16 agosto 2016

CHEGA DE ENGOLIR SAPINHOS, SAPOS E SAPÕES

Despreparada, a igreja evangélica brasileira tornou-se prato cheio para líderes sagazes e megalômanos. Esses líderes têm levado o povo a engolir a seco sapinhos, sapos e sapões e, em nome da unidade, engavetaram a sã doutrina. Esses réprobos conseguiram formatar a maioria dos crentes por imagens, jogos de luzes, fumaça, gelo seco, som ensurdecedor, coreografias, batucadas e movimentos. O povo tornou-se icônico e cada vez mais menos bereianos o que os tem levado a aceitar as idiossincrasias, desvios doutrinários e modismos estrambóticos. Os sagazes e megalômanos líderes se servem do Evangelho, mas não pregam a verdade bíblica. Conseguem com sua máscara de encanto e cuidadosamente lustrada lotar a igreja de pessoas que sequer sabem o que é seguir a Cristo, mas que se julgam cristãs. Deus cobrará desses falsários o desvio que estão fazendo!

A turma gospel sempre diz: “Deixem os hereges pregarem; o que importa é que a Palavra de Deus está sendo pregada, e ela não volta vazia”. Ora, Deus não salva pecadores através da pregação de um falso evangelho. Esses líderes usam a Bíblia, mas pregam outro Cristo. Se uma pessoa ouviu um Cristo que não é o revelado nas Escrituras e confia nele, essa pessoa não será salva. Falar da Palavra de Deus não implica necessariamente que a pessoa está certa. A Bíblia foi usada para legitimar a escravidão, o machismo, o incesto, a poligamia, o divórcio, o comunismo, e agora alguns a usam para justificar o homossexualismo. Os hereges usam as Escrituras para fins pessoais. Devemos ter cuidado com interpretações que fogem claramente ao sentido escriturístico. Precisamos está atento para as novas hermenêuticas que surgem. Satanás foi o primeiro exegeta da Palavra de Deus. As tentativas de contextualizar a Bíblia aos novos tempos são exegese da serpente. Não esqueçamos que todo esse grupo herético que está manipulando a maioria dos evangélicos brasileiros está descobrindo o que nunca alguém viu em mais de 2000 anos de cristianismo. Citar a Palavra de Deus não é garantia de nada. Pode-se deturpá-la.

A indecência do mundo migrou para a igreja. Ao invés de ser modelo, ela é Xerox de um mundo medíocre, de valores fúteis. A igreja atual ao invés de querer não se conformar com o mundo quer o melhor do mundo. Quer um mundo banal. Nesse contexto, temos púlpitos anêmicos, e “ovelhas” que querem se soltar. Isso explica o “louvorismo” dos nossos cultos. Eles fornecem sentimentos e sensações, mas não substância. Cânticos inexpressivos, na letra e na música. As apostasias das letras de certos corinhos, pomposamente chamados de louvor, são tão notórias que dispensa argumentação comprobatória. O Evangelho tornou-se um amontoado de euforias, e não a fé no Senhor Jesus.  O inferno não é mais inferno; o céu não é mais céu; a graça não é mais graça, o caminho não é mais estreito; Cristo não é mais Cristo; Deus não é mais Deus e a Bíblia não é mais a eterna e inerrante Palavra de Deus! Grande parte das igrejas evangélicas brasileiras escancararam suas portas ao ponto de não conseguirem mais conter a invasão estranha dos ventos de doutrina extra-bíblica. Esses ventos fustigam as igrejas hoje, como um ciclone impetuoso.  

É urgente retornarmos às Escrituras. O púlpito precisa ser o local de proclamação da Bíblia. Não local de manipulação. A igreja precisa ser a comunidade das Escrituras. O púlpito não pode trocar o ensino bíblico por comentários de Freud, Carl Jung, Lair Ribeiro, Augusto Cury, Madre Tereza de Calcutá, Mahatma Gandhi, papa Francisco. O nome de Jesus, a cruz, a salvação, pecado, ira de Deus, volta de Jesus e céu, deverão ser o tema central da igreja. A igreja deve pregar o Evangelho e pregar o Evangelho não é fazer saraus musicais nem shows gospéis. É dizer que o homem é pecador, que necessita se arrepender de seus pecados e crer em Jesus Cristo, que Ele voltará em poder e glória e julgará mundo.

Os falsos líderes estão loteando a igreja de Jesus, erigindo impérios econômicos, à sombra de um “evangelho” manco. Dizem eles: “Somos filhos do Rei, temos direito ao melhor”. E, tome a construir mega-templos usando distorcidamente Ageu 2:9 - “A glória desta última casa será maior do que a da primeira”. Precisamos entender que não há qualquer relação da glória do segundo templo com o seu tamanho, uma vez que os anciões que tinham visto o templo de Salomão em toda a sua glória e luxo choraram ao ver a simplicidade do segundo templo. Aliás, o segundo templo cuja glória seria maior era pequeno e destituído de ornamentos em comparação com o primeiro templo. A glória do segundo templo está diretamente relacionada com a vinda de Jesus, o verdadeiro templo de Deus, o Emanuel, o Deus conosco. O messias que viria teria glória maior que toda magnificência de Salomão. Precisamos ter os olhos abertos para os que torcem a Palavra de Deus com interesses escusos. Há muito comércio da fé e muito enriquecimento pessoal com o Evangelho. Jesus não pode ser pretexto para formação de riquezas. 
Pastor não faz voto de pobreza. Pastor não é da “ordem franciscana”, mas não pode usar o ministério para enriquecer.

Segue abaixo as igrejas e ministérios em Fortaleza que estão fazendo muita gente engolir a seco sapinhos, sapos e sapões:

Assembléia de Deus Canaã – pastor Jecer Goes
Assembléia de Deus Bela vista – apóstolo José Teixeira Rego Neto
Igreja Batista Central – pastor Armando Bispo
Igreja da Paz – pastor Abe Huber
Igreja do Senhor Jesus – Santuário do Espírito Santo – Apóstolo Luiz Henrique
Igreja Nova Vida – Márcio Prado
Igreja Comunidade Cristã Logos – pastor Everaldo Silva
Igreja Verbo da Vida – pastor Mansuêto Vieira
Igreja Batista Comunidade do Amor – pastor Samuel Munguba Júnior
Igreja Comunidade das Nações – pastor Fabrício Miguel
Igreja de Cristo – pastor Evandro Soares
Igreja Batista Vale de Bênçãos – pastora Darcy Lira Andrade
JOCUM – Jovens com uma missão
ORMECE – Ordem dos ministros evangélicos do Ceará
MDA – Modelo de discipulado Apostólico
TMI – Teologia da Missão Integral
Ministério Apostólico Nova Unção

Tenho dito,


Ir. Marcos Pinheiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário