11 setembro 2014

"CRISTÃO QUE NÃO AMA A VIRGEM MARIA ESTÁ ÓRFÃO"

O papa Francisco afirmou que um cristão que não ama a virgem Maria é um órfão, e disse ficar muito triste quando um fiel afirma que não pede a ela que interceda junto a Deus.
A afirmação de Francisco, que vem sendo considerado o papa de maior diálogo com outros segmentos cristãos, reconheceu em outras oportunidades que determinadas questões na Igreja Católica não são dogmas de fé, como por exemplo, o celibato dos padres.
No entanto, grande parte da mídia cristã internacional se surpreendeu com o conservadorismo de Francisco na afirmação sobre a virgem Maria, que na liturgia católica, desenvolve o mesmo papel que o Espírito Santo, intercedendo a Deus pelos devotos que se dirigem a ela.
“O cristão que não sente que a virgem Maria é a sua mãe é um órfão”, publicou o papa em seu Twitter oficial. Na sequência, o pontífice acrescentou que a comunhão é um importante fator para viver a fé na prática: “Em nossas catequeses, temos muitas vezes notado que não se torna um cristão por conta própria, mas por ter nascido e alimentado na fé no meio do povo de Deus, que é a igreja. Ela é uma verdadeira mãe que dá a nós vida em Cristo e na comunhão do Espírito Santo, nos leva a uma vida comum com nossos irmãos e irmãs”.
Esse relacionamento de comunhão deve ser baseado em obediência, disse o papa: “Como é a minha relação com estas duas mães que eu tenho? Com a Igreja Matriz e a mãe Maria. Este não é um pensamento de piedade, não, é uma teologia pura. Esta é a teologia. Como é que a minha relação com a Igreja, minha Mãe Igreja, a hierarquia da Santa Madre Igreja? E como é a minha relação com a virgem, que é a minha mãe?”, escreveu aos fiéis católicos, propondo uma reflexão.
“Quando um cristão me diz que ele não ama a virgem, me entristece. Um cristão sem a virgem é órfão. Também um cristão sem uma igreja é um órfão. É uma necessidade dos cristãos essas duas mulheres, duas mulheres mães, duas mulheres virgens: a Igreja e a Mãe de Deus”, concluiu o papa.
A repercussão entre os cristãos evangélicos foi negativa, com destaques para as passagens bíblicas que enfatizam, em primeiro lugar, a ordenança de não fazer imagens de escultura e não reverenciá-las, e em segundo, o papel do Espírito Santo, descrito por Jesus como o Consolador.
Comentário de Wáldson:
Tudo que se refere a Maria e alguns dogmas da Igreja Romana foram colocadas pelos Papas que eles mesmo se declararam infalíveis. Ninguém ousava ou ousa contrariar as afirmações papais.

Vejam essas datas e comemorações que foram declaradas pela Igreja (Papa) e não se encontram na Bíblia:

(1) 400 anos após o início da Igreja de Jerusalém, Constantino, o imperador de Roma tornou-se membro da igreja.
Ele permitiu à igreja ter sacerdote pagão.
(2) No ano 1100 d.c., os católicos romanos começaram as orações aos mortos, e o culto aos anjos e santos: com missa para eles.
(3) Em 1125, o clero romano impôs o celibato (não casar-se) a seus clérigos.
(4) Em 1190, o catolicismo romano criou a venda de indulgências.
(5) Em 1215, o romanismo lançou o dogma da transubstanciação do pão e do vinho.
(6) Em 1215, o romanismo criou a confissão de pecadores aos padres.
(7) Em 1438, a doutrina do purgatório foi proclamada pela Igreja Romana.
(8) Em 1854, surgiu o dogma da Imaculada Concepção de Maria.
(9) Em 1870, veio a inflabilidade papal.
(10) Em 1950, o papa lançou o dogma da assunção de Maria.

JESUS: Ele é o único que pode interceder por nós diante do Pai. Em Jo.14:6 Ele nos diz "Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai, SENÃO POR MIM" e em Atos dos Apóstolos, está escrito: "...E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos"At. 4:12. Não sou eu quem digo, mas as escrituras sagradas que vieram para nos instruir para que não pequemos contra Deus. Porém percebo que algumas pessoas se preocupam mais em agradar ao homem (religião), do que a Deus que abomina a idolatria. O Sl. 115(na bíblia Católica é o Sl.114) e Is. 44 falam sobre isso.

A bíblia nos diz que muitos pecam por não conhecerem as escrituras, portanto o conselho que lhes dou é que leiam a Bíblia e saberão toda a verdade: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará", Jo. 8:32. A pessoa precisa ser  guiada pela bíblia e não por uma religião.

Em Hebreu 3:5-6 nos diz: "Moisés, na verdade, foi fiel em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; mas Cristo o É como Filho sobre a casa de Deus; a qual casa somos nós, se tão-somente conservarmos firmes até o fim a nossa confiança e a glória da esperança". Por- tanto, quando Jesus morreu na cruz por nós Ele se tornou o único digno de honra e glória e estendo essa informação àqueles que dizem que Maria é como advogada, pois o Catolicismo coloca Maria como intercessora junto a Cristo para interceder pelos pecadores. Enquanto a Bíblia é clara: “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e se alguém pecar, temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.” 1 Jo 2:1. O título de advogado pertence a Cristo e não a Maria. Diga-me, onde nas Escrituras Maria é chamada de advogada? Lembro-me de uma passagem nas Escrituras onde Maria foi interceder junto a Cristo e este respondeu: “Mulher, que tenho contigo?” (Jo 2.1-11). A função de intercessor junto ao Pai é exclusiva de Cristo.

Viva vencendo os enganos do Catolicismo Romano!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário