23 fevereiro 2015

A PERDA DO TEMOR A DEUS E O ESFRIAMENTO DO AMOR NA IGREJA DE CRISTO - PERIGO TERRÍVEL


"Muitos crentes, diante dos cuidados e seduções deste mundo, acabam perdendo o primeiro amor. De que adianta ir aos cultos, conhecer as doutrinas bíblicas e evangelizar, se o amor por Cristo e por sua obra já não é mais o mesmo do início de nossa fé? Nosso amor por Jesus deve ser puro, sincero e ardente. voltemos imediatamente ao primeiro amor"

"Os crentes são chamados à fidelidade e perseverança até que as promessas alcancem seu cumprimento total. A demora no cumprimento de alguma promessa muitas vezes leva o crente ao esfriamento do amor e dedicação por Cristo e sua Palavra. Conhecer teologia, freqüentar as reuniões da igreja local e obedecer alguns mandamentos não bastam (Mt 5.17). O crente deve manter vividamente o amor sincero a Jesus Cristo e sua Palavra como um todo. Veja que na advertência à Igreja de Éfeso em Ap 2.4, o termo ‘deixaste o teu primeiro amor’, caracteriza um ‘abandono’ da fé; este é um dos sentidos do termo grego aphiemi – ‘deixar’[...]"

Há muitas igrejas perdendo a sua identidade e promovendo movimentos com cara de avivamento, com o discurso de que a sua igreja é moderna e com a preocupação de atrair uma grande multidão, ou de satisfazer a vontade do povo. Muitos que lá chegaram, foram movidos pelo ardor da Palavra de Deus, pela expectativa de uma vida nova, e com o passar do tempo essas pessoas foram se decepcionando e perdendo o entusiasmo pela igreja.
O tópico seguinte "A perda do temor a Deus" também tem sido um dos motivos que estão levando muitos crentes a desanimarem na fé, pois os maus exemplos de algumas lideranças, os escândalos, os maus testemunhos dentro das igrejas estão contribuindo, não para um esfriamento, mas, para um congelamento espiritual. Muitos cristãos já ouviram alguém dizer "Como você consegue ficar nessa Igreja?" "Como você suporta aquele líder?" etc.



Mas tem uma forma de escapar desse esfriamento espiritual, tirar o foco do homem e colocá-los somente em Deus "Olhando para Jesus, autor e consumador da fé," (Hb 12.2a) Em Jesus devemos iniciar e consumar toda a nossa fé, dessa forma escaparemos do esfriamento espiritual que ameaçam a identidade da Igreja em nossos dias e voltaremos ao primeiro amor. 

A perda to temor a Deus

[1] "Num mundo onde impera o relativismo moral e ético, corremos o perigo de perder o temor e a reverência ao Altíssimo. Temer a Deus é honrá-lo como o Senhor de nossas vidas. Quando o homem perde o temor a Deus, acaba cometendo toda sorte de iniquidades."

"Temer é ‘ter grande respeito a’, não se trata de simples medo, mas de reverência, por meio da qual o indivíduo reconhece o poder e a posição do indivíduo reverenciado e lhe presta respeito formal. Nesse sentido, ‘temor’ implica submissão a uma relação ética formal com Deus. Com efeito, quando se perde o temor a Deus, atingiu-se o mais baixo abismo da degradação moral e possivelmente, torne-se irreconciliável. A sociedade é vítima de um distanciamento de Deus, e está colhendo os frutos de uma geração moralmente degradada, à margem da Graça de Deus (Rm 3.23). Ninguém jamais alcançará o padrão divino de absoluta perfeição moral e será digno de sua glória. Portanto, se houver alguma salvação, ela deverá acontecer de outra maneira, pela justificação que há em Cristo para um correto relacionamento com Deus."

A onda do relativismo entrou nas Igrejas também, "tudo depende", nessa teoria não há verdades absolutas, tudo é questionável. Segundo o Wikipédia o relativismo é  "Atitude ou doutrina que afirma que as verdades (morais, religiosas, políticas, científicas, etc.) variam conforme a época, o lugar, o grupo social e os indivíduos de cada lugar."

Por isso, há muitos que estão perdendo o temor a Deus, estão amando as coisas que Deus abomina, estão tentando relativizar a sã doutrina. Por isso Deus disse que "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?" (Mt 7.22) e o Senhor vai responder "E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade." (Mt 7.23). A falta do temor e reverência a Deus pode até funcionar aqui na terra, mas essas pessoas lá no Céu não entrarão. Jamais percamos essa característica tão importante da nossa identidade como Igreja do Senhor Jesus, que é o temor a Deus.

A perda da humildade

"Muitos são os que permitiram o orgulho tomar conta de seus corações. Eles se esquecem de que tudo neste mundo é efêmero: riqueza, fama e poder. A mensagem e o estilo de vida de Jesus eram simples. Por conseguinte, quando o crente perde a simplicidade cristã torna-se orgulhoso e insuportável inclusive para o próprio Deus."

"Como visto na lição de número 7, humildade vem do Latim humilitas, -atis: pequenez, modéstia, qualidade de humilde; capacidade de reconhecer os próprios erros, defeitos ou limitações. É o inverso de altivez, arrogância e orgulho. É demonstração de respeito, submissão, deferência e reverência. Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas. Paulo que, escrevendo 2Co 3.4, 5 e 6, afirma: “E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento...” a seu exemplo, não podemos nos vangloriar de coisa alguma por que, o crédito por todas as nossas realizações na Obra do Senhor é dEle mesmo; Também é conveniente nos afastarmos daquele que já não demonstra não reconhecer que suas habilidades são capacitações dadas pelo Espírito Santo para desenvolvimento do Corpo. Para desempenharmos o serviço do Senhor é imperativo que haja humildade no coração: “O SENHOR já nos mostrou o que é bom, ele já disse o que exige de nós. O que ele quer é que façamos o que é direito, que amemos uns aos outros com dedicação e que vivamos em humilde obediência ao nosso Deus” (Mq 6.8). (Veja Pv 4.23; Mt 15.19; Fp 2.13; Tg 4.10; Lc 22.26; 1Pe 5.5,6)."

Estamos vivendo o tempo em que pessoas na sociedade se orgulham cada vez mais do poder que tem, das riquezas que tem, da fama que tem. Mas, infelizmente esse mal tem aos poucos entrado em nossas igrejas, pois já presenciei líderes que não cumprimenta com a paz do Senhor os membros da Igreja, só conversam com pessoas que estão no mesmo nível social  ou de poder igual ao deles, e mais vergonhoso ainda é vê-los pregando sobre o amor fraternal. Da mesma forma há membros da Igreja que querem mandar até no pastor e no ministério por achar que se encontra numa situação financeira ou social mais vantajosa do que os demais.  A falta de humildade tem surgido com muita frequência em nossas igrejas. Cuidemos para não perdermos essa importantíssima característica da nossa identidade, que é a humildade.

[1] "A Igreja de Cristo deve preservar o amor, a simplicidade e o temor a Deus a fim de que o mundo conheça a Cristo através do nosso testemunho. Conservemos a sã doutrina, pois o Inimigo tenta macular a Noiva de Cristo mediante as heresias, modismos e costumes mundanos."

"A Igreja é a família espiritual de Deus, uma comunidade criada pelo Espírito Santo baseada no Calvário, e como tal, deve preservar aquela marca distintiva que caracterizou a Igreja primitiva: obediência amorosa e incondicional à Bíblia Sagrada. A Igreja está inserida no contexto social pluralista onde a maneira como as pessoas vivem é determinada mais por seus valores compartilhados, e isso por sua vez é mudado através de persuasão paciente e exemplo, o que poderemos realizar somente se o conjunto de características exclusivas da Igreja – amor, simplicidade e o temor a Deus forem preservados. Falsos ensinos são uma perigosa ameaça espiritual que podem causar estragos semelhantes aos causados pela Serpente de Gênesis. De modo semelhante, o apego a exigências legalistas e de concessões pode macular a identidade da Igreja (2Co 3.6; 6.14-7.1; 10.5). Por isso, não podemos nos apartar da simplicidade e da pureza que há em Cristo."

É hora de avaliarmos como está a identidade da nossa Igreja, segundo os critérios aqui estudados, se está tudo de acordo com o ensinamento da Palavra de Deus, parabéns! Conserve sempre esse zelo pela identidade da Igreja. Se não está tudo de acordo com as características ensinadas por Jesus, esta lição então veio para nos alertar de que precisamos urgentemente resgatar a nossa verdadeira identidade de Igreja do Senhor.

Viva vencendo a falta de temor que grassa dia após dia, querendo fazer-nos apartar do Senhor!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

2 comentários:

  1. MARAVILHOSO!!!! O que falta hoje em dia nas pessoas, é a falta de temor a Cristo!!!!

    ResponderExcluir
  2. MUITO BOM O TEXTO DEUS AMA A SIMPLICIDADE PORQUE NOS LEVA A SERMOS COMO CRIANÇA
    SE SOMOS COMO CRIANÇAS HERDAREMOS O REINO DE DEUS

    ResponderExcluir