26 fevereiro 2015

LIÇÃO 09 - 01/03/15 - "NÃO ADULTERARÁS"



TEXTO ÁUREO

“Eu, porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela” (Mt 5.28).

VERDADE PRÁTICA

O sétimo mandamento diz respeito à pureza sexual e à proteção da sagrada instituição da família, assim como o mandamento anterior fala sobre a proteção à vida.



INTRODUÇÃO

Normalmente quando pensamos em adultério, automaticamente pensamos em um homem sendo infiel a sua esposa, ou vice versa. No entanto, este mandamento é muito mais amplo e profundo do que apenas isso. Ele engloba não somente o campo da experiência sexual humana, e seu relacionamento conjugal, que sem duvida é um assunto muito preocupante, mesmo porque vivemos em uma época em que a sexualidade, e suas expressões, são cada vez mais explicitas em nossa sociedade. No entanto este assunto pode ser mais abrangente quando tratado do ponto de vista do adultério espiritual contra Deus.

O SETIMO MANDAMENTO

O sétimo mandamento. “Não adulterarás” (Êx 20.14). Este mandamento do Senhor está vinculado à sacralidade, pureza e respeito absoluto ao sexo, ao matrimônio e à família. O adultério é um ato sexual ilícito e pecaminoso, de um cônjuge com outra pessoa estranha ao casamento. Enquanto a lei condenava a prática do ato, o Novo Testamento vai além — condena os motivos ocultos no coração que levam ao adultério (Mt 5.27,28). Portanto, mais que condenar o ato praticado, Deus espera que em todo o tempo dominemos nossos desejos e nos submetamos ao domínio do Espírito Santo.

A Lei permitia poligamia (talvez uma instituição social necessária à proteção de mulheres solteiras), mas jamais permitiu poliandria (caso em que uma mulher tem vários maridos simultaneamente). O fato de um homem ter relações sexuais com a esposa de outro homem era considerado um pecado hediondo tanto contra Deus como contra o homem, já bem antes da lei, ao tempo dos patriarcas (Gn 39.9). 

Talvez este mandamento esteja relacionado ao “furto” e à “cobiça” proibidos nos dois mandamentos seguintes, já que a esposa pertencia a outrem. Talvez isto explique um dos aspectos mais intrigantes para nós que vivemos sob a nova aliança: apesar de que relações sexuais com prostitutas não sejam recomendadas, também não são proibidas (embora fosse proibido aos israelitas o permitir que suas filhas se entregassem a tais práticas degradantes, Lv 19.29). 

Talvez isso não infringisse os direitos de outrem, como no caso de um adultério. Por outro lado, é claro (ver Mt 19.4-6) que a monogamia era o plano de Deus para o homem na criação: e sem sombra de dúvida, tal como o divórcio, a poligamia e mesmo a fornicação eram toleradas na economia mosaica devido à dureza do coração humano (Mt 19.8). Em CRISTO, elas se tornam absolutamente impensáveis (1Co 6.15).

Longe de anular este mandamento, CRISTO o intensificou, incluindo como” adultério” muito do que não é apenas tolerado, mas justificado por nossa sociedade permissiva (Mt 5.28). Semelhatemente Ele incluiu os pensamentos maldosos na proibição de assassinato: os mandamentos têm como alvo o pensamento e a motivação, não apenas o ato (R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 154).].

O poder destrutivo do adultério na vida humana

Nos seres humanos, assim como muitas outras especies na natureza, nos reproduzimos através de relações sexuais. Estudos científicos dizem que o nosso desejo sexual é praticamente igual a nossa vontade de viver. Isso não é uma coisa ruim, nem mesmo pecado como muitos pensam, se somos desta forma é porque Deus nos fez assim. Ele nos projetou com desejo sexual; quando Deus fez o ser humano, Seu objetivo para a humanidade era para que eles se multiplicassem, e todos nós sabemos como a reprodução humana é realizada. Portanto, o ato sexual em si mesmo não é pecado algum. "...E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra..." (Gênesis 1:27-28); "...Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.

E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam..." (Gênesis 2:24-25). No entanto, após o pecado da desobediência quanto ao fruto da "árvore do conhecimento do bem e do mal" (Gênesis 2:17), seguiu-se a queda e a expulsão do Jardim do Éden, e uma das consequências desta queda foi a corrupção sexual do ser humano. O plano original de Deus era e ainda é que as relação sexuais ocorram somente entre o marido e sua esposa. E qualquer outra forma de expressão sexual, fora dessa relação conjugal, é considerada por Deus como pecado! E isto também trata o 7º Mandamento, que diz: "Não adulterarás" (Êxodo 20:14).

O adultério maltrata o cônjuge e sua família!

Deus não mudou e não muda, Ele ainda é contra o adultério. Ele ainda odeia este pecado e punira os culpados. (Apocalipse 21:8). 

O adultério não é um pecado somente contra o seu cônjuge, mas pode atingir também outras áreas da vida. Quando um homem e uma mulher se casam, eles tornam-se então uma só carne (Gênesis 2:24). Logo quando um dos parceiros se junta com uma pessoa fora do casamento, ele quebra o vínculo entre os dois (1 Coríntios 6:16). O adultério menospreza o cônjuge inocente dizendo: "Você não era bom o suficiente para mim." destruindo assim a auto estima de seu companheiro(a).

O adultério destrói a confiança! Talvez seja por isso que Jesus Cristo nos ensina que somente em casos de imoralidade sexual (adultério) é que pode ocorrer o divorcio. "...Então chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Disseram-lhe eles:  Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la? Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação (adultério), e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério..." (Mateus 19:3-9). Fornicação = (Ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, para satisfazer os desejos da carne. Coito carnal).

O Adultério no coração e a mente

O Adultério é resultado de uma condição espiritual deficiente. Então, uma vez que esta linha é cruzada, o inimigo continuará sempre a atacar essa área estimulando a pessoa a cair novamente no mesmo pecado, por este motivo devemos também esta atento a não tornarmos culpados de adultério, apesar de nunca ter tido relações sexuais com outra pessoa.

Jesus Cristo deixou-nos bem claro que o adultério não é somente uma coisa da carne, mas pode ser também uma questão do coração e da mente; Ele diz: "...Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. Também foi dito: Qualquer que deixar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio.

Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de fornicação, faz que ela cometa adultério..." (Mateus 5:27-32). Observe que Jesus Cristo diz: "se a tua mão ou teu olho te escandalizar, atira-a para longe de ti" É claro que o desejo de Deus não é que ninguém corte sua mão ou qualquer outro membro do corpo, mas sim que corte de sua vida os incetivos ao pecado, que neste caso seria a pornografia, filmes eróticos, revistas, fantasias sexuais, etc; ou seja tudo aquilo que estimule o adultério físico ou do coração.

Reconheço que neste mundo moderno, devido a moda das vestes, as propagandas nas ruas, e vários outros fatores; muitas vezes é difícil evitar a estimulação sexual. Portanto, devemos estar sempre vigiando e orando em todos os momentos e procurando sempre fugir da tentação, "...Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós..." (Tiago 4:7).

De todas as razões para não se cometer qualquer tipo de adultério, o temor a Deus sem duvida é a principal. Veja por exemplo a atitude de José em relação a mulher de Potifar que lhe tentava seduzir dia após dia, e ele lhe respondeu: "...Como, pois, posso eu cometer este grande mal, e pecar contra Deus?..." (Gênesis 39:9). José correu, resistiu a tentação, e nós como cristãos sinceros, queremos também agradar a Deus, assim como fez José. E nada desagrada mais a Deus do que ver seus filhos cometerem adultério, e esta deve ser a nossa maior razão para evitarmos este pecado. O adultério sempre foi considerado um pecado a ser punido com a morte "...certamente morrerá o adúltero e a adúltera..." (Levítico 20:10). Deus é Santo e não muda; o adultero ainda sera punido (1 Coríntios 6:9-10).

O adultério contra Deus - Adultério espiritual

Quando Jesus Cristo estava na Terra, Ele olhou para o povo e sua cultura e os classificou como "...uma geração adúltera e pecadora..." (Marcos 8:38). Mas será que em uma nação com leis tão rígidas como apedrejamento, haveria assim tantos adúlteros? Como poderia então Jesus Cristo considerá-los como uma geração de adúlteros? Simples! Jesus Cristo estava falando de adultério espiritual.

Logo, a Pergunta que fica é a seguinte: O que é adultério espiritual? Adultério espiritual trata de uma relação infiel para com Deus, como igreja somos considerado a noiva de Cristo, e quando temos um cuidado excessivo para com as coisas do mundo, ou quando ao invés de reunirmos para louvar, adorar e cultuar a Deus, nos reunimos em nome de Jesus somente com o proposito de buscar 'bençãos' materiais como fazem muitos adeptos da chamada teologia da prosperidade, estamos em analogia ao casamento cometendo adultério espiritual e infidelidade para com o noivo Jesus Cristo: "...como a mulher que trai o marido, assim vocês têm sido infiéis comigo, diz o Senhor..." (Jeremias 3:20 NVI, ver também Isaías 01:21 , 57:8 , Ezequiel 16:30). 

A Bíblia nos diz que as pessoas que optam por ser amigo do mundo tornam-se "Infiéis" e "inimigas de Deus" (Tiago 4:4-5). O mundo é o sistema materialista sob o controle de Satanás, com seus enganos religiosos e falsos valores, com doutrinas facilitadas e ensinamentos de homens aplainando o caminho e largueando a porta atraindo muitos para longe de um relacionamento puro com Deus.

No Antigo Testamento, os filhos de Israel tentaram misturar a adoração de outros deuses, como Baal com a de Deus (Juízes 3:07, 1 Reis 16:31-33, Jeremias 19:05). Ao fazer isso, Israel tornou-se como uma esposa adúltera que queria um marido e um amante (Jeremias 09:02, Ezequiel 06:09, 16:32). No Novo Testamento, Tiago define adultério espiritual como afirmam amar a Deus e ao mesmo tempo cultivar a amizade com o mundo (Tiago 4:4-5). A pessoa que comete adultério espiritual é aquele que professa ser um cristão, mas ao mesmo tempo ainda procura e encontra o seu verdadeiro amor e prazer nas coisas deste mundo. Para os verdadeiros adoradores, o amor do mundo e o amor de Deus estão de lados opostos. Os que se dizem cristão e cometem adultério espiritual dizem que ama o Senhor, mas, na realidade, eles são atraídos pelos prazeres deste mundo, pela influência, conforto, segurança financeira, e as chamadas prosperidades materiais.


O conceito de adultério espiritual contra Deus é um dos principais tema em todo o Antigo Testamento (Isaías 54:5; Jeremias 3:20; Ezequiel 16:15-19). Este tema é particularmente bem ilustrado no livro de Oséias. A esposa do profeta, simboliza a infidelidade dos filhos de Israel (Oséias 2:2-5; 3:1-5; 9:01). E o compromisso de Oséias com Gômer simboliza a fidelidade, o amor e paciencia de Deus para com o Seu povo errante. Jesus disse: "...Ninguém pode servir a dois senhores. Ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro..." (Mateus 6:24).

A Bíblia nos exorta: "...Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo..." (1 João 2:15-16). Adultério espiritual é como tentar ficar em cima do muro, com um pé no mundo e outro céu. Nós não podemos ter as duas coisas. Jesus advertiu a igreja de Laodicéia dizendo: "...Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca..." (Apocalipse 3:15-16). O amor do mundo é principalmente uma atitude de seu coração, devemos jogar fora o mundanismo, cultivando um novo afeto para com Deus.
  
 Como evitar o adultério espiritual?

 Simples: "...buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; porque morrestes, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus..." (Colossenses 3:1-3). Ma se já é culpado de cometer qualquer forma de adultério, quer seja físico, de coração ou espiritual saiba que ainda há esperança e perdão no sangue de Jesus. Ele promete que "...Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça..." (1 João 1:9). Talvez não tenha chegado a esse ponto, mas sente-se culpado de flertar com o mundo e fazer coisas que sabe que são perigosas para sua vida espiritual. Jesus perdoará também! Talvez o seu pecado é um segredo, como a pornografia, Jesus perdoará isso também. Seja qual for a necessidade, lembre-se, Jesus te ama! Ele quer e deseja lhe perdoar, peça a Ele e vá e não peques mais "...Não adulterarás..." (Êxodo 20:14).

AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE CONJUGAL

1. A infidelidade conjugal de Davi (2 Sm 12.10-12). Davi, depois de cometer o pecado de infidelidade conjugal, foi repreendido por Deus, e, através do profeta Natã, ouviu a sentença, por sua transgressão: “Não se apartará jamais a espada da Lua casa (família)...; o que fizeste em oculto, eu farei perante todo Israel e perante o sol”.

2. O pecado produz inquietação. Davi havia perdido toda a alegria, inclusive a da sua salvação (SI 51.12). No entanto, o Espírito Santo, embora triste (Ef 4.30), continuava ao seu lado ( Sl 51.11)0 pecado afasta o homem de Deus. Ninguém pode ter comunhão com o Senhor, sem que abandone o pecado. Tem muita gente por aí conformada com essa situação. Davi clamou: “Não me lances fora”. Ele sabia que se não fosse perdoado, seria afastado de Deus, assim como Adão e Eva (Gn 3.23); Coré, Datã e Abirã (Nm 16.32,33); Acã, Minam e Arão (Js 7. 24,26; - Nm 12).

3. O perdão de Deus reabilita o homem (SI 32.1,2). Davi, ao confessar o seu pecado, recebeu o consolo através do profeta Natã: “Deus perdoou o teu
 pecado”(2 Sm l2.13; - Sl32.5).

O pecado perdoado pelo Senhor é totalmente esquecido por Ele (Mq 7.19). Perdão e gozo andam juntos. Este é fruto do Espírito Santo (Gl 5.22), e o possuir é mandamento do Espírito (Ef 4.4). Todos nós estamos sujeitos à queda, mas Deus é grandioso em perdoar os nossos pecados (Is 55.7), e jamais se lembra deles (Hb 8.12), pois os lança no “mar do esquecimento”.

Davi, apesar de perdoado colheu o fruto de seu pecado:

1) morreu seu primeiro filho com a mulher de Urias (2 Sm 12.14-18);

2)sua filha, Tamar, desonrada por Amnom, também seu filho (2 Sm 13.12-14); 3) a revolta de Absalão (2 Sm 15.10-14) e o seu vergonhoso comportamento  (2 Sm 16.20-23).

4. Confissão e perdão produzem gozo (2 Sm 12.13; - 1 Jo 1.9). A confissão é do homem, o perdão, de Deus.  Cada falta cometida deve ser confessada. A confissão deve ser: com palavras, não com gestos ou intenção (Rm 10.10); feita a Deus, que é perdoador, e a Jesus Cristo, nosso Sacerdote; e diante da igreja, a critério do pastor                                (Mt 18.15- 17).

Davi humilhou-se diante das palavras do profeta Natã. Após ouvir o que Deus mandara lhe dizer, arrependeu-se e recebeu o perdão. Ele pediu a purificação do seu pecado (SI 5 1.2): “Purifica-me com hissope”. Foi com este instrumento que levaram vinagre à boca de Jesus (Jo 19.29). Davi pediu que seu pecado fosse apagado. Isto mostra que a dor moral da nossa infidelidade não se “purifica” de qualquer forma.

CONSELHOS CONTRA A INFIDELIDADE

O diabo tem investido alto na grande missão de tornar o adultério algo comum, normal, aceitável por todos. Veja-se, por exemplo, os filmes, programas e em especial as novelas nacionais, o adultério esta sempre presente; transmitindo uma imagem de correto ou de solução para problemas conjugais; a forma que é traçada as cenas, induzem aos telespectadores a aceitar e a torcer pelo casal adultero. É o diabo plantando no subconsciente coletivo a idéia desta prática, é lamentável, mas, tem sido muito bem sucedido em suas investidas.

No meio cristão, o adultério tem encontrado lugar, não é raro surgirem comentários estarrecedores desta prática em igrejas, abalando a boa moral da obra do Senhor. O que leva o servo do Senhor a cair em tais situações? A resposta mais acertada seria: “Falta de vigilância!”

O Senhor nos alerta a estarmos vigilantes : “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.” (Mt 26.41) O diabo está muito próximo (Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. 1Pe 5.8) , ávido por brechas através da quais acessa o homem e o influencia a agir segundo a carne. 

O Adultério tem sua principal causa na falta de vigilância, o pecado abre acesso para a ação maligna na vida. Há inúmeros fatores que facilitam ao cônjuge permitir que pensamentos impuros surjam em suas mentes, quando alimentados produzem o ato. Enumero algumas:

                               COMO EVITAR O ADULTÉRIO

A Bíblia Sagrada a “lâmpada para os nossos pés e a luz para o nosso caminho” (Sl 119.105), ensina-nos como devemos proceder para que evitemos este terrível pecado. Vejamos algumas de suas recomendações:

· Evitando maus pensamentos, ocupando a mente com o que é proveitoso (Pv 4.23; Fp 4.8; Mt 15.19);

· Afastando dos olhos aquilo que pode levar a pessoa a alimentar seu interior com o pecado (Sl 101.3; Mt 6.22,23);

· Mantendo-se longe de pessoas cujo comportamento está em desacordo com a Bíblia (Sl 1.1-3; I Co 5.11);

· Mortificando a carne e andando em Espírito (Cl 3.5; Gl 5.16-18);

· Só abstendo-se do ato sexual com o cônjuge por consentimento mútuo e por tempo determinado (I Co 7.5);

· Sendo um cônjuge que mantém seu esposo(a) satisfeito(a) (Pv 5.15; I Co 7.3);

· Observando a Palavra de Deus (Sl 119.11; Pv 4.20);

· Orando e vigiando sempre (Mt 26.41).

Pecados sexuais na Bíblia NO Antigo Testamento

Ø "Não tenha relações sexuais com um animal, contaminando-se com ele. Mulher nenhuma se porá diante de um animal para ajuntar-se com ele; é depravação. Levítico 18:23

Ø "Ninguém poderá se aproximar de uma parenta próxima para se envolver sexualmente com ela. Eu sou o Senhor. Levítico 18:6

Ø "Não se envolva sexualmente com a mulher do seu pai; isso desonraria seu pai. Levítico 18:8

Ø "Não se envolva sexualmente com a irmã do seu pai; ela é parenta próxima do seu pai. Levítico 18:12

Ø "Não se envolva sexualmente com a irmã da sua mãe; ela é parenta próxima da sua mãe. Levítico 18:13

Ø "Não desonre o irmão do seu pai aproximando-se da sua mulher para com ela se envolver sexualmente; ela é sua tia. Levítico 18:14

Ø "Não se envolva sexualmente com a sua nora. Ela é mulher do seu filho; não se envolva sexualmente com ela. Levítico 18:15
     
   Ø "Não se envolva sexualmente com a mulher do seu irmão; isso desonraria seu irmão. Levítico 18:16

Ø "Não se aproxime de uma mulher para se envolver sexualmente com ela quando ela estiver na impureza da sua menstruação. Levítico 18:19

Ø "Não se deite com a mulher do seu próximo, contaminando-se com ela. Levítico 18:20

Ø "Não se deite com um homem como quem se deita com uma mulher; é repugnante. Levítico 18:22

Ø "Se um homem tiver relações sexuais com um animal, terá que ser executado, e vocês matarão também o animal. Levítico 20:15

Ø "Não se envolva sexualmente com uma mulher e sua filha. Não se envolva sexualmente com a filha do seu filho ou com a filha da sua filha; são parentes próximos. É perversidade.Levítico 18:17

Ø "Quando um homem se deitar com uma mulher e lhe sair o sêmen, ambos terão que se banhar com água, e estarão impuros até à tarde. Levítico 15:18

Ø "Não desonre o seu pai, envolvendo-se sexualmente com a sua mãe. Ela é sua mãe; não se envolva sexualmente com ela. Levítico 18:7

Ø "Não se envolva sexualmente com a filha do seu filho ou com a filha da sua filha; isso desonraria você. Levítico 18:10

Ø "Não se envolva sexualmente com a filha da mulher do seu pai, gerada por seu pai; ela é sua irmã. Levítico 18:11

> "Não tome por mulher a irmã da sua mulher, tornando-a rival, envolvendo-se sexualmente com ela, estando a sua mulher ainda viva. Levítico 18:18

Ø "Se um homem se deitar com a sua nora, ambos terão que ser executados. O que fizeram é depravação; merecem a morte. Levítico 20:12

Ø "Se um homem se deitar com a mulher do seu tio, desonrou seu tio. Eles sofrerão as conseqüências do seu pecado; morrerão sem filhos. Levítico 20:20

Ø "Se um homem se deitar com ela e a menstruação dela nele tocar, estará impuro por sete dias; qualquer cama sobre a qual ele se deitar estará impura. Levítico 15:24

Ø Essa é a regulamentação acerca do homem que tem fluxo e daquele de quem sai o sêmen, tornando-se impuro, da mulher em sua menstruação, do homem ou da mulher que têm fluxo e do homem que se deita com uma mulher que está impura.  Levítico 15:32-33

Ø "Não se envolva sexualmente com a sua irmã, filha do seu pai ou da sua mãe, tenha ela nascido na mesma casa ou em outro lugar. Levítico 18:9

Ø "Se um homem se deitar com a mulher do seu pai, desonrou seu pai. Tanto o homem quanto a mulher terão que ser executados, pois merecem a morte. Levítico 20:11

Ø "Se um homem se deitar com outro homem como quem se deita com uma mulher, ambos praticaram um ato repugnante. Terão que ser executados, pois merecem a morte. Levítico 20:13

Ø "Se uma mulher se aproximar de algum animal para ajuntar-se com ele, vocês matarão a mulher e o animal. Ambos terão que ser executados, pois merecem a morte. Levítico 20:16

Ø "Maldito quem tiver relações sexuais com algum animal". Todo o povo dirá: "Amém! "Deuteronômio 27:21

Ø "Não se envolva sexualmente com a irmã de sua mãe, nem com a irmã de seu pai; pois quem se envolver sexualmente com uma parenta próxima sofrerá as conseqüências da sua iniqüidade. Levítico 20:19

Ø "Se um homem se deitar com uma mulher durante a menstruação e com ela se envolver sexualmente, ambos serão eliminados do meio do seu povo, pois expuseram o sangramento dela. Levítico 20:18

Ø "Se um homem tomar por mulher sua irmã, filha de seu pai ou de sua mãe, e se envolver sexualmente com ela, pratica um ato vergonhoso. Serão eliminados à vista de todo o povo. Desonrou sua irmã e sofrerá as conseqüências da sua iniqüidade.Levítico 20:17

Ø Enquanto Israel estava em Sitim, o povo começou a entregar-se à imoralidade sexual com mulheres moabitas,Números 25:1

Ø Ele não come nos santuários que há nos montes e nem olha para os ídolos da nação de Israel. Ele não contamina a mulher do próximo nem se deita com uma mulher durante os seus dias de fluxo. Ezequiel 18:6

Ø Havia no país até prostitutos cultuais; o povo se envolvia em todas as práticas detestáveis das nações que o Senhor havia expulsado de diante dos israelitas. 1 Reis 14:24

Ø Expulsou do país os prostitutos cultuais e se desfez de todos os ídolos que seu pai havia feito.1 Reis 15:12

Ø Também derrubou as acomodações dos prostitutos cultuais, que ficavam no templo do Senhor, onde as mulheres teciam para Aserá. 2 Reis 23:7

Ø Ele livrou o país dos prostitutos cultuais que restaram depois do reinado do seu pai Asa.1 Reis 22:46

Ø Pois a prostituta é uma cova profunda, e a mulher pervertida é um poço estreito. Provérbios 23:27

NO NOVO TESTAMENTO
> Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição (onde esta incluso, sexo antes do casamento), do que é sufocado e do sangue.Atos 15:20
> Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação (sexo antes e fora do casamento) tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai.1 Coríntios 5:1

Fornicar é ter relações sexuais antes do casamento, praticar atos libidinosos, etc.

Pois do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias. Mateus 15:19

Ø Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, Marcos 7:21

Ø Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Romanos 1:26

Ø Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão. Romanos 1:27

Ø Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, 1 Coríntios 6,9

Ø "Os alimentos foram feitos para o estômago e o estômago para os alimentos", mas Deus destruirá ambos. O corpo, porém, não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor para o corpo.1 Coríntios 6:13

Ø De modo semelhante a estes, Sodoma e Gomorra e as cidades em redor se entregaram à imoralidade e a relações sexuais antinaturais. Estando sob o castigo do fogo eterno, elas servem de exemplo. Judas 1:7

Ø Por isso, se ela se casar com outro homem enquanto seu marido ainda estiver vivo, será considerada adúltera. Mas se o marido morrer, ela estará livre daquela lei, e mesmo que venha a se casar com outro homem, não será adúltera. Romanos 7:3

Ø Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; Gálatas 5:19

Ø Pelo contrário, devemos escrever a eles, dizendo-lhes que se abstenham de comida contaminada pelos ídolos, da imoralidade sexual, da carne de animais estrangulados e do sangue. Atos 15:20

Ø Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos dos seus corações, para a degradação dos seus corpos entre si. Romanos 1:24

Ø A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual.1 Tessalonicenses 4:3

Ø para os que praticam imoralidade sexual e os homossexuais, para os seqüestradores, para os mentirosos e os que juram falsamente; e para todo aquele que se opõe à sã doutrina.1 Timóteo 1:10

Ø Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender.Apocalipse 2:21

Ø Também não se arrependeram dos seus assassinatos, das suas feitiçarias, da sua imoralidade sexual e dos seus roubos. Apocalipse 9:21

Ø Abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual. Vocês farão bem em evitar essas coisas. Que tudo lhes vá bem. Atos 15:29

Ø “Quanto aos gentios convertidos, já lhes escrevemos a nossa decisão de que eles devem abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual”.Atos 21:25

Ø Obs: Carnes sacrificadas aos ídolos, além de um ritual satânico, também são as oferecidas em quermesses (festas para santos padoeiros) e sangue por ex: chouriço, ou qualquer ingestão de sangue...

Ø Comportemo-nos com decência, como quem age à luz do dia, não em orgias e bebedeiras, não em imoralidade sexual e depravação, não em desavença e inveja. Romanos 13:13

Ø Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete, fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo.1 Coríntios 6:18

Ø Entre vocês não deve haver nem sequer menção de imoralidade sexual nem de qualquer espécie de impureza nem de cobiça; pois estas coisas não são próprias para os santos.Efésios 5:3

Ø Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria. Colossenses 3:5

Ø No entanto, contra você tenho isto: você tolera Jezabel, aquela mulher que se diz profetisa. Com os seus ensinos, ela induz os meus servos à imoralidade sexual e a comerem alimentos sacrificados aos ídolos. Apocalipse 2:20

Ø “Mas eu lhes digo que todo aquele que se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, faz que ela se torne adúltera, e quem se casar com a mulher divorciada estará cometendo adultério”. Mateus 5:32

Ø Eu lhes digo que todo aquele que se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério".Mateus 19:9

Ø Receio que, ao visitá-los outra vez, o meu Deus me humilhe diante de vocês e eu lamente por causa de muitos que pecaram anteriormente e não se arrependeram da impureza, da imoralidade sexual e da libertinagem que praticaram. 2 Coríntios 12:21

Ø No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ensinos de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual. Apocalipse 2:14

Ø Mas os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem imoralidade sexual, os que praticam feitiçaria, os idólatras e todos os mentirosos — o lugar deles será no lago de fogo que arde com enxofre. Esta é a segunda morte".Apocalipse 21:8

Ø mas, por causa da imoralidade, cada um deve ter sua esposa, e cada mulher o seu próprio marido.1 Coríntios 7:2

O SEXO É UMA DÁDIVA DIVINA

O sexo é uma dádiva divina. Foi algo que o senhor deu aos homens com o fim primário da procriação, porém dotou ao homem com capacidade de ter prazer no sexo. Muitas vezes  pessoas casadas possuem uma sensação interior que o sexo é algo impuro. Entretanto, dentro do casamento não é. É bom que se diga que o sexo é uma dádiva divina e prazerosa para ser desfrutada no casamento. Atente para Gênesis 2.24: 

Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. A união sexual entre o casal transforma-os em uma só carne. Porém, observe que antes de ser uma só carne precisa haver o deixar e unir-se . O sexo é o terceiro passo para o casal e não o primeiro. O homem não deve inverter esses passos porque tais passos foram estabelecidos por Deus. Depois que o homem deixou seus passos e uniu- se a sua esposa pode e deve desfrutar da benção do sexo. Vejamos alguns textos bíblicos:      

Ec 9. 9: Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol.
      
Pv 5.18: Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade,        
Existe um pensamento antibíblico e que traz muita culpa é de que o pecado original do homem foi o sexo, e que o fruto foi a maça, dando a este uma conotação sexual. O pecado original foi a desobediência de Adão e Eva em comerem o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, e não o sexo.      

A primeira ordem que Deus deu ao primeiro casal foi: frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra (Gn 1.28). Esta ordem foi dada antes do pecado entrar no mundo, portanto, o sexo e a reprodução foram ordenados ao casal em seu estado original de inocência. Depois de criar o homem e a mulher com suas capacidades sexuais, Deus observou e disse: que tudo era muito bom (Gn 1.31). O clima de santidade e pureza que havia em Adão e Eva, em relação ao sexo era tão grande, que logo depois da ordem do Senhor deles se tornarem uma só carne, a Bíblia registra: Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam. (Gn 2.25).     
  
Para encerrar este comentário, quero citar as palavras do Dr Gaye Wheat (in: sexo e intimidade): Você tem permissão de Deus para desfrutar do sexo dentro do casamento. Foi ele que inventou o sexo; foi Ele quem teve a idéia em primeiro lugar.

O ENSINO DE JESUS

O Senhor Jesus, no Sermão do Monte, depois de falar sobre o sexto mandamento, seguiu a mesma ordem do Decálogo, mencionando a proteção da vida e a preservação da família. Ele reiterou o que Deus disse no princípio da criação sobre o casamento, que se trata de uma instituição divina, uma união estabelecida pelo próprio Deus (Mt 19.4-6).

“Não adulterarás” é citado no Sermão do Monte e para o moço rico (Mt 5.27; 19.18; Mc 10.19; Lc 18.20). 

Jesus corrigiu com autoridade e muita propriedade o pensamento equivocado dos líderes religiosos dos seus dias. Os escribas e fariseus haviam reduzido o mandamento “Não adulterarás” ao próprio ato físico e, desconhecendo o espírito da lei, apegavam-se à letra da lei (2 Co 3.6). Assim, como é possível cometer assassinato sem o ato concreto, mas apenas com a cólera ou palavras insultuosas, da mesma forma é possível cometer adultério só no pensamento. Parece que os rabis daquela época não davam a devida atenção ao décimo mandamento que ordena não cobiçar a mulher do próximo.

O adultério começa na mente contaminada pela cobiça e termina no corpo pela prática física (Mt 15.34; Tg 1.15). O ensino de Jesus é mais profundo e vai à raiz do problema. Ele disse que nem é preciso o homem se deitar com uma mulher para cometer adultério; basta olhar e cobiçar uma mulher que não seja sua esposa, e já cometeu adultério com ela (Mt 5.28).

É o adultério da mente que é consumado no corpo; não se restringe somente à prática do ato, mas também ao pensamento. E a sanção contra o referido pecado é de caráter espiritual e se distingue do sistema mosaico.

Não é proibido olhar para uma mulher e vice-versa, pois há diferença entre olhar e cobiçar. O pecado é o olhar concupiscente. O sexo é santo aos olhos de Deus, desde que dentro do casamento, nunca fora dele. A Palavra de Deus ressalta: “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula” (Hb 13.4). O termo grego para “venerado” é tímios,“honrado”. A Versão Almeida Atualizada traduz por: “Digno de honra”; e a Tradução Brasileira por: “Seja honrado”.

Que os votos de fidelidade do casamento sejam mantidos e da mesma maneira seja puro o relacionamento matrimonial, o livro de Cantares de Salomão mostra que o sexo não é apenas para procriação, mas também para o prazer e a felicidade dos seres humanos, Jesus não está tratando disso, não está questionando o sexo, mas combatendo a impureza sexual e o sexo ilícito, a prostituição. O ensino dele é que qualquer prática imoral no ato é igualmente condenada no olhar, no pensamento e na imaginação (Mt 5.2 7). Jesus disse que os adultérios procedem do coração humano (Mt 15.19).

Cabe aqui uma breve reflexão sobre o divórcio. Trata-se de um dos temas mais polêmicos da Igreja. Essas controvérsias já existiam mesmo antes do nascimento de Jesus, O divórcio na lei de Moisés previa novas núpcias, e a base para a sua legitimidade nunca ficou clara no Antigo Testamento: Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então, será que, se não achar graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio, e lho dará na sua mão, e a despedirá da sua casa. Se ela, pois, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem...(Dt24.1, 2).

O “escrito de repúdio” significa “termo de divórcio” (ARA). A mulher não era considerada adúltera se contraísse novo casamento, mesmo tendo o seu primeiro marido encontrado nela “coisa feia”. Não se sabia o que a lei queria dizer com tal expressão “coisa feia” ou “indecente” (ARA). Havia muita discussão entre as principais escolas rabínicas no período de Herodes, o Grande, Hiliel e Shammai, O primeiro era liberal, e o segundo, conservador. Para Hillel e seus seguidores, “coisa feia” era qualquer coisa que o marido considerasse como tal. Mas, para Shammai e seus discípulos, o termo se referia aos pecados sexuais.

Os fariseus levaram o assunto a Jesus. Eles não perguntaram sobre o divórcio, mas sobre as bases para a sua legitimidade: “É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?” (Mt 19.3). Essa era a escola de Hillel. Os fariseus queriam saber qual escola Jesus apoiava. Mas o Senhor Jesus se dirigiu à Palavra. 

O casamento é indissolúvel, foi a sua conclusão sobre Gênesis 2.24, “o que Deus ajuntou não separe o homem” (Mt 19.6).

O que fazer com o mandamento de Moisés?, perguntaram a Jesus (Mt 19.7).

Moisés não deu esse mandamento; era uma interpretação precipitada, pois uma leitura cuidadosa em Deuteronômio 24.1-4 mostra que não se trata de uma ordem. Por isso, Jesus disse que Moisés “permitiu”, e isso “por causa da dureza do vosso coração” (Mt 19.8). Deus só permitiu o divórcio por causa do pecado humano; portanto, trata-se de um instituto contrário à vontade de Deus. A Bíblia não ensina, não encoraja, não aconselha nem incentiva o divórcio. É um remédio extremamente amargo para uma solução inglória.

Quando o Senhor Jesus fez menção do divórcio no Sermão do Monte, referia-se ao mencionado em Moisés (Dt 24.1-4) e deixou claro que a única base que pode legitimar o divórcio é a infidelidade conjugal: “Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério; e qualquer que casar com a repudiada comete adultério” (Mt 5.32) e fraseologia similar (Mt 19.9). A prostituição é a “coisa feia” que ninguém sabia, talvez porque tal pecado podia implicar na pena capital. Mas agora tudo se esclarece e a “coisa feia” vale também para o homem.

O apóstolo Paulo acrescentou mais um elemento que pode legitimar o abandono: “Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz” (1 Co 7.15). A NTLH emprega “quiser o divórcio” no lugar de “se apartar”.

A voz do verbo grego mostra que a iniciativa é da parte incrédula que se aparta. Assim, a deserção deve ser considerada se for por causa da fé cristã e por iniciativa do cônjuge descrente.

Entendemos, portanto, como divórcio a dissolução do vínculo matrimonial por infidelidade conjugal, que viola a instrução divina de “uma só carne” (Gn 2.24; Mt 19.5) ou, por deserção, que viola a instrução de “apegar-se” (Gn 2.24). Em qualquer dessas duas situações, o cônjuge inocente tem direito a novas núpcias.

CONCLUSÃO

Deus é sábio e perfeito. Ele conhece todas as coisas, pois é onisciente. “Deus é amor” (1 Jo 4.8) e deseja o bem-estar de todas as pessoas. Somente ele sabe o que é bom e salutar para a vida humana. É insensatez confiar o destino eterno à lógica e à razão, pois a Bíblia é a Palavra de Deus, o manual divino do fabricante para todos os seres humanos. A vontade de Deus resumida no sétimo mandamento diz respeito à castidade do corpo e da mente, visando a preservação do casamento de um só homem com uma só mulher (1 Ts 4.3-7). A felicidade humana está em se deleitar em Deus.

Viva vencendo o adultério que destrói a pessoa que o pratica, mata o conjuge e dizima com a familia!!!

Abraços.

Seu irmão menor.
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário