21 junho 2016

POR QUE O SENHOR PERMITE QUE COISAS HORRÍVEIS ACONTEÇAM A PESSOAS INOCENTES?

Recentemente fiquei sabendo que uma mulher de 20 anos ganhou permissão para realizar a eutanásia após não conseguir se recuperar dos traumas de ter sido abusada sexualmente pelo pai dos 5 aos 15 anos de idade. Escrevi nos comentários da notícia: “Que Deus a conforte”, então uma moça respondeu:”Deveria ter confortado em vida”. Isso me fez refletir sobre o assunto. Alguém poderia me ajudar?
Eu digo que há alguns anos, uma jovem caminhava de manhã pelas largas calçadas da Avenida Paulista, em São Paulo, dirigindo-se ao seu local de trabalho.  Poucos metros antes de alcançar o edifício onde ela trabalhava, silenciosamente, despencou  das alturas de um prédio em construção ou em reforma um carrinho de concreto sobre a cabeça da jovem matando-a instantaneamente. Ora, estaria predestinado que aquela moça viria ao mundo para morrer de modo trágico às 8h45 em dia tal na calçada da Avenida Paulista?  Claro que não. Infelizmente ela estava no lugar errado e na hora errada.

Poderia alguém perguntar: “Ora, assim como alguém criticou a moça de 20 anos abusada pelo pai desde os cinco anos (Pecado mortalmente gravíssimo, segundo Jesus em Mateus 18:6) e que pediu para morrer, insinuando aquele crítico “Onde estava Deus na infância da menina para protegê-la?” alguém também criticou:  Onde estava  o Deus bom que não adiantou ou atrasou um passo da moça da avenida Paulista para que não morresse?”.  Acontece que Deus a tudo criou, por seus próprios desígnios não pode ficar a interferir, a todo momento, nas ocorrências da Terra. Depois de Dilúvio, no episódio Noé, Deus havia prometido a si mesmo não mais interferir nas coisas da Terra (a não ser por intercessão, como veremos mais à frente). Quanto a isso, vejamos as opiniões de dois cientistas da NASA:

(...) Considerando que Deus criou o Universo e as leis que o regem, não será necessário pensar que ele tenha de intervir, também, em cada fase evolutiva, deixando as marcas para que o homem venha a descobri-las! Se assim fosse, haveria até uma contradição na atuação Criadora do Universo e das suas leis por parte de um Deus que teria de ir retificando a cada passo evolutivo o plano inicialmente por ele criado...  “O Estado de S. Paulo”,   na página A2, do dia 18 de outubro de 1994,  com o título  “A Criação, obra de Deus”,  assinado por dois cientistas da NASA e do INPQ:  Walter Gonzalez e Antônio R. Formággio.

Sempre comparei o Senhor Deus como a fios de altíssima tensão: Os fios estão lá no alto e parecem inertes, mas é engano, pois carregam energia suficiente para mover várias cidades, mas não nos trarão benefício algum se não subirmos até os fios e buscarmos a energia para mover nossos equipamentos. Assim é Deus: Está também lá no alto, parece inerte, mas sua energia não pode ser descrita de tão gigantesca. Assim como no caso dos fios, Deus não vira a nós,a menos que ATIVEMOS O PODER DE DEUS ATRAVÉS DE NOSSA FÉ EM ORAÇÕES E SÚPLICAS. Se pela manhã pedirmos proteção ao Senhor e à noite agradecermos, dificilmente acontecerá conosco uma tragédia. 

Agora, ao mérito da coisa toda: Está Escrito em Deuteronômio em no Evangelho por três vezes que Deus NÃO FAZ DIFERENÇA DE PESSOAS OU DE RAÇAS e que TODOS SÃO IGUAIS PERANTE ELE.  Ora, então se Deus tivesse protegido aquela menina do pai tarado, na sua perfeição e coerência ele teria de agir assim com todos os mortais.  Inicialmente teria de ter protegido Abel da ira de Caim, nas não o fez, pois  ELE TERIA DE AGIR ASSIM EM TODOS OS CASOS CONGÊNERES PELO MUNDO TODO. Se o homem não monitorar uma árvore com cupim, um dia ela cairá e poderá matar um passante ou mais.

Quanto a isso, vamos agora pensar: Como a Palavra de Deus Escrita, através da Nova Mensagem nos revela, por vezes, que ele não faz distinção de pessoas ou de raças, e que todos são iguais perante ele, se tivesse interferido atrasando ou adiantando um só passo daquela jovem na Avenida Paulista para que não morresse tragicamente, teria que agir assim com toda a Humanidade.

Então, mediante essa suposta proteção divina que teria de ser estendida a todos, você poderia viver perigosamente que nada lhe aconteceria. Se pudesse ser assim, da mesma maneira se tivesse tomado parte no episódio da moça na Avenida Paulista Deus também teria de nos proteger dos bandidos, da omissão humana, das tragédias, você jamais seria assaltado ou ferido, você poderia abusar da velocidade, até mesmo embriagar-se ao volante, um avião jamais cairia fazendo vítimas, da mesma forma um navio jamais afundaria com vítimas, um trem jamais descarrilaria com vítimas, não haveria acidentes com mortes envolvendo veículos motorizados, e nas guerras nenhum soldado morreria, pois Deus não permitiria fatalidades como essas e assim por diante. Por isso mesmo, por seus próprios desígnios, segundo as Escrituras, Deus não pôde intervir no caso daquela moça da Avenida Paulista.

Entendeu agora porque Deus não pode ficar a intervir entre os seres humanos, criados com autonomia de procedimentos que podem ser dirigidos para o bem ou para o mal de acordo com as escolhas?

Da mesma forma, muitos dizem: “Que Deus bom é esse que permite tanta desgraça, tantas mortes de inocentes e crianças pela fome, pelo abandono? Acontece que Deus criou o Planeta Terra perfeito, também perfeitamente equilibrado, com rios límpidos, com maravilhosas florestas, com ar puro, sem alergias, sem doenças e com terras férteis e bens suficientes para todos. Mas por diversas formas o homem ganancioso apropriou-se das partes maiores do grande bolo terrestre e muitos ficaram sem nada, invadiram e destruíram povos inteiros, fizeram dos rios esgotos a céu aberto; cortaram as melhores árvores das florestas, fizeram de áreas verdes desertos e secaram os mananciais, sujaram os mares, surgiram imensos desertos, as geleiras se derretem em decorrência de o homem estar a corromper a camada de ozônio e o ar das cidades ficou poluído.

A ganância, a soberba, a prepotência, a insensibilidade e impiedade alimentaram e ainda alimentam guerras de sangue que só trouxeram e ainda trazem dores, miséria, sofrimentos e mortes. Não foi Deus quem criou tudo isso, nem foi ele quem mandou os ditadores gastarem mais em armas que em alimentos, deixando os humildes à míngua como acontece ainda hoje, principalmente na Coréia do Norte, na Nigéria, no Sudão.

Não foi Deus quem ordenou aos grandes carniceiros praticarem crimes contra a Humanidade, assim como Gengis Khan ─ o maior deles ─, Alexandre, Napoleão, Stálin, Lênin, Hitler, os promotores da Inquisição, os Cruzados gerenciados pelo papado romano, o morticínio dos imperadores romanos, antes deles o Nabucodonosor, os faraós, os árabes e outros a tomar, a  saquear e matar, e todos esses incidentes direta e indiretamente trouxeram mortes até hoje a bilhões de pessoas; trouxeram também fome,  intensa miséria, a dor, a desolação e causaram mil ódios.  Então, isso prova que não é Deus o causador das dores antigas e atuais do mundo, mas sim o homem prepotente em sua ganância predadora.

Conta a História que o carniceiro grego Alexandre chorou em seu palácio (coitadinho dele) porque percebeu que não havia mais reinos e terras para conquistar (massacrar).

Os entendidos afirmam que se os homens muito ricos doassem meio por cento de suas rendas, a miséria no mundo seria erradicada. Então, Deus ainda concede as chances de o homem, pó si só, acertar seus próprios erros, pois deixou riquezas suficientes na Terra, por isso não venham me dizer que Deus é omisso, pois ele ainda concede, pela fé, o atributo pelo qual o crente pode interferir na Natureza sendo contemplado com os milagres cristãos das curas consideradas impossíveis e inexplicáveis para os cientistas.

Waldecy Antonio Simões  

Nenhum comentário:

Postar um comentário