12 outubro 2016

12 DE OUTUBRO: DIA DA PADROEIRA DO BRASIL - APARECIDA

Resultado de imagem para 12 de outubro - Aparecida do Norte
O Padre Júlio J. Brustoloni, missionário redentorista, no seu livro 'História de Nossa Senhora da Conceição Aparecida — A Imagem, o Santuário e as Romarias' – p. 115, após achar que a imagem é motivo de contradição para muitos crentes (protestantes, evangélicos, especialmente Pentecostais), diz: "O mais grave não é negar o culto à imagem de Nossa Senhora Aparecida, mas sim não aceitar o papel de Maria no plano de salvação estabelecido por Deus. Eles aceitam que o Seu Filho nasceu de uma mulher, Maria, mas não reconhecem o culto devido àquela Mulher que esmagou com sua Descendência a cabeça do demônio, e que, por vontade de Deus, foi colocada em nosso caminho de salvação para interceder por nós".
Com um único versículo da Bíblia, provavelmente muito conhecido pelo padre, sua teoria é desmontada: "Adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele prestarás culto" (Mt 4.10b). Além do mais, não acreditamos que aquela imagem de barro, intitulada 'Nossa Senhora da Conceição Aparecida', seja um retrato de Maria, mãe do Senhor Jesus Cristo, conforme nos revela a Bíblia Sagrada.
São declarações como as do padre Júlio J. Brustoloni, ou o espantoso livro de S. Afonso de Ligório “As Glórias de Maria”, que transferem, sem a menor cerimônia, todos os atributos e honras que pertencem exclusivamente ao Senhor Jesus, para Maria ou a tentativa malabarista da CNBB com o livreto “Com Maria, Rumo ao Novo Milênio” - uma forçosa tentativa de justificar o culto mariano, é que nos faz pronunciar, mostrando um outro caminho, aquele da Bíblia, sem retórica ou esforço, um caminho cândido, sereno e verdadeiro, com todo respeito e amor aos católicos ro­manos, que todo cristão deveria ter, apresentando-se firmes no tocante a sã doutrina(2 Tm 4.1-5).
Trata-se de uma pequena imagem de barro, medindo 39 centímetros e pesando aproximadamente 4,5 kg, sem o manto e a coroa, que foram acrescentados1. As Anuas dos Padres Jesuítas de 15 de janeiro de 1750, dizem que, 'aquela imagem foi moldada em barro, de cor azul escuro; é afamada por causa dos muitos milagres realizados'2. Dr. Pedro de Oliveira Neto, que estudou a imagem, apresentando o resultado em 13 de abril de 1967, afirma, em contrapartida:
"A imagem encontrada pelos pescadores junto ao Porto de ltaguaçu, e que hoje se venera na Basílica Nacional, é de barro cinza claro, como constatei, barro que se vê claramente em recente esfoladura no cabelo"3. A mesma conclusão chegaram os artistas do MASP — Museu de Artes de São Paulo – em 1978, declarando:
"Constatamos pelos fragmentos da Imagem em terracota, que ela é da primeira meta­de do século XV!!, de artista seguramente paulista, tanto pela cor como pela qualidade do barro empregado e, também, pela própria feitura da escultura" (4). Essa pequena imagem feita de barro representa Maria para o catolicismo romano.
Segundo o Dr. Pedro de Oliveira Neto, a imagem de barro foi feita por um discípulo do Frei Agostinho da Piedade: "A Imagem de Nossa Senhora Aparecida é paulista, de arte erudita, feita provavelmente na primei­ra metade de 1600, por discípulo, mas não pelo próprio mestre, do beneditino Frei Agostinho da Piedade. Os estudiosos, observando o estilo da imagem, concluíram que o autor da imagem foi o Frei Agostinho de Jesus, sendo provavelmente esculpida em 1650, no mosteiro beneditino de Santana de Parnaíba, SP" (5).
Apresentaremos algumas hipóteses razoáveis, embora nunca tenhamos a certeza do fato. Nossa análise levará em consideração apenas as possibilidades culturais, religiosas e históricas. O livro de Gilberto Aparecido Angelozzi, 'Aparecida a Senhora dos Esquecidos', Ed Vozes; Capítulo III — p. 55-66, expõe alguns possíveis motivos sobre o assunto em questão.
Partindo do princípio de que realmente os pescadores acharam a imagem da Conceição Aparecida no rio, podemos então desenvolver as seguintes idéias:
A teoria de que a imagem foi trazida pelos colonizadores brancos
• Por famílias que se instalaram no vale do Paraíba;
pelos bandeirantes, pois eles carregavam imagens de Maria por onde quer que passas­sem;
• pelos missionários carmelitas, franciscanos e jesuítas que passaram por aquela região;
por algum comerciante ou vendedor ambulante e ter sido quebrada em sua bagagem;
poderia fazer parte de um oratório familiar e, ao ter sido quebrado o pescoço da imagem, ter sido lançada ao rio.
A teoria de que a imagem foi lançada no rio por escravos negros
-Algum escravo negro, devido ao sincretismo religioso, poderia associar a imagem à de algum orixá, especialmente aos que estão associados às águas;
-Poderia ter lançado a imagem nas águas como um oferecimento a algum orixá, fazendo pedidos relacionados à saúde: engravidar, gravidez de risco, proteção à criança etc;
-Poderia ter sido lançado nas águas para se obter riquezas, ouro, dinheiro, pedras preciosas, etc.
A teoria das lendas indígenas
-Uma lenda indígena relata que eles criam na grande cobra que habitava nos rios a Cobra Norato. Durante o dia era uma terrível cobra e à noite era um jovem que dançava com as moças. Algum padre teria lançado a imagem para proteger os índios;
-Outra lenda diz que, na cidade de Jacareí, apareceu uma grande cobra e alguém a enfrentou lançando a imagem da Imaculada Conceição ao rio, fazendo com que a cobra fugisse. 
A teoria oficial da Igreja Católica Romana
O catolicismo romano possui duas fontes sobre o achado da imagem, que se encontram no Arquivo da Cúria Metropolitana de Aparecida (1 Livro do Tombo da Paróquia de Santo Antônio de Guaratinguetá) e no Arquivo Romano da Companhia de Jesus, em Roma (Annuae Litterae Provinciae Brasilíanae, anni 1748 et 1749)6.
A narrativa diz basicamente que, no ano de 1719, os pescadores Domingos Martins García, João Alves e Filipe Pedroso lançavam suas redes no Porto de José Corrêa Leite, prosseguindo até o Porto de ltaguassu. Lançando João Alves a sua rede de rastro neste porto, tirou o corpo da Senhora, sem cabeça. Lançando mais abaixo outra vez a rede, conseguiu trazer a cabeça da mesma Senhora. Não tinham até aquele momento apanhado peixe algum. A partir de então, fizeram uma copiosa pescaria que encheu as canoas de peixes. Após esse milagre, surgiram outros relacionados à imagem.
afresco-nossa-senhora
Pintura que representa o encontro da imagem por pescadores está exposta na Basílica de Nossa Senhora Aparecida em SP.
Os pescadores Domingos Garcia, João Alves e Filipe Pedroso rezaram para a Virgem Maria e pediram a ajuda de Deus

A explicação do Dr. Aníbal Pereira dos Reis
Segundo o Dr. Aníbal Pereira dos Reis, ex-sacerdote, ordenado em 1949, formado em Teologia e Ciências Jurídicas pela Pontifica Universidade Católica de São Paulo, em seu livro 'A Senhora Aparecida', Edições Caminho de Damasco Ltda, SP, 1988; trata-se de uma grande armação do padre José Alves Vilela, pároco da matriz local. Segundo suas investigações, foi o padre José Alves Vilela quem colocou a imagem no rio e iniciou planejadamente a divulgação dos supostos milagres, além de estar manipulando todo tempo a imagem e divulgando seus supostos milagres.
Pequena cronologia da Imagem
1717— Pescadores apanharam no rio a Imagem da Conceição Aparecida
1745-1903 — A festa principal da Conceição Aparecida é celebrada em 08 de dezembro;
1888 — No dia 06 de novembro, a princesa Isabel visita pela segunda vez a basílica e deixa como ex-voto uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis;
1929 — Celebração dos 25 anos da Coroação de Maria em um Congresso Mariano;
1930— No dia 16 de julho, o Papa Pio XI assina o decreto, declarando Conceição Aparecida a Padroeira do Brasil;
1931 — No dia 31 de maio, a imagem de barro da Conceição Aparecida é declarada, oficialmente, na Capital Federal a Padroeira do Brasil. Getúlio Dornelles Vargas, era o presidente naquela época.
Segundo o padre Júlio J. Brusto­loni, Na Esplanada do Castelo, outra multidão aguardava a chegada da Imagem Milagrosa. No grande estrado, junto do altar da Padroeira, encontravam-se o Presidente da Re­pública, Dr. Getúlio Dornelles Vargas, Ministros de Estado, membros do Corpo Diplomático credenciados junto do nosso governo, e outras autoridades civis, militares e eclesiásticas. O Sr. Núncio Apostólico, Dom Aloísio Masella, estava ao lado do Presidente e sua família. Na Esplanada, a Imagem percorreu as diversas quadras para que o povo pudesse vê-la de perto, e, ao chegar ao altar, Dom Leme deu-a a beijar ao Presidente e sua família. Um silêncio profundo invadiu a Esplanada, quando a Imagem foi colocada no altar. Após o discurso de saudação, Dom Leme iniciou o solene ato da proclamação de Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil7. Segundo relata o padre Júlio, após a cerimônia, o povo católico romano gritou: "Senhora Aparecida, o Brasil é vosso! Rainha do Brasil, abençoai a nossa gente. Paz ao nosso povo! Salvação para a nossa Pá­tria! Senhora Aparecida, o Brasil vos ama, o Brasil em vós confia! Senhora Aparecida, o Brasil vos aclama, Salve Rainha!"8

O QUE É IDOLATRIA 
Vejamos algumas definições: Ídolo. S.m. 1. Estátua ou simples objeto cultuado como deus ou deusa, 2. Objeto no qual se julga habitar um espírito, e por isso venerado. 3. Fig. Pessoa a quem se tributa respeito ou afeto excessivo. Idólatra. Adj. 2 g. 1. Respeitante à, ou próprio da idolatria. 2. Que adora ídolos. 3. Idolátrico (2). * s. 2 g. 4. Pessoa que adora ídolos; Idolatrar. V t. d. 1. Prestar idolatria (1) a; amar com idolatria (1); adorar, venerar. 2. Amar com idolatria (2), com excesso, cegamente. Int. 3. adorar ídolos; praticar a idolatria (1). Idolatria. SE. 1. Culto prestado a ídolos. 2. Amor ou paixão exa­gerada, excessiva9. Idolatria- 1. Essa palavra vem do grego, eídolon, ídolo, e latreúein, adorar. Esse termo refere-se à adoração ou veneração a ídolos ou imagens, quando usado em seu sentido primário. Porém, em um sentido mais lato, pode indicar veneração ou adoração a qualquer objeto, pessoa, instituição, ambição etc, que tome o lugar de Deus, ou que lhe diminua a honra que lhe devemos ( 10).
O culto à imagem esculpida, deuses de fundição, imagem de escultura, estátua, figura de pedra, imagens sagradas ou ídolos é idolatria e profanam a ordem divina:
"Não farás para ti imagens esculpidas, nem qualquer imagem do que existe no alto dos céus, ou do que existe embaixo, na terra, ou do que existe nas águas, por debaixo da terra. Não te prostrarás diante delas e não lhes prestarás culto" (Ex 20.4).
"Não vos voltareis para os ídolos, nem fareis para vós deuses de fundição. Eu sou o Senhor vosso Deus" (Lv 19.4).
"Não fareis para vós ídolos, nem para vós levantareis imagem de escultura nem estátua, nem poreis figura de pedra na vossa terra para inclinar-vos diante dela. Eu sou o Senhor vos­so Deus" (Lv26.1).
"Confundidos sejam todos os que adoram imagens de esculturas, que se gloriam de ído­los inúteis…" (SI 9 7.7).
"Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos do homem. Têm boca, mas não fa­lam, têm olhos, mas não vêem; têm ouvidos, mas não ouvem, têm nariz, mas não cheiram; têm mãos, mas não apalpam, têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua gar­ganta; Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem, e todos os que neles confiam" (SI .115.4-9 e 135.15-18).
"A tua terra está cheia de ídolos, inclina­ram-se perante a obra das suas mãos, diante daquilo que fabricaram os seus dedos. Pelo que o homem será abatido, e a humanidade humilhada; não lhes perdoes!" (Is 2.8-9).
"… Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás" (Mt 4.11; Lc 4.8).
"O principal de todos os mandamentos é: Ouve, ó Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor! Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a sua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças" (Mc .12.29-30; Mt 22.37).
"Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, pois o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e impor­ta que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade" (Jo.4.23-24).
"Enquanto Paulo os esperava em Atenas, o seu espírito se revoltava em si mesmo vendo a cidade tão entregue à idolatria" (At 1 7.16).
"Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus" (1 Co 6.10-11; Ef5.5).
"Não vos façais idólatras, como alguns deles; como está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar" (1 Co 10.7).
"E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Pois vós sois santuários do Deus vivente…" (2 Co 12.2).
"As obras da carne são conhecidas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras pelejas, dissensões, facções, invejas, bebedices, orgias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos preveni, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus" (Gl. 5.5).
"Filhinhos, guardai-vos dos ídolos"(1 Jo5.21).
* "Mas, quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda mor­te" (Ap 21.8).
"Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo aquele que ama e pratica a mentira" (Ap. 22.1 5). 
Deus proibiu ao Seu povo a confecção e o culto a imagens, estátuas etc, visto que os povos pagãos atribuíam a esses artefatos de barro, madeira ou outro material corruptível, um caráter religioso. Acreditavam, além do mais, que a divindade se fazia presente por meio dessa prática. O Deus Todo-Poderoso ensinou Seu povo a não cultuar imagens. Sua palavra era tão poderosa no coração do Seu povo, que, embora muitos homens santos, profetas e sacerdotes, homens exemplares, com todas as virtudes para serem canonizados (os heróis da Bíblia), não foram pretextos para serem adorados ou cultuados, nem fizeram suas imagens e nem lhes prestaram culto. Deus proibiu Seu povo de fabricar imagens de escultura, de fundir imagens para cultuá-las (Ex 20.23 e 34.1 7).
Algumas imagens que Deus mandou fazer não tinham por objetivo elevar a piedade de Israel e nem ser­viam de modelo para reflexão ou conduta. Eram apenas símbolos decorativos e representativos. Deus mandou fazer a Arca da Aliança; mandou fazer figuras de querubins no Tabernáculo e no Templo, entre outros utensílios (1 Rs 6.23-29; 1 Cr 22.8-1 3; 1 Rs 7.23-26), além de outros ornamentos (1 Rs 7.23-28). Essas figuras, porém, jamais foram adoradas ou veneradas, ou vistas como objeto de culto. Se os filhos de Israel tivessem adorado, cultuado ou venerado esses objetos, sem dúvida, Deus mandaria destruí-los. Foi isso o que aconteceu com a serpente de bronze, levantada por Moisés no deserto, quando se tornou objeto de culto (2 Rs 18.4).
Quando analisamos esta questão na história da nação de Israel, o povo que recebeu os mandamentos de Deus e a preocupação dos judeus religiosos em manter-se fiéis, podemos entender que, apesar do Antigo Testamento proibir a confecção de imagens relativamente, no entanto a adoração ou culto a imagens era absolutamente proibido: "Não te prostrarás diante delas e não lhes prestarás culto" (Ex 20.4b).
Em algumas sinagogas do século III e até hoje, encontramos pinturas de heróis da fé em seus vitrais etc, jamais, entretanto, veremos judeus orando, cultuando ou invocando Moisés, Abraão ou Ezequiel.
Não encontramos argumento algum que justifique o culto, veneração ou a fabricação de imagens no Novo Testamento.
• A Bíblia mostra que Paulo sofria por ver o povo entregue a idolatria: "Enquanto Paulo os esperava em Atenas, o seu espírito se revoltava em si mesmo, vendo a cidade tão entregue à idolatria" (At 1 7.1 6).
• Paulo foi atacado pelos artífices, ourives e comerciantes de imagens: "Certo ourives, por nome Demétrio, que fazia de prata miniaturas do templo de Diana, dava não pouco lucro aos artífices. Eles os ajuntou, bem como os oficiais de obras semelhantes, e disse: Senhores, vós bem sabeis que desta indústria vem nossa prosperidade. E bem vedes e ouvis que não só em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, este Paulo tem convencido e afastado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que fazem com as mãos. Não somente há perigo de que a nossa profissão caia em descrédito, mas também de que o próprio templo da grande deusa Diana seja estimado em nada, vindo a ser destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo veneram. Ouvindo isto, encheram-se de ira, e clamaram: Grande é a Diana dos efésios!" (Atos 19.24-28).
O culto aos santos só começa a partir de cem anos, aproximadamente, depois da mor­te de Jesus, com uma tímida veneração aos mártires11. A primeira oração dirigida expressamente à 'Mãe de Deus' é a invocação 'Sub tuum praesidium', formulada no fim do século III ou mais provavelmente no início do século  IV-12. Não podemos dizer que a veneração dos santos — e muito menos a da Mãe de Cristo — faça parte do patrimônio original13. Se o culto aos santos e a Maria fosse correto, João, que escreveu o último evangelho, aproximadamente no ano 100 d.C. , certamente falaria sobre o assunto e incentivaria tal prática. Ele, porém, nos adverte: "Filhinhos, guardai-vos dos ídolos" (1 Jo 5.21). Na luta para justificar o culto às imagens, bem como seu uso nas Igrejas, os católicos apresentam a teoria da pedagogia divina.
D. Estevão Bettencourt resume assim a teoria: "...0s cristãos foram percebendo que a proibição de fazer imagens no Antigo Testamento tinha o mesmo papel de pedagogo (condutor de crianças destinado a cumprir as suas funções e retirar-se), que a Lei de Moisés em geral tinha junto ao povo de Israel. Por isto, o uso das imagens foi-se implantando. As gerações cristãs compreenderam que, segundo o método da pedagogia divina, atualizada na Encarnação, deveriam procurar subir ao Invisível passando pelo visível que Cristo apresentou aos homens; a meditação das fases da vida de Jesus e a representação artística das mesmas se tornaram recursos com que o povo fiel procurou aproximar-se do Filho de Deus14. Assim criaram a idéia de que, nas igrejas as imagens torna­ram-se a Bíblia dos iletrados, dos simples e das crianças, exercendo função pedagógica de grande alcance. E o que notam alguns escritores cristãos antigos: O desenho mudo sabe falar sobre as paredes das igrejas e ajuda grandemente (S. Gregório de Nissa, Panegírico de S. Teodoro, PG 46,73 7d). O que a Bíblia é para os que sabem ler, a imagem o é para os iletrados (São João Damasceno,De imaginibus 1 1 7 PG 94, 1 248c)"5. 
Levando-se em consideração que um dos objetivos da Igreja Católica Romana é ensinar a Bíblia ao povo através das imagens, especialmente aos menos alfabetizados, surge-nos algumas perguntas: Por que se faz culto a elas, se o objetivo é ensinar a Bíblia? Por que após passar dezenas de anos, com milhares de católicos alfabetizados, ainda insistem em cultuar imagem? Se realmente a imagem fosse o livro daqueles que não sabem ler, por que os católicos alfabetizados são tão devotos e apegados às imagens? Será que podemos desobedecer a Bíblia para superar uma deficiência de entendimento? Onde está a base bíblica para esta 'Teoria da Pedagogia Divina'? Será que a encarnação do Verbo poderia servir de base para se fazer imagens dos santos e cultuá-los?
A Igreja Católica Romana apresenta basicamente duas fontes para justificar o culto às imagens: a tradição e as opiniões de seus líderes. Em resumo: opinião dos homens. Citam a Bíblia quando existe alguma possibilidade de apoio às suas doutrinas. Esquecem o ensino do famoso clérigo católico romano, Padre Vieira: "As palavras de Deus prega­das no sentido em que Deus as disse, são palavras de Deus; mas pregadas no sentido em que nos queremos, não são palavras de Deus, antes podem ser palavras do demônio"16. A Palavra de Deus condena o culto às imagens.

Os argumentos do Catolicismo Romano a favor do culto às imagens fazem-nos lembrar de um rei na Bíblia, chamado Saul, que quis agra­dar a Deus com sua opinião, mesmo contrariando frontalmente a Palavra de Deus (1 Sm 15.1-23). O catolicismo romano, de modo semelhante, contrariando a Bíblia, entende que a imagem é o livro daqueles que não sabem ler. O rei Saul, achava que oferecer sacrifícios era melhor, mais lógico, mais correto, mais racional. Acreditava que estava prestando um grande serviço a Deus (1 Sm 15.20-21). Deus, no entanto, o reprovou, dizendo: "Tem o Senhor tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça à sua palavra? Obedecer é melhor do que sacrificar, e atender melhor é do que a gordura de carneiros" (1 Sm15.22). Deus proíbe terminantemente o culto a ídolos e imagens (Ex 20.1 -6; Lv 26.1; Nm 33.52; Dt.27.15; 2 Rs .21.11; Sl115.3-9; 135.15-18; 1s2.18; 41.29; Ez 8.9-12; Mt4.1 1; At 15.20; 21.25; 2 Co 6.16).
O Catolicismo Romano ensina o culto à imagem inventando uma teoria, contrária à Bíblia e insiste em dizer que está fazendo isso para ajudar a obra de Deus. Ainda que Saul pensasse estar prestando um serviço a Deus, como fazem aqueles que prestam culto à imagem da Conceição Aparecida, seu ato foi uma desobediência à Palavra de Deus, e isso é considerado rebelião (1 Sm 15.21-26).A Bíblia diz: "a rebelião é como pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a iniqüidade de idolatria. Por­quanto rejeitaste a palavra do Senhor, ele também te rejeitou…"(1 Sm 1 5.2 3).
Prezado leitor, o culto às imagens será sempre uma abominação a Deus. E a marca e a continuidade do paganismo. Cristianismo é a fé exclusiva na obra do Senhor Jesus (Jo.3.1 6; Rm5.8; Ef2.8-9;1 Tm2.5;Tt2.11).E adoração exclusiva a Deus: "Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás" (Mt 4.11; Lc 4.8). O principal de todos os mandamentos é:"Ouve, á Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor! Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a sua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças" (Mc 1 2.29-3Q~ Mt 92 37). "Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, pois o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade" (Jo 4.23-24).
ENTENDENDO A ESTRUTURA PIRAMIDAL DO CULTO DA IGREJA CATÓLICA ROMANA
LATRIA – ADORAÇÃO A DEUS
HIPERDU LIA – DEVOÇÃO Á MARIA
DULIA- DEVOÇÃO AOS SANTOS E AOS ANJOS
A Dificuldade do Catolicismo Romano para justificar essa Teoria
Se os Católicos Romanos se limitassem a exaltar os heróis da fé, e a propô-los como modelo a ser seguido, não haveria nenhum problema. Assim agem também os cristãos genuínos.
Infelizmente, não é isso que acontece. Por mais que o líderes católicos romanos se esforcem em suas infindáveis apologias ou explicações, elas não passam de tentativas vãs e superficiais. Exemplo dessa tentativa é a teoria de três tipos de devoção: a dulia, a hiperdulia e a latria. Perguntamos: qual a diferença que pode haver entre a dulia e a hiperdulia? Qual a diferença das duas com a latria? A verdade é que os três termos se confundem. Os dois termos (dulia e hiperdulia) podem estar envolvidos com a latria e tudo se torna uma distinção que não distingue coisa alguma. As pessoas que se prostram diante de uma imagem da Conceição Aparecida, ou de São João, ou de São Sebastião ou de Jesus sabem que estão cultuando em níveis diferentes? Para elas não seria tudo a mesma coisa?
Imagine um católico romano bem instruído que vai para o culto. Primeiramente ele pretende cultuar São João. Dobra então seus joelhos diante da imagem de São João e pratica a dulia. Depois, irá prestar culto a Maria, deixando, nesse momento, de praticar a dulia e passando a praticar a hiperdulia. Finalmente, com intenção de cultuar a Deus, ele começa a praticar a latria.
Não acreditamos que o povo Católico Ro­mano saiba diferenciar a dulia, a hiperdulia e a latria, e mesmo que soubesse diferenciá-las, dificilmente conseguiria respeitar os limites de cada uma.
Qual é a diferença?
Adoração e Veneração. Há diferença entre adorar e prestar culto? Se prostrar-se diante de um ser, dirigir-lhe orações e ações de graça, fazer-lhe pedidos, cantar-lhe hinos de louvor não for adoração, fica difícil saber o que o Catolicismo Romano entende por adoração. Chamar isso de veneração é subestimar a inteligência humana.
Culto aos santos. Analisando essas práticas católicas à luz da Bíblia e da história, fica claro que são práticas pagãs. O papa Bonifácio IV, em 610, celebrou pela primeira vez a Festa a Todos os Santos e substituiu o panteão romano (templo pagão dedicado a todos os deuses), por um templo cristão para que as relíquias dos santos fossem ali colocadas, inclusive Maria. Dessa forma o culto aos santos e a Maria17, substituiu o culto aos deuses e as deusas do paganismo.
Maria é deusa para os Católicos Romanos? Os católicos manifestam um sentimento de profunda tristeza quando afirmamos que Maria é reconhecida como deusa no catolicismo. Dizem que não estamos sendo honestos com essa declaração, mas os fatos falam por si mesmos.O livro 'Glórias de Maria', publicado em mais de 80 línguas, da autoria de Afonso Maria de Ligório, canoniza­do pelo Papa, atribui à Maria toda a honra e toda a glória que a Bíblia confere ao Senhor Jesus Cristo. Chama Maria de onipotente, além de mencionar outros atributos divinos:
"Sois onipotente Maria, visto que vosso Filho quer vos honrar, fazendo sem demora tudo quanto vós quereis"18. "Os pecadores só por intercessão de Maria obtém o per­dão"19, "Ó mãe de Deus vossa proteção traz a imortalidade; vossa intercessão, a vida"20. "Em vós, Senhora, tendo colocado toda a minha esperança e de vós espero minha salvação, . . . Maria é toda a esperança de nossa salvação, acolhei-nos sob a vossa proteção se salvos nos quereis ver; pois só por vosso intermédio esperamos a salvação"21.
Os querubins. A passagem bíblica dos querubins do propiciatório da arca da aliança (Êx 25.18-20), advogada pelos teólogos Católicos Romanos, não se re­veste de sustentação alguma, pois não existe na Bíblia uma passagem sequer em que um judeu esteja dirigindo suas orações aos querubins, ou depositando sua fé neles, ou lhes pagando promessas. Esse propiciatório era a figura da redenção em Cristo (Hb 9.5-9). A Bíblia condena terminantemente o uso de imagem de escultura como meio de cultuar a Deus(Êx 20.4, 5; Dt 5.8,9). 
O culto aos santos e a adoração à Maria, à luz da Bíblia, não apresentam o Catolicismo Romano como religião cristã, mas como idolatria (1 Jo 5.21). Jesus disse:"Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás"(M t 4.10). O anjo disse a João: "...Adora somente a Deus"(Ap .19.10; 22.9). Pedro recusou ser adorado por Cornélio (At.10.25,26).
Embora a Igreja Católica Apostólica Romana tenha declarado que a imagem de barro da Conceição Aparecida seja a Padroeira e Senhora da República Federativa do Brasil, consagrando o dia 12 de outubro a esse culto estranho às Escrituras Sagradas, os cristãos evangélicos, alicerçados na autoridade da Bíblia Sagra­da, declaram como Paulo: "E toda língua confesse que JESUS CRISTO É O SENHOR, para glória de Deus Pai"(Fl 2.11).
Lei que declara feriando nacional, devido á adoração á Aparecida

Presidência da República
Casa CivilSubchefia para Assuntos Jurídicos

Declara Feriado Nacional o Dia 12 de outubro, Consagrado a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º É declarado feriado nacional o dia 12 de outubro, para culto público e oficial a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.
Art. 2º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação.
Brasília, em 30 de junho de 1980; 159º da Independência e 92º da República.
JOÃO FIGUEIREDO
Ibrahim Abi-Ackel
É comum nesta época do ano observarmos centenas de romeiros caminhando em direção a Aparecida do Norte. Tais pessoas na expectativa de milagres fazem imensos sacrifícios físicos, andando quilômetros a fio, carregando nos ombros cruzes, imagens, objetos e réplicas da basílica.

A VERDADEIRA HISTÓRIA DA 'SENHORA' APARECIDA  
 Resultado de imagem para santuário de aparecida do norte
Santuário de Aparecida do Norte - Aparecida - SP


 Vou relatar os fatos verídicos referentes à imagem dessa Senhora. Localiza-se o início de sua história no período da Colonização Brasileira.

Corriam muitas lendas sobre descobertas de jazidas riquíssimas de ouro e outras preciosidades. O contágio do entusiasmo atingia as vascas do fascínio. O povo paulista, sobretudo, ardia numa febre desvairada provocada pelas lendas das esmeraldas, as valiosíssimas pedras verdes, cujas montanhas se encravavam quais seios úberes em plena selva.

Este sonho acutilante é que produziu as maiores epopéias das nossas Bandeiras, uma das mais empolgantes páginas da História-Pátria. Se não descobriram as montanhas verdes das esmeraldas, os bandeirantes plantaram cidades e dilataram o território nacional apertado até então na faixa estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas, imposto pelo papa Alexandre VI aos descobridores espanhóis e portugueses.

Sim! Essas Entradas é que desbravaram o sertão, devassando e conquistando, com sua audácia o imenso território do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, de Mato Grosso, do Paraná, de Goiás e de grande parte de Minas Gerais. Porque a "bota de sete léguas" dos bandeirantes chutou os limites de Tordesilhas... A miragem das montanhas de pedras verdes ardeu, por várias décadas, na mente de muitos brasileiros do Planalto de Piratininga. fulgurou, sobretudo, no espírito do indômito Fernão Dias Paes Leme, o bandeirante por antonomásia, cuja morte, em plena selva, transferiu para Sebastião Raposo Tavares o fascínio de desvendar o segredo daquela descoberta alucinante.

O fim desastrado da jornada de Raposo Tavares, em 1713, entanto, assinalou o último sonho das esmeraldas, que deixou, em São Paulo, qual cicatriz, um profundo sentimento de frustração. É de se notar que, à exceção de uma ou outra, todas as Bandeiras, iniciaram sua jornada, saindo do Planalto Piratininga no pelo Rio Paraíba, em cujo Vale deixavam, como rastro, uma enorme expectativa na alma do povo. Se as esmeraldas, porém, foram uma quimera não transubstanciada em realidade, diferente resultado ocorreu com o ouro, explorado em Minas Gerais, o causador do incêndio de irresistível cobiça, origem de muitos crimes e inomináveis traições.

 Naquela época em que o Brasil era Colônia de Portugal, não se dividia ele em Províncias ou Estados como hoje. Repartia-se em Capitanias, dirigida cada qual por um governador nomeado por El Rei português e vindo diretamente de Além-Mar. O Governador Dom Braz Baltazar da Silveira não conseguiu mais por cobro às desordens reinantes na Capitania de São Paulo e Minas Gerais, de sua jurisdição, nem reprimir o contrabando do ouro e, muito menos, coletar os impostos estabelecidos pela Coroa Real. El Rei Dom João V houve por bem, nessa conjuntura, chamar o inábil Governador e substituí-lo. E, em junho de 1717, o Capitão Geral, Dom Pedro de Almeida, Conde de Assumar, aportou no rio de Janeiro, donde, via Santos, se encaminhou, incontinenti, para São Paulo, aos 4 de setembro de 1717.

Num ambiente tranqüilo e, ainda, oprimido pelas frustrações da Bandeira de Raposo Tavares, o novo Governador, aos 4 de setembro de 1717, foi empossado no seu cargo.

Ao contrário de Piratininga, nas Minas Gerais, o clima era de exaltação incendiada pela ganância de ouro, cuja mineração provocava os mais pacatos.

Competia ao Governador recém-empossado restabelecer a justiça, recolher os tributos e exigir o retorno da ordem. O Conde de Assumar toparia com uma barreira formidável a lhe embargar a consumação dos seus propósitos.

É que os frades eram "dos elementos mais perniciosos entre os que tinham entrado e continuavam a entrar com as avalanches, que enchiam aqueles distritos, e não só porque se entregavam desenfreadamente ao ganho como todo aquele mundo, mas ainda porque, valendo-se do seu ascendente sobre o espírito da massa, eram quase sempre os promotores de todas as desordens".

Desgraçadamente os compêndios de História do Brasil adotados por nossas escolas aureolam os padres e os frades do tempo da nossa Colonização com as glórias de heróis. Os seus autores sabem que, se disserem a verdade, os seus livros não terão guarida nos ginásios, em grande parte, dirigidos, maquiavelicamente, por padres e freiras, ou deles recebem "orientação".

Aquelas nossas informações, acima entre-aspeadas, são de Rocha Pombo, registradas em sua História do Brasil (Rio de Janeiro - 1905, vol 6, página 245) cuja PRIMEIRA EDIÇÃO deveria ser lida por todo intelectual patrício. Destaco em caixa alta a PRIMEIRA EDIÇÃO porque as subseqüentes foram criminosamente resumidas e mutiladas. Destas podaram-se todos os informes sobre os latrocínios, extorsões, atrocidades e crimes cometidos pelos clérigos missionários. A maioria dos brasileiros supõe que naqueles tempos, Portugal açambarcava todo o ouro bateado pelos lavageiros ou garimpado nos veios das rochas. Supõe-se, também, que, em tempos posteriores, a Inglaterra usurpou-o das bruacas lusitanas. Verdade é que o Reino estabelecia impostos, arrecadados pela quintagem, com o fim de beneficiar o seu erário.

Os frades, contudo, não vieram para o Brasil com a missão de catequizar. O Historiador Rocha Pombo, no passo já referido, informa-nos que o Conde de Assumar, dentre as questões a enfrentar, tinha de se haver com a da "expulsão de todos os religiosos regulares que não tivessem naquela Província do seu domínio uma função certa, própria do seu apostolado". Tinham esses "religiosos" (frades cognominados pela legislação romanista de "religiosos regulares") outra incumbência bem diversa da apregoada e que causou graves prejuízos ao Brasil. Vieram carrear ouro para o papa e para os seus conventos na Europa!

O ouro do Brasil, em grande parte, encontra-se ainda hoje em poder do Vaticano, que o faz ocupar o segundo lugar mundial no mercado desse valor precioso, cujas reservas o papa deposita no Federal Reserve Bank, em Washington. O papado não ocupa o primeiro lugar no mundo nesse mercado porque preferiu trocar uma parte do seu ouro com outros valores, como dólares, que atingem a cifra astronômica de 15 bilhões, e em títulos de sociedades italianas avaliados em 1 trilhão de liras e de sociedades de outros países cotados em 2 bilhões de libras esterlinas. E essa riqueza fabulosa e atual do Vaticano o faz o maior acionário de todo o mundo!

Convencido da gravidade da situação em Minas Gerais e da sua responsabilidade em recobrar a ordem, o Conde de Assumar decidiu interferir pessoalmente. Deixando como seu substituto em São Paulo, o oficial de grande patente, Manuel Bueno da Fonseca, partiu, em fins do mesmo mês de sua posse (setembro de 1717), com destino a Ribeirão do Carmo (hoje Mariana), em Minas Gerais. Naqueles remotos tempos essa viagem só podia ser feita via Vale do Paraíba (Norte do Estado de São Paulo).

Guaratinguetá é uma das cidades desse Vale. Foi fundada à margem direita do Rio Paraíba, em 1641, pelo Capitão-Mór Dionísio da Costa, lugar-tenente do donatário e, por isso, gozava de grande prestígio até os fins do regime das Capitanias. O conde de Assumar chegou, com sua comitiva, nessa cidade, aos 12 de outubro. Prontamente, as autoridades locais, solícitas em aguardá-lo, promoveram-lhe toda sorte de homenagens e respeitos. Por ser o catolicismo a religião oficial do Reino, o vigário destacava-se nas cidades como a autoridade mais importante. O "batizado" pelo padre católico eqüivalia ao registro civil. O casamento era só no religioso. Quem não era católico, como um criminoso de lesa-pátria, não podia casar-se e nem registrar os filhos...

Esta posição do catolicismo outorgava aos vigários, o ensejo de serem ótimos arrecadadores de riquezas para o pontífice de Roma. Em Guaratinguetá, encontrava-se, como vigário, o jovem padre José Alves Vilela. Como todo clérigo, conhecia perfeitamente a arte de bajular. Pelo próprio fato de ser o catolicismo romano a religião oficial do Reino de Portugal, a nomeação dos bispos dependia inteiramente da indicação feita pelo Rei. O padre Vilela sofria de "bispite" aguda. Do desejo desenfreado de ser bispo! 

Percebeu na passagem do Conde de Assumar por sua paróquia, uma extraordinária oportunidade de, sabujando, credenciar-se às boas graças do Governador, que o apontaria a El Rei como candidato à mitra. E mãos à obra! A par das demonstrações cívicas de respeito ao Governador promovidas pela Câmara, o padre Alves Vilela, como autoridade mais importante do lugar, programou festas religiosas de grande aparato para impressionar o homenageado. Desde sempre o clero gostou de se valer de seu ritualismo litúrgico para engodar as autoridades civis com o objetivo de sugar-lhes subvenções ou propiciar clima para se manter prestigiado. Num dos nossos Estados, os bispos condenaram a candidatura de certo cidadão à governança. Feridas as eleições e vitorioso o candidato anatematizado, os "amantíssimos ordinários" promoveram-lhe demonstrações de "afeto e deferência", culminando a sabujice, no dia de sua investidura com uma missa de "ação de graças" mui solene.

Note-se, a título de informação, que o termo canônico designativo do bispo diocesano é "ordinário". Para se colocar bem diante do Conde Governador, preocupado e zangado com os clérigos baderneiros de Minas Gerais, "promotores de todas as desordens" (Rocha Pombo – loc.cit.), o padre Vilela tomou atitude oposta aos seus colegas. Reconheceu na sua subserviência ao chefe da Capitania uma oportuníssima manobra para conquistar-lhe a simpatia. Entre o clero há traidores dos padres traidores! Enquanto os frades de Minas traíam sua posição aparentemente de catequistas, causando baderna, o padre Vilela manifestava-se servil.

Nas águas turvas da situação de descrédito em que se imergiam os frades, o padre Vilela quis pescar um peixe gordo. O peixe de uma posição perante o Governador favorabilíssima às suas pretensões "bispais". E, como o peixe se pega pela boca, alvitrou oferecer ao Conde um opíparo banquete. Mas, um desses banquetes de assinalar marco na história da culinária!  Notabilizara-se o Rio Paraíba pelas suas águas piscosas. Por isso, os pratos em peixe distinguiam a cozinha valeparaibana. O banquete oferecido pela comunidade guaratinguetaense ao ilustre viajante, na programação estabelecida pelo incensador clérigo Vilela, revelar-se-ia por grande fartura de peixes nas mais diversas modalidades de temperos.

O jovem e pretensioso vigário divisou no ambiente uma circunstância especialíssima para ser aproveitada naquele acontecimento. E decidiu capitalizar a seu favor a frustração do povo do Vale pelos insucessos das últimas Bandeiras, cujas miragens de esmeraldas se esboroaram. Decepcionado, todavia, não se descoroçoara o povo. Esperava encontrar alguma coisa de notável. Desde o princípio do seu paroquiato travara Vilela conhecimento com os pescadores de sua freguesia e da região. Deles, e somente deles, é que esperava a mais decidida colaboração nas suas festividades religiosas porque a pesca, naqueles tempos, acima mesmo da agricultura incipiente, se estabelecia como a mais importante fonte de riquezas do Norte da Capitania.

E, dentre os pescadores seus conhecidos, três se distinguiam pela espontaneidade em auxiliar, pela singeleza da sua fé e, sobretudo, pelo seu acatamento às solicitações do vigário. Domingos Martins Garcia, João Alves e Felipe Pedroso, os seus nomes! Procurou-os, então, o clérigo Vilela, incumbindo-lhes da pesca para o banquete-homenagem. Nem estranharam a dedicação e o interesse do seu vigário por aquela pesca. Supunham-no desejoso realmente de exaltar à vista do Governador as qualidades da cozinha da Vila, de lhe demonstrar respeito e, certamente, creditar a região a favores futuros.

Admirados, contudo, receberam no dia do banquete (13 de outubro de 1717), manhã cedo, as ordens do vigário no sentido de que lançassem suas redes no Porto de Itaguassú, próximo do Morro dos Coqueiros. Como ativos pescadores, sabiam que os peixes permanecem mais nas partes calmas do rio e não é possível pesca alguma junto de um porto, onde há tanta movimentação. Toda aquela zona dispunha do Rio Paraíba como principal via de comunicações e transportes. E, dentre os portos, o de Itaguassú se notabilizara por servir vasta extensão.

Em vista da sua própria profissão, entenderam os pescadores a ineficácia da ordem estravagante do vigário. Mas, ingênuos, e submissos, obedeceram. Não lhes convinha desacatar o sacerdote ameaçador e capaz de praguejá-lo e amaldiçoá-los. Lançaram a rede na convicção de nada apanhar. Surpresos, porém, retiraram das águas uma imagenzinha, de 0,30m de altura, talhada em terracota escura, nos moldes da Madona de Murilo, que o clero se utiliza como símbolo da "IMACULADA CONCEIÇÃO"  de Maria.

Decidiram guardar a imagem aparecida nas águas dentro do embornal e prosseguir além sua tarefa. Obtida a quantidade de pescado exigida pelo clérigo anfitrião, foram à sua residência fazer-lhe a entrega. E, jubilosos e na sua crença ingênua, mostraram ao padre, misturado na comitiva do Governador, a imagem aparecida. Enternecido o vigário pelo sucesso do seu empreendimento, pois, ninguém soubera e nem desconfiara de sua ida durante a madrugada ao Portão de Itaguassú para deixar nas águas aquela imagem, despejava suas expressões religiosas e deslambidas acentuando o "fator milagre" daquela descoberta.

Todo o povo daquela região, presente em Guaratinguetá, para receber o Governador, Conde de Assumar, ludibriado em sua credulidade, exultou com o "milagre" sucedido, vinculando-o à santidade do seu vigário e divulgou a notícia à distância.

– "Arre! Se falharam as aventuras em busca de esmeraldas, o "milagre" interveio para dar ao povo desiludido uma preciosidade muito maior!!!", parafusava o padre, que, de propósito, havia colocado a imagem nas águas do Porto de Itaguassú.

Na intenção de valorizar o enredo do seu estratagema religioso achou melhor entregar a estátua a um dos pescadores, Felipe Pedroso, residente no sopé do Morro dos Coqueiros.         Retirando-se o Conde de Assumar no seguimento de sua viagem, os fiéis, em procissão, acompanharam o felizardo pescador, que, piedosamente, colocou, sob a emoção dos circunstantes, a imagem aparecida entre os "santos" do seu tosco oratório.

 Inglórios os esforços do vigário Vilela junto ao Governador! Tão assoberbado de problemas em sua curta estadia no Brasil à testa da Capitania de São Paulo, não teve sequer a lembrança de sugerir a El Rei o nome do pároco de Guaratinguetá como candidato a bispo de alguma diocese do Reino. Não se desesperançou o padre. Decidiu incentivar a devoção da senhora aparecida, promovendo atos religiosos na casa de Felipe Pedroso. Quem sabe se o seu nome assim ligado à estátua aparecida "milagrosamente", se encheria de fama e repercutiria nos ouvidos do supersticiosíssimo El Rei Dom João V, que ouvia missas sobre missas, distribuía dinheiro a rodo a quantos santos figuravam no calendário, enchia de ouro os conventos e, enlevado por violenta paixão à sua amante, a freira Paula, do Convento de Odivelas, alcançou do papa o título de Rei Fidelíssimo.

As esmolas lançadas, em grande cópia, no oratório da "santa", permitiram ao vigário sonhador da mitra episcopal, repartir com o devoto Felipe Pedroso, que pode obter numerário para comprar uma pequena fazenda e construir casa nova em Ponte Alta, também nas proximidades do Porto de Itaguassú, onde entronizou, em oratório novo, a imagem de terracota aparecida.

A devoção mais importante e mais concorrida nesse local acontecia aos sábados à noite.        
Sucedeu a Felipe Pedroso, após sua morte, na incumbência religiosa, o seu filho Atanásio. Um pouco arredio a essas beatices, este herdeiro achou melhor construir fora da casa uma capelinha para se ver livre das importunações dos devotos e transferiu à Silvana da Rocha o mister de puxar as rezas e os cânticos. Primava a rezadeira-mor, Silvana, em dirigir o rosário dos sábados, incrementando a afluência dos humildes com animados bailes regados a pinga após a reza, na intenção de alegrar os devotos caboclos desprovidos de outros divertimentos. Os anos se passaram e o nome do padre Alves Vilela, sem ser sugerido nas eleições dos bispos!

Em 1742, Dom João V foi acometido de uma paralisia que o imobilizou para sempre, apesar de suas treze jornadas às Caldas da Rainha (nas proximidades de Leiria, ainda muitas pessoas por ser uma das mais importantes estações termais de Portugal), escoltado por um exército de freiras e padres interesseiros. O vigário de Guaratinguetá, agora já encanecido, porém esperançoso, mantinha-se a par de todas as notícias vindas de Além Atlântico.

Conhecedor da carolice de El Rei e sua magnanimidade em proveito dos clérigos, urdiu outra investida com o objetivo de atrair as atenções "majestáticas" sobre si. Certo sábado, em 1743, quando os devotos chegaram à capela, surpresos, deram pela falta da santa aparecida. Atônitos ficaram quando Silvana Rocha desconhecia também o seu paradeiro, mesmo depois de se informar com Atanásio. Desesperados, correram falar com o vigário, que se fingiu surpreendido. Aconselhou-os, porém, a que dessem uma batida nas redondezas e que não se esquecessem de ir até o alto do Morro dos Coqueiros. Dóceis à orientação do padre, vasculharam todos os recantos, e, por fim, subiram os rapazes ao Morro, onde, para alívio geral, encontraram a imagem encostada em uma pedra. Nessa noite, o rosário foi rezado com mais fervor, os hinos mais vibrantes e o baile mais animado com cachaça distribuída abundante na algazarra do reencontro da Senhora Aparecida.

Noutros sábados, o fato misterioso se repetiu sem que os pobres devotos percebessem a mão do vigário atrás de tudo. O padre Vilela, ao sentir-se seguro do êxito de seu plano, num sábado, foi até Ponte Alta puxar ele a reza. Desta feita, ainda outra vez, a busca da imagem fugidiça precedeu o ato religioso, porque o padre ainda outra vez, retirara-a às ocultas e levara-a para o cume do Morro. Então, na qualidade de vigário e ministro de Deus, aconselhou o povo devoto que se construísse no alto do Morro dos Coqueiros um templo para a "santa".

– "Nossa Senhora, afirmava, quer que se construa uma capela lá no alto do Morro".

De imediato, foram abundantes os donativos. Todos queriam concorrer a fim de contentar os desejos da "santa" aparecida no sentido de que lhe erigissem um templo no cume do Morro dos Coqueiros, conforme havia interpretado o vigário aquelas fugas constantes. Em cumprimento de exigências eclesiásticas, o padre José Alves Vilela valeu-se do Bispado do rio de Janeiro, a cuja jurisdição canônica se submetia para requerer a devida licença a fim de edificar o templo. Recorde-se que o Bispado de São Paulo, a cuja jurisdição eclesiástica, posteriormente, pertenceram Aparecida e Guaratinguetá, somente foi criado em 1745.

Na esperança de divulgar nas altas rodas clericais o valor sobrenatural da sua "santa" aparecida, o que lhe poderia render prestígio junto a El Rei, saliento em seu requerimento: "...que pelos muitos milagres que tem feito a dita Senhora, a todos aqueles moradores, desejam erigir uma capela com o título da mesma Senhora da Conceição Aparecida, no distrito da dita freguezia em lugar decente e público por concorrerem muitos romeiros a visitar a dita Senhora que se acha até agora em lugar pouco decente..."

A provisão de licença foi passada na chancelaria do bispado do Rio de Janeiro, em 5 de maio de 1743. E tudo se tornou mui fácil, porquanto, Dona Margarida Nunes Rangel, proprietária do Morro dos Coqueiros, houve por magnanimidade, fazer doação de toda a colina. Afluíram donativos abundantes e, a 26 de julho de 1745, o padre Vilela benzeu o templo e rezou nele a primeira missa, suspirando para que El Rei, o beato sonso Dom João V, se lembrasse dele nas escolhas dos bispos. Já alquebrado pela idade avançada morreu, como simples vigário de Guaratinguetá, o padre ambicioso, e a Aparecida caiu na vala comum das pequenas capelas do Interior Brasileiro.


Em fins do século passado, Aparecida foi tirada de sua insignificância, onde permanecera por mais de cem anos após a morte do seu criador, o vigário José Alves Vilela. Em 8 de dezembro de 1888, o bispo de São Paulo, Dom Lino Deodato de Carvalho, benzeu um novo templo construído em substituição do anterior erigido pelo sacerdote inventor da "santa" e resolveu entregá-lo à administração de alguma ordem ou congregação religiosa.


 A congregação dos padres redentoristas gozava, na época, de grande nomeada nos círculos romanistas, pois o seu fundador, o italiano Afonso de Liguori, além de ser canonizado santo, em 1839, havia sido, em 1871, proclamado pelo papa Pio IX, "doutor da igreja". Dentre as suas diversas obras literárias, destacam-se a "Teologia Moral" e as "Instruções e Método para os Confessores", pelo seu conteúdo repleto de normas utilizáveis com grande resultado no confessionário, o instrumento infernal da escravização das consciências. Por causa da "importância" de Liguori, cresceu a influência de sua ordem religiosa, e também em razão da sua finalidade, que consiste em se disporem os padres, seus membros, a pregar missões populares. Distinguem-se estas por uma série de pregações retumbantes e fantasmagóricas com arremates de procissões imbecilizadoras.

Liguori estabeleceu a sua congregação para a Itália Meridional do seu tempo, com uma população rural ignorante e de sangue quente. Referindo-se a esses italianos, o clérigo redentorista Hitz, observa: "gostam das manifestações fortes... São superficiais, levianos, desmazelados, supersticiosos, e apegam-se, sobretudo, às práticas exteriores da religião" (Hitz –  "A pregação missionária do Evangelho", Livraria Agir Editora, Rio de Janeiro,  1962, pág. 181). Foi para conservar esse povo agrilhoado às superstições romanistas, assim considerado pelos seus líderes religiosos, que Liguori determinou, com minúcias, os temas e os esquemas dos sermões das "santas missões" a serem pregadas por seus padres. No plano do fundador dos padres redentoristas, os fiéis devem, ao final desse trabalho, ser encaminhados ao confessionário para que se consume o seu cativeiro espiritual.

As "santas missões" dos redentoristas fundam-se num moralismo antropocêntrico, infinitamente distante do Evangelho. Aliás, servem bem ao romanismo, cujo ritual coloca o endeusamento da criatura acima de tudo. O bispo de São Paulo, Dom Lino Deodato de Carvalho, julgou os brasileiros semelhantes aos depreciados italianos meridionais por estarem também, os nossos patrícios, seus contemporâneos, encharcados das superstições católicas. E entregou o templo da Senhora Aparecida à direção dos padres redentoristas, em fins de 1894.

Esses padres, incontinenti, começaram suas incursões fanatizadoras pelo Interior dos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio de Janeiro, por meio das missões populares, quando divulgaram profusamente as lendas referentes à Senhora Aparecida. O nosso povo, humilde e distante das fontes puras da Bíblia, aceitou ingenuamente e sem qualquer exame, essa fábula, que, também eu, em criança, ouvi. Pelo confessionário, os redentoristas impunham aos fiéis, narcotizados com as suas mentiras e modelados aos seus caprichos, penitências de rezar fórmulas especiais à Aparecida e de ir ao seu santuário em romarias.

O povo desprovido de recursos essenciais a uima subsistência condigna e imerso nas trevas do analfabetismo, é sempre presa fácil dos embusteiros, máxime quando se apresentam revestidos de roupagens exóticas e com a voz repassada de acentos ameaçadores. Os pregoeiros do "aparecidismo" espalharam entre o nosso pobre e abandonado povo, no intuito de fanatizá-lo e escravizá-lo mais, aquela deslambida "Oração a Nossa Senhora Aparecida para pedir a Sua Proteção", que assim começa: "Oh Incomparável Senhora da Conceição Aparecida, Mãe de Deus, rainha dos anjos, advogada dos pecadores..." Em seguida a esta relação de tantas heresias, o pobre brasileiro suplica-lhe que o livre da "peste, fome, guerra, trovões, raios, tempestades e outros perigos e males que nos possam flagelar".

Aconselhado pelo missionário, o simplório cola o papel dessa reza atrás das portas de sua casa e se supõe imunizado, protegido e livre de todas as desgraças. Quando eu era pároco em Guaratinguetá, num domingo, fui rezar missa numa capela da zona rural. Desabara durante a noite precedente um horrendo temporal. E a notícia lúgubre enchia de tristeza todos os moradores da região! Um raio penetrara numa choça e fulminara todos os seus moradores. Encaminhei-me para lá. Entrei no casebre. Olhos esgazeados de pavor, encontrei três corpos esturricados no chão. E atrás das portas toscas a protetora reza da "incomparável"...

As primeiras "santas missões" populares produziram os frutos esperados. Já em 1900 começaram as romarias. O novo bispo de São Paulo, Dom Antonio Cândido de Alvarenga, continuou o interesse de seu  antecessor, Dom Lino, pela Aparecida, pois previa os resultados financeiros com o comércio da credulidade das massas. Em conseqüência, não só incentivou os vigários das paróquias a promoverem romarias, mas, ele pessoalmente organizou uma. A comercialização e a traficância da devoção à Senhora Aparecida tornaram-se rendosas, além de todas as estimativas, que o bispo de São Paulo não admitiu se tornasse ela paróquia da Diocese de Taubaté.

Com efeito, em julho de 1908, o papa Pio X desmembrou da Diocese de São Paulo, que abrangia todo o território do Estado, as dioceses de Botucatu, Campinas, São Carlos, Ribeirão Preto e Taubaté. Esta incluía todo o Norte do Estado de São Paulo, desde o Município de Jacareí, inclusive, até o limite do Estado Fluminense, à exceção de Aparecida que, apesar de encravada bem no centro do bispado de Taubaté, continuava pertencendo à jurisdição eclesiástica do arcebispado de São Paulo. Ocorreu esta anomalia escandalosa como resultado da ganância do arcebispo, ávido de se locupletar com as fortunas continuamente depositadas nos cofres da Senhora Aparecida.

Em 1931, conforme já referimos, vieram sua proclamação e coroação como padroeira e rainha do Brasil, em execução de uma astúcia política. Antes, o padroeiro do Brasil era "São" Pedro de Alcântara, que, por haver sido membro de ilustre e principesca família espanhola durante o domínio da Espanha sobre o Reino de Portugal, obtivera de Roma esse "padroado".

Os tempos eram outros e o povo brasileiro não se tornara fã do frade espanhol. Então, os "ordinários" brasileiros decidiram aposentá-lo e arranjar do papa um outro padroeiro. Afora o prestígio popular, o candidato, por certo, precisaria satisfazer injunções políticas e ter a sua meca localizada onde houvesse maior concentração demográfica. A paraense Senhora de Nazaré, a capixaba Senhora da Penha e o baiano Senhor do Bonfim, se bem que prestigiados popularmente em suas regiões, careciam satisfazer as outras condições.

Cumprindo-as todas a Senhora Aparecida foi a eleita. Mais recentemente, em junho de 1958, o papa Pio XII criou a Arquidiocese de Aparecida, com o território da paróquia do mesmo nome desmembrado da Arquidiocese de São Paulo, e de outras paróquias retiradas da Diocese de Taubaté. Não obstante, porém, todas as promoções em torno da divulgação dos "fatos" relacionados com a Aparecida, das demonstrações de fé na mesma, das romarias, de suas imensas riquezas... Não obstante os padres afirmarem – da boca prá fora – que crêem na aparição prodigiosa da Senhora Aparecida... Apesar da oferta da Rosa de Ouro pelo pontífice Paulo VI e sua aparatosa entrega em agosto de 1967... Apesar de tudo isso, até hoje, o Vaticano se conservou silencioso a respeito.

Desafio a qualquer padre de Aparecida a que me apresente um documento do pontífice romano pelo qual haja pronunciado sobre a autenticidade dos "acontecimentos prodigiosos" pelo clero divulgado entre o povo. Eles não aceitam o desafio porque nem o papa crê nesse "prodígio". Bem ao contrário! Ele sabe que tudo é falcatrua. E falcatrua tão mal engendrada que nem é capaz de forjar documentos, tática tão de sua índole.

 Só as pessoas fanaticamente narcotizadas pela idolatria não querem enxergar e continuam devotas da Aparecida. A fim de dar aos padres reptados uma dose de calmante, apresento-lhes o parecer do monge beneditino, Estêvão Bettencourt: 
"As autoridades eclesiásticas não se empenham por definir a autenticidade de tais portentos, nem mesmo a dos episódios concernentes à aparição da Senhora Imaculada no Porto de Itaguassú em 1717... A Santa Igreja, de modo nenhum, entende fazer de tais relatos matéria de fé..." (in "pergunte e responderemos" – 71/1963, questão 5). 

Católico! Não continue enganado! 
Use sua cabeça para raciocinar e não vá mais no conto do vigário! O próprio monge beneditino Estêvão Bettencourt declara que aquilo tudo não é "matéria de fé". Ele não crê! Nem o papa e nem os padres prestam fé aos seus relatos sobre a Senhora Aparecida!  

Fonte: ANÍBAL PEREIRA DOS REIS
Resultado de imagem para Famarte Aparecida

Nascido aos 9 de março de 1924 em São Joaquim da Barra, no Estado de São Paulo. Filho de católicos: Manoel Pereira dos Reis e Emília Basso Reis, desde a infância aspirou servir a Deus.

Com esse propósito, submeteu-se à ordenação sacerdotal aos 8 de dezembro de 1949, em Montes Claros, no Estado de Minas Gerais, depois de haver feito os seus estudos eclesiásticos na Faculdade Teológica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Naquela cidade do Norte Mineiro, além de professor de literatura portuguesa e de matemática, coadjutor da catedral, confessor do Colégio Imaculada Conceição, Diretor do jornal diocesano "Tribuna do Norte", Diretor Diocesano do Ensino Religioso, desenvolveu amplas atividades do setor de assistência social, criando e dirigindo o Círculo Operário de Montes Claros.

Transferido para o Recife, Capital de Pernambuco, em 1952, prosseguiu as mesmas atividades sociais à frente da Companhia de Caridade, que, sob sua administração, chegou a ser, como rede de orfanatos e asilos para velhos, a maior e a mais bem organizada obra social católica do País. Tido como excelente conselheiro, seu confessionário era procuradíssimo por muita gente, inclusive freiras e sacerdotes.

 Na aspiração de melhor servir no confessionário, fez curso de neuro-psiquiatria. Vindo para o Estado de São Paulo, em 1960, foi pároco em Guaratinguetá e em Orlândia. Vastíssima folha de serviço deve-lhe o catolicismo.

 Sua ânsia de conhecer sempre mais, levou-o também a fazer o curso de ciências jurídicas. Apesar de ser muito apreciado em seus trabalhos, jamais conseguiu tranqüilizar o seu coração anelante. Quanto mais confissões atendia, mais o seu coração se angustiava. Ansiava ter segurança espiritual conseqüente da certeza de sua salvação.

Em 1961, começou, dirigido pelo Espírito Santo, a estudar a Bíblia com toda a sinceridade de alma. Deus lhe proporcionou, através do novo nascimento, a alegria perene de possuir segurança inabalável de sua salvação.

Com a aceitação de Jesus Cristo, como seu Único e Todo Suficiente Salvador, abandonou a batina e se afastou do catolicismo romano. Em 30 de maio de 1965, fez sua pública decisão por Jesus Cristo e a 13 de junho seguinte desceu às águas, cumprindo uma das ordenanças de Cristo.

Cumprindo determinações impostas por Deus, em seu coração, tornou-se missionário do Evangelho. Deus vem abençoando ricamente esse ministério. Sua longa experiência de sacerdote angustiado, agora se transformou em instrumento do poder de Deus para a conversão de inúmeras almas.

Foi promovido para junto do Senhor em 30 de maio de 1991.

Notas:
1 Aparecida, Capital Mariana do Brasil. Autor Professor. Oswaldo Carvalho Freitas, Editora: Santuário. Aparecida-SP p.85.
2 História de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Autor: Júlio j.
Brustoloni, Editora: Santuário. Aparecida-SP p. 20
3 Mesmo livro citado, p. 20-21 — nota de rodapé 5.
4 Mesmo livro citado, p. 21 — nota de rodapé 6.
5 Mesmo livro citado, p. 21-22.
6 Mesmo livro citado, p. 43.
7 Mesmo livro citado, p. 346.
8 ldem — p. 347.
9 Dicionário Aurélio de Holanda Ferreira.
10 Enciclopédia de Norman Champlin e Paulo-SP. Vol 3, p. 206.
11 O Culto a Maria Hoje. Autores: Vários. Sob a direção de Wolfgang Beinert. Editora: Paulinas. São Paulo-SP p.33.
12 O mesmo livro citado. p. 33.
13 O mesmo livro citado. p. 33.
14 Diálogo Ecumênico. Autor: Estevão Bettencourt . Editora: Lúmen Caristi. Rio de Janeiro-Ri. p. 231.
15 Mesmo livro citado, p. 232.
16 Sermões. Autor: Padre Antonio Vieira. Editora: Lello & Irmãos. Porto —Portugal.
1 7 Atlas Histórico do Cristianismo. Autora: Andréa Dué. Editoras: Santuário / Vozes. São Paulo-SP p.72.
18 Glórias de Maria. Autor: Afonso Maria de Ligório. Editora: Santuário. Aparecida-SP p. 100
19 Mesmo livro citado, p.76.
20 Mesmo livro citado, p.2’7.
21 Mesmo livro citado, p.l47.
Fonte: Revista Defesa da Fé
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6802.htm
Viva vencendo a idolatria que como praga, avança por todo o mundo!!!
Abraços.
Seu irmão menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário