11 novembro 2015

RELATIVISMO EVANGÉLICO? ISSO PODE EXISTIR?


Para se entender o que é "relativismo evangélico" precisamos antes entender o que significa o relativismo no seu sentido mais amplo.

O relativismo ensina que tudo o que acontece é aceitável, basta relativizar as coisas. Em linguagem do âmbito da filosofia, o termo induz a crença de que não existem absolutos.

O relativismo é a teoria que nega a existência de qualquer teoria, regra, moral, ética ou qualquer outro tipo de verdade que assuma para si o postulado de absoluto e inequívoco.

O relativo opõe-se ao absoluto. Verdade seja dita, o absoluto corresponde à existência de Deus, corresponde aos mandamentos, estatutos e juízos de Deus e o relativo aos seres criados e suas divagações.

O relativismo é, em sua essência, anti-deus e anti-bíblia, podemos afirmar isso, sem medo de errar.

Por quê?

Porque, prezados, em toda a bíblia, se vê nitidamente que existe o bem e o mal, o sim e o não, a verdade e a mentira, ou se esta de um lado ou de outro.

Essa história de "relativismo" não é nova. Aliás essa conversa mole é bastante antiga, tendo se iniciado lá no Jardim do Éden.

Jardim do Éden?

Sim, e vamos mostrar porque: Em Gn. 2:17, Deus deu uma ordem clara e cristalina para o primeiro casal:

"De todas as arvore do jardim comerás livremente, mas da árvore da ciência do bem e do mal, não comerás..."

E Deus mostrou ao primeiro casal com muita clareza qual seria o resultado da desobediência, a qual infelizmente aconteceu:

“...Porque no dia em que dela comerdes, certamente morrerás".

Vejam bem, a relativização entrou no argumento do diabo, que procurou dessacralizar ou "desabsolutizar" as palavras de Deus. Ou seja, o diabo quis dizer a Eva assim: “calma lá, Deus disse que você iria morrer se comesse do fruto, não é”?

Então, o diabo com sua astúcia e argumentos sedutores sussurrou para Eva: "certamente não morrereis”. (Gn. 3:4). Começou naquele momento a relativização da Palavra de Deus, ou seja, Deus disse muito claro que haveria morte se aquele fruto fosse comido, o diabo, porém disse que não haveria morte, que as coisas não seriam bem assim...

Hoje, a Palavra de Deus continua dizendo que o "salário do pecado é a morte" (Rm. 6:23). E o diabo continua dizendo à humanidade e para essa cristandade corrupta que aí está, pecando à vontade o seguinte: "certamente não morrereis; isso é muito relativo..."

E a imensa maioria dos "cristãos" estão caindo na arapuca do diabo...

Os evangélicos estão caindo de cabeça na armadilha relativista!

Quem irá negar que esse relativismo está acontecendo solto nas igrejas evangélicas de hoje?

De que modo, pois, o relativismo atinge as igrejas evangélicas?

Hoje em dia, mais do que nunca, aquela expressão popular "cada cabeça, uma sentença" é valida e autêntica, quando se analisa à luz das Escrituras, o comportamento do povo evangélico moderno.

Você nem precisa ser sociólogo, antropólogo ou estudioso em relações humanas para entender isso.

relativismo evangélico assume duas formas:

1) Relativismo Cognitivo (ou do conhecimento): Segundo o relativismo do conhecimento, toda a opinião é justificável por ser perfeitamente aceita para determinada comunidade.

Por esse pensamento um católico estaria certo ao se prostar perante as imagens de escultura, mas o cristão evangélico também estaria certo, ao afirmar que Deus abomina todos aqueles que se prostram perante imagens de escultura. Mas a verdade absoluta é que uma afirmação vai negar a outra. Uma está certa enquanto a outra está errada. Uma atesta de acordo com a verdade, enquanto a outra segundo a mentira. E todos sabemos quem é o pai da mentira (Jo. 8:44).

Leitor, hoje em dia é muito fácil ser relativista. O evangélico relativista é, na melhor das hipóteses, um covarde, porque é mais fácil ser "Maria vai com as outras" com relação a conceitos e idéias de outras pessoas, do que confrontar essas pessoas com a verdade absoluta da Palavra de Deus.

Hoje em dia não é nada popular, no meio evangélico testemunhar os perdidos, confrontando eles nas suas idolatrias, prostituições e mentiras. Convém dizer que o relativismo é um poderoso combustível para a apostasia ecumenista, pois, quando padres, pastores, rabinos, pais de santo, etc, se reúnem, eles não se reúnem para falar que o seu Deus ou deuses são os únicos verdadeiros, mas sim para trocar experiências sobre "pontos comuns..."

Espere um minuto! Pode existir algo em comum entre um cristão e entre um macumbeiro? Pode existir algo em comum entre um cristão e entre um católico 'mariólatra'? Não nos ensina a Palavra de Deus 'que não há comunhão entre a luz e as trevas?' Não nos ensina a Palavra de Deus que 'não há concórdia entre Cristo e Belial?' Não nos ensina a Palavra de Deus que 'o fiel não tem parte com o infiel e nem o templo de Deus com os ídolos?' (2 Co. 6:14-16).

Entendemos, por meio dos versículos acima citados, que o nosso Deus é um Deus absoluto e Ele ensina claramente que o Seu povo tem que se definir abertamente pelo absoluto!

O que o nosso Deus nos escreveu na Sua santa palavra, Ele colocou acima até mesmo do Seu próprio nome, declarando assim o absolutismo da Sua santa Palavra: "inclinar-me-ei para o Teu santo templo, e louvarei o Teu nome pela Tua benignidade, e pela Tua verdade: pois engrandeceste a Tua palavra acima de todo o Teu nome" - Sl. 138:2.

"Não quebrarei o meu concerto, não alterarei o que saiu dos meus lábios" Sl. 89:34.

2) vejamos agora algo sobre o Relativismo Moral:

O relativismo moral baseia-se no conceito de que os valores morais variam de cultura para cultura, de povo para povo e de igreja para igreja.

Os defensores do relativismo moral ensinam que não é possível determinar o que é certo ou errado moralmente, pois esse conceito seria variável de acordo com os povos, de acordo com as sociedades e de acordo com as mais de 30.000 denominações que se dizem cristãs, existentes na face da terra.

O relativismo moral, portanto, crê que a verdade, a ética e a moral possuem um caráter particular e circunstancial. Isto quer dizer que aquilo que é verdade, ético ou moral para o cristão, pode não ser verdadeiro, ético ou moral para outra pessoa que professe outra religião ou que não professe religião nenhuma. Ou ainda, eles entendem que aquilo que é a verdade, ético e moral para certo tipo de cristão, pode não ser verdadeiro, ético ou moral para outro tipo de cristão, pertencente a outra denominação. Por isso é que assistimos a tantas divisões e por isso que vemos tantas idéias conflitantes no chamado "meio cristão..."

Até igrejas de homossexuais e de lésbicas estão surgindo por aí...

Graças a Deus, aprendemos das páginas da bíblia que '...o nosso Deus não muda'(Ml. 3:6; Tg. 1:17), e 'Ele também não é Deus de confusão' (1Co. 14:33).

Que a praga relativista se infiltrou profundamente na imensa maioria das denominações evangélicas é fato comprovado, e não nos esqueçamos que essa é uma das abominações que o diabo introduziu nas igrejas, entre tantas outras.

Continuando, para os relativistas tudo depende das pessoas e das circunstâncias em que estão. Não existe, de acordo com esse pensamento mundano, normas, verdades ou moral que sirvam para todas as pessoas em todos os lugares. O que é certo para você, talvez não seja certo para outra pessoa, mas nem por isso os dois estão certos ou errados, mas a verdade depende do ponto de vista de cada um! Essa é uma mentira do diabo que está tomando conta da maioria das igrejas!

Comprove por si mesmo como isto já está acontecendo na denominação onde você congrega! Já parou para pensar nos problemas éticos, religiosos e morais do relativismo moral no meio evangélico? Muitas práticas imorais condenáveis pela bíblia são justificadas com base nesses argumentos, pois para os adeptos desse argumento diabólico cada um deve viver como bem entender, de acordo com a sua ética e verdade particulares. Assim sendo, para o relativismo moral, a orientação sexual de uma pessoa, por exemplo, é um assunto individual, ninguém tem nada a ver com a vida do cidadão. Por isso que está acontecendo, como dissemos, o impressionante surgimento de igrejas voltadas para os homossexuais.

Como exemplo de uma igreja voltada para o público homossexual, podemos citar uma denominação chamada "church of the holy spirit song" (igreja da canção do Espírito Santo), localizada na Florida, Estados Unidos. Veja o site deles: (está em inglês), http://www.cohss.org/  Pois é, por causa do maldito relativismo moral no meio dos "cristãos" é que assistimos o surgimento dessas aberrações que ousam chamar-se de "igreja..."

Em razão de o maldito relativismo moral afirmar que não existem normas morais universais, ele torna a verdade bíblica relativa ou subjetiva. A bíblia, por exemplo, poderia ser interpretada de diversas formas, segundo eles dizem. Assim como são diferentes as pessoas, também é diferente a interpretação que cada uma delas dá do texto bíblico, logo, a verdade não está na bíblia, mas na interpretação do leitor, segundo afirmam esses apóstatas relativistas.

Segundo os hereges relativistas, a bíblia diz coisas diferentes para pessoas diferentes. Dessa forma, nunca saberemos de fato o que a bíblia diz. A Palavra de Deus, porém, repele a esses relativistas endemoniados ao afirmar claramente que "nenhuma profecia da escritura é de particular interpretação". (2 Pe. 1:20).

Outro problema é que o relativismo impossibilita qualquer discussão do que é certo ou errado. Uma vez que não podemos chegar a uma conclusão concernente ao que seja certo ou errado, todas as opiniões, discussões, teorias e religiões, mesmo se contradizendo umas às outras, estarão corretas, segundo afirmam os relativistas. Isso gera um caos! Ninguém está errado, todos estão corretos, que palhaçada é essa? Imagine a confusão!!

Na prática, o relativismo moral não funciona, mas os relativistas utilizam-se desses falsos argumentos a fim de justificarem os seus pecados morais. De agora em diante procure fazer o seguinte teste:
Selecione um determinado tópico ou doutrina da bíblia (por exemplo, você pode perguntar: "você crê que Jesus Cristo voltará em breve?"), e escolha 20 pessoas da sua própria denominação, da própria igreja onde você congrega, seja ela uma denominação grande ou pequena, não importa. De preferência, escolha pessoas de diferentes faixas etárias, desde os adolescentes até os idosos, homens ou mulheres, rapazes e moças e pergunte sobre qualquer tópico relacionado à bíblia ou à doutrina, mesmo aqueles referentes à doutrina da própria igreja em que você e essas pessoas congregam. Você vai se surpreender com as respostas! Existirão muitas respostas discordantes umas das outras e isso dentro de uma mesma igreja e dentro de uma mesma denominação...
Sobre o tema sugerido: "você crê que Jesus Cristo voltará em breve?", pode escrever aí, com todas as letras graúdas e maísculas, muitos, mas muitos crentes, das mais diferentes denominações, não só não crêem que o senhor Jesus Cristo em breve voltará, como também não desejam a Sua vinda para agora!( eles dizem: antes disso eu quero terminar a minha faculdade, antes disso eu quero casar com o meu noivo, antes disso eu quero comprar uma bela casa, antes disso blá, blá, blá...). Ou entã,o creêm na segunda vinda do Senhor Jesus de forma vaga e obscura, mas quase nunca conforme diz a Palavra de Deus: "eis que vem com as nuvens e todo o olho O verá..." Ap. 1:7.

Quando eu era membro de uma outra igreja, havia lá uma irmã que cria "que a volta de Jesus se realiza quando nós morremos, quando então vamos para o céu e nos encontramos com Jesus lá..." Essa irmã de modo nenhum cria na volta de Jesus de forma corpórea e visível, de maneira que todo olho O visse, como ensina a bíblia, Ela achava que, quando um crente morre, então Jesus "voltou" para esse crente..." Esse tipo de idéia podemos chamar de relativismo, porque, dentro da Palavra de Deus está escrito de forma absoluta que existirá uma segunda vinda de Jesus 'para julgar os vivos e os mortos', mas existem crentes, muitos crentes evangélicos, que não acreditam assim de forma nenhuma: preferem filosofar segundo as suas corruptas concepções sobre a segunda vinda de Jesus. 'A minha verdade não é a tua verdade', dizem eles! Isso criou raízes profundas nas igrejas evangélicas! Mas para Deus é 'oito ou oitenta', não tem meio termo!

Veja algumas amostras mais de como a peste relativista tomou conta das igrejas de hoje:

-"Irmã, se você sente de não cortar o seu cabelo, não corte, mas não me critique porque eu corto os meus”;
-"irmão, se você quer guardar o sábado, guarde; eu acho que a gente não precisa guardar dia nenhum”;
-"irmão, se você sente de não ir à praia, não vá, senão você vai pecar; mas eu não vejo problema nenhum em ir lá, e nem a minha consciência me acusa",
esse relativismo virou uma palhaçada nessas igrejas de hoje!

Repetimos, saibam todos que as doutrinas da Palavra de Deus jamais mudarão. É proibido pela bíblia todas as servas de Deus passarem a tesoura nos seus cabelos, o sábado é mandamento do Senhor somente para judeus e a praia é um lugar nojento, cheio de gente nuas, cheio de gente se expondo. ´
E local onde a maioria das pessoas estão, moral e espiritualmente imunda, um lugar onde um cristão jamais deve pisar. 
Podemos provar, dentro da bíblia, que nesses e em outros pontos não dá para o cristão ser relativista e que a Palavra de Deus trata de modo absoluto esses e outros temas. Até mesmo entre o ministério de sua denominação existem divisões, e divisões profundas.
Veja, por exemplo, o ministério da tua igreja local, da denominação onde você congrega, chamem-se eles anciães, cooperadores, presbíteros, pastores, bispos, etc, e procure conversar com um desses membros do ministério da tua igreja local a respeito de determinado ponto de doutrina ou a respeito de vários pontos de doutrina, que são seguidos por tua denominação. Depois vá congregar em outra cidade e/ou em outro bairro e converse com os  irmãos do ministério que atendem a obra naquela localidade e veja se a opinião deles é a mesma dos membros do ministério da igreja onde você congrega...

Prezados, posso afirmar com conhecimento de causa, pelo que já vi e ouvi, na denominação onde estou, existem muitos exemplos das diferenças gritantes existentes de uma localidade para outra e a mesma coisa sei que existem em outras denominações...


Alguém poderá perguntar: "quer dizer que só os da Congregação Cristã do Sétimo dia é que são os tais, os únicos certos, os únicos que estão isentos do relativismo, então?"

Respondo: De maneira nenhuma! a Congregação Cristã do Sétimo Dia é mais uma denominação entre tantas outras existentes e está sujeita aos mesmos erros de qualquer outra denominação. Essa igreja do Sétimo Dia, não é a graça de Deus na face da terra e nem é a porta dos céus.

A porta dos céus chama-se Jesus Cristo e nenhuma denominação da face da terra pode se arrogar de ser a "porta dos céus"! (joão 10:7).

Porém, vemos em muitos irmãos dessas denominações um desejo sincero de não cair na armadilha relativista e um esforço desses mesmos irmãos para permanecer dentro do absoluto da Palavra de Deus.

Mas vamos continuar com mais exemplos acerca do relativismo evangélico:

Se você puder e quiser, navegue nas comunidades evangélicas das mais diferentes denominações existentes lá. Por exemplo, alguém lá, abre um certo tópico com o seguinte título:
"Pode o cristão ouvir músicas mundanas?” Acompanhe o tópico, como eu já fiz, e veja como pessoas de uma mesma denominação se degladiam ferozmente sobre o tema; observe como as opiniões são profundamente divergentes. Não raro saem chingos e ofensas pessoais.

Nestas comunidades evangélicas das Redes Sociais, vemos valer com toda a força a expressão: “cada cabeça, uma sentença”.

Diante desse quadro nefasto, como fica a petição feita pelo Senhor Jesus, quando Ele rogou ao Pai por todos aqueles que pela Palavra haveriam de crer n'Ele?

Ele rogou ao Pai 'para que todos sejam um, assim como Ele, Jesus, é um com o Pai e para que fossemos perfeitos em unidade, para que o mundo creia que deus enviou Ele, Jesus, a esta terra. (joão 17:20-23).

Onde existe essa perfeição e essa unidade no meio evangélico, hoje em dia?
Prezados, seria esta oração de Jesus uma utopia cruel, inalcançável, inatingível, impossível de se cumprir no meio das igrejas "cristãs" evangélicas modernas? Reflita seriamente sobre isso!

Entretanto, do jeito que a coisa vai, para que essa oração do Senhor Jesus Cristo se cumpra cabalmente na vida de cada cristão, será necessário que os verdadeiros cristãos saiam dessas denominações corruptas e babilonizadas, como aquela que citamos acima, que foi formada para abrigar homossexuais e lésbicas.
e não só eles, toda e qualquer denominação que parta para a mentira relativista, ignorando o Deus dos absolutos e toda e qualquer denominação que ensine "que que tem isso?" ou "que que tem aquilo?" relativizando a Palavra de Deus, não merece ter em seu meio os verdadeiros cristãos. Está chegando o tempo em que o clamor virá dos céus: "sai dela, povo meu!"(Ap.21: 18:4).

E quanto ao apóstolo paulo? Será que o apóstolo Paulo foi utópico, quando ele escreveu o seguinte lá em  corintios 1:10 :"Rogo-vos, porem, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissenções; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer". Que utopia cruel, hein? onde existe isso hoje?

Será que, o que o Senhor Jesus cisto falou lá em João capitulo 17 e o que o apóstolo Paulo está afirmando aqui são coisas utópicas, inatingíveis, será que eles não estariam "sonhando acordados" quando afirmaram isso?
Por que quando olhamos para as igrejas chamadas "cristãs" e contrastamos o que elas fazem e as suas múltiplas divisões, contrastando com o que o Senhor Jesus e o apóstolo paulo afirmaram, vemos que a palavra de Deus é fiel, quando ela afirma qual seria o estado geral do povo nestes dias que antecedem a vinda de nosso senhor Jesus Cristo?

Tantas denominações e igrejas divergentes, se degladiando entre si, às vezes mesmo dentro de uma mesma denominação com contendas violentas, divisões de todo o tipo, processos na justiça, etc.

É sabido que as religiões cristãs são as que mais se dividiram e as que mais se dividem. Isto tem acontecido a séculos, praticamente desde que o último dos apóstolos baixou a sepultura.
Por que isso?
Teria Deus alguma culpa nisso? Claro que não!

Convidamos a todos a refletirem muito seriamente sobre toda essa situação e convidamos a todos a que se voltem fervorosamente para as Escrituras e as leiam, sem os "óculos" das denominações. Busquem intensamente nas escrituras onde está o erro. Lembrem-se todos, que o relativismo evangélico é mais uma razão para crermos que nos últimos dias a verdadeira igreja de Cristo e o verdadeiro povo de Deus será um povo remanescente, crentes única e exclusivamente nas Escrituras, independentemente dessa palhaçada em que se transformaram a imensa maioria das denominações evangélicas.

Desconheço autoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário