27 junho 2015

PASTOR MALAFAIA DESMASCARA DEPUTADA PETISTA NA COMISSÃO QUE DEBATIIA ESTATUTO DA FAMILIA


O Pastor da Assembléia de Deus Vitória em Cristo, Silas Malafaia(foto), desmascarou a deputada Érika Kokay, do PT/DF, durante debate ocorrido nesta quinta-feira (25), na Comissão que abordava os pontos do Projeto do Estatuto da Família, discutido na câmara Federal.

COMENTÁRIO DE WÁLDSON:

Não sou a favor de muito do que o pastor Silas Malafaia fala, mas também, não vou apoiar cegamente o movimento LGBT, liderados por esse Jean Wyllys, porque comentem mais erros do que acertos. Chega, né? 

Apoio os ensinamentos de Jesus Cristo: respeito, tolerância, amor e temor a Deus, mesmo para os que têm posicionamentos diferentes dos nossos, mas aceitar ideologia 'gay' e a imposição dos promotores do Movimento, é impossível. 

Nós, crentes em Jesus Cristo, não concordamos com a PL sobre Mudança de Sexo em hipótese alguma!! E temos que reconhecer que, Pr. Silas Malafaia é um defensor da família tradicional e da Igreja no Brasil e sempre, é ele quem, usa sua voz para falar á favor do que é correto, diferente dos outros vários pastores que têm programas nas TVs e nunca os usa para falar a respeito dessas posturas nefastas. 

Observe que a Deputada, por não conseguir contradizer o que o pastor disse, se retira, fugindo envergonhada e o pastor, então, se dirige ao Sr. Tony Reis que é  o presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais - GLBT, que fica mudo.

Acompanhem o absurdo proposto por Erika Kokay e Jean Wyllys:

"Artigo 8º - Toda pessoa maior de dezoito (18) anos poderá realizar intervenções cirúrgicas totais ou parciais de transexualização, inclusive as de modificação genital, e/ou tratamentos hormonais integrais, a fim de adequar seu corpo à sua identidade de gênero auto-percebida.

§1º Em todos os casos, será requerido apenas o consentimento informado da pessoa adulta e capaz. NÃO SERÁ NECESSÁRIO, em nenhum caso, qualquer tipo de diagnóstico ou TRATAMENTO PSICOLÓGICO ou PSIQUIÁTRICO, ou autorização judicial ou administrativa.

§2º No caso das pessoas que AINDA NÃO TENHAM DEZOITO (18) ANOS de idade, vigorarão os mesmos requisitos estabelecidos no ARTIGO 5º para a obtenção do consentimento informado.

Artigo 5º - Com relação às pessoas que ainda não tenham dezoito (18) anos de idade, a solicitação do trâmite a que se refere o artigo 4º deverá ser efetuada através de seus representantes legais e com a expressa CONFORMIDADE de VONTADE da CRIANÇA ou ADOLESCENTE, levando em consideração os princípios de capacidade progressiva e interesse superior da criança, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente.


§1° Quando, por qualquer razão, seja NEGADO ou não seja possível obter o CONSENTIMENTO de algum/a dos/as representante/s do Adolescente, ele poderá recorrer ele poderá recorrer a assistência da DEFENSORIA PÚBLICA para autorização judicial, mediante procedimento sumaríssimo que deve levar em consideração os princípios de capacidade progressiva e INTERESSE superior da CRIANÇA."

Veja o vídeo:




Parabéns a ele. Glória para Jesus e demérito para os promotores LGBT!!

Reportagem da TV Câmara sobre o Debate:

A audiência pública promovida nesta quinta-feira (25) pela comissão especial que analisa o Estatuto da Família (PL6583/13) com o professor Toni Reis, secretário de educação da Associação Brasileira LGBT, e o presidente da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, pastor Silas Malafaia, não teve muita polêmica. Os participantes apresentaram dados e expuseram suas opiniões sobre o estatuto.
O projeto de lei estabelece diretrizes de políticas públicas voltadas para a entidade familiar, definida como o núcleo formado a partir da união entre homem e mulher, por meio de casamento, união estável ou comunidade formada pelos pais e seus descendentes.
O professor Toni Reis ressaltou dados do IBGE que mostram que a entidade familiar prevista no Estatuto da Família, em discussão na Câmara, não contemplaria 25% dos lares brasileiros. "Queremos colocar um s nesse estatuto, é Estatuto das Famílias. Hoje não existe mais só um tipo de família, nós respeitamos a família tradicional, mas tem outras composições de família que têm de ser respeitadas."
Reis destacou ainda que o Supremo Tribunal Federal já reconhece como família os lares formados por dois homens, duas mulheres, pais e mães solteiros. E lembrou que, segundo o artigo 5º da Constituição Federal, todos são iguais.
Já o pastor Silas Malafaia afirmou que a própria Constituição Federal prevê, para efeitos de proteção por parte do Estado (no artigo 226), que famílias são grupamentos formados por um homem e uma mulher. Ele sugeriu ao movimento LGBT que faça uma Proposta de Emenda à Constituição para definir como família outros tipos de uniões. "Se a Constituição diz que família é homem e mulher, então mude a lei é só isso. Não adianta vir com caneta de juiz para tentar conquistar um direito. Direitos se conquistam no Parlamento por meio da democracia e da discussão das ideias."
O presidente da comissão, deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), afirmou que o debate foi muito rico, principalmente porque houve o respeito de ambas as partes. "O Estatuto da Família hoje tomou outro norte se engrandeceu com o debate democrático nessa casa. Trazendo ambas as visões do Estatuto da Família, tenho certeza que o relator, deputado Diego Garcia (PHS-PR), vai amadurecer essa discussão e vamos conseguir um texto que venha agradar a toda a sociedade brasileira e trazer resposta às famílias que precisam mais segurança, mais educação e mais saúde do governo."
A comissão vai realizar na próxima segunda-feira (29) uma reunião regional para discutir o estatuto no Amazonas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário