e volta de Cristo(no arrebatamento da igreja), foi introduzidas em nosso nação pela AD". Sem querer agir com etnocentrismo religioso, mas nós é que somos a referência. Então para que mudar se deu certo até agora?

Hoje entendo que Deus permitiu que outras denominações também se levantassem para o fortalecimento do evangelho do Senhor Jesus em nosso país. Já não vejo a nossa denominação como a única que pode orientar as pessoas sobre o caminho da vida eterna, mas ela é, ainda, muito forte neste ponto. E deve ainda ensinar os seus membros.

Quem viu e ouviu, como eu, Alcebíades Pereira Vasconcelos, Eurico Bergsten, José Amaro, Estevam Ângelo, Geziel Gomes(ainda vivo), Cícero Canuto de Lima, João de Souza, ensinando acerca da Bíblia, da Doutrina e Teologia Pentecostal sabe do que estou falando. Não  dá para se comparar com os “doutores” arrogantes em muitos de nossos congressos. Havia graça abundante nesses homens e havia um comprometimento que hoje não se vê facilmente. Sobejavam em carisma, unção, sabedoria e humildade.

Quem já participou de um culto em uma Assembleia de Deus na déc. 1970-80, não reconhece um culto assembleiano hoje. Havia uma valorização pelos hinos do hinário (a Harpa Cristã), uma importância era dada para o ensino e exposição das Escrituras, o Coral se apresentava, a banda ou a Orquestra também, os irmãos testemunhavam, era uma verdadeira festa na presença de Deus. Mas hoje, o hinário foi trocado pela "adoração" do Ministério de Louvor, o culto é cansativo pois dezenas de departamentos DEVEM cantar, são milhares de lembretes e avisos, ofertas para tudo e mais um pouco e um tempo mínimo para a Palavra, tempo este que o pregador quase nunca obedece e sempre passa do horário que o culto estava programado para terminar, que normalmente nas ADs, são às 21:00hs.

Quem se lembra dos cultos ao Ar Livre, como eram chamados, que os irmãos faziam nas praças e calçadas? eu lembro e já tive a oportunidade de participar de muitos! parecia antiquado, mas pelo menos saíamos as ruas para propagar o evangelho. Diferente de hoje que, depois que construiram templos majestosíssimos, tudo o que o povo menos quer, é sair do conforto e alcançar o perdido onde ele realmente está.

Vigílias? Esse era um dos cultos mais vibrantes nas Assembleias de Deus. Já perdi a conta de quantos cultos de Vigília já participei e de quantas madrugadas passei em oração e adoração com minha congregação local. Contudo, parece que as coisas mudaram, e para pior. Parece que alguns perderam o gosto pelas coisas de cima. Anularam as vigílias e ganhamos uma igreja fraquejante.

Importante figura no mundo assembleiano, o pastor José Wellington Bezerra da Costa, 80 anos, presidente da Convenção Geral, não é adepto da corrente liberal. “Samuel(Ferreira - entrevista á Veja), é um bom obreiro, inteligente, mas é liberal na questão dos costumes e descambou a abrir a porta do comportamento”, afirma. Ferreira, por outro lado, se diz conservador, principalmente na questão dos dogmas. Em suas celebrações, há o momento do dízimo, do louvor, da adoração e um coral clássico. Ao mesmo tempo, é o torcedor do Corinthians que tuita pelo celular até de madrugada – dia desses, postou que saboreava um sorvete às 4h30 –, viaja de avião particular e não abre mão de roupas de grife. Um legítimo pastor do século XXI.

Muitos não querem aceitar que houve mudanças. No meu ponto de vista, vejo mudança; principalmente quando se trata de algumas igrejas Matrizes, ou, Catedral. No citado lugar o pastor presidente, esta sempre à frente de todos: dos obreiros, de outros pastores, membros e congregados. Ele, o presidente atingindo o feito de comandar milhares de membros, tendo razões por conhecer muito bem a Bíblia, ter uma vida Consagrada para Deus e etc. Porém é preciso e quero fazer  compreender o que esta acontecendo nas citadas Igrejas, é que a denominação Igreja Assembleia de Deus, antes tinha referência a partir dos seus presidentes e demais pastores.

Vamos analisar outras denominações como exemplo( antes preciso deixar bem claro que não quero criticar, ou, dizer: “esta é certa”, “aquela esta errada”).  Desejo apenas fazer a minha crítica e análise referente ao que penso.

O exemplo: a igreja Batista e outras; sempre víamos e vemos muitos membros, ou, congregados a usarem: brincos, “argola”, batom maquiagem, as irmãs cortarem cabelos e bem curtinhos, ou, pintá-los. Assim também as unhas mudavam e mudam de cor sempre que quisessem. Podem usar calças compridas; as blusas com um decote quase aparecendo o corpo. Shorts curtos  e ainda podem andar pelas ruas. Estando na praia coloca, ou, não, um menor biquíni se quiser e, até fio dental. A denominação não irá observar isso, ou, exigir dos mesmos. Assim ensinamentos para o lado feminino, nada disso é proibido. Inclusive até, para o lado dos homens tudo é quase natural: usar cordão no pescoço, pulseiras no braço, piercing, tatuagens, correntinha no tornozelo, brincos e etc. Nos cultos e shows evangélicos - idênticos aos do mundo secular - igual aos ritmos das músicas 'mundanas', profanas. Para entendimento do sentido da crítica construtiva, existe um cantor não evangélico muito conhecido considerado por muitos de rei. O mesmo apresenta um só show no ano na televisão. Nisto, as músicas do mesmo, dão de dez a zero em muitas que eu já ouvi e vi serem cantadas e as letras também. Lembra-se da letra de uma:” É Jesus, só pode ser Jesus – Luz que ilumina..."? Porém, quantas músicas cantadas nas nossas igrejas que qualquer desavisado, ou até, estando à distância, em virtude das luzes coloridas piscando, e não prestando atenção na letra do cântico pode pensar: “discoteca total”. 

Bem,  algumas Igrejas Assembléia de Deus, ainda não estão assim. Mas estas são chamadas de 'quadradas, cafonas, cemitério ou tradicionais'. Porém , pergunto aos pastores dessas que mudaram: até quando pastor, os ensinamentos referentes às doutrinas bíblicas e bons costumes veremos  se distanciarem do que era no principio? 

Pastores, podem agora, as mulheres e moças das Igrejas Assembleias de Deus, usarem calça comprida(a não ser em locais exigidos)? Batons? Cortar cabelos ou até deixa-los tão baixos que se pareçam com um corte masculino? pintar unhas, usar roupas decotadas? E etc.

Podem agora os homens usarem brinquinhos, piercings, calção, shorts, frequentarem clubes(levando inclusive suas namoradas), participar de rodeios, festa country, dançar forró, aché, pagode, funk, hip-hop, ser praticante e participante de Capoeira e etc.

A Assembleia de Deus sempre for norteada pela Palavra de Deus e sempre, teve sua identidade preservada e conhecida justamente por não se adaptar ás normas e padrões seculares. Mas agora a coisa desandou de vez.

Haverá ainda algum dia uma mudança para melhor?

Creio que não.

Que Deus nos ajude a nos mantermos como crentes em Jesus, pregando a Palavra com a veracidade que ela é, e como assembleianos, possamos nos resguardar 'da moda' que é agora imitar os outros: crentes e não crentes.

Vivamos vencendo os desafios que cada vez mais, nos pressiona!!!

Abraços.

Seu irmão menor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário