22 novembro 2015

A RELIGIÃO DO ANTICRISTO


Um aspecto muito importante: Qual a religião do anticristo?


É, por suposto, a mais oposta ao cristianismo bíblico. A religião do anticristo é a teosofia, uma vez que esta é a essência de tudo o que se opõe ao que ensina a Bíblia. É quase uma religião secreta, mas absurdamente presente em todas as entidades que regem hoje o destino do mundo.

A palavra teosofia deriva do grego Theos (Deus) + sophia (sabedoria) – que no conjunto significa conhecimento de Deus.

Despida das maliciosas letras pequenas, como naqueles contratos que você assina com o banco, a teosofia prega abertamente uma visão espiritual totalmente oposta aos ensinos da Bíblia. Seus profetas citam Deus, citam Jesus, mas, no gênesis de sua vocação, declara a crença de que Deus aprisionou o homem no paraíso e Satanás veio para libertá-lo. Temos, desta forma, uma completa inversão dos valores espirituais cristãos, uma vez que que o mal absoluto se transforma no bem, e Satanás no redentor da humanidade.

Brutal demais para ser exposta sem retoques, a teosofia trabalha sorrateiramente nas sombras das coisas que se veem.
Hitler foi profundamente influenciado pela teosofia. Um de seus livros de cabeceira era “A Doutrina Secreta” de autoria da escritora russa Helena Blavatsky, co-fundadora da Sociedade Teosófica em 1877. Madame Blavatsky, como era chamada, publicou durante anos um magazine chamado Lúcifer, que tempos depois foi rebatizado para Theosophical Review.

Da teosofia nasceu o movimento Nova Era, que celebra a mudança da Era de Peixes para a Era de Aquário. O que significa isto? Seria uma coisa mais ou menos assim: a Terra, na sua movimentação processional na órbita celeste demora cerca de 26000 anos para percorrer o caminho de todas as constelações do zodíaco.Sendo assim, a movimentação de uma constelação para outra toma cerca de 2166 anos (26000 / 12).

De acordo com a Nova Era, entre 1960 e 1970 a Terra passou a estar de frente para a constelação de Aquário, e sendo assim, ingressamos na Era de Aquário.
Não se preocupe muito com a exatidão dos números porque eles não fazem nenhum sentido. Esta coisa de era zodiacal é coisa da astrologia, que não é ciência, é bruxaria, e conforme a lei de Deus, terminantemente proibida, a ponto de a Lei de Moisés mandar matar por apedrejamento quem a praticasse:

Dt 17: 3 Que se for, e servir a outros deuses, e se encurvar a eles ou ao sol, ou à lua, ou a todo o exército do céu, o que eu não ordenei, 4 E te for denunciado, e o ouvires; então bem o inquirirás; e eis que, sendo verdade, e certo que se fez tal abominação em Israel, 5 Então tirarás o homem ou a mulher que fez este malefício, às tuas portas, e apedrejarás o tal homem ou mulher, até que morra.
Mas não foi só Moisés que condenou a astrologia: Johannes Kepler (1571-1630), considerado o pai da astronomia, esta sim, uma ciência, disse que a astrologia era uma espécie de filha tola da astronomia.


A era de Peixes, iniciada em cerca de 200 AC e terminada em aproximadamente 1970, segundo a Nova Era, caracterizou um mundo em conflito, ao passo que Aquarius representa a redenção da humanidade. Enquanto Peixes limitou as possibilidaes do homem, Aquarius trará uma nova ordem mundial cheia de paz, prosperidade e libertação do verdadeiro potencial de cada ser humano. Esta coisa surgiu no fim dos 60.

O grupo musical The Fifth Dimension atingiu em 1969 o primeiro lugar nas paradas de sucesso em todo mundo com uma canção intitulada “Aquarius – Let The Sunshine In” que toca até hoje nas rádios. Já ouviu? Veja a letra abaixo, que se tornou o primeiro hino da Nova Era.

Sem título-1 cópia
A imbecilidade é tão grande, que não por acaso, o mundo não só não melhorou de 1970 para cá, como também piorou exponencialmente. Nunca houve tanta desordem, tantas guerras, tanta fome, tanto egoísmo, tanto obscurantismo na história da humanidade como se vê nestes anos recentes. Veja o terrorismo, por exemplo, desconhecido até então.


Mas aparte o lado cômico da Nova Era, a teosofia real é sinistra em todos os seus aspectos. É a religião da Nova Ordem Mundial, onde a ONU, Banco Mundial, FMI, Agências de Cooperação e várias outras entidades se integram numa irmandade que visa levar o mundo onde nem Babel nem Hitler conseguiram: a um único governo em todo mundo. Veja que já não somos centenas de países no mundo, mas cerca de dez blocos econômicos.

Onde esta gente importante se encontra para tomar um cafezinho? Na maçonaria e outras sociedades fechadas.

Muitos que fazem parte de inúmeras organizações importantes nem sequer fazem ideia de que elas integram uma coisa maior. São os chamados inocentes úteis.

Chamam este tipo de pensamento de teoria da conspiração. Mas só acha que é teoria quem não está em sintonia com a Bíblia, ou aqueles que mesmo não dando a menor importância para a Bíblia, não leem um jornal.

Os profetas da Nova Ordem Mundial falam, para consumo de quem ouve, palavras bonitas, de paz, compreensão, companheirismo, mas seus escritos revelam uma coisa totalmente oposta. Não há, nas suas argumentações, lugar para os que discordam de sua ideologia.

Barbara Marx Hubbard é uma das profetizas do movimento. Segue abaixo um link, infelizmente sem legenda em português, onde ela descreve em palavras macias “A Estória Evolucionária da Criação”.

Ela é uma simpática senhora de 82 anos, muito rica e influente nas altas esferas, que aparece neste vídeo explicando que a evolução nos trouxe a um presente em que falharam, de alguma forma, as conquistas da humanidade em áreas como ciência, educação, princípios econômicos, saúde, etc. Compete, portanto, a ela, convidar as pessoas a se integrarem naquilo que chama de processo de co-criação. Em resumo, Deus falhou, mas eles não irão falhar e você está convidado a fazer parte do grupo dos vencedores.


Como dizia a Hebe Camargo, ela é uma gracinha. Mas, em sua obra intitulada “O Livro da Co-Criação”, ela diz o que realmente pensa em palavras que podemos facilmente entender. Diz o seguinte: “No conjunto completo da personalidade humana, um quarto (25%) é eleito para transcender, evoluir… Um quarto (outros 25%) é resistente à eleição. Não são atraídos pela vida sempre evolutiva… Agora, conforme nos aproximamos do salto quântico, de criatura humana para humanos co-criadores, este um quarto destrutivo tem que ser eliminado da sociedade. Afortunadamente, vocês, amados, não são responsáveis por este ato. Nós somos. Nós estamos a cargo do processo de seleção divina para o planeta Terra. Ele seleciona, nós destruímos. Nós somos os cavaleiros do cavalo amarelo, a Morte”. Barbara Marx Hubbard, The Book of Co-Creation, (1980 Edition), pág. 59.

É por isto que se diz que a pior coisa do inferno não serão as labaredas de fogo, mas a companhia.

Alice Bailey, inglesa, falecida em 1949, é tão direta quanto vovó Barbara em suas conclusões. Diz o seguinte em uma de suas obras: “Não nos esqueçamos jamais que é a vida, seu propósito e seu destino intencional direto que importa; e também que quando a forma se prova inadequada, ou muito incapacitada, ou danificada para a expressão de seu propósito, não é, do ponto de vista da Hierarquia, nenhum desastre quando aquela forma tem que partir. A morte não é um desastre a ser temido; o trabalho do Destruidor não é cruel ou indesejável. … Ao invés de ser o “último inimigo a ser destruído” ( I Co 15:26), a morte é o grande libertador. …É assim porque a dominação do espírito (e sua reflexão, alma), por razão, é o que constitui o mal”.

Ambas pregam abertamente a morte daqueles que constituem objeção à sua doutrina dominadora, ou em outras palavras, os fundamentalistas religiosos, principalmente cristãos, o que não exclui judeus e muçulmanos. Confira os títulos dos livros de Alice Bailley já traduzidos para o português: “Cartas sobre meditação ocultista, Tratado sobre o Fogo Cósmico, Tratado sobre Magia Branca, Os discípulos na nova era, Os problemas da humanidade, A educação da nova era, Astrologia esotérica, Cura esotérica”, entre outros.

São muitos os profetas da Nova Era: Helena Petrovna Blavatsky, Robert Muller, Neale Donald Walsch, David Spangler, Matthew Fox, Maharishi Mahesh Yogi, que foi guru dos Beatles, Ruth Montgomery… As organizações que divulgam suas ideias são igualmente muitas: New World Alliance, Planetary Citizens… todas com nomes sugestivos de comunidade cósmica.

Todos já ouviram dizer que a ONU foi fundada depois da Segunda Guerra Mundial com o propósito de garantir que não houvesse mais guerras no mundo. Parece que não deu muito certo.

Pois bem, a ONU e seus satélites estão no comando do processo de trazer à luz esta Nova Ordem Mundial.

O assunto é interminável, mas não devemos nos estender sobre ele. Jesus nos advertiu que seria assim, que perseguiriam e matariam um dia seus seguidores certos de estar fazendo um favor para Deus.

A igreja sofre, desde seus primórdios, uma perseguição sistemática por parte de seus inimigos. Houve, no decurso da história, momentos em que esta perseguição assumiu vultos de catástrofe, como no primeiro século, ou na inquisição movida pela igreja católica na idade média, ou durante o nazismo na Alemanha de Hitler, apenas para citar os exemplos mais conhecidos.

Mas aparte estes episódios, em toda sua trajetória há marcas do sangue dos justos.

Em nosso presente, lê-se nos jornais todos os dias, que cristãos são massacrados no mundo islâmico. Mas seriam os muçulmanos no fim dos tempos os nossos perseguidores?
É nada provável. Basta se examinar os textos escatológicos para se constatar que não há nada que os identifique claramente em lugar nenhum. Esta perseguição que vemos hoje, se abate, para além dos grupos cristãos, sobre homosexuais, e minorias raciais e religiosas não cristãs. Ademais, ainda que exista de fato perseguição de cristãos verdadeiros, a maioria perseguida é constituída de cristãos nominais, como ocorre atualmente no caso da Nigéria. O ISIS, Estado Islâmico, por exemplo, massacra mais muçulmanos que cristãos. É desproporcional, de maneira que estes grupos de radicais islâmicos não podem sequer ser considerados muçulmanos. Não são. São, sim, uma contingência do presente, mais precisamente, um efeito proposital da Nova Ordem Mundial.

No exercício de prever o futuro, que pode levar a conclusões erradas, uma vez que nossa tendência é sempre analisar o futuro próximo pelos sinais do presente, podemos propor que é mais provável que muçulmanos e judeus fundamentalistas sejam igualmente perseguidos. Para a Nova Ordem que se instala, eles são um estorvo tão grande quanto os cristãos. Para eles, todo fundamentalismo religioso é indesejável.

Há um caso parecido no passado de Israel, ainda que com ressalvas, quando Isaías previu o aparecimento de Ciro 200 anos antes que ele nascesse. Ciro libertou os judeus, bem como devolveu ao Templo que ele autorizara reconstruir todos os bens tomados por Nabucodonosor. Era a determinação de Deus, mas Ciro fez o mesmo para os demais povos que estavam cativos na Babilônia. Puderam sair todos e todos os bens tomados de seus santuários foram igualmente devolvidos.

Um dia, muito em breve, os cristãos serão perseguidos. A maioria acha que não, que serão arrebatados antes que aconteça. Mas Jesus deixou claro, conforme Mateus 24:29, que não será assim. Seremos perseguidos.

Mas todos os perseguidos serão presos, torturados ou mortos? Claro que não. Os que negarem o Evangelho não terão qualquer problema.

Viva vencendo o anticristo, em nome de Jesus Cristo!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário