02 fevereiro 2016

UM MENINO DE 9 ANOS DE IDADE, MORADOR DE SORRISO - CUIABÁ - MT, OBTEVE AUTORIZAÇÃO PARA MUDAR SEU GÊNERO SEXUAL E SEU NOME

a um passo transformação
Príncipe, não. Eu sou uma princesinha”, diz Luiza*, de 9 anos, que se chamava Leandro(Foto: Fernando Moraes)

Um menino de nove anos de idade, morador de Sorriso(distante 420 quilômetros de Cuiabá), foi autorizado a mudar seu gênero sexual e, por consequência, os documentos pessoais, tornando-se legalmente uma menina após decisão do juiz Anderson Candiotto(foto), da 3ª Vara da Comarca do mesmo município. 

É a primeira ação do tipo a conseguir respaldo em Mato Grosso. A mãe da criança relatou à Defensoria Pública, responsável por interpor a ação, que foi a escola quem a alertou para o problema de seu filho, levando-a a procurar ajuda e informações quanto ao comportamento do filho. 


O menino foi então levado ao ambulatório de Transtorno de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Núcleo de Psiquiatria e Psicologia Forense do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) para acompanhamento. Foi quando C.H.D. foi diagnosticado com transtorno de identidade sexual na infância. A decisão veio sob o argumento de que o menino nasceu com anatomia física contrária à sua identidade sexual psíquica. 

A ação foi recebida pelo Poder Judiciário em dezembro de 2012. O juiz definiu assistência judiciária gratuita e manifestação ministerial, que defendeu a realização de um estudo psicossocial do caso. Após a realização do estudo e a oitiva da criança na modalidade de Depoimento sem Dano, em agosto de 2015, a parte autora pediu o julgamento totalmente procedente do feito e o Ministério Público Estadual manifestou pela procedência integral dos pedidos. 

Segundo o magistrado, “a personalidade da infante, seu comportamento e aparência remetem, imprescindivelmente, ao gênero oposto de que biologicamente possui, conforme se pode observar em todas as avaliações psicológicas e laudos proferidos pelo Ambulatório de Transtorno de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Núcleo de Psiquiatria e Psicologia Forense (AMTIGOS) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, único no Brasil que exerce estudos nesse aspecto, evidenciando a preocupação dos genitores em buscar as melhores condições de vida para a criança”. 

A decisão foi fundamentada no princípio da dignidade da pessoa humana, disposto na Constituição Federal, art. 1º, inciso III, que envolve tanto valores materiais bem como valores de caráter moral. O juiz considerou ainda jurisprudências do Supremo Tribunal Federal (STF) e enunciados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

"Agora que deu certo a felicidade é muito grande, já imagino quando ela for arrumar emprego ou casar vai ser tudo mais fácil", completa a mãe Beatriz. "A gente ficou surpreso porque nem transexuais adultos, que estão há anos tentando na Justiça, conseguiram o que ela conseguiu"


crianças e adolescentes trans

“ABSURDO LAMENTÁVEL” – De acordo com o deputado federal Victório Galli (PSC), a decisão contraria os princípios. “Deus não criou homem e homossexual, Deus criou homem e mulher”, disse o Galli. 

Sobre o fato de Mato Grosso ser pioneiro nesse tipo de decisão, o deputado não vê graça nenhuma. “Infelizmente, Mato Grosso está sendo cenário de uma situação que contraria a maioria dos cidadãos. Se a pessoa quer trocar de sexo, que faça por conta própria, o Estado não é obrigado a trocar o sexo das pessoas. Eu lamento a decisão do juiz. É uma decisão monocrática, lamentável e arbitrária. É o fim.

Diário de Cuiabá - Jornal/Veja São Paulo

COMENTÁRIO DE WÁLDSON

Para quem pensava que isto iria demorar acontecer, eis aí a resposta.
Mesmo que o juiz possa não ter tomado como parâmetro o Plano Nacional de Cidadania LGBT do Governo Federal(aprovado em 2009, no segundo ano do governo de Lula), vejamos o que estabelece abaixo um dos itens do Plano:
Estratégia 2 do Eixo Estratégia I: 
“Garantir à pessoa com laudo médico de transexualidade, a qual tenha cumprido todos os quesitos e normas exigidos pelo Conselho Federal de Medicina e indicação cirúrgica de transgenitalização, modificação automática do seu registro civil (nome e sexo) sem a necessidade de entrar com ação na esfera judicial”.

Pergunto: que será de nossas crianças daqui a 10 anos?

A ideologia de gênero nada mais é do que dar a um homem ou uma mulher o direito de escolher a que sexo gostaria de “adotar”. Isso significa que a regra não é mais biológica, mas ideológica — não querem mais que Deus determine os ditames.

Sobre o menino, 'que vai virar menina', na unidade foi diagnosticado 'o transtorno de identidade sexual na infância', segundo a Justiça. Transtorno, ou seja, doença mental. E depois dizem que isso não é doença. Transtorno é doença. Essas doenças psíquicas relacionadas á sexualidade foram retiradas da lista de doenças por decisões politicas e não cientificas.

Penso que os esforços deveriam ser para 'torna-lo' menino de fato, e não mover uma ação para tornar o menino em 'travesti mirim'.

Não se pode mudar os cromossomos e seus ruminantes. Homem nasce homem, e mulher nasce mulher. Mudança de gênero foi a criação de psicanalistas e psicólogos que não queriam admitir que a homossexualidade é uma 'anormalidade comportamental'. Mudaram o gênero sexual do menino. Será que mudaram o DNA, os cromossomos, os hormônios também?

Posso usar a seguinte ilustração, para entender melhor o que aconteceu: Meu carro, um ford Ka 1.0, pensa que é uma Ferrari de R$ 1.500.000,00. Seguindo o exemplo da reportagem, eu vou entrar na justiça mudar o nome do meu carro para Ferrari e assim vai se transformar em Ferrari mesmo sendo 100% ford Ka. Entenderam?

Esse trabalho todo com médicos, psicólogos, juízes, hospital, clinicas psiquiatras, tudo isso para convencer o menino a ter uma natureza inversa, agora vai passar o resto da vida sofrendo Bullying, vai ter vários problemas psicológicos, etc. Até arrumar emprego, vai ficar difícil. Seria mais fácil que todos esses profissionais estivessem trabalhando juntos para ele entender que é mais fácil aceitar que é homem do que virar alguma coisa estranha.

Criança nenhuma tem a capacidade de decidir nada. Criança não vota, criança não dirige, criança não decide a escola que ela quer estudar e etc, tudo isso porque uma criança de cinco/seis anos, 'sentiu-se menina'. Por que uma criança de cinco anos não pode manusear uma faca? Porque ela não tem noção que pode se ferir e ferir aos outros. Isso é culpa dos pais altamente influenciáveis por essa mídia podre que nos bombardeia e tenta enfiar 'guela abaixo' da sociedade esse tipo de situação.

No fim de tudo, está o diabo, 'mudando a verdade de Deus em mentira', procurando destruir o 'perfeito de Deus', em aberração para destruição da pessoa, começando por sua personalidade.

Só Deus para nos ajudar a ver e lamentar por isso.

Viva vencendo o pecado que se alastra, tirando o bom senso de quem um dia o teve e dando liberdade em excesso para quem ainda não sabe o que quer da vida!!!

Deus nos livre desse mal!!!

Abraços.

Seu irmão menor

Um comentário:

  1. Triste, lamentável. Que Deus tenha misericórdia da nossa geração!

    ResponderExcluir