24 dezembro 2016

MERECE CONFIANÇA O NOVO TESTAMENTO?


Resultado de imagem para MERECE CONFIANÇA O NOVO TESTAMENTO?

Existem muitos personagens e literatura farta, contra a bíblia e contra a narrativa dos homens nela citados. Principalmente sobre Jesus há, milhares de milhares de escritores, pensadores, intelectuais e até religiosos que desmentem o nascimento, vida e ressurreição do meigo Salvador.
Diante disso, é preciso esclarecer algumas situações e fatos, para que não haja qualquer dúvida sobre a existência de Jesus, dos apóstolos, da igreja nascedora no Pentecostes e assim, da salvação pregada hoje, como foi naqueles dias.
Claro é que, não vou convencer ninguém de que o que está registrado abaixo é verdade, embora é o meu desejo. Mas, se as pessoas não estiverem abertas a crer, será inútil tentar 'força-las' a crerem.

Mas, os que zombam da história da bíblia, dos relatos dela e de Jesus, principalmente, poderiam me responder apenas uma pergunta que, ao meu ver é tão simples? Como não creem em Jesus que tem farta documentação sobre Ele, mas creem em Nero, Julio César e Platão? A quantidade de escritos desses homens e sobre eles é menor do que está dito por Jesus e do que foi escrito sobre Ele. Não seria um contra senso, acreditar na existência daqueles e desprezar a existência Desse?

A rebeldia do homem contra Deus, definida desde a Queda, explica muito bem os motivos que levam tantos homens, há tanto tempo, a questionar a autenticidade do Novo Testamento: reconhecer a sua veracidade é o mesmo que reconhecer a divindade de Cristo. Por outro lado, parece que a existência de Jesus e a história inicial da Igreja é boa demais para ser verdadeira - não há paralelo nenhum no restante da história da humanidade. O texto neotestamentário é espetacular! O seu relato é incrível. 

O Filho de Deus realmente esteve entre nós?! E quanto à descida do Espírito Santo no Pentecostes? E aqueles discípulos "que abalaram o mundo", realmente existiram? Nenhum documento do Novo Testamento aparenta ter sido escrito depois dos fatos e como uma obra de ficção. De tão surpreendente, parece fugir das capacidades inventivas humanas - a forma como ele se associa ao Antigo Testamento, a perfeição centralizada em Cristo, com Sua sabedoria, Seu comportamento e Sua missão, a inteligência suprema de documentos como os de Lucas e a simplicidade notável e sincera de gente como Pedro, os embaraços pelos quais alguns de seus maiores heróis passaram... A construção da narrativa é genial e as discrepâncias apenas demonstram a sinceridade dos relatos de testemunhas diversas que escreveram separadamente. O mais surpreendente, porém, é que temos vestígios documentais de até vinte anos após a morte e a Ressurreição de Cristo e demais evidências arqueológicas do Primeiro Século. As pessoas que presenciaram os fatos ainda estavam vivas quando alguns rastros que interceptamos foram deixados - e nenhuma se opôs ao que estava sendo dito sobre Jesus e os apóstolos. De onde mais teria vindo, senão da Ressurreição do Filho, a incomparável disposição que emanava na nova fé, impulsionando-a de Jerusalém para a Judeia e a Samaria e, por fim, aos confins da Terra?! (Evidências de Jesus no Primeiro Século?; Os Mais Antigos Testemunhos da Divindade de Cristo; Os Mais Antigos Testemunhos do Novo Testamento). Analisemos alguns argumentos em prol da veracidade do testemunho dos primeiros cristãos: 

1 - Os livros do Novo Testamento foram reconhecidos por meio de um cuidadoso processo de filtragem: O processo de filtragem dos livros neotestamentários foi do século I ao IV. Essa seleção se tornou necessária por causa do uso das Escrituras na adoração cristã, por advento do surgimento de heresias e por intermédio da perseguição. Era necessário ter certeza do material usado em culto, identificar as crescentes heresias e não morrer por livros que não fossem autênticos. 

Os livros que foram entendidos como parte do Cânon do Novo Testamento foram aqueles vislumbrados como tendo sido inspirados pelo Espírito Santo. O livro associa-se a algum apóstolo? Entra em concordância com outros livros considerados autênticos? É amplamente usado e aceito pelas comunidades cristãs? Esses eram alguns dos critérios de análise. 

2 - O Novo Testamento encontra bases em fontes confiáveis, usadas com critério e transmitidas fielmente: Lucas, em seus livros, deixou claro o uso de fontes (Lc 1:1-4) e enfatizou o testemunho ocular como base da tradição (Lc 1:2). O intervalo de tempo entre os livros e os acontecimentos é pequeno, se comparado aos demais documentos históricos do século I - Lívio e Dionísio de Halicarnasso estavam séculos separados de muitos eventos que registraram. O mais consolidado entendimento dos textos neotestamentários indica sua redação entre vinte e menos de setenta anos depois dos fatos. 

O judaísmo dependia da capacidade de transmitir as tradições com cuidado através das gerações. Tratava-se de uma religião de memórias, coisa que o cristianismo absorveu nas primeiras décadas de sua existência - as pessoas memorizavam longas orações litúrgicas e era mais frequente que orassem de memória do que de leitura. O judeu era educado para decorar livros inteiros do Antigo Testamento. Os primeiros cristãos certamente consolidaram uma confiável tradição oral acerca dos ditos de Cristo, rapidamente transferida para fontes que serviram de bases para os Evangelhos Sinóticos. 

Há, por fim, uma farta quantidade de manuscritos antigos do Novo Testamento, largamente superior ao que temos de qualquer outro livro da Antiguidade. Além de número, há manuscritos completos e de excelente qualidade. Enquanto Platão, Heródoto e Aristófanes têm entre 1 e 20 manuscritos, o Novo Testamento tem 5.400 manuscritos só em grego, a língua original, que podem ser usados para comparação e interceptação das palavras genuínas, além de mais de 8.000 em latim. No total, há mais de 20 mil manuscritos antigos neotestamentários. Mesmo que essa enorme quantidade de documentos acarrete em mais variantes, a análise dos textos direciona para a certeza quase que absoluta da redação original, sobrando pequenas dúvidas em menos da milésima parte do material e em questões de pouquíssima relevância histórica e teológica. 

O que sabemos sobre o comportamento dos cristãos, desenterrado pela arqueológica e vislumbrado em diversos textos antigos, também ajuda a lançar luz sobre como se entendia o Novo Testamento no início da Era Cristã, nos possibilitando entender ainda mais sobre como eram os textos originais, que consolidavam a prática.

3 - A declaração da confiabilidade exige o entendimento da complexidade da história: As diferenças entre as narrativas não apontam, necessariamente, para contradições e para a negação da história. Os mesmos eventos podem ser considerados partindo de diferentes interesses e perspectivas sem prejudicar a historicidade. Dessa forma, ao invés de atrapalharem, as diferenças entre os quatro Evangelhos apenas enriquecem o conhecimento que podemos ter acerca de Cristo. Além disso, as posteriores reflexões dos autores acerca do assunto não indicam que o mesmo seja uma invenção, pois é comum termos uma percepção melhor das coisas apenas depois de elas terem ficado no passado, quando estamos diante dos eventos que as sucederam.


4 - A declaração da confiabilidade não exige um conhecimento completo sobre o assunto: Mesmo quando exatas, as fontes são selecionadas, conforme verificado em João 21:25. Não apresentar o relato completo não é o mesmo que relatar o contrário do que aconteceu - a declaração de confiabilidade sustenta que aquilo que os autores selecionaram já seria o suficiente para o objetivo de seu trabalho. Para falar de maneira exata, não é necessário falar de maneira exaustiva.

5 - O papel da arqueologia na confiabilidade do Novo Testamento: A arqueologia dificilmente comprova a ocorrência de acontecimentos, mas ajuda a corroborar detalhes da narrativa. A arqueologia tem mostrado que é perigoso apontar erros históricos na Bíblia simplesmente porque ela os relata, uma vez que as escavações têm desenterrado muita coisa antes rejeitada, como o Tanque de Betesda.


6 - As declarações bíblicas sobre os milagres e a reposta dos discípulos à Ressurreição: Os eventos dos Evangelhos foram registrados durante a vida de muitos daqueles que afirmaram tê-los testemunhado. Isso vale para os milagres e, especialmente, para a Ressurreição de Cristo: aqueles que a acompanharam foram completamente transformados. Os próprios discípulos declararam abertamente que não tinham nenhum treinamento formal e que foram incapazes, ao longo de anos, de responder positivamente à Jesus - mas, passada a Ressurreição, eles se tornaram pregadores poderosos e líderes corajosos, perseverando e resistindo, mesmo diante das ameaças de tortura e morte. Temos uma multidão de líderes cristãos do início da Era Cristã que padeceram pela fé, sendo o apóstolo Paulo o mais notável.  
Fonte: Bíblia de Estudo Defesa da Fé, 2010, pgs 1527-1528, artigo de Darrell L. Bock

Se não crermos na narrativa neotestamentária, não poderemos crer na maioria das informações históricas que temos da Antiguidade. Há mais evidências para Jesus Cristo do que para Júlio César. E o legado do Messias é maior do que o daquele que personificou o ideal de "Imperador Romano". O maior sábio de todos os tempos, a mais influente figura histórica, o mais completo dos líderes, tido por alguns também como o maior dos psicólogos, aquele que realizou milagres assombrosos, que moveu multidões, que morreu e ressuscitou, que veio a Se tornar a espinha dorsal da Civilização Ocidental, poderia ter sido inventado por alguém? 
Por acaso existiu no mundo indivíduo tão intelectualmente completo, à ponto de conseguir inventar Jesus? E construir uma narrativa profética tão poderosa e surpreendentemente ligada aos Escritos e à história judaica? E esse alguém seria capaz de convencer pessoas do século I de terem visto e acompanhado alguém tão espetacular, se, na realidade, esse indivíduo nunca existiu? 

Que o crítico das Escrituras lide com a quantidade de evidências do fervilhar do cristianismo desde meados do Primeiro Século.

"O Novo Testamento também foi preservado nas diversas citações dos Pais da Igreja, feitas em seus sermões, comentários, cartas e outros trabalhos. A maior parte delas está entre os séculos IV e V. 

É possível reconstruir praticamente todo o Novo Testamento só com essas citações - só com Orígenes isso quase é possível. 

Justino Mártir citou o NT 387 vezes; Irineu, 1.819 vezes; Clemente de Alexandria, 2.406 vezes; e Orígenes, 17.922 vezes. 

Alguns dos Pais da Igreja(e inimigos dela), mais importantes para a Crítica Textual são: 

- Agostinho (354-430); 
- Ambrósio (337-397); 
- Atanásio (295-373); 
- Basílio (330-379); 
- Cipriano (200-258); 
- Cirilo (370-444); 
- Cirilo (315-386); 
- Clemente (155-215); 
- Eusébio (265-339); 
- Gregório (330-394); 
- Hipólito (170-235); 
- Irineu (140-202); 
- Jerônimo (340-420); 
- João (345-407); 
- Justino (100-165);
- Marcião (90-160); 
- Orígenes (185-254); 
- Taciano (110-172); 
- Teodoro (350-428); 
- Tertuliano (150-220)"

Fonte: Crítica Textual do Novo Testamento, Wilson Paroschi, Vida Nova, 2008, pgs 15-21 e 43-73.


Nenhum comentário:

Postar um comentário