14 novembro 2015

A VERDADE SOBRE MARIA - 02



"HONREMOS A MARIA"

O  fanatismo  pode  levar  muitos  a  não  prestarem  honras  aos  que  honras  merecem.  Honrar significa  considerar  a  virtude,  o  talento,  a  coragem,  a  santidade  ou  as  boas  qualidades  de alguém.  A  mulher  escolhida  por  Deus  para  dar  à  luz  a  Luz  do  mundo  -  a  santa  Maria  -  nos deixou  exemplos  de  fé,  obediência,  coragem,  humildade,  de  amor  e  temor  a  Deus.  Então, honremos a Maria porque Deus a honrou primeiro.

Maria foi  escolhida para tão nobre missão porque era justa e reta aos olhos do Senhor.

"EIS  AQUI  A  SERVA  D0  SENHOR.  CUMPRA-SE  EM  MIM  SEGUNDO  A  TUA  PALAVRA." (Lucas  1.38). Este foi  um  exemplo  de fé,  obediência  e  humildade  que  nos  deixou  Maria.  Com estas  palavras  ela  acatou  a  missão  que  lhe  acabara  de  ser  anunciada  pelo  anjo  Gabriel,  ou seja,  a missão  de  ser  a mãe  de Jesus,  de  servir de  veículo  para  que  o  Verbo  se fizesse  carne e  habitasse  entre  nós.  Foi  exemplo  também  de  coragem:  ela  não  ficou  a  meditar  se  o  seu casamento  com  José  seria  desfeito  ou  se  José gostaria  ou  não;  se  iria  compreender  ou  não  a sua  gravidez.  Ela  confiou  no  Senhor  e  na  Sua  Palavra.  Seguindo  seu  exemplo,  sejamos submissos  à  Palavra  de  Deus  e  à  Sua  vontade,  ainda  que  isso  nos  cause  algumas dificuldades  no  meio  em  que  vivemos.  Que  bom  seria  se  todos  dissessem:  "Cumpra-se  em mim, Senhor, segundo a tua palavra".

Também  Maria  não  se  envaideceu  diante  das  declarações  de sua  prima Isabel, que  lhe  disse: "Bendita  és  tu  entre  as  mulheres,  e  é  bendito  o  fruto  do  seu  ventre".  Tão  logo  ouviu  estas palavras, dirigiu-se ao Senhor em oração: "A MINHA ALMA ENGRANDECE AO SENHOR E O MEU  ESPÍRITO  SE  ALEGRA  EM  DEUS,  MEU  SALVADOR,  PORQUE  ATENTOU  NA HUMILDADE DE SUA SERVA, POIS EIS QUE, DESDE AGORA, TODAS AS GERAÇÕES ME CHAMARÃO  BEM-AVENTURADA"  (Lucas  1.39-55).  Maria  também  não se  abalou  quando  um certo  homem  chamado Simeão,  cheio  do  Espírito  Santo,  profetizou  a  respeito  do  Menino:  "Eis que  é  posto  para  queda  e  elevação  de  muitos...  e  uma  espada  traspassará  também  a  tua própria alma" (Lucas 2.34-35). A missão seria difícil tanto para Maria quanto para Jesus. Maria foi  uma  mãe  sofredora.  Sofredora,  porém  resignada.  Sofreu  na  apressada  fuga  para  o  Egito, livrando  Jesus  das  mãos  de  Herodes;  sofreu  diante  das  perseguições  e  das  ameaças  com vistas  a  tirar  a  vida  de  seu  filho;  e,  finalmente,  sofreu  muitíssimo  ao  ver  seu  filho  traído, condenado sem justa causa e morto numa cruz.

Muitos  outros  santos  bíblicos  são  merecedores,  também,  de  nossa  admiração  e  honra  por haverem  cumprido  fielmente,  com  fé,  obediência  e  humildade,  os  encargos  que  Deus  lhes confiou.  Exemplo  do  santo  Noé,  homem  reto  e  justo,  que  recebeu  de  Deus  a  incumbência  de anunciar  o  Dilúvio  a  uma  geração  depravada,  e  de  construir  uma  enorme  barca.  Exemplo  do santo  Abraão,  que  deixou  sua  cidade  natal  e  seus  parentes,  e  seguiu  em  busca  de  uma  terra desconhecida.  Exemplo  de  Moisés,  ao  qual  Deus  confiou  a  espinhosa  missão  de  livrar  seu povo  da  escravidão  do  Egito.  Exemplo  de  Josué  que,  atendendo  ao  Senhor,  passou  o  Jordão e  conquistou  a  Canaã  prometida.  Exemplos  de  tantos  profetas  que  não  vacilaram  em  transmitir  as mensagens  do  Altíssimo,  ainda que colocando  em  risco  a  própria  vida.  Exemplos como  os  do  santo  João  Batista,  que  pagou  com  sua  vida  por  haver  falado  a  verdade.

Exemplos  dos  discípulos  de  Jesus,  que  não  recuaram  diante  das  dificuldades  e  das perseguições  no  cumprimento  da  elevada  missão  de  "pregar  o  Evangelho  a  toda  criatura".  E muitos foram perseguidos, torturados e mortos.

Maria  faz  parte,  portanto,  dessa  galeria  de  santos  que  souberam  cumprir  com  firmeza, determinação,  coragem  e  fé  os  encargos  que  Deus  lhes  confiou.  Que  nós,  os  santos  vivos, nós  os  santos  de  nossa  geração,  saibamos  cumprir  a  nossa  missão  como  filhos  de  Deus, tendo  como  exemplo  os  santos  do  passado,  tudo  para  honra  e  glória  do  nosso  Senhor  e Salvador Jesus Cristo.

ADOREMOS O FILHO

Como  vimos,  honrar  a  Maria  significa reconhecer  que  a  sua  missão  aqui na  Terra foi  uma  das mais  nobres  e  importantes, qual  seja,  a  missão de  carregar  em  seu  ventre,  alimentar com seu sangue, amamentar e criar o nosso Redentor. 

Todavia,  não  se  deve  dispensar  a  Maria  honrarias  superiores  às  que  ela  merece.  Nada podemos fazer  para  aumentar  a  sua  posição    diante  de  Deus.  Como justo  juiz,  Deus  não  dará a  Maria  nada  mais  nada  menos  do  que  ela  merece,  do  que  ela  conquistou  com  sua  fé, humildade e obediência. E o que ela mais desejou foi a sua salvação, ou seja, viver com Cristo na  eternidade.  Maria  dedicou  toda  a  sua  vida  ao  cumprimento  da  sua  honrosa  missão.  Ela nunca teve a intenção de ofuscar o ministério de Jesus. E não poderia fazê-lo. Ela sabia que a missão  de  Jesus  era  incomparavelmente  superior  à  sua.  A  missão  de  Jesus  era  a  do  Verbo que  se  fez  carne  para  trazer  aos  homens,  na  linguagem  dos  homens,  a  mensagem  redentora do Pai.

Em  momento  algum  Maria  avocou  a  qualidade  de  mãe  de  Jesus  para  usufruir  regalias.  Ela nunca demonstrou qualquer intenção de ser alvo das atenções, de roubar a cena, de ofuscar o Filho  de  Deus.  Ademais,  as  atenções  dos  discípulos  estavam  voltadas  para  o  Mestre,  porque dEle emanava a verdade, e nEle se via o resplendor da glória do Pai. Não há registro na Bíblia de  qualquer  adoração  a  Maria  -  ou  recomendações  nesse  sentido  -  enquanto  viva  ou  após  a sua morte. Maria manteve uma posição discreta com relação ao trabalho de Jesus. Uma única vez  interferiu  no  ministério  de  Jesus,  nas  bodas  em  Caná  da  Galiléia,  com  uma  discreta participação.  Vejamos o diálogo: 
"E, no terceiro dia, fizeram-se uma bodas em Caná da Galiléia; e estava ali a mãe de Jesus. E foram  também  convidados  Jesus  e  os  seus  discípulos  para  as  bodas.  E,  faltando  o  vinho,  a mãe de Jesus lhe disse: Não têm vinho. Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não  é  chegada  a  minha  hora.  Sua  mãe  disse  aos  empregados:  "Fazei  tudo  quanto  ele  vos disser" (João 2.1-5). 

Ao  informar  a  Jesus  que  acabara  o  vinho,  Maria  deixa  implícito  que  seu  filho  teria  condições de  resolver  aquele  problema.  A  resposta  de  Jesus  -  "que  tenho  eu  contigo,  mulher"-  não desrespeita  sua  mãe,  não  significando  uma  repreensão,  mas  é  uma  recusa.  Não  era  dos planos  de  Jesus  iniciar  a  manifestação  da  sua  glória  naquela  oportunidade.  Ele  disse  que  a hora  dele  não  havia  chegado.  Porém,  tudo  indica  que  Maria  continuou  esperançosa  de  que algo  poderia  acontecer.  Certamente,  ela  voltou  a  falar  a  Jesus  sobre  os  vexames  por  que passariam os anfitriões em não havendo mais vinho para servir. Percebeu no seu coração que Jesus estava inclinado a reavaliar sua posição. Então, segura de si, chamou os empregados e disse: "FAZEI TUDO QUANTO ELE VOS DISSER". E o milagre aconteceu.

Embora  a  mensagem  de  Maria  tenha  sido  específica  para  aquela  ocasião,  quando  ela  orienta os  empregados  para  obedecerem  a  Jesus,  nada  impede  de  estendermos  esse  apelo  aos  dias atuais,  ou  seja,  fazermos  tudo  de  acordo  com  os  mandamentos  e  ensinos  de  Jesus:  “Se  me amarem  guardarão  os  meus  mandamentos,  e  eu  rogarei  ao  Pai,  e  Ele  vos  dará  outro Consolador, para que fique convosco para sempre” (João 14.15-16).

Então,  para  que  tenhamos  o  Espírito  Santo,  ou  seja,  o  outro  Consolador,  é  necessário  que guardemos  os mandamentos  de  Jesus.  E  o grande  mandamento  de  Jesus foi  este: "AMARÁS O  SENHOR  TEU  DEUS  DE  TODO  O  TEU  CORAÇÃO,  DE  TODA  A  TUA  ALMA,  E  DE  TODO O  TEU  ENTENDIMENTO.  ESTE  É  O  PRIMEIRO  E  GRANDE  MANDAMENTO.  O  SEGUNDO, SEMELHANTE  A  ESTE  É:  AMARÁS  O  TEU  PRÓXIMO  COM  A  TI  MESMO"  (Mateus  22.37-39). 


Se  de  alguma  forma  quisermos,  nos  dias  de  hoje,  atendermos  aos  apelos  de  Maria  -  "fazei tudo  quanto  Ele  vos  disser"-  estaremos  na  obrigação  de  adorar  somente  a  Deus  e  só  a  Ele servir.  Assim,  Maria  está  excluída  de  nossa  adoração.  Ela  própria  se  excluiu.  Nenhum  santo vivo  ou  falecido  aceita  adoração.  Nem  os  anjos  aceitam-na.  Maria  ficou  excluída,  também, quando  Jesus  revelou  que  "ninguém  vem  ao  Pai  se  não  for  através  de  Mim"  (João  14.6).

Portanto,  através  da  mãe  de  Jesus  ninguém  chegará  a  Deus.  Os  santos  falecidos  ficaram  de fora  quando  Jesus  disse  que  todos  deveriam  buscar  nEle  a  solução  para  seus  problemas:
"VINDE  A  MIM  TODOS  VÓS  QUE  ESTAIS  CANSADOS  E  OPRIMIDOS  E  EU  VOS ALIVIAREI"  (Mateus  11.28).  Aqui,  Ele  não  dá  oportunidade  para  irmos  a  outra  pessoa  viva  ou falecida,  a  outro  espírito,  a  outro  santo  que  não  seja    Ele,  o  Santo  dos  santos.   Leia  também Atos 4.12.
Conclui-se,  portanto,  que  a  santa  Maria  deve  ser  honrada,  e  o  seu  exemplo  -  exemplo  de  fé, obediência,  amor  e  humildade  -  deve  ser  seguido.  Ela  cumpriu  sua  missão  aqui  na  Terra  com bastante  zelo,  dedicação  e  confiança  no  Senhor.  Deve  ser  adorada  por  isso?  Não.  As Escrituras Sagradas não apontam nessa direção. Jesus nos ensinou a orar ao Pai ("Pai nosso que  estás  nos  céus"),  e a  adorar  ao  Pai  ("Ao  Senhor  teu  Deus  adorarás,  e    a  Ele  servirás").
Convidou  todos  os  homens  a  irem  a  Ele,  diretamente  a  Ele:  "VINDE  A  MIM  TODOS  VÓS..."

Aqui  Ele  não  deixa  qualquer  dúvida  de  que  somente  Ele  pode  resolver  nossos  problemas, porque somente Ele, e não  Maria, recebeu autoridade e poder. Vejamos:  "Tudo  me  foi  entregue  por  meu  Pai"  (Lucas  10.22-A).  "Ora,  para  que  saibas  que  o  Filho  do homem  tem  na  terra  autoridade  para  perdoar  pecados,  levanta-te,  toma  o  teu  leito  e  vai  para tua casa" (Mateus 9.6). "É-me dado todo o poder no céu e na terra" (Mateus 28.18). 

A  santa  Maria,  quando  viva,  recebeu  os  mesmos  poderes  outorgados  por  Jesus  aos  seus discípulos:  "Tendo  convocado  os  doze  discípulos,  Jesus  deu-lhes  poder  e  autoridade  sobre todos  os  demônios,  e  para  curarem  enfermos"  (Lucas  9.1);  "Estes  sinais hão  de  seguir  os que crerem:  em  meu  nome  expulsarão  demônios...  imporão  as  mãos  sobre  enfermos,  e  os curarão"  (Marcos  16.17-18).  Observem  que  esses  poderes  foram  outorgados  AOS  QUE CREREM.  Logo,  Maria  estava  incluída.  Ela  era,  obviamente,  crente  em  Jesus.  Ela  poderia  ter exercido  o  ministério  de  pregação  do  Evangelho,  ou  de  libertação.  O  Espírito  Santo  estava sobre  ela.  Se  não  o  fez  é  porque  já  cumprira  sua  missão.  A  dura  batalha  de  divulgar  as  boas novas  ficaria  para  os  homens, fisicamente mais fortes.  Os  afazeres  domésticos,  a  criação  dos filhos,  o  desgaste  decorrente  da  crucificação  de  Jesus  não  lhe  permitiriam  correr  mundo, viajar,  enfrentar  tribulações.  É  óbvio  que  ela  passou  o  resto  de  sua  vida  atenta  aos acontecimentos;  acompanhando  à  distância  o  movimento  e  sofrendo  com  as  más  notícias  de prisões, perseguições e torturas por que passaram os discípulos; e alegrando-se com as boas notícias de muitas conversões, e com o crescimento do cristianismo.
Como vimos, só Jesus salva, perdoa pecados, cura e liberta. Jesus veio salvar a humanidade; colocou-se  em  nosso  lugar  na  cruz;  pagou  o  preço  da  remissão  de  nossos  pecados  com  Seu sangue.  Foi  Ele  quem  morreu  em  nosso  lugar.  Quem  derramou  sangue  foi  Ele.  Somente Jesus  e  mais  ninguém.  Não  foi  José,  Benedito,  Paulo,  João  ou  Maria.  A  Ele  toda  a  honra  e glória.  Portanto,  HONREMOS  A  MARIA,  MAS  ADOREMOS  O  NOSSO  SALVADOR; HONREMOS  A  MARIA,  MAS  ADOREMOS  A  JESUS;  HONREMOS  A  MÃE,  ADOREMOS  O FILHO DE DEUS.

ORIGEM DA ADORAÇÃO A MARIA

A  falsa  adoração  a  uma  deusa-mãe,  rainha  dos  céus,  senhora,  madona  etc.  teve  início  na antiga  Babilônia  e  se  espalhou  pelas  nações  até  chegar  a  Roma.  Os  gregos  adoravam Afrodite;  em  Éfeso,  a  deusa  era  Diana;  Isis  era  o  nome  da  deusa  no  Egito.  Muitos  desse  tipo de adoradores "aderiram" ao catolicismo em Roma para ficarem mais próximos do poder, haja vista  que  o  Império  Romano  no  século  III  adotou  o  cristianismo  como  religião  oficial.  Então, esses  "cristãos"  nominais  levaram  suas  práticas  idólatras  e  pagãs  para  a  Igreja  de  Roma.  Em vez  de  coibir  o  abuso  e  conduzir  os  fiéis  pelos  caminhos  da  fé  exclusiva  em  Deus,  os  líderes do  catolicismo  romanos  contemporizaram  a  situação:  aos  poucos  as  imagens  pagãs  foram substituídas  por  imagens  cristãs;  os  deuses  pagãos,  substituídos  pelos  deuses  cristãos  (os santos  bíblicos)  e,  na  esteira  desse  sincretismo  religioso,  a  santa  Maria  surgiu  como  "Mãe  de Deus",  "Senhora",  "Sempre  Virgem",  "Concebida  sem  Pecado",  "Assunta  aos  céus", "Mediadora e Advogada", Co-Redentora. 

A  seguir,  algumas  inovações  dogmatizadas  pela  Igreja  Católica  Romana,  aprovadas  em concílios a partir do terceiro século depois de Cristo:  

Ano   270   -   Origem da vida monástica no Egito, por Santo Antonio.
Ano   320   -   Uso de velas.
Ano   370   -   Culto dos santos, professado   por    Basílio    de    Cesaréia e  Gregório Nazianzo.
Ano   400   -   Iniciadas as orações pelos mortos  e sinal da cruz.
Ano   431   -   Maria é proclamada “Mãe de Deus”.
Ano   500   -   Origem do Purgatório,por Gregório,o Grande.
Ano   609   -   Culto da Virgem Maria, por Bonifácio IV.  Invocação   da  Virgem Maria, dos santos e dos anjos, estabelecida por lei na Igreja  pelo    Concílio de Constantinopla.
Ano   670   -   Celebração da missa em latim, língua desconhecida do povo, pelo Papa Gregório I.
Ano   758   -   Confissão auricular, e absolvição, estabelecida   como  doutrina  pelo  IV Concílio de Latrão, em Roma.
Ano   787   -   Culto das imagens  ordenado   pela   Igreja no  II Concílio de Nicéia.
Ano   880   -   Canonização dos santos, por Adriano II.
Ano   965   -   O Batismo de Sinos.
Ano   998   -   Dia de Finados, Quaresma,jejum às sextas-feiras e na Páscoa.
Ano 1000   -   Sacrifício da missa.
Ano 1074   -   Instituição do celibato do Clero, por Gregório VII.
Ano 1095   -   Venda de indulgências plenárias,por Urbano II.
Ano 1125   -   As primeiras idéias  sobre a Imaculada Conceição de Maria, combatidas   por São Bernardo.
Ano 1164   -   Os Sete sacramentos, por Pedro Lombardo, no Concílio de Trento.
Ano 1184   -   A diabólica INQUISIÇÃO, chamada santa, pelo Concílio de Verona.
Ano 1200   -   O rosário,  por São Domingos.
Ano 1215   -   Transubstanciação, pelo Concílio de Latrão.
Ano 1220   -   A Hóstia e respectiva adoração, por Inocêncio III.
Ano 1229   -   Proibição da leitura das Bíblia aos leigos, pelo Concílio deTolosa.
Ano 1264   -   Festa do Sagrado Coração, papa Urbano IV.
Ano 1311   -   Procissão do SS. Sacramento, papa João XXII.
Ano 1317   -   Oração da Ave-Maria, papa João XXII.
Ano 1414   -   Proibição   de  vinho  aos  fiéis, na  Santa Comunhão,  pelo  Concílio  de Basiléia, determinando o uso do CÁLICE somente pelos sacerdotes.
Ano 1546   -   Aceitação dos livros apócrifos, pelo Concílio de Trento.
Ano 1563   -   Igualdade entre a Tradição e a Palavra de Deus, Concílio de Trento.
Ano 1854   -   A Imaculada Conceição da Virgem, papa Pio IX.
Ano 1870   -   A  infalibilidade do papa, Concílio do Vaticano.
Ano 1950   -    Assunção de Maria transformado em artigo de fé.
Além  desses  atos,  as  rezas  da  Ave-Maria  chamam-na  de  "Sempre  Virgem",  "Rainha", "Advogada",  ''Mãe  de  Deus",  Concebida  Sem  Pecado.  Então,  iremos  examinar  um  por  um esses  títulos  à  luz  da  verdade  contida  na  Palavra  de  Deus,  lembrando  que  a  Bíblia  é  a  única
regra de fé e prática do cristão.

A TRADIÇÃO CATÓLICA

“E  assim  invalidastes,  por  vossa  tradição,  o  mandamento  de Deus.  Hipócritas,  bem  profetizou  Isaías,  a  vosso  respeito, dizendo:  Este  povo  honra-me  com  os  seus  lábios,  mas  o  seu coração  está  longe  de  mim.  Mas  em  vão  me  adoram, ensinando  doutrinas  que  são  mandamentos  dos  homens” (Mateus 15.6-9).

Segundo o entendimento do Vaticano, a Tradição  tem valor igual à Palavra de Deus. Vejamos o que diz essa Igreja no "Catecismo da Igreja Católica" (C.I.C.):"Fica,  portanto,  claro  que  segundo  o  sapientíssimo  plano divino,  a  Sagrada  Tradição,  a  Sagrada  Escritura  e  o Magistério  da  Igreja  estão  de  tal  modo  entrelaçados  e  unidos que  um  não  tem  consistência  sem  os  outros,  e  que  juntos, cada  qual  a  seu  modo,  sob  a  ação  do  mesmo  Espírito  Santo, contribuem  eficazmente  para  a  salvação  das  almas"  (C.I.C.  p.38, # 95). 
"O  que  Cristo  confiou  aos  apóstolos,  estes  o  transmitiram  por sua  pregação  e  por  escrito,  sob  a  inspiração  do  Espírito Santo,  a  todas  as  gerações,  até  a  volta  gloriosa  de  Cristo.  Sagrada  Tradição  e  a  Sagrada  Escritura  constituem  um  só sagrado  depósito  da  Palavra  de  Deus."  (C.I.C.  p.38,  #  96  97).

Como  a  Tradição  é  sagrada  e  tem  autoridade  igual  à  Palavra  de  Deus,  ela  dá-se  ao  luxo  de criar  dogmas,  inventar  coisas  e  até  ir  contra  a  Bíblia  Sagrada.  Exemplo:  A  Tradição  diz  que Maria é nossa advogada, auxiliadora, protetora e medianeira (C.I.C. p. 274, # 969). A Bíblia diz que  "só    um  Deus  e  um    Mediador  entre  Deus  e  os  homens,  Cristo  Jesus,  homem"  (1Timóteo  2.5).  A  Tradição  diz  que  Maria  é  a  Mãe  de  Deus.  A  Bíblia  diz  que  Deus  é  eterno, imutável,  onipotente,  onisciente,  onipresente,  sendo,    como  tal,    um  ser  incriado,  não    gerado; não  podendo  ter  mãe,  nem  pai.  Temos  de  admitir  que  é  um  absurdo  a  declaração  de  que  a Palavra  de  Deus    pode  contribuir  eficazmente para  a  salvação  das  almas  se  atuar junto  com a Sagrada Tradição (C.I.C.  p.38, # 95).

Vejamos mais: 

"O  encargo  de  interpretar  autenticamente  a  Palavra  de  Deus foi  confiado  exclusivamente  ao  Magistério  da  Igreja,  ao  Papa e aos bispos em comunhão com ele" (C.I.C. p. 38, # 100). 
Seria  o  caso  de  se  perguntar  quem  foi  que  confiou  à  Igreja  Católica  a  exclusiva  missão  de bem  interpretar  as  Escrituras?    Eis  aí  a  razão  por  que  essa  denominação  não  incentiva  a leitura  da  Bíblia  entre  seus  fiéis.  Se  os  católicos  não  sabem,  não  podem  e  não  devem interpretar a Palavra de Deus – ainda que formados em Teologia – para que usariam a Bíblia?

Vejamos o que diz a Palavra:

"Toda  Escritura  divinamente  inspirada  é  proveitosa  para ensinar,  para  redargüir,  para  corrigir,  para  instruir  em  justiça, para  que  o  homem  de  Deus  seja  perfeito  e  perfeitamente instruído para toda boa obra" (2 Timóteo 3.16).  "Sabendo  primeiramente,  isto,  que  nenhuma  profecia  da Escritura provém de particular interpretação" (2 Pedro 1.20). 

Paulo  recomenda  o  estudo    da  Bíblia:  "Procura  apresentar-te a  Deus  aprovado,  como  obreiro  que  não  tem  do  que  se envergonhar,  que  maneja  bem  a  palavra  da  verdade"  (2Timóteo 2.15). 
Jesus recomendou: "Examinai as Escrituras..." (João 5.39). 

Como  vimos,  a  Bíblia  Sagrada  deve  ser  lida,  analisada,  interpretada  por  todos,  principalmente pelos  filhos  de  Deus,  ou  seja,  os  que  se  convertem  ao  Senhor  Jesus  e  são  “feitos  filhos  de Deus”  (João  1.12).    Cabe  às  denominações  cristãs  orientar  os  irmãos  na  leitura,  mas  nunca lhes tirar o direito ao livre exame das Escrituras. 

Analisemos  os  vários  títulos  atribuídos  a  Maria,  não  à  luz  da  Tradição,  mas  da  santa  e verdadeira Palavra de Deus.

Continuaremos amanhã...

Viva vencendo somente com o que diz a Palavra de Deus!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário