30 dezembro 2014

LIÇÕES BÍBLICAS CPAD - 1o. TRIMESTRE/2015 - APRESENTAÇÃO E LIÇÃO 01 - 04/01/2015 - "DEUS DÁ A SUA LEI AO POVO DE ISRAEL"


Título: A Lei de Deus - Valores imutáveis para uma sociedade em constante mudança


Comentarista: Pr. Esequias Soares da Silva



Lição 1: Deus dá a sua Lei ao povo de Israel
Lição 2: O padrão da Lei Moral
Lição 3: Não terás outros deuses
Lição 4: Não farás imagens de esculturas
Lição 5: Não tomarás o Nome do Senhor Deus em vão
Lição 6: Santificarás o sábado
Lição 7: Honrarás pai e mãe
Lição 8: Não matarás
Lição 9: Não adulterarás
Lição 10: Não furtarás
Lição 11: Não darás falso testemunho
Lição 12: Não cobiçarás
Lição 13: A Igreja e a Lei de Deus

Veja o vídeo de apresentação com o autor:




Vamos á Lição de número 01





TEXTO ÁUREO
“Que são israelitas, dos quais é a adoção de filhos, e a glória, e os concertos, e a lei, e o culto, e as promessas.” (Rm 9.4)



VERDADE PRÁTICA
Uma nova nação despontava no horizonte e precisava de uma legislação que definisse as bases em que o povo devia viver, isto é, fundamentada nas promessas feitas aos patriarcas.



Leitura bíblica: Êxodo 20.18-22, 24; 24.4, 6-8



INTRODUÇÃO

Três meses depois da saída do Egito, Deus conduziu os hebreus pelo deserto até o Monte Sinai, onde ficaram acampados (Êx 19:1,2). Ali, Israel se tornou uma nação eleita e santa ao entrar em um relacionamento de aliança com Deus (Êx 19:3-8). A eleição divina de Israel colocou essa nação em uma posição especialmente privilegiada no mundo.

No Monte Sinai, o Senhor declarou, em particular, a Moisés, a quem chamou à Sua presença, as orientações preparatórias para a entrega da Lei (Êx 19:3-6). Ali, o Senhor proferiu os Dez Mandamentos (Decálogo) que se constituíram nos estatutos perpétuos para serem obedecidos (Êx 20:6; 24:12).

Do meio de uma tremenda tempestade, acompanhada de terre­motos e do som sobrenatural de trombetas, com a montanha toda envolta em fumo e coroada de chamas aterradoras, Deus falou as palavras dos Dez Mandamentos e deu a Moisés a lei. Tais ordenanças revelam os princípios espirituais e relacionais de Deus ao Seu povo, bem como Sua natureza santa, os quais os seres humanos devem observar como parâmetro de conduta (Dt 33:3).

Os "Dez Mandamentos" revelam, nesta aliança de Deus com Israel, o próprio caráter de Deus e, como tal, são uma demonstração do comportamento que Deus requer de todo ser humano em relação a Deus e ao semelhante, cuja profundidade e alcance foram bem demonstrados por Jesus no sermão do monte.

Deus requereu de Israel e requer, também, de nós – Igreja do Senhor Jesus - duas atitudes em relação às Suas ordenanças: que possamos ouvir e obedecer (Dt 11:26,27). Desse modo, tornamo-nos Sua propriedade peculiar, Seu reino sacerdotal e Seu povo santo (Êx 19:5,6).

O Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco, citando Meir Matzliah Melamed, em seu comentário sobre “A Ética Cristã e os Dez Mandamentos”, diz que “... A importância dos Dez Mandamentos não se resume unicamente no seu significado, mas ao fato de que constituem exemplos clássicos para todas as demais leis”.

Hans Ulrich Reifler, em sua análise sobre “a ética dos Dez Mandamentos”, diz:

Os Dez Mandamentos foram escritos por Deus em duas tábuas (Êx 31:18) e foram reconhecidas como o cerne ou o princípio da lei já em Êxodo 24:12: "Então disse o Senhor a Moisés: Sobe a mim ao monte, e fica lá; dar-te-ei tábuas de pedra, e a lei, e os mandamentos que escrevi, para os ensinares". Além desses dois textos básicos, encontramos referências a elas em Deuteronômio 10:1-5.

No Novo Testamento, com exceção do quarto mandamento, que se refere à observância do sábado, encontramos todos os Dez Mandamentos em suas formas inibidora (ou negativa) e positiva (ou construtiva).


Mandamento

Referência Correlata no Novo Testamento

1 e 2

1João 5.21

3

Tg 5.12

4

Nenhuma referencia

5

Ef 6.1-3

6

Rm 13.9

7

1Co 6.9, 10

8

Ef 4.28

9

CI3.9; Tg 4.11

10

Ef 5.3

Além dessas referências específicas, temos alusões ao Decálogo nos ensinos de Jesus em Mateus 15; 19; 22:37-40; Lucas 10:26-28, e em outras passagens.

A expressão "Dez Mandamentos" deriva de Êxodo 34:28 e de Deuteronômio 4:13; 10:4:

"E ali esteve com o Senhor quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão nem bebeu água; c escreveu nas tábuas as palavras da aliança, as dez palavras" (Êx 34:28);
"Então vos anunciou ele a sua aliança, que vos prescreveu, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra" (Dt 4:13);

"Então escreveu o Senhor nas tábuas, segundo a primeira escritura, os dez mandamentos que ele vos falara no dia da congregação, no monte, no meio do fogo" (Dt 10:4).

Ao longo da história, os cristãos dividiram os Dez Mandamentos de maneiras diferentes. De um lado temos a Igreja Ortodoxa Grega e a Igreja Ortodoxa Russa, juntamente com as Igrejas Reformadas e os anabatistas, seguindo a divisão proposta por Orígenes, Agostinho, Bonifácio e Calvino; e do outro lado encontramos a divisão empregada pela Igreja Católica Romana e pelas Igrejas Luteranas.


As Igrejas Ortodoxas e Reformadas

A Igreja Católica Romana e as Igrejas Luteranas

1. Não terás outros deuses diante de mim (Ex 20:3).

1. Não terás outros deuses e não farás imagens.

2. Não farás imagens de escultura (Ex 20:4-6).

2. Não tomarás o nome de Deus em vão.

3. Não tomarás o nome de Deus em vão (Ex 20:7).

3. Lembra-te do dia de sábado.

4. Lembra-te do dia de sábado, para o santificar (Ex 20:8-11).

4. Honra teus pais.

5. Honra teus pais (Ex 20:12).

5. Não matarás.

6. Não matarás (Ex 20:13).

6. Não adulterarás.

7. Não adulterarás (Ex 20:14).

7. Não furtarás.

8. Não furtarás (Ex 20:15).

8. Não dirás falso testemunho.

9. Não dirás falso testemunho (Ex 20:16).

9. Não cobiçarás a casa de teu próximo.

10. Não cobiçarás a casa de teu próximo, nem sua mulher ou servo, ou animal (Ex 20:17).



10. nem sua mulher ou servo, ou animal.


Seguindo o modelo proposto por Calvino, baseado em Agostinho e Orígenes, percebemos que os primeiros quatro mandamentos, correspondente a “primeira tábua, tratam da relação vertical, ou seja, das responsabilidades do homem para com seu Criador, enquanto a "segunda tábua", ou os seis mandamentos restantes, trata da relação horizontal, isto é, das responsabilidades do homem para com seu próximo. Reencontramos esta dupla relação no ensino de Jesus Cristo, quando o Mestre respondeu a respeito do grande mandamento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas" (Mt 22:37-40).

Outra maneira de dividir os Dez Mandamentos e agrupá-los em três partes:


Mandamentos

Êxodo 20

Assunto

1-3

vv. 2-7

Relação correta com Deus.

4

vv. 8-11

Relação correta com o trabalho.

5-10

vv. 12-17

Relação correta com a sociedade.

Ou então:


Mandamentos

Êxodo 20

Assunto

1-3

vv. 2-7

Moral teológica.

4-6

vv. 8-14

Moral individual.

7-10

vv. 15-17

Moral social.

Assim, partindo da observação dos aspectos vertical e horizontal do Decálogo, traçamos o seguinte esboço:

1. O testemunho da singularidade e exclusividade de Deus (Êx 20:3).

2. O testemunho da incomparabilidade de Deus (Êx 20:4-6).

3. O testemunho da santidade de Deus (Êx 20:7).

4. O testemunho do senhorio de Deus sobre o tempo (Êx 20:8-11).

5. A proteção da velhice (Êx 20:12).

6. A proteção da vida (Êx 20:13).

7. A proteção do matrimonio e do corpo (Êx 20:14).

8. A proteção da propriedade e do trabalho (Êx 20:15).

9. A proteção da honra (Êx 20:16).

10. A proteção contra as ambições erradas e a cobiça (Êx 20:17).

Segundo o pr. Esequias Soares, o Decálogo é a única parte do Pentateuco escrita "pelo dedo de Deus" (Êx 31.18), linguagem figurada que, segundo Agostinho de Hipona, indica "pelo Espirito de Deus" e, de acordo com Clemente de Alexandria, "pelo poder de Deus". É também a única porção da lei que Israel ouviu partir da voz do próprio Deus no monte quando ele transmitia essas Dez palavras (Êx 19.24, 25; 20.18-20). Os demais preceitos foram transmitidos por Javé exclusivamente a Moisés. Além dessas características, elas servem como esboço de toda a lei de Moisés. Todavia, isso não coloca o seu conteúdo numa posição acima da legislação mosaica porque toda a lei veio de Deus e "toda a Escritura é inspirada por Deus" (2Tm 3.16 - ARA).

Ainda, segundo o pr. Esequias Soares, as Dez palavras foram dadas a Israel logo após a libertação dos israelitas do Egito e se aplicam primariamente aos hebreus, não a toda a humanidade. Isso fica muito claro na expressão "para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá" (Êx 20.12; Dt 5.16), que diz respeito à terra de Canaã. E o quarto mandamento, na recapitulação em Deuteronômio, afirma "porque te lembrarás de que foste servo na terra do Egito e que o SENHOR, teu Deus, te tirou dali com mão forte e braço estendido; pelo que o SENHOR, teu Deus, te ordenou que guardasses o dia de sábado" (Dt 5.15). O sábado legal era o sinal do concerto entre Javé e o seu povo Israel (Êx 31.13,17). São peculiaridades do sábado no sistema mosaico que o Senhor Jesus e seus apóstolos não incluíram como parte obrigatória na fé cristã.

Alguns interpretam que o Senhor Jesus Cristo sintetizou as duas tábuas nos dois grandes mandamentos (Mt 22:34-40), com a ressalva do sábado, pois não há ensino no Novo Testamento para a observância do quarto mandamento.

O sábado (mencionado pela primeira vez em Gênesis 2:1-3 e depois juntamente com o relato do maná em Êxodo 16) agora é formalmente instituído como lei à nação de Israel. Esse dia era um símbolo do descanso que os cristãos hoje desfrutam em Cristo e também da redenção que a criação desfrutará no milênio. O sábado judaico (hb. Shabbath – “cessar, interromper”), o sétimo dia da semana, começa ao pôr-do-sol da sexta-feira e termina ao pôr-do-sol do sábado. Nenhuma passagem do Novo Testamento ordena os cristãos a observar o sábado.

Conquanto o cristão não esteja mais obrigado a observar o sábado judaico, ele tem fortes razões bíblicas para dedicar um dia, em sete, para seu repouso e adoração a Deus:

a) O princípio de um dia sagrado de repouso foi instituído antes da lei judaica - “E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou” (Gn 2:3). Isto indica que o propósito divino é que um dia, em sete, fosse uma fonte de benção para toda a humanidade e não apenas para a nação judaica.
b) O propósito espiritual de um dia de descanso em sete é benéfico ao cristão. No Novo Testamento esse dia era visto como uma cessação de labor e ao mesmo tempo um dia dedicado a Deus; um período para se conhecer melhor a Deus e adorá-lo; uma oportunidade para dedicar-se em casa e em público às coisas de Deus (Nm 28:9; Lv 24:8).

c) Jesus nunca ab-rogou o princípio de um dia de descanso para o homem. O que Ele reprovou foi o abuso dos líderes judaicos quanto à guarda do sábado (Mt 12:1-8; Lc 13:10-17; 14:1-6).

d) Jesus indica que o dia de descanso semanal foi dado por Deus para o bem-estar espiritual e físico do homem (Mc 2:27).

e) Nos tempos do Novo Testamento os cristãos dedicavam um dia especial, o primeiro dia da semana, para adorar a Deus e comemorar a ressurreição de Cristo (At 20:7; 1Co 16:2; Ap 1:10).

Muitos identificam o Decálogo como lei moral sem fazer restrição ao quarto mandamento, que fala do sábado. É importante que se saiba que o sábado foi dado como uma bênção para os israelitas e posto como sinal entre Deus e Israel, como memorial da libertação do Egito (Êx 31.13, 17; Dt 5.15). Nem a Igreja e nem nenhuma nação têm compromisso com o sábado legal de Moisés para observar o sétimo dia da semana (Cl 2.14-17). Jesus disse que o sábado é um preceito cerimonial (Mt 12.1-5; João 7.21, 22).

Segundo o pr. Esequias Soares, matar, adulterar, furtar e proferir falso testemunho já existia nos códigos mesopotâmios e do Egito como crimes, embora os fundamentos e propósitos fossem diferentes dos revelados na lei de Moisés. Os hebreus do período pré-Sinai sabiam que era errado desonrar a Deus pelo uso impróprio do seu nome, como era igualmente errado faltar com o respeito aos pais e cobiçar a propriedade alheia. Mas com a revelação do Sinai, eles tiveram uma compreensão mais ampla desses mandamentos e passaram a entender que não se tratava de meras normas jurídicas, mas da vontade de Deus. Foi Javé quem colocou a lei no coração e na mente de todos os seres humanos, dando-lhes assim as condições necessárias para discernirem entre o certo e o errado, por meio da consciência (Rm 2.14-16). O concerto do Sinai mostra a origem divina de todos esses mandamentos.

Diz, ainda, o pr. Esequias Soares:

Os Dez Mandamentos não aparecem como tal na sua totalidade nenhuma vez sequer no Novo Testamento. Os mandamentos que o Senhor Jesus citou para o moço rico (Mt 19:18,19) e os mencionados pelo apóstolo Paulo (Rm 13:9), além de não serem a totalidade, não estão na sequência canônica. Na fé cristã, a sua autoridade é a mesma das demais partes das Sagradas Escrituras.

A lei cerimonial é a parte da legislação mosaica que trata das cerimônias de sacrifícios e das festas religiosas, do kashrut, leis dietéticas, dentre outras, que se cumpriu em Jesus. Os preceitos de caráter jurídico, como a lei civil, também já foram cumpridas, porque não existe mais um estado teocrático, e a Igreja não é um Estado.

A questão é se a moral cristã deve estar fundamentada nos Dez Mandamentos e qual é o papel desses preceitos na vida da Igreja. Quando o Novo Testamento afirma que a lei foi abolida por Cristo, não especifica se é lei moral, cerimonial ou civil. O apóstolo Paulo inclui a parte do sistema mosaico que foi "gravado com letras em pedras" (2Co 2:7). Assim, quando se diz que não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça (Rm 6:14, 15), dizemos que essa lei é a Torá completa, e não parte dela. Toda a lei resume-se na lei do amor, amor a Deus e ao próximo (Mt 22:37-40; Rm 13:8-10). Estar debaixo da graça significa que fomos libertos da lei para servir e não para pecar, nós somos servos de Cristo e não da lei, é o Espírito Santo que guia o cristão no dia a dia (Rm 7:6) (Ensinador Cristão).

É válido, ainda, ressaltar o seguinte:

Todo o Pentateuco é considerado a Lei de Deus e não meramente os Dez Mandamentos (ler Josué 24:26). O que de fato existem são preceitos morais, cerimoniais e civis, mas a Lei é uma só. “É chamada de Lei de Deus porque veio de Deus, e lei de Moisés porque foi ele o mediador entre Deus e Israel (Ne 10:29). Ambos os termos aparecem alternadamente na Bíblia (Ne 8:1,2,8,18; Lc 2:22,23). A cerimonia dos holocaustos, a circuncisão e o preceito sobre o cuidado dos bois são igualmente reconhecidos como lei de Moisés (2Cr 23:18; 30:16; At 15:5; 1Co 9:9)” (LBM – CPAD).

Referências Bibliográficas:

Hans Ulrich Reifler. A ética dos dez Mandamentos. Vida Nova.

Esequias Saores. Os Dez Mandamentos – Valores Divinos para uma Sociedade em Constante Mudança. CPAD.

Paul Hoff – O Pentateuco. Ed. Vida.

Leo G. Cox - O Livro de Êxodo - Comentário  Bíblico Beacon. CPAD.

Victor P. Hamilton - Manual do Pentateuco. CPAD.

Viva aprendendo para vencer os falsos ensinamentos!!!

Abraços.

Seu irmão menor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário