13 agosto 2016

MARCAS NO CAMPO MISSIONÁRIO - POR ELISABETH ELLIOT

Elizabeth Elliot - 1926 - 2015
“Meus pais eram missionários na Bélgica, onde eu nasci. Quando eu tinha alguns meses de idade, viemos para os EUA. Morávamos em Germantown, não muito distante da Filadélfia, onde meu pai tornou-se um editor do Sunday School Times.
Nossa família continuou morando na Filadélfia e em seguida, em Nova Jersey até que eu saí de casa para estudar na faculdade de Wheaton. Na época, a família tinha aumentado para quatro irmãos e uma irmã. Meus estudos em grego clássico permitiram-me, no futuro, a trabalhar na área de línguas ágrafas para desenvolver a forma escrita.
Um ano depois que fui para o Equador, Jim Elliot, quem eu tinha conhecido em Wheaton, também entrou nas áreas tribais com os índios quichuas. Em1953 nos casamos na cidade de Quito e continuamos nosso trabalho juntos. Jim sempre tinha a esperança de ter a oportunidade de entrar no território de uma tribo Não Alcançada. Os Aucas estavam nessa categoria – um grupo feroz que ninguém tinha conseguido conhecer sem ser morto. Após a descoberta do seu paradeiro, Jim e outros quatro missionários entraram em território Auca. Depois de um contato amigável com três membros da tribo, eles foram mortos à golpes de lança.
Nossa filha Valerie tinha 10 meses de idade, quando Jim foi morto. Eu continuei trabalhando com os índios quichuas, quando, através de uma providência notável, conheci duas mulheres Aucas que viveram comigo por um ano. Elas foram a chave para a minha ida para viver com a tribo que tinha matado os cinco missionários. Fiquei lá por dois anos.
Depois de ter trabalhado por dois anos com os Aucas, voltei para o trabalho com os quíchuas e lá permaneci até 1963, quando Valerie e eu retornamos para os EUA. Desde então, minha vida tem sido a de escrever e falar. Que também incluiu, em 1969, um casamento com Addison Leitch, professor de Teologia no Seminário Gordon Conwellem Massachusetts. Ele morreu em 1973. Após sua morte, eu tinha dois inquilinos na minha casa. Um deles casou com a minha filha, o outro, Lars Gren, se casou comigo. Desde então, temos trabalhado juntos”.
Depois de seu breve testemunho Elisabeth ainda teve uma vida intensa. Em meados de 1970, ela serviu como uma das consultoras de estilo para o comitê da Nova Versão Internacional da Bíblia (NVI). Ela aparece na lista do NIV de contribuintes.
De 1988 a 2001, Elisabeth podia ser ouvida diariamente em um programa de rádio, o Gateway to Joy, produzido pela Good News Broadcasting Association of Lincoln, em Nebraska. Ela quase sempre abria o programa com a frase: “Você é amado com um amor eterno, isso é o que a Bíblia diz. E por baixo estão os braços eternos. Esta é sua amiga, Elisabeth Elliot”.
Nos últimos anos, o casal parou de viajar, mas continuavam a manter contato com o público através de e-mail e site particular.
Ela se tornou amplamente conhecida como a autora de mais de 20 livros e como palestrante requisitada. Elliot percorreu os Estados Unidos compartilhando seu conhecimento e experiência.
Em 15/06/2015, Elisabeth faleceu, aos 88 anos, e em seu blog pessoal foi postado a seguinte mensagem:
“Elisabeth Elliot foi uma das mulheres cristãs mais influentes da nossa época. Por meio século, seus livros, suas horas incontáveis de ensinamento e sua incrível fé influenciaram pessoas que estavam buscando ao Senhor Jesus por todo o mundo. Ela usou suas experiências de filha, esposa, mãe, viúva, avó e missionária para trazer a mensagem de Cristo para muitas mulheres ao redor do mundo.”
Ela foi a autora de vários livros, muitos tratando de temas de sofrimento, solidão, singeleza, masculinidade, feminilidade e família. Entre seus livros mais conhecidos, estão aqueles que contam a história de seu primeiro marido, Jim Elliot, e a missão deles no Equador entre outros: Through Gates of Splendor (Através dos Portões do Splendor), Shadow of the Almighty: The Life and Testament of Jim Elliot (Sombrado Todo-Poderoso: A Vida e Testamento de Jim Elliot)The Savage My Kinsman (O selvagem meu parente) The Journals of Jim Elliot (Os diários de Jim Elliot).
Ela também escreveu uma biografia de Amy Carmichael: A Chance to Die: The Life and Legacy of Amy Carmichael (Uma chance para morrer: A vida e o legado deAmy Carmichael),e um livro influente sobre pureza Passion and Purity: Learning to Bring Your Love Life Under God’s Control (Paixão e Pureza:Aprendendo a colocar sua vida amorosa sob o controle de Deus).
Visão Missionária

Nenhum comentário:

Postar um comentário