07 julho 2016

LIÇÃO 02 - 10/07/2016 - "DEUS, O PRIMEIRO EVANGELISTA"

Texto Áureo
 “Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gen­tios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti.”(Gn13.8)
Verdade Prática
 Deus, que deu início ao trabalho de evangelização, exige de cada um de nós uma atitude evangelística responsável e amorosa
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE:
Gênesis 12.1-8
InNTRODUÇÃO
A proclamação evangelística teve início na criação e estende-se até a consumação de todas as coisas. Deus se compraz em comunicar o evangelho da salvação, quer pessoalmente, quer por intermédio da Sua criação, quer por intermédio de Seus arautos. Até mesmo em Seus juízos, entrevemos o inexplicável amor, que o constrangeu a entregar o Seu Filho Unigênito a morrer em nosso lugar. A maior mensagem do evangelho é o anúncio de que Jesus Cristo morreu, vicária e substitutivamente, em nosso lugar – “Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós…” (Rm 8:32). O desejo do Pai é tão grande por incluir-nos em Seus domínios eternos que imolou o Cordeiro antes da fundação do mundo. Em Apocalipse, o Espírito Santo revelou a João que o Senhor Jesus, para redimir-nos, não morreu apenas no tempo. Na presciência divina, o Cordeiro de Deus já estava morto antes mesmo dos eventos registrados em Gênesis (Ap 13:8). Nossa redenção, por esse motivo, transcende o tempo e os eventos da criação; é eterna (Hb 9:12).
Portanto, quando ainda não havia pecado, ou pecadores, o amoroso Deus já tinha estabelecido as bases da nossa salvação. A morte do Cordeiro, na presciência de Deus, foi a primeira nota evangélica da história sagrada. Na sentença sobre o pecado, o Deus Pai anuncia a redenção do pecador (Gn 3:15). 
Antecipadamente, prega o evangelho do Unigênito à humanidade, representada, ali, no primeiro ser humano. Antes mesmo que houvesse tempo, proclamou a salvação eterna. Era como se Deus, num tabernáculo vazio, chamasse os pecadores, que ainda não existiam, ao arrependimento. Deus, portanto, foi o primeiro evangelista. A exemplo do Senhor dos Céus e da Terra, proclamemos com zelo o Evangelho de Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo.
I. A CHAMADA DE ABRAÃO
Os onze primeiros capítulos de Gênesis relatam a tentativa da parte de Deus em se revelar ao homem e trazê-lo à consciência das coisas, à verdade dos fatos. O ápice dessa auto-revelação divina se deu com Abraão, onde foi estabelecida a Aliança de Deus, que efetivou essa auto-revelação divina para o homem (Gn 12-50). É a partir de Abraão que começa de fato a história da salvação de Deus por intermédio do seu povo, Israel. Por isso, faz todo o sentido dizer que Deus foi o primeiro evangelista, pois a primeira iniciativa de se revelar ao homem foi exclusivamente dele. Após o Dilúvio e a geração de Noé, Abrão foi a primeira pessoa que entendeu e aceitou o propósito de Deus para efetivar a sua Aliança em toda a Terra. Deus chamou Abraão para uma missão especial, e ele obedeceu ao chamado. Abraão ouviu a voz de Deus e saiu, pela fé, da sua terra, do meio da usa parentela para uma terra que Deus haveria de lhe mostrar. O propósito de Deus era, a partir de Abraão e dos seus descendentes, preparar o mundo para a chegada do Messias. Deus amou a humanidade perdida e tal maneira que não mediu esforços para anunciar as Boas-Novas.
  1. Abraão, o caldeu. Ao ser chamado por Deus a peregrinar numa terra desconhecida e mui distante, Abraão não passava de um gentio como eu e você. Era um caldeu entre os caldeus. Em torno do ano 2.100 a.C., o Senhor tirou Abrão de Ur dos Caldeus. Toda a sua família saiu com ele e se instalou em Harã (Gn 11:31;15:7). De tal forma converte-se Abraão ao Deus único e verdadeiro que, ante o seu chamamento, deixa uma cidade segura e confortável para andejar um chão ermo e cheio de sobressaltos. Suas experiências com o Senhor são profundas; faz-se amigo de Deus (Is 41:8; 2Cr 20:7; Tg 2:23). Depois de muito tempo habitando em Harã, Deus chamou Abrão e fez-lhe a seguinte promessa: “Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção”(Gn 12:1-2). Não demora para que o seu nome seja mudado, indicando uma nova dimensão em sua vida espiritual. Dantes, era Abrão: grande pai. Mas, agora, é Abraão, que em hebraico significa pai de uma multidão não somente étnica, mas destacadamente espiritual (Gn 17:5). Logo, o patriarca hebreu torna-se o nosso pai na fé (Tg 2:21). O pr. Claudionor de Andrade pormenoriza essa chamada da seguinte forma:
  1. a) uma chamada que transcende a nacionalidade. Deus intima Abraão a deixar a sua nacionalidade: “Sai-te da tua terra”. A fé no Deus único e verdadeiro não pode circunscrever-se a uma nacionalidade. Seu caráter reivindica que ela seja proclamada a todos, em todo o tempo e lugar, por todos os meios.
Ao contrário de Abraão, o povo de Israel, não conseguiu transcender a própria nacionalidade na divulgação da verdadeira fé. Restringiu a sua fé a um território, a uma cidade, a um santuário e a um objeto sagrado. Embora fundasse uma terra santa, não foi suficientemente zeloso para santificar os povos além de suas fronteiras. Ao eleger Jerusalém como a cidade santa por excelência, não saiu, a partir dela, a proclamar a Palavra de Deus até aos confins da terra como fez o profeta Jonas. Quanto ao Santo Templo, achava que Deus estava restrito àquela casa e que, de lá, jamais sairia. E, para completar o seu exclusivismo religioso, os israelitas fizeram da arca sagrada um totem. Supunham que, tendo-a por perto, nenhum mal viria a alcançá-los. Porém, o Senhor mostrou-lhes que aquele objeto tão belo e tão cobiçado viria a perder-se um dia (Jr 3:16). O Deus de Israel é também o Deus de todos os povos, porque sua é a terra e a sua plenitude. Até mesmo os apóstolos demoraram a entender o alcance universal do evangelho de Cristo. Fez-se necessária a convocação de um concílio, para que, iluminados pelo Espírito Santo, autorizassem Paulo e Barnabé a prosseguirem o seu ministério junto aos gentios.
  1. b) uma chamada que transcende a etnia. Deus ordenou também a Abraão que deixasse a sua parentela, pois o chamava a ser o pai de todos os que creem. Então, como haveria ele de confinar-se à etnia hebreia, se o mais ilustre de seus descendentes, Jesus Cristo, haveria de morrer por todos os povos? Abraão obedeceu ao chamado de Deus, porém, os israelitas, ignorando a natureza de sua chamada universal, isolam-se nacionalmente. Porém, a grandeza de Israel não está em sua nacionalidade, nem em sua etnia; reside em sua herança espiritual.
Coisa parecida aconteceu com os apóstolos de Cristo. A fim de arrancar os apóstolos ao exclusivismo, o Senhor concede a Pedro a visão global do evangelho. No lençol descido do céu, Pedro contempla toda sorte de animais imundos e repulsivos. Em seguida, ouve do próprio Jesus: “Não faças tu comum ao que Deus purificou” (At 10:15). A partir daquele momento, a Igreja de Cristo, ainda majoritariamente judaica, internacionaliza-se até alcançar os povos mais inalcançáveis.
  1. c) uma chamada que transcende a família. Abraão foi chamado a deixar a casa de seu pai, pois a família que dele sairia não se fundaria em laços de sangue, mas numa aliança espiritual. A fé no Deus único e verdadeiro seria capaz de unir, num mesmo corpo, em Jesus Cristo, todos os povos da Terra. Portanto, todos os que o aceitam são chamados para fora de sua nacionalidade, etnia e família, a fim de formar um só organismo espiritual. Assim é descrita a Igreja de Cristo pelo apóstolo Paulo: “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus; porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gl 3:26-28).
  1. Abraão, o evangelizado. Após a morte de Terá, pai de Abrão, o Senhor chama Abrão a uma nova realidade espiritual. E, nesse momento, proclama-lhe o Evangelho Eterno: “Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção” (Gn 12:1,2). O apóstolo Paulo enfatiza esta prerrogativa: “Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti” (Gl 3:8). Deus individualiza a chamada de Abraão, a fim de universalizar a convocação de todas as nações a crer em Jesus Cristo.
  1. O evangelista Abraão. Deus chamou Abraão não somente para ser pai de muitas nações, mas para ser, também, um profeta um mensageiro do grande amor de Deus entre os gentios (Gn 20:7). Abraão implantou a genuína fé no Deus Todo Poderoso naquela região pagã, levando os seus descendentes a adorar ao único e verdadeiro Deus. Abraão pregou não somente aos ouvidos, mas também aos olhos. A sua reputação testemunhava com muita expressão que só o Senhor é o verdadeiro Deus.
Quando obteve a vitória contra os reis invasores, Abraão deu uma grande lição resistindo à tentação do enriquecimento ilícito (Gn 14:22,23). Vem ao seu encontro nada mais, nada menos que o rei de Sodoma. Ele ofereceu a Abrão todas as riquezas sodomitas, mas ele recusa a sua oferta. Segundo o costume daquele tempo, o libertador guardava para si o despojo quando resgatava do inimigo; mas Abraão não quis que ninguém, exceto Deus, pudesse dizer que o havia enriquecido. Demonstrou que ele não dependia de um rei humano, mas do Rei do Céu a quem havia “levantado a sua mão” – “Levantei minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra, que desde um fio até a correia de um sapato, não tomarei coisa alguma do que é teu, para que não digas: eu enriqueci a Abrão”.
Esta atitude de Abrão é uma grande lição para nós. Isto é pregar aos olhos de quem nos rodeia. Temos tornado esta expressão do patriarca uma realidade, ou já temos sido enriquecidos pelas benesses e vantagens aparentes do mundo de pecado? Será que não temos tido dores e problemas em nossas vidas por causa do “enriquecimento” proveniente do inimigo? A Bíblia diz que só as bênçãos do Senhor é que enriquecem e não acrescentam dores (Pv 10:22). Por isso, recusemos todo e qualquer enriquecimento que não provenha de Deus!
II. A PALAVRA DE DEUS É EVANGÉLICA
O que vem à sua mente quando você ouve a expressão Palavra de Deus? Veja o que diz o livro de Jó, capítulo 38, no verso 7. Na Bíblia na linguagem de hoje este texto foi traduzido assim: “Na manhã da criação as estrelas cantavam em coro, e os servidores celestiais soltavam gritos de alegria. Certamente ecoou nos pensamentos e lábios dos seres criados: “Bendita Palavra de Deus“.
Depois de criar todas as coisas por Sua palavra, Deus usaria esta mesma Palavra para se revelar ao homem. Tornar-se conhecido, ser íntimo do homem. No princípio Deus falava face a face com Adão. Você já imaginou o que a conversa de Deus com Adão produzia de bem-estar na existência do primeiro homem? Isto não é difícil de se imaginar, porque você, assim como eu, já deve ter tido determinadas conversas com amigos ou parentes, aquelas conversas gostosas que mais parecem uma fonte de vida e ânimo do que qualquer outra coisa. Assim deveria ser entre Adão e Deus. Era uma conversa, uma comunhão vivificante. Ouvir Deus falando, conversar e estar com Ele deveria ser a melhor parte do dia de Adão e Eva.
Infelizmente, o diabo veio com o pincel do pecado e borrou todo o quadro perfeito que Deus havia criado. Por causa disto, a palavra de Deus não pode mais chegar ao homem livremente. Houve uma barreira na comunicação entre Deus e o homem (Is 59:2). A partir de então Deus se comunicaria de forma especial, através de pessoas escolhidas, para serem porta-vozes de Deus, e eles são chamados de profetas. Quarenta profetas que ao longo de aproximadamente 1500 anos escreveram o que conhecemos como a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.
O apóstolo Paulo afirmou em 2Tm 3:16 que “toda a Escritura é inspirada por Deus“. A palavra traduzida por inspirada, vem do grego theopneustos que significa literalmente “proveniente do fôlego de Deus“. Foi Deus quem inspirou os pensamentos dos profetas e eles com suas próprias palavras, estilos e expressões comunicaram as verdades divinas aos homens. Pedro diz que “homens santos falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo” (2Pd 1:21). Os escritores bíblicos indicaram que o Espírito Santo foi a fonte de suas revelações. Davi declarou: “O Espírito do Senhor fala por mim, e a Sua palavra está na minha língua” (2Sm 23:2). Paulo escreveu: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns deixarão a fé” (1Tm 4:1).
A conclusão que se chega é que Deus é o autor da Bíblia e a Bíblia é a Palavra de Deus. Quando você entra em contato com a Bíblia é como se você tivesse ao seu lado um divino e amorável conselheiro para orientar e ajudar em todos os seus caminhos. Paulo ainda diz: “Pois tudo o que outrora foi escrito, para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência, e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança” (Rm 15:4).
Consolo, esperança, ensino e salvação são resultantes do contato com a palavra de Deus. Quando você olhar para a Bíblia Sagrada busque enxergar mais do que papel e tinta. Ela é a Palavra de Deus e pode criar em você um estado de harmonia interior, de paz, bondade, amor, fidelidade, humildade, domínio próprio.
  1. A Lei de Moisés é evangélica. Ela é evangélica porque o Senhor Jesus, cabeça da Igreja (Ef 5:23), validou toda a Lei Mosaica, ao afirmar: “É mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da Lei” (Lc 16:17). Ele avançou mais um passo, dizendo: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir” (Mt 5:17). Jesus, ao nascer, também foi colocado sob a Lei: “vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei” (Gl 4:4). Ele foi criado e educado segundo os preceitos da Lei, pois cumpria suas exigências. Todavia, foi essa mesma Lei que O condenou à morte. Quando tomou sobre Si todos os nossos pecados, teve de morrer por eles, pois a Lei assim o exige. Vemos que a Lei foi cumprida e vivida por Jesus, e através dEle ela alcançou seu objetivo. Por isso está escrito que “… o fim da Lei é Cristo” (Rm 10:4).
Quando sou confrontado com a Lei Mosaica, ela me apresenta uma exigência que devo cumprir. Deus diz em Sua Lei: “… eu sou santo…” e exige de nós: “… vós sereis santos…” (Lv 11:44-45). Assim, a Lei me coloca diante do problema do pecado, que não posso resolver sozinho. O apóstolo Paulo escreve: “… eu, todavia, sou carnal, vendido à escravidão do pecado” (Rm 7:14). A Lei de Moisés expõe e revela nossa incapacidade de atender às exigências divinas, pois ela nos confronta com o padrão de Deus. Ela nos mostra a verdadeira maneira de adorá-lo, estabelece as diretrizes segundo as quais devemos viver e regulamenta nossas relações com nosso próximo. Pela Lei, reconhecemos quem é Deus e como nós devemos ser e nos portar. Mas existe uma coisa que a Lei não pode: ela não consegue nos salvar. Ela nos expõe diante de Deus e mostra que somos pecadores culpados. Essa é sua função.
A Lei de Moisés é evangélica, pois nela são feitos vários anúncios acerca da redenção da humanidade: No Gênesis, Deus destaca a redenção da humanidade (Gn 3:15; 12:1,2). Inicial­mente, o Senhor proclama aos nossos pais, ainda no Éden, a vinda da semente da mulher, que haveria de pisar a cabeça de Satanás. Mais tarde, ao convocar Abraão à verdadeira fé, promete-lhe que, através de sua geração, seriam abençoadas todas as nações da terra. No Êxodo, a Páscoa ilustra não ape­nas a liberdade de Israel, mas também a libertação de todos os que, em todos os lugares, recebem o Cordeiro de Deus como o seu Salvador (Êx 12:1-28; 1Co 5:7; 1Pd 1:19). Somente Jesus é capaz de tirar os pecados do mundo (João 1:29). No Deuteronômio, Moisés fala abertamente sobre o Messias que havia de vir: “O SENHOR, teu Deus, te despertará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis” (Dt 18:15).
Faz parte da Lei de Moisés o Decálogo, ou os Dez Mandamentos, que é um fundamento sólido sobre o qual podemos construir nossa vida moral; é uma moldura que continua sendo preenchida pelo andar diário no Espírito. Diríamos que o Decálogo é a condensação de toda a Lei.
Repetidas vezes Deus promete sua bênção aos que guardam diligentemente Seus mandamentos: “Agora, pois, ó Israel, ouve os estatutos e os juízos que eu vos ensino, para os cumprirdes, para que vivais…” (Dt 4:1). Levítico 26:3-13 e Deuteronômio 5:33; 7:12-26; 28:1-14, também mostram as bênçãos decorrentes da obediência aos Dez Mandamentos. O profeta Isaías reconhece que, se tivesse dado ouvidos aos mandamentos do Senhor, o povo escolhido não teria passado pelo exílio, mas sim desfrutado da vida abundante. Então, a paz do Senhor seria como um rio e Sua justiça, como as ondas do mar (Is 48:18).
A obediência simples ao Decálogo transforma as atitudes do homem para com seu próximo: em vez de assassinar um inimigo pessoal, ele o abençoa; em vez de furtar, trabalha e ajuda o necessitado; em vez de dizer falso testemunho, pratica e diz a verdade; em vez de roubar a mulher do próximo vive na pureza sexual e apoia o matrimônio monogâmico; em vez de cobiçar, faz atos de misericórdia; em vez de guardar para si a fé e a experiência do senhorio de Cristo, o ser humano brilha como luz e penetra como sal neste mundo (Mt 5:14-16); não conserva este mundo na situação em que se encontra, mas transforma-o com o amor, a paz e a esperança de Deus; não se conforma com a injustiça, a miséria e a desonestidade generalizada; é um exemplo de devoção e fidelidade a Cristo em seu lar, no trato com seus vizinhos, no exercício de boas obras, na profissão e nos deveres e responsabilidades civis, para que o reino do Senhor venha e Sua vontade seja feita tanto nos céus como na terra.
  1. Os profetas são evangélicos. Os profetas, inspirados pelo Espírito Santo profetizaram sobre a vinda de Cristo e o mistério do evangelho em relação aos gentios, porém, nem mesmo eles podiam entender sobre que estavam falando, embora soubessem estar falando de algo muito grande, muito profundo.
Deus não poderia revelar-lhes este Mistério, pois não estavam em condições de poder entender que Cristo não apenas viria para consumar a obra redentora, mas, que, após consumá-la ele iriahabitar no homem, e não apenas com o homem. Ainda mais confusos ficariam se soubessem que Cristo iria habitar também nos gentios, como afirmou Paulo: “…aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória”.
O Profeta Isaias falou deste Mistério: “… Eu te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios” (Is 42:6). “… Também te darei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até as extremidades da terra” (Is 49:6).
O Salmista Davi falou deste Mistério: “Todos os confins da terra se lembrarão, e se converterão ao Senhor; todas as famílias das nações adorarão perante ele” (Salmos 22:27).
O Profeta Daniel falou deste Mistério – “Foi lhe dado o domínio, a honra e o reino; todos os povos, nações e línguas o adoraram…” (Dn 7:14).
O Profeta Oséias falou deste Mistério: “Semearei Israel para mim na terra e compadecer-me-ei da Desfavorecida; e a Não-Meu-Povo direi: Tu és o meu povo! Ele dirá: Tu és o meu Deus!” (Oséias 2:23).
O profeta Jeremias falou da Nova Aliança que o Senhor, por inter­médio do Israel messiânico, haveria de estabelecer com toda a humanidade (Jr 31:31-33).
Como afirmou Pedro (1Pd 1:10-15)o Salmista Davi, os Profetas Isaias, Daniel, Oséias e diversos outros profetizaram sobre o mistério do evangelho em relação aos gentios, porém, nenhum deles entendeu sobre suas mensagens proféticas.
“Da qual salvação inquiriram e trataram diligentemente os profetas que profetizaram da graça que vos foi dada, indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava, anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir e a glória que se lhes havia de seguir”.
Os profetas não entenderam que os gentios viriam a fazer parte da família de Deus, e que o Senhor Jesus habitaria não apenas com eles, mas, também neles, conforme ele próprio declarou – “Jesus respondeu e disse-lhe: se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” (João 14:23). Isto era uma verdade bíblica que não podia ser compreendida antes da “plenitude dos tempos”. Esta verdade referia-se ao “…mistério que esteve oculto desde todos os séculos e em todas as gerações e que, agora, foi manifesta aos seus santos” (Cl 1:26,27).
  1. Enfim, toda a Bíblia Sagrada é evangélica. O Pentateuco (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio), os Escritos (Josué a Cantares) e os Profetas (Isaías a Malaquias), que formam o cânon do Antigo Testamento, são a extensão da Aliança de Deus com Abraão. Esta é uma das razões pelas quais o Antigo Testamento é indissociável do Novo. Nesse sentido, além de Abraão e Moisés, a história de Israel, sua poesia e seus escritos proféticos são comprometidamente evangélicos. O povo de Israel foi formado por Deus para dar testemunho da grandeza e da beleza do seu Reino a fim de convencer as nações daquele tempo de que havia um único Deus, o criador dos céus e da terra: o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó.
III. EXECUTANDO O TRABALHO DE DEUS
  1. Israel e a evangelização mun­dial. Na dispensação da graça, Israel perdeu o posto de evangelista do mundo, efetivamente falando. A sua contribuição atual para a evangelização encontra-se no fato de que dele vêm as Escrituras Sagradas e o próprio Cristo (Rm 9:1-5). A atribuição de pregar o evangelho da graça foi dada à Igreja.
Todavia, Israel tem uma missão a cumprir, um serviço a ser feito neste mundo no âmbito evangelístico, que será realizado no período milenar do governo de Jesus Cristo. Nesse glorioso período, Israel pregará o evangelho do reino em todo o mundo – “E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo… “(Mt 24:14). Haverá um conhecimento universal de Deus (Is 11:9; 54:13; Mt 24:14). Haverá abundância de salvação (Is 33:6). Os judeus serão os mensageiros do Rei (Mq 4:1-3). Eles realizarão um grande movimento missionário (Is 52:7) – “… a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar”(Is 11:9b). Com a difusão do conhecimento do Senhor, muitas pessoas se converterão. A evangelização será de fato uma das atividades primordiais dos seguidores de Cristo, como vaticinou o profeta Isaias: “Quão suaves são sobre os montes os pés do que anuncia as boas-novas, que faz ouvir a paz, que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!” (Is 52:7). Haverá um avivamento mundial – “Assim, virão muitos povos e poderosas nações buscar, em Jerusalém, o SENHOR dos Exércitos e suplicar a bênção do SENHOR. Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Naquele dia, sucederá que pegarão dez homens, de todas as línguas das nações, pegarão, sim, na orla da veste de um judeu, dizendo: Iremos convosco, porque temos ouvido que Deus está convosco” (Zc 8:22,23).
  1. A missão intransferível da Igre­ja. A Igreja é a porta-voz de Deus sobre a face da Terra. Ela tem o Espírito Santo (João 14:7), cuja função é guiar a Igreja em toda a verdade e dizer tudo o que tiver ouvido bem como anunciar o que há de vir, glorificando e anunciando tudo o que diz respeito a Cristo (João 16:13,14). Por isso, não pode haver qualquer outro “mensageiro” divino além da Igreja enquanto durar esta dispensação.
O apóstolo Paulo afirma que a Igreja é chamada de “coluna e firmeza da verdade” (1Tm 2:15), porque deve sustentar e ser a legítima anunciadora da Palavra de Deus sobre a face da Terra. Num mundo onde a iniquidade aumenta a cada dia (Mt 24:12), num mundo onde há corrupção geral é cada vez maior do gênero humano (Rm 1:18-32), cabe à Igreja a difícil tarefa de anunciar a Verdade, de mostrar ao mundo a Palavra de Deus, resplandecendo como astro no meio de uma geração corrompida e perversa (Fp 2:15).
CONCLUSÃO
Desde a queda do ser humano, Deus trabalha sem cessar para restaurá-lo ao status quo da criação, ou seja, ao estado de comunhão com Ele como era antes da criação. Jesus afirmou, certa vez, que o Pai trabalha até agora. Por essa razão, o Filho continuava o seu labor. Mas qual o trabalho do Pai? Não é criar, porque tudo quanto havia de ser criado já o foi. Todavia, a evangelização sempre haverá de ser um trabalho incompleto, por mais que nos esforcemos. Neste momento, Deus não mais anuncia pessoalmente o evangelho, como fez no Éden e ao patriarca Abraão. Entretanto, não cessa de abrir portas, abençoar missões e missionários. Por intermédio de mim e de você, Ele estende as fronteiras de seu Reino. Paulo dizia-se imitador de Deus, porque se sentia na obrigação de proclamar-lhe a Palavra a tempo e fora de tempo.
SUBSÍDIO PARA O PROFESSOR
Introdução

Sendo Deus o primeiro evangelista da História Sagrada, toda a sua palavra é amorosamente evangelizadora. E por isso que a Bíblia, ao contrário de outros livros tidos como sagrados, é lida e relida, sem jamais deixar de ser apaixonante. Embora concluída há mais de dois mil anos, ela é repleta de manchetes que, todas as manhãs, surpreendem-nos por sua graça, misericórdia e alvíssaras.

Do Gênesis ao Apocalipse, temos uma proclamação evangelística que, tendo início na criação, vai até a consumação de todas as coisas, inaugurando o Novo Céu e a Nova Terra.

Deus se compraz em comunicar o evangelho. Quer pessoalmente, quer por intermédio de seus arautos, Ele conclama-nos à salvação. Até mesmo em seus juízos, entrevemos o inexplicável amor, que o constrangeu a entregar o Unigênito a morrer em nosso lugar. Que ninguém o acuse de injustiça, pois a sua natureza leva-o a proclamar a todos, em todo o tempo e lugar, as Boas-Novas de seu Reino. O Pai anseia por incluir-nos em seus domínios eternos.
Neste capítulo, refletiremos acerca da ação evangelística pessoal do próprio Deus. Surpresos, constataremos que Ele evangeliza até mesmo quando está em silêncio.

As Primeiras Notas Evangélicas de Deus
Se lermos atentamente a Bíblia Sagrada, constataremos que, quando o universo ainda não existia, o Plano da Salvação já estava esboçado no espírito de Deus.
O Cordeiro Morto na eternidade. Em Apocalipse, o Espírito Santo revela a João que o Senhor Jesus, para redimir-nos, não morreu apenas no tempo. Na presciência divina, o Cordeiro de Deus já estava morto antes mesmo dos eventos registrados em Gênesis (Ap 13.8). Nossa redenção, por esse motivo, transcende o tempo e os eventos da criação; é eterna (Hb 9.12). Portanto, quando ainda não havia pecado, ou pecadores, o amoroso Deus já tinha estabelecido as bases da nossa salvação.

A morte do Cordeiro, na presciência de Deus, foi a primeira nota evangélica da História Sagrada. Se Cristo morreu na eternidade, na eternidade também fomos eleitos (1 Pe 1.2). Eis porque, conforme veremos mais adiante, quando Adão pecou, Ele não se mostrou surpreso. Na sentença sobre o pecado, anuncia a redenção do pecador (Gn 3.15). Antecipadamente, prega o evangelho do Unigênito à humanidade, representada, ali, no primeiro ser humano. Antes mesmo que houvesse tempo, proclamou a salvação eterna. Era como se Deus, num tabernáculo vazio, chamasse os pecadores, que ainda não existiam, ao arrependimento. Parece loucura? A pregação do evangelho tem peculiaridades que só o amor divino é capaz de operar (1 Co 1.2 1).

Deus evangeliza trabalhando. Na criação dos céus e da terra, quando Deus montava o cenário para o drama de nossa redenção, seus anjos, antegozando o triunfo do Calvário, louvam-no exaltadamente (Jó 3 8.7). Eles sabiam que o nosso planeta não seria mais uma esfera entre outras esferas, mas o círculo que, na plenitude do tempo, haveria de se fechar com a morte de Cristo. Por isso, os santos anjos ensaiavam, naquele instante da obra divina, para celebrar o nascimento do Filho de Deus em Belém (Lc 2.13.14).

A proclamação do evangelho evoca cânticos de júbilos. Ao descrever o regozijo dos exércitos celestes na conversão de um pecador, declarou Jesus:
Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligência até a achar? E, achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida. Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende. (Lc 15.7-10).

Deus evangeliza proclamando. Deus evangeliza tanto trabalhando quanto proclamando. Ninguém melhor do que Ele sabe usar as palavras, pois a nossa linguagem nEle nasceu e nEle se desenvolve. Ele cria o mudo e o eloquente (Ex 4.11). Por intermédio de seu Espírito Santo, inspirou o Livro dos livros (2 Tm 3.16). E, pela boca de seus servos, narra as histórias mais belas, declama as poesias mais sublimes, anuncia as promessas mais escondidas e consola-nos, diariamente, com o cajado do Bom Pastor.
 A Bíblia não se limita a conter a Palavra de Deus. Ela é a Palavra de Deus que evangeliza e redime o pecador, guiando-o às regiões mais celestes (Ef 2.6). Todas as vezes que a Sagrada Escritura é lida, ouve-se o próprio Deus evangelizando. Por isso, quem rejeita o Filho, rejeita o Pai.
O Proto-Evangelho de Deus
 Na queda de Adão, temos a mentira que aprisiona, a verdade que liberta e a promessa da semente que, lançada no Eden, germinaria no Calvário, trazendo a salvação a todos os homens.

A mentira que aprisiona. O discurso com que Satanás enredou a queda de Adão era lógico e filosofante. Nem mesmo Aristóteles seria capaz de armar silogismos como aqueles. O Inimigo mentiu, fazendo-se amigo; distorceu a verdade, levando-a a parecer mentira. Desevangelizando Adão e Eva, induziu toda a humanidade à rebelião contra Deus. E, assim, aprisionou nossos pais.
 A queda de nossos primeiros genitores chocou os seres angelicais. Até ali, homens e anjos formavam uma mesma grei, apesar de estarem separados por uma barreira dimensional. Mas, agora, com o pecado, éramos tão inimigos de Deus quanto Satanás. O Senhor dos céus e da terra, contudo, não tardaria a proclamar o proto-evangelho que, no Calvário, desfaria a inimizade que separa a criatura do Criador.

 A verdade que liberta. O que parecia a desgraça da raça humana acabaria por revelar a maravilhosa graça do Pai Celeste. Ao ver a queda de seu filho, Adão, tão precocemente pródigo, mas também tão precocemente arrependido e choroso, Deus não o deixou prostrado. Antes, providenciou-lhe um inesperado acolhimento, que só os pais são capazes de proporcionar aos filhos mais ingratos e rebeldes. Ainda no Jardim do Éden, o Senhor recebe-os com amor e misericórdia. Substituindo os andrajos de figueira, dá-lhes a pele de um animal vicário como roupa. Não bastasse tanto cuidado e afeição, juntamente com o juízo, anuncia-lhes o proto-evangelho. Deus em nada diferia do pai daquele pródigo descrito por Jesus.

 O proto-evangelho. No Éden, Deus age como o Juiz da raça humana. Mas, como a sua misericórdia sempre triunfa no juízo, não tarda em predizer a redenção da espécie adâmica. O Juiz faz-se Evangelista, e proclama, ali mesmo, Q proto-evangelho: “E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15).
 O juízo sobre a raça tem, como exórdio, uma nota lindamente evangélica. Antes mesmo de o Juiz sentenciar-nos os pais, evangeliza- os. Eles, de fato, seriam duramente punidos. Se, por um lado, eram expulsos do Eden terrestre, por outro, haveriam dc ser introduzidos, por meio da semente da mulher, no Paraíso celeste. A partir de um evangelho tão sucinto e tão econômico nas palavras, a redenção da humanidade começa a ganhar feições. Com menos de trinta vocábulos, o Senhor, eloquentemente, anuncia a chegada de Jesus Cristo, nosso amado Salvador.

III. O Evangelho de Cristo a Abraão
De Adão, o primeiro homem, a Abraão, o primeiro patriarca dos hebreus, temos um interregno de aproximadamente dois mil anos. Nesse período, o Reino de Deus parecia engolido pelo império de Satanás. Todavia, o Evangelista Eterno estava apenas preparando o caminho de seu Filho que, decorridos mais dois milênios, haveria de nascer em Belém de Judá.

Abraão, o gentio. Ao ser chamado por Deus a peregrinar numa terra desconhecida e mui distante, Abraão não passava de um gentio como eu e você. Era um caldeu entre os caldeus. O idioma que falava não era o hebraico, mas a língua aramaica que, nascida em Damasco, estendia-se até as fronteiras com a India. Mas aprouve a Deus evangelizá-lo, separando-o dentre as gentes, para, por meio dele, levar o mundo a uma surpreendente realidade espiritual.

 De tal forma converte-se Abraão ao Deus Único e Verdadeiro que, ante o seu chamamento, deixa uma cidade segura e confortável para andejar um chão ermo e cheio de sobressaltos. Suas experiências com o Senhor são profundas; faz-se amigo de Deus (Is 41.8).

Não demora para que o seu nome seja mudado, indicando uma nova dimensão em sua vida espiritual. Dantes, era Abrão: grande pai. Mas, agora, é Abraão, que em hebraico significa pai de uma multidão não somente étnica, mas destacadamente espiritual (Gn 17.5). Logo, o patriarca hebreu torna-se o nosso pai na fé (Tg 2.21). O cristianismo e o judaísmo são religiões abraãmicas. Semelhante designação é reivindicada também pelo islamismo. Todavia, ao ler o Corão, não pude encontrar, em nenhuma de suas suratas, algo que me levasse a identificar a fé islâmica com a crença do patriarca hebreu.

O evangelho de Deus a Abraão. Em sua belíssima teologia da justificação pela fé, Paulo, depois de condenar energicamente o falso evangelho anunciado nas regiões da Galácia, escreve: Éo caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti. De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão. (GI 3.6-9).

 os israelitas, que ainda não haviam recebido o Cristo de Deus, a chamada de Abraão era mais étnica do que espiritual. O apóstolo, porém, iluminado pelo Espírito Santo, viu, atrás daquela narrativa, uma das mais profundas teologias do Novo Testamento. Em Gênesis, escondia a essência do Evangelho: Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Gn 12.1-3).

Se nos detivermos a analisar a vocação do patriarca hebreu, encontraremos a mais bela síntese da mensagem cristã. Em primeiro lugar, Deus individualiza a chamada de Abraão, a fim de universalizar a convocação de todas as nações a crer em Jesus Cristo.

a) Uma chamada que transcende a nacionalidade. Deus, em primeiro lugar, intima Abraão a deixar a sua nacionalidade: “Sai-te da tua terra”. A fé no Deus Único e Verdadeiro não pode circunscrever-se a uma nacionalidade. Seu caráter reivindica seja ela proclamada a todos, em todo o tempo e lugar, por todos os meios. Por esse motivo, não sou favorável a uma igreja oficial, como a anglicana, pois sempre estará a serviço do Estado. A Igreja, por ser Igreja, não pode ser trancada na burocracia estatal, pois a sua natureza leva-a a forçar todas as portas, inclusive as do inferno.
 Israel jamais poderia ter restringido a sua fé a um território, a uma cidade, a um santuário e a um objeto sagrado. Infelizmente, foi o que aconteceu. Embora fundassem uma terra santa, não foram suficientemente zelosos para santificar os povos além de suas fronteiras.
 Ao elegerem Jerusalém como a cidade santa por excelência, não saíram, a partir dela, a proclamar a Palavra de Deus até aos confins da terra como fez o profeta Jonas. Quanto ao Santo Templo, achavam que Deus estava restrito àquela casa e que, de lá, jamais sairia. E, para completar o seu exclusivismo religioso, fizeram da arca sagrada um totem. Supunham que, tendo-a por perto, nenhum mal viria a alcançá-los. O Senhor mostrou-lhes, porém, que aquele objeto tão belo e tão cobiçado viria a perder-se um dia (Jr 3.16).
Enfim, os israelitas, ao contrário de Abraão, não conseguiram transcender a própria nacionalidade na divulgação da verdadeira fé. Logo, o Deus de Israel é também o Deus de todos os povos, porque sua é a terra e a sua plenitude. Até mesmo os apóstolos demoraram a entender o alcance universal do evangelho de Cristo. Fez-se necessária a convocação de um concílio, para que, iluminados pelo Espírito Santo, autorizassem Paulo e Barnabé a prosseguirem o seu ministério junto aos gentios.

b) Uma chamada que transcende a etnia. Deus ordenou também a Abraão que deixasse a sua parentela, pois o chamava a ser o pai de todos os que creem. Então, como haveria ele de confinar-se à etnia hebreia, se o mais ilustre de seus descendentes haveria de morrer por todos os povos? Os israelitas, porém, ignorando a natureza de sua chamada universal, isolam-se nacionalmente.
 A fim de arrancar os apóstolos a esse exclusivismo, o Senhor concede a Pedro a visão global do evangelho. No lençol descido do céu, o galileu contempla toda sorte de animais imundos e repulsivos. Em seguida, ouve do próprio Jesus: “Não faças tu comum ao que Deus purificou” (At 10.15).
A partir daquele momento, a Igreja de Cristo, ainda majoritariamente judaica, internacionaliza-se até alcançar os povos mais inalcançáveis. A grandeza de Israel, portanto, não está em sua nacionalidade, nem em sua etnia; reside em sua herança espiritual.

c) Uma chamada que transcende a família. Abraão foi chamado ainda a deixar a casa de seu pai, pois a família que dele sairia não se fundaria em laços de sangue, mas numa aliança espiritual. E claro que, aos olhos de Deus, a família é muito importante. Precedendo o Estado e até mesmo a Igreja, ela é a base tanto daquele quanto desta. Mas, pela fé em Jesus Cristo, filho de Abraão, surge um povo mais forte que a própria família.
 Certa vez, perguntou o Senhor Jesus: “Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos?”. Ato contínuo, destacando seus discípulos, responde: “Eis aqui minha mãe e meus irmãos; porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus, este é meu irmão, e irmã, e mãe” (Mt 12.49,50).
A família, para Abraão, teria um fundamento mais forte que o sanguíneo. A fé no Deus Único e Verdadeiro seria capaz de unir, num mesmo corpo, em Jesus Cristo, todos os povos da Terra.
Todos os que o aceitam, portanto, são chamados para fora de sua nacionalidade, etnia e família, a fim de formar um só organismo espiritual. Assim é descrita a Igreja de Cristo pelo apóstolo Paulo: “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus; porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus (Gl 3.26-28).

d) Uma terra que transcende os olhos. No evangelho que Deus pregou a Abraão, havia uma terra estratégica, larga e espaçosa. Disse-lhe o Senhor: “para a terra que eu te mostrarei”. Portanto, Abraão é chamado para fora de sua nacionalidade, de sua etnia e de sua família, com o objetivo de possuir uma terra que ele ainda não via. Assim, movido por uma fé justificadora, começa o patriarca a ver o invisível. Naquele exato momento, deixando para trás o sedentarismo confortável, faz-se nômade. E, de oásis em oásis, peregrina até chegar a uma terra que, profeticamente, já era sua, mas, historicamente, ainda estava em poder de gentios aguerridos, profanos e inimigos de Deus.

 Por que Canaã, e não Ur dos caldeus? Por que a terra do amorreu e do jebuseu, e não Padã-Arã? Ambas as cidades eram mais importantes que o território cananeu. Todavia, não eram estrategicamente localizadas para a difusão do conhecimento divino a toda a Terra. Somente Israel serviria como a localização exata para o Senhor Jesus iniciar a expansão do Reino de Deus. Os evangelistas, partindo de Jerusalém, alcançariam toda a Judeia, a região de Samaria e, finalmente, os confins do globo.

A igreja católica, sob o comando de Urbano II, reuniu-se em cruzada, para retomar a Jerusalém. Mas a Igreja Primitiva, impulsionada pelo Espírito Santo, partiu de Jerusalém para conquistar o mundo para Cristo. Temos aí o verdadeiro significado de Urb et Orbi. Ou seja: à cidade e ao mundo com um só alvo: proclamar a Palavra de Deus. Quanto àquela terra, não há dúvida. Pertence a Israel.

e) Uma nação paradoxal. Na promessa que o Senhor lavra ao seu amigo, há uma nota paradoxal: “E far-te-ei uma grande nação”. Se Abraão fosse o pai da China, ou dos Estados Unidos, não haveria, aí, contradição alguma. De seus lombos, porém, saiu uma das menores nações do mundo. Por mais que se multiplique, a demografia de Israel jamais chegará ao nível da chinesa ou da americana. Não obstante, não há povo tão influente, espiritual e moralmente, do que o hebreu.
 Nenhuma outra escritura é tão lida quanto a Bíblia. Nenhum profeta é citado como Moisés. Quanto a Jesus Cristo, nosso Senhor, nenhum ser humano é tão evocado quanto Ele.
Verdadeiro Homem e Deus Verdadeiro, o Nazareno reúne, em tomo de seu nome, povos de todas as nacionalidades que, vinculados pela fé, tratam-se como irmãos. Essa é a grandeza de Israel.

f) Abraão, fonte de bênçãos e maldições. No evangelho que Deus pregou a Abraão, há dois mandamentos específicos. Se o primeiro representou dificuldades geográficas e logísticas, o segundo representará um grande desafio espiritual e teológico. Na segunda ordenança, diz-lhe o Senhor: “e tu serás uma bênção”. Se na versão corrigida de Almeida o mandamento parece profecia, já na tradução atualizada, a promessa soa como um mandamento bastante claro: “Sê tu uma bênção” (Gn 12.2).

 Abraão teria de ser uma bênção à sua família e a todas as nações da Terra. Ele abençoou-nos com os profetas, com as Escrituras Sagradas e com o Cristo. Jamais poderemos retribuir-lhe as bênçãos que, de seus descendentes, recebemos. Por isso, cabe-nos abençoá-lo. Hoje, abençoamos Israel não somente mantendo vínculos amistosos com o Estado judeu, mas curvando-nos ao evangelho que nos veio por intermédio da família hebreia.

Conclusão
Do proto-evangelho, no Éden, ao evangelho de Cristo, no Calvário, todas as nações foram abençoadas no patriarca Abraão. O interessante é que, em ambos os eventos, Deus fez-se presente para atestar o seu amor pela humanidade caída. Ele criou o mundo em seis dias. No sétimo, veio a descansar de seu trabalho. Todavia, quando da queda de nossos pais, o Senhor recomeçou o seu labor não apenas preservando a sua criação, mas também evangelizando seus filhos rebeldes e apostatas.

 Jesus afirmou, certa vez, que o Pai trabalha até agora. Por essa razão, o Filho continuava o seu labor. Mas qual o trabalho do Pai? Não é criar, porque tudo quanto havia de ser criado, já o foi. Todavia, a evangelização sempre haverá de ser um trabalho incompleto, por mais que nos esforcemos.
Neste momento, Deus não mais anuncia pessoalmente o evangelho, como fez no Eden e ao patriarca Abraão. Entretanto, não cessa de abrir portas, abençoar missões e missionários. Por intermédio de mim e de você, Ele estende as fronteiras de seu Reino. Paulo dizia-se imitador de Deus, porque se sentia na obrigação de proclamar-lhe a Palavra a tempo e fora de tempo.

Viva vencendo, evangelizando os que estão perdidos!!!

Abraços.

Seu irmão menor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário