04 junho 2017

‘A COMUNIDADE LGBT ESTÁ SENDO EXPULSA DAS ESCOLAS’, DIZ ATIVISTA


O professor e diretor presidente da Aliança Nacional LGBTI, Tony Reis(foto), é uma figura controversa, que já teve grandes embates com quem se opõe à imposição da agenda gay no Brasil. Ele teve atritos públicos com Silas Malafaia, e tentou impedir que pastores falassem contra homossexualidade na TV.


Após uma série de derrotas na esfera federal no tocante ao ensino da chamada “ideologia de gênero” nas escolas, Reis tenta junto à imprensa transformar isso em violação dos direitos humanos e reclama: “Há um setor da sociedade que saiu do armário: os conservadores.”

Para o ativista, essa reação após anos de liberdade nos governos petistas é “preocupante”. Apesar de tudo que já foi mostrado pela imprensa e por parlamentares como Jair Bolsonaro sobre como essa questão estava impregnada no sistema escolar, ele insiste que expor crianças à homoafetividade como algo natural é apenas ensinar “respeito à diversidade”.

No seu entendimento, o movimento LGBT está perdendo força junto às escolas.  “Uma pesquisa mostrou que 70% dos professores não sabem como lidar com essa questão [ideologia de gênero], então eles silenciam os alunos sobre ela”, insiste, reclamando que “falta também material didático-pedagógico”.

Ao analisar os motivos pelo qual isso vem acontecendo, ele reconhece que os conservadores “acordaram”. Em entrevista ao Globo, afirmou que os ativistas gays pretendem “processar o Estado” após a retirada de termos como “orientação sexual” da Base Nacional Comum.

Entrevista no O Globo 31/06/2017

RIO - Professor e diretor presidente da Aliança Nacional LGBTI, Tony Reis é taxativo: "Há um setor da sociedade que saiu do armário: os conservadores." O ativista afirma que, embora as leis tenham avançado no sentido de garantir direitos para a população LGBT, o preconceito continua fazendo vítimas, sobretudo, nas escolas.

O cenário é preocupante no que diz respeito ao preconceito de gênero e orientação sexual na escola? Há muitos casos de violência?
Os marcos normativos da legislação são os melhores possíveis, no âmbito nacional e internacional. Mas a realidade nua e crua das escolas é o contrário. Eu me lembro, como gay, que me sentia inseguro, apanhei muito. Passou tanto tempo e eu vejo que as coisas continuam iguais, e com o aval de muitos legisladores que querem proibir a discussão de gênero nas escolas com argumentos que beiram a ignorância. Dizem que vamos ensinar as pessoas a serem gays. Não queremos ensinar ninguém a ser gay, queremos cidadãos que respeitem a diversidade.

Você disse que no aspecto legal estamos caminhando. O que falta para que esses casos parem de ocorrer?
Os professores precisam ter educação inicial. Sou professor e nunca ouvi falar sobre discussão de gênero e orientação sexual na minha formação. Se um professor não se sentir seguro e sensibilizado, não vai tratar do assunto. Uma pesquisa mostrou que 70% dos professores não sabem como lidar com essa questão, então eles silenciam os alunos sobre ela. Falta também material didático-pedagógico.

Como transpor essas questões? Estamos em um momento que favorece retrocessos?
Temos que lutar com todas as forças e processar o Estado. Há um setor da sociedade que não quer igualdade entre as pessoas. Há um setor da sociedade que saiu do armário: os conservadores. Mas nós não vamos voltar para o armário. Precisamos dialogar. Precisamos de posições mais flexíveis para chegar a um denominador comum.

As escolas estão preparadas para lidar com o preconceito? Qual sua opinião sobre a retirada de termos como “orientação sexual” da Base Nacional Comum?
Há poucas e raras exceções. Tem que ser ousado para quebrar o paradigma que prega que é natural ser homofóbico, machista, e cultural ser racista. Hoje os grandes problemas na sala de aula são o machismo, o racismo e a homofobia. Espero que o CNE veja que temos um problema, que a comunidade LGBT está sendo expulsa das escolas e ela precisa estudar.


Veja O Globo AQUI

Comentário do Editor

Eu fico feliz por isso estar acontecendo. Na verdade, vejo aí uma ação do próprio Deus.

O Movimento LGBT tem toda sua liberdade para viver e divulgar sua forma de viver, mas, respeitando a individualidade do outro que pensa diferente.
E no caso especificamente da inconveniência de quererem ensinar(leia-se, doutrinar) a tal da 'orientação sexual' ás crianças, sempre repudiaremos, denunciaremos e falaremos contra. 
Se  é impossível aceitar que crianças sejam abusadas, vemos que da mesma forma, é impossível aceitar que as mesmas sejam alvo, na sua tenra idade de terem que aprender sobre um assunto que não faz parte da sua vida escolar, de seu aprendizado e muito menos de sua infância.

Que Deus levante uma multidão de "conservadores" no Brasil, para que possam deter a 'ideologia de gênero'.

Fica meu agradecimento ao Senhor Deus e meu pesar ao senhor Tony Reis, que tem sido um instrumento do mal, para arruinar milhões de crianças desse país.

Que Jesus o salve e o liberte.

Viva vencendo, dizendo não ao pecado e aos promotores dele!!!

Abraços.

Seu irmão menor.

Vejam aqui dois vídeos onde Pr. Silas Malafaia debate na CDH(Comissão de Direitos Humanos) sobre a 'Criminalização da Homofobia'.
Em seguida, há outro vídeo onde, ele e Tony Reis, debatem sobre a 'Orientação de Gênero'.

Vídeo - 01


Vídeo - 02 - Veja a partir de 26:40min




Nenhum comentário:

Postar um comentário