04 maio 2015

JESUS OU YEHOSHUA?


Apresentamos uma síntese sobre a origem do nome de Jesus, para ajudar o leitor a ter uma compreensão correta, em virtude da celeuma que vem ocorrendo.

Síntese da Origem do Nome

O nome Jesus vem do hebraico  עשוהי (Yehoshua) — “Josué” ,que significa “Iavé é salvação” . Josué era chamado de Oshea ben Num “Oséias, filho de Num” (Num. 13:8- Deut. 32:44). “Oshea“   significa   ” salvação”. Moisés mudou seu nome para Yehoshua  ben Num       “ Josué filho de Num”  (Num. 13:16)
A Septuaginta** usou o nome  Ίησοϋς  (Iesous) para Yehoshua; portanto Iesus é a forma  grega do nome Yehoshua, exceto I Cron. 7:27, que *transliterou por  Ίησουέ  (Iousue) —“Josué” . Depois do cativeiro de Babilônia, o nome Yehoshua era conhecido por עויעי           (Yeshua). Em Neemias 8:17 Josué é chamado Yeshua ben Num . Yeshua é o nome hebraico para Jesus, até hoje em Israel. Isso pode ser comprovado em qualquer exemplar do Novo Testamento hebraico.
O sumo sacerdote Josué, filho de Joazadaque, é chamado em hebraico simultaneamente de Yeshua (Esdras.3:2,8; 4:3; 5:2; Neem.7.7) e Yehoshua (Ageu 1:1,12,14 ; 2.2, 4; Zac 3:1,3,6,8,9; 6:11) . Embora nossas versões usem Jesua ( Almeida Corrigida, Atualizada e Contemporânea) Jesuá (Revisada), Jeshua (Brasileira), a Septuaginta, porém, não faz essa distinção — usa Iesus para ambos, Iesus é o nome do Messias, o nosso Salvador, registrado no Novo Testamento, que chegou para nossa língua como Jesus.

* Transliterar = Representar uma letra de uma palavra por letra diferente no correspondente vocábulo de    outra  língua. Veja exemplos abaixo :

1)         A questão da letra  “ j “ diz o fundador das Testemunhas de Ierroshua que o nome correto de nosso Salvador não pode ser “ Jesus” por não existir a letra “j“ na língua hebraica.  Tal argumento demonstra ausência de conhecimento. É verdade que o “j” não existe no hebraico, grego e latim. No hebraico a letra  YOD representa tanto o som vogal  “ i ”  como a consoante      “ y “ . O mesmo acontecia no latim com as letras  “i“ e “u“ . O emprego das letras “j“ e “v“ , para representar  “i“ e “u” consonânticos, ocorreu na época do renascimento, difundido por Pierre de la Ramée por isso lemos Jerusalém, e não Yerushalayim; Jeremias, e não Yeremiahu ; Jonas, e não Yonah ; Joaquim, e não Yehoiachin. e assim  por diante.

2)         O nome não se traduz. É verdade que nome não se traduz, mas se translitera conforme a índole de cada língua. Os nomes Eva, David, e outros que levam a letra ו wav , “ v “ em  hebraico , aparecem como Eua ; Dauid nos textos gregos . No grego moderno a letra β ( beta  b) na Antigüidade, hoje é  “v” . Hoje se escreve Dabid, para David, e Eba para Eva.

Há nomes que permanecem inalteráveis em outras línguas, mas não são todos. O nome “ João” por exemplo, é Yohanan, em hebraico; Ioannes, em grego; John , em inglês; Jean, em francês; Giovani em italiano; Juan, em espanhol; Johannes, em alemão. Jacó, em hebraico, é Yaakov.
O argumento, portanto, de que o nome deve ser preservado na forma original, em todas as línguas é inconsistente,  sem apoio bíblico.

3)         Iesous. Alegam que o nome Iesous é uma zombaria do nome de Deus, pois סוס (sus) significa “cavalo” em hebraico. Esse argumento não tem fundamento, porque Iesus é nome grego, e (sus) e hebraico. O nome Iesus e a forma grega do nome hebraico Ieshua. Segundo o Novo Dicionário Internacional de teologia do Novo Testamento, o “s” foi acrescido para facilitar a declinação:      “ Iesus” e a forma grega do antigo nome judaico Yesua ,forma essa que se obtêm mediante a transcrição do hebraico acrescentando-se um – s para facilitar a declinação. “Cavalo”, em grego é Hyppos, e não  (sus) 

4)         O nome "Jesus", como se sabe, é simplesmente uma forma latina do grego "Iesous". Na verdade, Iesous não é originalmente um nome grego, e sim uma forma grega de um nome hebraico, "Yehoshua" (o "Yoshua" bíblico) que significa "YHWH (que provavelmente era pronunciado Yahweh) é salvação.
Não é difícil perceber como a mudança de Yehoshua, que no linguajar coloquial era às vezes abreviado para Yeshua ou até mesmo Yeshu, foi transliterada para o grego Iesous e o latim Jesus. 

O nome Ieshua é formado de duas partes. A primeira, "Ye", é a forma abreviada do nome próprio hebraico de Deus, "YHWH". A segunda, "shua", é palavra hebraica que significa salvação".

1. Ver "lesous" in Gerhard Kittel, org., Theological Dictionary of the New Testament (Grand Rapids, MI:

  
**Septuaginta
As traduções
- Septuaginta: Versão dos Setenta - Primeira tradução dos escritos do Antigo Testamento hebraico para o grego, produzida em Alexandria, no século III a.C., a pedido de um dos reis macedônicos do Antigo Egito, Ptolomeu II Filadelfo. Durante o seu reinado, os judeus receberam privilégios políticos e religiosos totais. Também foi durante esse tempo que o Egito passou por um grande programa cultural e educacional, sob o patrocínio de Arsínoe, esposa e irmã de Ptolomeu II. Nesse programa inclui-se a fundação do museu de Alexandria e a tradução das grandes obras para o grego.

A Septuaginta tomou esse nome pelo fato de ter sido realizada por 70 anciões, trazidos de Jerusalém exclusivamente para a tarefa. Foi rechaçada pelos judeus ortodoxos, numa atitude semelhante ao católicos da Idade Média, diante do reformador protestante Martim Lutero, que traduziu a Bíblia para o alemão, tornando-a acessível ao povo. A idéia era a mesma: Ampliar o conhecimento do Antigo Testamento para a língua grega, para atingir outros judeus alexandrinos, mas os radicais viram este trabalho como uma profanação. A Septuaginta incluía não apenas o cânon hebraico, mas também outras obras judaicas, em sua maior parte escritas nos séculos II e I a.C., em hebraico, aramaico e grego. Esses escritos, mais tarde, vieram a ser conhecidos como os Apócrifos, palavra grega que significa oculto ou ilegítimo. Os judeus consideravam esses livros como não inspirados. Os denominados Apócrifos são 15 livros judaicos, surgidos no período intertestamentário. São eles: 1 e 2 Esdras, Tobias, Judite, Ester, Sabedoria de Salomão, Eclesiastes, Baruc, Epístola de Jeremias, Prece de Azarias e Cântico dos Três Jovens, Suzana, Bel e o Dragão, A Prece de Manassés, 1 e 2 Macabeus.

A Septuaginta serviu de fundo às traduções para o latim a para as outras línguas. Tornou-se também uma espécie de ponte religiosa colocada sobre o abismo existente entre os judeus (de língua hebraica) e os demais povos (de língua grega). O Antigo Testamento da LXX foi o texto utilizado em geral na primitiva igreja cristã.

- Vulgata Latina – Tradução dos escritos do Antigo e do Novo Testamento para ao latim, realizada por Sofrônio Eusébio Jerônimo (São Jerônimo), no século IV d.C, a pedido de Dâmaso, bispo de Roma. Depois da Septuaginta, foi a primeira vez que os escritos foram ordenados de forma a tomar um corpo de doutrina. Foi o mais importante trabalho de codificação dos Escritos Sagrados, pois é o que se utiliza até hoje como detentor de autenticidade e credibilidade.

Na época havia numerosos textos que compunham o Novo Testamento, também chamado Antiga Latina, que apareceram ao redor da segunda metade do século IV e que induziram os cristãos a uma situação religiosa intolerável, o que levou o bispo de Roma (366-384) a providenciar a revisão. O resultado desse grande esforço chama-se Vulgata Latina. A tradução de Jerônimo sofreu muitas críticas e ataques dos ortodoxos, principalmente de Santo Agostinho, um dos Pais da Igreja, que só mais tarde reconheceu o valor do documento.

São Jerônimo passou 38 anos de sua vida dedicados ao exame das Escrituras Sagradas. Nos séculos seguintes, a Vulgata passou a ser a edição predominante da Bíblia e assim foi por toda a Idade Média. Também serviu de base para a maioria dos tradutores da Bíblia, anteriores ao século XIX.

Erros Introduzidos por Guias Religiosos

 “Ocupam-se em dissecar a Palavra, e estabelecer as próprias opiniões acima de suas declarações positivas.”  Evangelismo, 591

Hão de introduzir-se erros, e advogar-se-ão doutrinas estranhas. Alguns se apartarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios.”  Evangelismo, 595

“ O povo de Deus deve ser capaz de distinguir entre o genuíno e o espúrio”. Evang., 596

Que possamos refletir sobre este tema sem tirar conclusões precipitadas.

Material enviado pelo Sr. José Carlos de São Paulo para Jonas de Brasília.


Jonas.df@ig.com.br        




Nenhum comentário:

Postar um comentário