21 junho 2017

ANOS-LUZ “A DISTÂNCIA ENTRE IGREJA CRISTÃ PRIMITIVA E A IGREJA ATUAL”


Existe Igreja local que não careça de melhoria? Existe igreja local sem falha?

A distância moral, ética e espiritual entre a Igreja Cristã Primitiva e as Igrejas Locais desse século é um fato ignorado pelas lideranças de igrejas locais.  É fato que toda igreja local é uma organização e por tanto gerida por homens falíveis, que mudam de opiniões, sejam “essas” teológicas, litúrgicas e principalmente em usos e costumes. Antes de iniciar a introdução dessa postagem é necessário que o caro leitor tenha em mente que liderar é a habilidade de influenciar pessoas.

Se avaliado com honestidade e sem fanatismo encontraremos tais fatos (escândalos) entre igrejas cristãs primitivas, ainda que suas histórias e comportamentos tenham contribuído para formação das bases teológicas e litúrgicas posteriores ao seu tempo. Muitos não aceitam, mas apóstolos como Pedro e Paulo falharam em algum ponto de suas vidas mesmo após a conversão, cada um dentro de sua estrutura de fé “quem lê estude e entenda”, porém suas falhas eram dentro de um plano puramente humano e, portanto aceitável, o que não interferiu na formação e continuidade ortodoxa da igreja cristã.

É perceptível uma inquietação no mundo religioso nesses dias que antecedem ao Arrebatamento da Igreja. A história da igreja cristã tem sido construída através de choques multiculturais desde sua fundação visível, o primeiro exemplo relevante é visto dentro da própria cultura judaica, aonde a mesma (igreja) vai aos poucos se afastando (da cultura judaica) e tomando uma identidade própria mais parecida com o seu mestre por excelência (Jesus). É nesse ponto que a igreja cristã primitiva (apesar de suas limitações) difere em diversos aspectos da igreja atual. As lideranças da igreja primitiva lideravam e administravam para que a mesma seguisse os passos de Jesus e assim se tornassem parecidos com o seu Senhor, porém a igreja cristã atual em sua maioria é liderada e gerenciada para que o povo se identifique com as principais lideranças denominacional.

O que alarma não é a identificação entre lideres e liderados dentro de uma situação natural, mas a imposição pessoal concernente a ideologias, costumes, liturgias, e interpretações doutrinarias de cunho legalista ou libertino gerando na igreja um peso que não lhe é próprio. Isso é fato, a igreja vive uma fase extremamente perigosa quanto a sua atuação na sua missão para com o Reino de Deus, e, diga-se de passagem, o peso maior está sobre a postura da liderança, os liderados com algumas exceções seguem as orientações e exemplos dos seus lideres. E nesse aspecto é perceptível que a igreja local vai aos poucos se distanciando do seu papel dentro do evangelho de Cristo por responsabilidade dos maus exemplos de seus líderes.
Vejamos o que o apóstolo Paulo escreveu aos Filipenses 3.17      “Irmãos, sigam unidos o meu exemplo e observem os que vivem de acordo com o padrão que lhes apresentamos”.

Logo, seguir o exemplo do líder é algo natural, à questão é: O que a igreja atual (desse século) tem de bom exemplo por parte de alguns líderes. Essa diferença notória entre liderança da igreja cristã primitiva e a atual (desse século) só pode ser medida em anos-luz, isso pode causar choque em alguns, mas necessitamos lembrar que foram choques como esse, que motivou alguns a fazer a diferença em meio a uma geração corrompida ou que estava se corrompendo. Para isso temos três alternativas:

1)       Primeiro, Ser indiferente;
2)       Segundo, Fazer a diferença conforme os moldes bíblicos e agir consciente de que se pagará um preço;
3)       Terceiro, Fazer parte do sistema e se corromper.

O Apóstolo Paulo escreveu o seguinte texto 1 Coríntios 11.1 “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo ”.

Chegamos à conclusão que a principal causa dessa vergonha eclesiástica está em que deixamos de imitar a Jesus Cristo para imitar unicamente aos homens e aos seus desígnios ambiciosos que alimentam suas próprias paixões. Deixamos de buscar os valores do Reino de Deus para nos adequarmos aos moldes de diretrizes antropocêntricas. O Evangelho puro, simples e todo poderoso é substituído por filosofias intelectuais de arranjos de homens gananciosos, adúlteros, violentos, materialistas e amantes de si mesmo. A igreja local independente de bandeira está perdendo sua identidade principal, o “Amor de DEUS”. Jesus nosso exemplo por excelência, em seu ministério buscou a vontade e a glória de DEUS; mas o que busca as lideranças atuais, seria a Glória de Deus?  A vontade de DEUS? O Reino de DEUS?

A igreja local necessita voltar ao Evangelho de Cristo. Entender o que é evangelho é o primeiro passo para correção dessa tragédia espiritual e moral da igreja atual. O Evangelho não tem interesse em condenar, mas salvar; O Evangelho não é arrogante, mas gracioso; O Evangelho não condena, mas está pronto a perdoar apresentando a graça de Deus; O Evangelho não faz acepção, mas procura alcançar a todos independente de cor, raça, idade, posição social e religião; O Evangelho não é negociável, pois é gratuito e está disponível a todos quantos crer; Denominações não são proprietárias do Evangelho; Nações, povos, tribos, governos, líderes, sistemas, religiões, religiosos ou qualquer outra coisa não tem autoridade sobre o Evangelho, pois é poder de DEUS.

O Evangelho é paciente, é bondoso, não inveja, não se vangloria, não se orgulha, não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.  O Evangelho não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Isto é Evangelho, isto são boas novas de Salvação, portanto Tudo isto é Jesus Cristo. A Igreja necessita voltar a Cristo.  Existem as exceções, mas quem as conhece os chamará de pessoas e não de organizações.

Amo, respeito e intercedo pela igreja local (denominação) a qual faço parte e sou membro, mas reconheço que, assim como ela as demais necessitam acordar antes que muitas almas percam a visão do Evangelho “Cristo”.

A distância moral, ética e espiritual entre a Igreja Cristã Primitiva e as Igrejas Locais desse século talvez seja possível mensurar utilizando a escala intergaláctica anos-luz já que não é possível se alcançar com simples informações.

Perguntas que busco resposta:

a) A Igreja local terá tempo para uma nova reforma?
b) Seria necessária mesmo uma reforma?
c) O que seria necessário para que a igreja local se volte exclusivamente para Cristo?
d) Que reforma a igreja atual necessita?
e) O que será necessário para um verdadeiro avivamento bíblico na igreja atual?
f)  Que choque produzira na igreja atual uma volta a Cristo?
g)  Se você tem todas as resposta m

Adaias Marcos Ramos da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário