12 setembro 2014

SEM MASCARAS: UNIDOS E INVENCIVEIS

Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! É como o óleo precioso sobre a cabeça, o qual desce para a barba… e desce para a gola de suas vestes”. (Sl 133.1-2).
 Houve certa vez um rei que gostava muito de compor músicas. E embora tenha vivido há muitos séculos, até hoje suas músicas ainda são cantadas. O nome dele era Davi. Suas composições são chamadas de Salmos. E embora tenham sido escritas há tanto tempo, algumas delas possuem um elemento de realidade que tornam eternas. Quanto mais vivo, mais reconheço o valor dessa idéia, que é um imperativo: “Viverem unidos os irmãos”. E como disse Davi, a união é como óleo. Ele reduz o atrito nos contatos pessoais, de modo que os irmãos podem ter um relacionamento bastante aproximado, sem entrar em conflito. Embora alguns possam ter dificuldade em acreditar nisso, a verdade é que o plano de Deus era que nos relacionássemos bem uns com os outros, apesar de termos diferenças de gosto, preferências, de estilos, de cultura, de cor, de escolaridade e língua. “É bom e agradável” que vivamos em união—apesar de todas as nossas divergências.
 A Base Bíblica da União
Segundo as Escrituras, todos os cristãos se acham ligados entre si por um laço invisível. É um laço que transcende traços de personalidade e posição geográfica… ou talvez seja mais certo dizer que deveria transcender. Um crente aqui, de Campo Grande está ligado a outro de São Paulo ou de qualquer outro lugar do Mundo. O credo apostólico chama esse laço de “a comunhão dos salvos”. E na primeira carta aos Coríntios, o apóstolo Paulo refere-se a isso como sendo um “corpo”, e afirma que somos “membros desse corpo” (1 Co 12.27). É como um antigo corinho que diz:
Somos um pelos laços do amor; somos um pelos laços do amor;
Unidos nosso espírito ao Espírito de Deus; Somos um pelos laços do amor.
O que é que cria essa união? Como é que nós, eu e você, podemos estar unidos no mesmo corpo, como membros uns dos outros? A resposta dessa pergunta é muito importante— é por meio de Jesus Cristo. Só Ele pode unir o corpo. Sendo a Cabeça, Ele comanda todos os membros do Corpo. Portanto. É Ele quem pode promover essa união. “Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primog6enito de entre os mortos, para em todas as cousas ter a primazia”. (Cl 1.18). Jesus mesmo, reconhecendo esse fator, orou a Deus a respeito dessa nossa necessidade de União. Essa oração se acha no capítulo 17 de João. Aliás, todo o capítulo é a oração. Vejamos um esboço de João 17:
  • Versos 1 a 5—Cristo ora por si mesmo.
  • Versos 6 a 19—Cristo ora por seus discípulos.
  • Versos 20 a 26—Cristo ora por todos os que ainda viriam a crer nele, inclusive nós.

E qual é o assunto dessa oração? União, obviamente. Observe:
  • Verso 21: “a fim de que todos sejam um”.
  • Verso 22: “para que sejam um, como nós o somos”.
  • Verso 23: “a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade”.
Este último trecho se fosse traduzido ao pé da letra, ficaria assim: “a fim de que sejam aperfeiçoados transformando-se em uma unidade”. A União que Jesus deseja é uma união que nos fortaleça e nos reanime na jornada desta vida. E na verdade, quando existe essa união, passamos a caminhar com mais confiança, e nossa fé torna-se claramente invencível. Vemos isso ilustrado na história daqueles hebreus que invadiram a terra de Canaã, sob a liderança de Josué.
 1 – UNIÃO NA HORIZONTAL, VITÓRIA NA VERTICAL
“Então responderam a Josué, dizendo: Tudo quanto nos ordenaste faremos, e aonde quer que nos enviares iremos. Como em tudo obedecemos a Moisés, assim obedeceremos a ti: tão-somente seja o Senhor teu Deus contigo, como foi com Moisés. Todo homem que se rebelar contra as tuas ordens e não obedecer às tuas palavras em tudo quanto lhe ordenares, será morto: tão somente sê forte e corajoso”. (Js 1.16-18).
Esses três versos estão carregados de expectativa. São palavras de um grupo de pessoas que se acham fortemente estimuladas. Em sua resposta há promessas de: cooperação (“faremos”),disposição (“iremos”), dedicação (“obedeceremos”), lealdade (“todo homem que se rebelar… será morto”), e incentivo (“sê forte e corajoso”). Que situação diferente e incomum: O povo incentivando seu líder é um dos resultados da união— os olhos de todos estão voltados para os outros e não para si mesmos. Nós todos sabemos criticar melhor do que elogiar; e reclamar melhor do que incentivar. Esse povo do tempo de Josué foi uma agradável exceção à regra. E o melhor de tudo isso foi que, quando chegou o momento de passarem das palavras à ação, eles foram fiéis à promessa feita.
 2 – UMA ESTRATÉGIA ESTRANHA É ACEITA SEM RESISTÊNCIA
Analisemos atentamente o capítulo seis de Josué. Uma batalha os espera na próxima curva. Comparados com os fortes guerreiros cananitas, aqueles hebreus devem ter parecido um bando de míseros nômades desorganizados. Mas havia um fator gigantesco que tornava tudo diferente. Eles tinham a seu lado o Deus Jeová. E o Senhor não iria deixar sua honra fosse manchada por uma malta de pagãos ateus.
“Ora, Jericó estava rigorosamente fechada, por causa dos filhos de Israel: ninguém saía nem entrava. Então disse o Senhor a Josué: Olha, entreguei na tua mão a Jericó, ao seu rei e aos seus valentes”. (Js 6.1-2).
Jericó deve ter-lhes parecido aterradora. Mas Josué recebera uma promessa de Deus: “Olha, entreguei a Jericó em tuas mãos”. Mas como? Alguma arma secreta? Um explosivo superpotente? Não; simplesmente uma estratégia estranha. Veja a estratégia em Josué 6.3-5. Isso é uma idéia nova. Mas nada de muito grande. Era apenas acreditar em Deus e fazer exatamente o que ele dizia. Sem questionar o plano de Deus, se tornaram invencíveis—Josué 6.6-11__ Josué 6.20-21. Isso é que é ser invencível! Obedecer. Quem iria pensar numa estratégia tão esquisita? E em nossa época de tecnologia tão avançada, ninguém pensaria em participar de um plano desses. Mas o melhor de tudo é que, mesmo que o plano pareça estranho quando obedecemos só Deus pode receber a glória. 
Para não esquecermos: Os que permanecem unidos se tornam uma força invencível, por meio da qual Deus pode realizar suas grandes obras. Mas lembremos que o segredo aqui é fileiras cerradas e relacionamentos sinceros. Se nos esquecermos disso, podemos esquecer o resto.
 3 -UMA VITÓRIA DE EQUIPE, SEM RIVALIDADES
No capítulo 8 de Josué, chegamos a uma outra situação, uma cena diferente da primeira, e com uma estratégia totalmente diversa. Dessa vez não se trata de Jericó, mas de um povoado denominado Ai. Veja o plano em Josué 8. 1-9. Viu como é? Também aqui não houve nada complicado. Cada grupo teria sua própria tarefa. Uns iriam ficar na frente, com Josué, e outros estariam afastados das glórias da batalha. Mas isso não tinha importância para eles, pois o que realmente importava era a vitória da equipe, independente do que acontecesse depois. E ninguém se preocupou em perguntar:
_ E agora, quem fica com os “louros”da vitória? _ Eu tenho que ficar fora das luzes dos holofotes?
Não; em um grupo unificado não existe lugar para isso. Josué 8.13-17 . “Foi a vitória da unidade na humildade”. 
“NÃO HÁ LIMITES PARA O QUE UM HOMEM PODE REALIZAR NEM PARA ONDE ELE PODE CHEGAR DESDE QUE NÃO SE IMPORTE COM QUEM RECEBE AS GLÓRIAS”
Aqueles hebreus não possuíam uma plaqueta assim, mas praticaram essa verdade. Eles obtiveram a vitória em Ai simplesmente porque cada um deles se dispôs a participar do plano, independente de quem receberia as glórias.
 3 –INABALÁVEL CONFIANÇA EM DEUS
Dominados pelo cansaço das batalhas, os hebreus compreenderam que, se Deus não interviesse, não conseguiriam vencer. Estavam esgotados e precisavam da força divina para prosseguir. Js 10. 6-9__ Js 10. 10-14. Essa devia estar no programa Acredite se Quiser! Você consegue visualizar isso? O General Josué, sentindo uma enorme confiança em Deus, olha para o alto e brada: _ Pare, sol! E você também, lua! Não encaremos isso como presunção de sua parte. Não; não é isso. É a certeza de que Deus se acha totalmente envolvido em nossa motivação de vida, e é totalmente glorificado com nossas ações. “Assim que um homem se dispõe a colocar-se no centro do plano de Deus, e deixa Deus realizar a vontade dele por seu intermédio, esse homem torna-se invencível”.
Aplicação: 
A busca da união é trabalhosa, mas vale à pena. – Efésios 4.3
Uma posição de humildade é do mais alto valor, mas é encontrada com muita raridade. – Tiago 4.1-2.
Viva vencendo os partidarismo que se levantam em nosso meio!!!
Abraços.
Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário