30 maio 2015

DESAFIO CHARLIE CHARLIE: JOVENS INVOCAM ESPÍRITO MALIGNO EM JOGO DE PERGUNTAS


Uma nova brincadeira tem se espalhado pelas redes sociais. Jovens invocam demônios para responder dúvidas comuns e compartilham as respostas com os amigos.
Quem tem mais de 20 anos vai se lembrar da brincadeira do compasso onde um espírito era invocado para dar respostas em uma folha de papel, podendo falar sobre inúmeros temas respondendo sim ou não ou apontando para números.
Outro jogo semelhante que levantou muitos debates no Brasil e no mundo é a brincadeira do copo, onde um espírito também dava respostas como Sim, Não, Sair e a apontava para os números de 0 a 9 e para as letras do alfabeto que eram registradas em um tabuleiro.
Agora a moda é invocar o demônio “Charles” cruzando dois lápis e escrevendo na folha não, sim, sim e não. Ao invocar o espírito e fazer a pergunta o lápis se move e dá a resposta que o jogador está pedindo.
O jogo ganhou adeptos em diversas partes do mundo e um vídeo postado no Youtube mostra vídeos publicados em redes sociais revelando os resultados das perguntas e a reação dos participantes.
Até crianças brincam com o espírito e muitas se assustam e saem correndo ao verem os lápis se movendo. Outras pessoas encaram como uma piada e brincam sobre jogar e provocar o suposto demônio.
Esse tipo de brincadeira sempre gerou debates, existe mesmo algum espírito que pode se mover nesses jogos? Há explicação física para que esses objetos se movam? Se você já teve alguma experiência com essas brincadeiras escreva nos comentários.
Com informações Revista Galileu 


COMENTÁRIO DE WÁLDSON


Orientem e proíbam seus filhos de participarem dessa "brincadeira", seja em casa, pela internet ou com seus colegas na escola.

Charlie Charlie é um jogada de marketing, uma ação viral para divulgar o filme de terror “A Forca”.

O marketing certeiro e poderoso e que deu muito certo, é uma criação da equipe do filme, que tem a mesma produtora responsável pelos sucessos de “Sobrenatural” e “Atividade Paranormal”.

O tal Charlie do jogo é inspirado no Charlie do filme. Ele era um garoto que morreu enquanto encenava uma peça de teatro no colégio. Mas aí, um tempo depois, quatro amigos resolvem montar a tal peça macabra e notam que a alma de Charlie ainda está presente no meio deles.

Obviamente, o nome dele não pode ser citado pelos personagens, que sofrerão consequências se fizeram tal coisa. O filme “A Forca” tem estreia prevista para o dia 30 de julho.

Bem, está muito claro e evidente que isso é uma iniciação ao espiritismo. Mostre aos seus filhos que, o contato com os mortos, é prática taxativamente proibida do Deus, conforme as determinações constantes na Bíblia Sagrada, senão vejamos:

“Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.” (Levítico 19.31).

“Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?” (Isaías 8.19).

“e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.” (Eclesiastes 12.7).

“E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo…” (Hebreus 9.27)

Enquanto o leitor puder e depender de você, não permita que seus filhos pratiquem essa "brincadeira" demoníaca.

Muitos testemunhos já se postaram aqui mesmo nas redes sociais, dos efeitos maléficos na vida dos que participaram desse jogo.

Fique atento, todo cuidado é pouco.
Veja o vídeo:

Alunos alegam mal-estar após 'Charlie Charlie', e escola no AM convoca pais


Um ritual de invocação de espíritos causou tumulto na Escola de Tempo Integral José Carlos Mestrinho, localizada na Zona Sul de Manaus, na quarta-feira (27). Segundo alunos ouvidos peloG1, estudantes passaram mal após a brincadeira "Charlie Charlie". Nesta quinta-feira (28), a direção da unidade convocou uma reunião com pais de alunos e com o Conselho Tutelar da área.
A Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (Seduc) informou que ao menos quatro unidades da capital registraram confusão em razão da brincadeira.
Escola fica localizada na Zona Sul da capital (Foto: Luis Henrique de Oliveira/G1 AM)Escola fica localizada na Zona Sul da capital (Foto: Luis Henrique de Oliveira/G1 AM)
O ritual "Charlie Charlie" envolve colocar dois lápis um em cima do outro em forma de cruz, e escrever as palavras "sim" e "não" nos quadrados formados por eles. O invocador deve então perguntar "Charlie Charlie, você está aí?". Se um dos lápis se mover para a palavra "sim", o espírito estará presente.

Imagens que teriam sido registradas no momento da confusão mostram estudantes sendo socorridos. Uma aluna é retirada de uma das salas. Ela é levada em uma maca e uma outra é carregada por um homem. "Ela estava delirando, não falando 'coisa com coisa', falando que não era pra deixar ninguém levar ela (sic)", disse Magrizaira Raitz, mãe de um dos alunos da escola.

Vídeos na internet mostram usuários invocando espírito Charlie (Foto: Reprodução/Vine/Salvador Raya)Vídeos na internet mostram usuários invocando
espírito Charlie (Foto: Reprodução/Vine/Salvador
Raya)
Os estudantes disseram que alguns professores chegaram a pedir que a brincadeira parasse. À Rede Amazônica, familiares de alunos disseram que os jovens estão traumatizados e que não querem mais ir para a escola.
Relatos apontam que houve confusão nos corredores da escola, situada no bairro Crespo.

"Ontem, uma menina do 8º ano começou com a brincadeira do 'Charlie'. Uma menina disse que viu o 'demônio', e outra começou a ver e espalhar para escola toda. As meninas começaram a desmaiar, ter convulsões, os pequenos do 1º ao 6º ano começaram a se enforcar a se bater", disse uma das alunas da escola. Ela não quis ser identificada.

A avó de alunos que estudam na unidade afirmou que os netos relataram situação de caos. "Tinha bastante criança jogada no chão sem saber o que estava acontecendo", afirmou. "Meus netos chegaram contando que uma garota que estava com o lápis chamando pelo nome de um espírito que já morreu, e aí começaram a 'pegar' espírito", acrescentou a avó, que também não quis ser identificada.

Nesta sexta-feira (28), um aviso no portão da escola informava sobre uma reunião com pais. A reportagem não teve acesso ao encontro. A mãe de uma estudante que participou da reunião disse ao G1 que a direção da escola irá apurar o caso e identificará alunos envolvidos na confusão.

"O que a diretora da escola falou foi que era proibido a entrada de celular na escola, que isso não foi de responsabilidade deles e sim das crianças que entraram com o celular e estavam vendo os vídeos e que eles iam tomar providencias sobre essa criança que fez essa brincadeira. Falaram que eles não podiam realmente ter liberado as crinças ontem do jeito que ele estavam, desesperados, devido ao monte de criança desmaiada, vomitando", relatou a mãe, que não quis ser identificada.
O Conselho Tutelar da área também participou da reunião. "A gente vai primeiro ver o que realmente aconteceu para dar os encaminhamentos devidos", disse a conselheira Maria Dalva Guimarães.
A Secretaria de Estado de Educação do Amazonas informou, por meio de nota, que as ocorrências estão sendo acompanhadas pelas Coordenadorias Distritais de Educação. "As escolas com casos recentemente notificados foram instruídas a dialogar com os pais de modo a fazer cumprir os regimentos internos escolares", diz.
Veja esse vídeo também:
Viva vencendo as mais 'modernas bruxarias'!!!
Seu irmão menor.
Abraços.

Nenhum comentário:

Postar um comentário